Saiba mais sobre as 4 semanas do Advento e se prepare para o Natal

A palavra “advento” tem origem latina (“adventus”) e significa “chegada”, “aproximação”, “vinda”

Ao findar do mês de Novembro, a Igreja Católica encerra o Ano Litúrgico (o espaço de tempo em que se celebra todo o mistério de Cristo, sendo: o tempo do Advento, Natal, Epifania, tempo comum, Quaresma, Semana Santa, Páscoa, tempo pascal, Pentecostes e tempo comum até encerrar-se o ciclo no primeiro domingo do Advento) com a Festa de Cristo Rei do Universo. Mais um ciclo em nossa caminhada de fé acaba e um dos símbolos é ter as portas centrais das paróquias fechadas ao final desta celebração.

 Também é momento para se preparar para a segunda maior festa cristã: o Natal do Senhor, tempo em que celebramos duas verdades da fé: as vindas de Jesus. A primeira deu-se com Seu nascimento em Belém; e a segunda, chamada de Parusia, quando Ele virá, em poder e glória, em dia e hora desconhecidos.

Para que o Natal seja vivido de maneira solene e íntegra, devemos nos preparar adequadamente. Para isso existe um caminho que devemos percorrer que é chamado de Tempo do Advento.

 O que é o Advento?

 A palavra “advento” tem origem latina (“adventus”) e significa “chegada”, “aproximação”, “vinda”. Este tempo acontece de acordo com o calendário da solenidade do Natal. Este ano, o Advento começou no primeiro domingo após a Solenidade de Cristo Rei do Universo (02/12) e vai até a tarde anterior ao Natal.

 Os primeiros indícios da existência deste tempo de preparação para o Natal datam do século V, quando o Bispo de Tours, São Perpétuo, decreta um período de três dias de jejum antes do nascimento de Jesus. Mais tarde, o papa São Gregório Magno foi o primeiro a escrever um documento oficial para o Advento.

 É dividido em duas partes, sendo que a primeira, que vai até 16/12, é marcada pela espera alegre da segunda vinda de Jesus (a Parusia). A segunda se destaca pela recordação do nascimento de Jesus.

 Aqui, dois personagens se destacam: Maria e João Batista. Ela, porque foi A escolhida por Deus para ser a progenitora Daquele que viria para salvara humanidade; e João Batista, porque foi o precursor do Messias, responsável por preparar os homens para a chegada do Cordeiro.

 Durante este tempo algumas alterações acontecem na Missa, na decoração das paróquias e nos paramentos: não se reza o Glória, as músicas passam a contar com menos instrumentos, os enfeites são reduzidos para deixar a Igreja mais sóbria e a cor das vestes é roxa. Tudo isso para expressar a ansiedade, o desejo para a chegada em que o tempo do regozijo será pleno.

As paróquias realizam diversos encontros de preparação, Novenas, convidando toda a comunidade a participar destes momentos de reflexão para que a noite do Natal não seja apenas um momento social, mas seja inundado pela fé.

 As quatro semanas do Advento

 O Advento dura um mês. São quatro semanas de preparação, em que somos convidados a refletir sobre o nascimento Daquele que veio nos dar a vida! São quatro domingos celebrativos em que as paróquias vão se transformando, sendo adornadas com o brilho das luzes. O destaque dos altares é a Coroa do Advento, formada por quatro velas, sendo três roxas e uma rosa.

 Mas, por que uma vela de cor diferente? Porque o terceiro domingo do Advento (16/12) é chamado de Domingo da Alegria por causa da Antífona cantada na Procissão de Entrada que diz: “Alegrai-vos sempre no Senhor!”, mostrando a alegria pela proximidade do Natal. E a vela que o representa é a de cor rosa.

 Vamos conhecer os detalhes de cada uma das semanas que formam este belo tempo do advento, que deve ser vivido intensamente entre as famílias para que a noite de Natal ganhe ainda mais brilho e sentido.

 Primeira semana do Advento

 O início do tempo do Advento convida-nos a estar em constante vigilância na espera pelo Senhor. Dois pontos da Liturgia são destaques: “Vigiai e estai preparados, porque não sabeis a que hora virá o Filho do homem” (Mt 24, 42–44) e “Por que dormis? Levantai-vos e orai, para que não entreis em tentação” (Lc 22,46). Uma das três velas roxas é acesa, como sinal desta vigilância e do desejo da conversão.

