Hoje a Igreja celebra a solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus

REDAÇÃO CENTRAL, 01 Jan. 23 / 12:01 am (ACI).- A solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus (Theotokos) é a mais antiga que se conhece no Ocidente. Nas Catacumbas ou antiquíssimos subterrâneos de Roma, onde se reuniam os primeiros cristãos para celebrar a Santa Missa, encontram-se pinturas com esta inscrição.

Segundo um antigo testemunho escrito no século III, os cristãos do Egito se dirigiam a Maria com a seguinte oração: “Sob seu amparo nos acolhemos, Santa Mãe de Deus: não desprezeis a oração de seus filhos necessitados; livra-nos de todo perigo, oh sempre Virgem gloriosa e bendita” (Liturgia das Horas).

No século IV, o termo Theotokos era usado frequentemente no Oriente e Ocidente porque já fazia parte do patrimônio da fé da Igreja.

Entretanto, no século V, o herege Nestório se atreveu a dizer que Maria não era Mãe de Deus, afirmando: “Então Deus tem uma mãe? Pois então não condenemos a mitologia grega, que atribui uma mãe aos deuses”.

Nestório havia caído em um engano devido a sua dificuldade para admitir a unidade da pessoa de Cristo e sua interpretação errônea da distinção entre as duas naturezas – divina e humana – presentes Nele.

Os bispos, por sua parte, reunidos no Concílio de Éfeso (ano 431), afirmaram a subsistência da natureza divina e da natureza humana na única pessoa do Filho. Por sua vez, declararam: “A Virgem Maria sim é Mãe de Deus porque seu Filho, Cristo, é Deus”.

Logo, acompanhados pelo povo e levando tochas acesas, fizeram uma grande procissão cantando: “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte. Amém”.

São João Paulo II, em novembro de 1996, refletiu sobre as objeções expostas por Nestório para que se compreenda melhor o título “Maria, Mãe de Deus”.

“A expressão Theotokos, que literalmente significa ‘aquela que gerou Deus’, à primeira vista pode resultar surpreendente; suscita, com efeito, a questão sobre como é possível que uma criatura humana gere Deus. A resposta da fé da Igreja é clara: a maternidade divina de Maria refere-se só a geração humana do Filho de Deus e não, ao contrário, à sua geração divina”, disse o papa.

“O Filho de Deus foi desde sempre gerado por Deus Pai e é-Lhe consubstancial. Nesta geração eterna Maria não desempenha, evidentemente, nenhum papel. O Filho de Deus, porém, há dois mil anos, assumiu a nossa natureza humana e foi então concebido e dado à luz por Maria”, acrescentou.

Do mesmo modo, afirmou que a maternidade da Maria “não se refere a toda a Trindade, mas unicamente à segunda Pessoa, ao Filho que, ao encarnar-se, assumiu dela a natureza humana”. Além disso, “uma mãe não é Mãe apenas do corpo ou da criatura física saída do seu seio, mas da pessoa que ela gera”, disse são João Paulo II.

Por fim, é importante recordar que Maria não é só Mãe de Deus, mas também nossa porque assim quis Jesus Cristo na cruz, quando a confiou a São João. Por isso, ao começar o novo ano, peçamos a Maria que nos ajude a ser cada vez mais como seu Filho e iniciemos o ano saudando a Virgem Maria.

Saudação à Mãe de Deus

Salve, ó Senhora santa, Rainha santíssima,
Mãe de Deus, ó Maria, que sois Virgem feita igreja,
eleita pelo santíssimo Pai celestial,
que vos consagrou por seu santíssimo
e dileto Filho e o Espírito Santo Paráclito!
Em vós residiu e reside toda a plenitude
da graça e todo o bem!
Salve, ó palácio do Senhor! Salve,
ó tabernáculo do Senhor!
Salve, ó morada do Senhor!
Salve, ó manto do Senhor!
Salve, ó serva do Senhor!
Salve, ó Mãe do Senhor,
e salve vós todas, ó santas virtudes
derramadas, pela graça e iluminação
do Espírito Santo,
nos corações dos fiéis
transformando-os de infiéis
em servos fiéis de Deus!

Publicado em ACI Digital.

Que presente podemos dar a Jesus neste Natal?

    Os reis magos vieram da Pérsia, iluminados por uma estrela no céu e por uma luz interior que os guiava e os dirigia para Cristo, o Messias que eles sabiam que os judeus esperavam. A tradição diz que eram reis de pequenos reinos, entendidos em ler as estrelas. Enquanto em Jerusalém ninguém esperava e acreditava, eles, na fé, procuravam o esperado Menino, sua Mãe e seu Pai em Belém. “Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo” (Mt 2,1-2). São Mateus diz que o rei Herodes ficou perturbado e com ele toda a Jerusalém.

    E a misteriosa estrela os guiava até chegarem onde estava o Menino. Encontrando-O, prostraram-se diante d’Ele, “abrindo seus tesouros, ofereceram-lhe como presentes ouro, incenso em mirra”. O ouro é dado ao Rei, o incenso a Deus, e a mirra à vítima a ser imolada um dia no Calvário. Que mistério!

    Que presente podemos dar a Jesus neste Natal?

    Foto ilustrativa: ArtistGNDphotography by Getty Images

    A epifania é esta manifestação de Jesus como Messias, Filho de Deus e Salvador do mundo. Esses “magos”, representantes das religiões pagãs, representam as primeiras nações que acolhem a Boa Nova da salvação pela Encarnação do Verbo. A vinda deles a Jerusalém para “adorar ao Rei dos Judeus” mostra que eles procuram, em Israel, a luz do Messias da estrela de Davi, aquele que será o Rei das nações. Isso significa que “a plenitude dos pagãos entra na família dos patriarcas” e adquire a mesma dignidade dos judeus.

    Como escolher um presente para Jesus?

    Os reis magos, que eram pagãos, souberam ver no Menino o Deus Salvador, por isso O adoraram e Lhe deram presentes. E nós, o que devemos dar a Jesus? Antes de tudo, precisamos seguir a sua Luz, a sua Estrela.

    Ora, São João da Cruz disse que “amor só se paga com amor”. Jesus só nos deu amor: Sua vida, Sua morte, Sua ressurreição. “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1). Ele é o amor! Nossos presentes ao grande Menino devem ser presentes de amor.

    Ele disse na Santa Ceia: “Se me amais guardareis os meus mandamentos” (Jo 14,15). Então, a primeira disposição nossa deve ser de renovar o desejo de ouvir a Sua voz e obedecer-Lhe. São Jerônimo disse que “quem não conhece os Evangelhos não conhece Jesus”. O primeiro passo é conhecer o que Ele ensinou; o segundo é viver o que Ele manda.

    (…)

    Entregue seu coração para Ele!

    Jesus veio para “tirar o pecado do mundo” (Jo 1,29); Ele é o Cordeiro imolado pelos nossos pecados. Então, o melhor presente que você pode colocar na Sua manjedoura é o propósito firme de lutar, sem tréguas, sem desanimar, sem se cansar, contra os seus pecados, pois o pecado é a única ação que pode afastá-Lo do seu coração, onde Ele quer sempre estar.

    Olhe para você mesmo diante do Presépio, e pergunte ao divino Menino o que Ele quer que você mude na sua vida. Peça-lhe a sua graça