 Segunda semana do Advento

 Ainda dentro do contexto da espera pela segunda vinda do Senhor, a Parusia, nesta semana o convite à conversão fica ainda mais claro, quando se lê nas celebrações: “Fazei penitência, porque está próximo o reino dos céus. Preparai os caminhos do Senhor, endireitai as suas veredas” (Mt 3, 2-3). Tal ação demonstra o quanto devemos nos esforçar para nos reconciliarmos com Deus. A segunda vela roxa é acesa.

 Terceira semana do Advento

 Esta semana introduz a Igreja na primeira vinda de Jesus. Seu nascimento em Belém. Por isso, a Liturgia nos recorda o SIM de Maria. É nesta semana que celebramos também a Festa da Imaculada Conceição, Aquela que se colocou inteira à disposição dos planos de Deus. Sua entrega inaugurou um novo tempo para a humanidade.

 A Liturgia destaca medita o papel de Maria, jovem virgem prometida a casamento, e a devoção a ela por meio do Rosário: “Faça-se em mim segundo a vossa palavra”. É nesta semana que a vela rosa da Coroa do Advento é acesa como sinal de esperança.

 Quarta semana do Advento

 Já próximos do Natal do Senhor e com uma caminhada extensa, profunda e importante por este momento tão aguardado, chegamos à última semana deste tempo de preparação, de espera. Nela ouvimos o anúncio do nascimento a José: “Eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonho, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria como tua esposa, porque aquele que foi nela concebido é obra do Espírito Santo” (Mt 1,20).

 Na celebração a última vela da Coroa do Advento é acesa. Ao chegarmos neste ponto, nossas casas, ruas, lojas e paróquias já estão completamente decoradas pelo brilho da luz criada pelo homem, formando um caminho que nos leva ao presépio ainda vazio.

 Sobre a Coroa do Advento

 É o primeiro anúncio do Natal. Sua cor verde, sinal de esperança e vida, é enfeitada com uma fita vermelha, simbolizando a manifestação concreta de Seu amor. Também é sinal do nosso amor a Ele e ao Seu Filho.

Publicado em Nossa Sagrada Família.

Leia também:

O que significam os símbolos do Natal? Entenda (Blog da Família – Nossa Sagrada Família).

Dia de todos os santos – 1º de novembro

Hoje, 1º de novembro, celebramos o Dia de Todos os Santos, entretanto no Brasil, esta Solenidade é transferida para o próximo domingo. A origem desta festa se deu no século IV, com a celebração de todos os mártires, no primeiro domingo depois de Pentecostes, mas anos depois, em 835, ela foi transferida pelo papa Gregório IV para o dia 1º de novembro. Sendo que, posteriormente, a Solenidade se tornou ocasião para celebrar Todos os Santos, não só os mártires, inclusive os desconhecidos.

Portanto, celebrar a festa de Todos os Santos é fazer memória destes incontáveis irmãos que nos precedem na contemplação do rosto de Deus em nossa Pátria Celeste, é recordar o testemunho daqueles munidos de obediência ao mandato divino, crucificaram suas paixões e se ofertaram como hóstia viva por amor ao Reino dos Céus.

Sendo assim, tal celebração também nos oferece a oportunidade de refletir sobre o que é ser santo. Neste aspecto, observa-se que houve uma época que se pensou que a santidade era alcançável somente para religiosos, para tanto para refutar esse pensamento, o Concílio Vaticano II recordou sobre a “vocação universal à santidade”, e que todos são chamados à perfeição cristã, como pedira Nosso Senhor Jesus Cristo: “sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5, 48).

Neste dia, peçamos a Jesus que “dos santos todos fostes caminho, vida, esperança, Mestre e Senhor” que nos ajude a não nos conformarmos com este mundo e a buscarmos sempre fazer da santidade nosso projeto de vida. Aos nossos Santos, agradeçamos pelas indicações deixadas de como amar a Deus, por nos apontarem que a santidade está ao nosso alcance e por intercederem por nós junto a Deus.

Todos os santos do céu, rogai por nós!

Publicado em Comunidade Olhar Misericordioso.

O nascimento de Jesus é o grande motivo da nossa alegria!

Queridos paroquianos,

Na mensagem de Natal deste ano quis unir e partilhar com vocês três breves pensamentos de autores diferentes: do doutor da Igreja São Leão Magno, do padre espanhol Fernández Carvajal e do teólogo suíço Hans Urs von Balthasar.

            Certamente os festejos natalinos deste ano serão  diferentes de todos os que a nossa geração já vivenciou até agora. Se ficarmos limitados aos acontecimentos sociais, culturais e da área da saúde, talvez  não encontremos motivos para nos alegrar e festejar. Praticamente desde o início deste ano, o medo e a preocupação causados pelo covid-19, vêm tomando conta da nossa forma de viver. Mas, espiritualmente somos convidados a encontrar em Jesus, no Menino-Deus, a alegria e a esperança para a nossa vida. Assim escreveu São Leão Magno: “Não pode haver tristeza quando nasce a Vida. Dissipando o temor na morte, enche-nos de alegria com a promessa da eternidade. Ninguém está excluído da participação nessa felicidade”. Não pode existir tristeza no dia do nascimento da Alegria! Sim, Jesus é a nossa Alegria, motivo primeiro e ápice de toda a nossa existência. No dia em que Deus veio nos visitar, e morar entre nós, temos que acolher jubilosos em nosso coração o belíssimo anúncio do anjo, na ocasião para os pastores e hoje para todos nós: “Não temais, eis que vos anuncio uma Boa-Nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor” (Lc 2, 10-11).

O texto bíblico relata que após o anuncia do anjo, os pastores foram à Belém procurar o Menino Jesus. Assim como eles, nós devemos procurá-lo e encontrá-lo, não apenas na noite de Natal, mas em todos os dias. O padre Fernández Carvajal, ao escrever uma homilia natalina, destacou: “Se Deus se fez homem e me ama, como não procura-lo? Como perder a esperança de encontrá-lo, se é Ele que me procura?” Foi Jesus, o Emanuel, que desceu do céu para vir ao nosso encontro. A iniciativa foi d’Ele! Isso é uma demonstração claríssima do seu amor benevolente por nós. Este encontro de Deus com a nossa fragilidade humana, nos enche de profunda esperança. Quando contemplamos o seu nascimento não temos dúvidas do quanto Ele nos ama. E ao contemplarmos este amor, só nos resta retribuí-lo com amor e com gratidão. Gratidão por mais um Natal que estamos celebrando, por mais um ano que estamos concluindo, mesmo que tenhamos passado por alguns contratempos. Não esqueçamos que a doce presença do Menino de Belém tem nos acompanhado até agora, e nos acompanhará por todo o sempre. Entendamos uma coisa, Ele veio nos procurar para que encontrados por Ele encontremos o único motivo que nos dá  sentido de viver para além das circunstâncias adversas que estamos passando. E que o nosso encontro com Ele seja feito, não somente na noite de Natal, mas em todos os dias deste Novo Ano.

Na dinâmica cotidiana do encontro de Jesus com cada um de nós, o teólogo Von Balthasar, ressalta que: “Com o nascimento de Jesus, se iniciou para nós uma história de amor onde Deus é o roteirista, o Espírito Santo é o diretor, Jesus é o ator principal e nós somos os coadjuvantes”. Ou seja, com o Natal passamos a participar de uma belíssima história de amor onde a Trindade e cada um de nós tem um papel importantíssimo a desempenhar. Deus é o roteirista, é Ele quem escreve a nossa história. O Espírito Santo é o diretor, é Ele quem dirige e guia nossa vida. Jesus é o protagonista, é o ator principal com quem contracenamos. Somos os coadjuvantes! Sendo assim, para que esta história tenha um desfecho feliz, precisamos aceitar o roteiro que Deus escreveu para nós, precisamos nos deixar guiar pelo o Espírito Santo em todos os momentos e precisamos contracenar com Jesus. Ele é o protagonista, Ele é o centro de tudo! Temos que estar com Ele o tempo todo, em todas as cenas da nossa vida, nos momentos de dor e de alegria, de enfermidade e de saúde, de perdas e ganhos.

Queridos paroquianos, o Natal é este momento onde Jesus, a nossa Alegria, o Protagonista da nossa vida, mais uma vez quis, por iniciativa própria, vir conviver conosco e nos salvar.  É Natal! Não estamos sozinhos! O Emanoel, o Deus-conosco, está entre nós.  Ele nasceu para dissipar as nossas dores, doenças, medos e morte. Celebremos este grande acontecimento ao lado da Virgem Maria e de São José. Que eles intercedam por nós. Por todos os nossos familiares e amigos que são os presentes mais preciosos que o Senhor nos concedeu.

Meu afetuoso abraço a todos vocês, queridos paroquianos e filhos espirituais. Contem sempre com as minhas orações e rezem por mim também.

Um feliz e santo Natal para todos!

Um ano novo preenchido da presença de Jesus!

Padre e amigo Antônio José (Pascom Sje).

Publicado em Paróquia São João Evangelista.

%d blogueiros gostam disto: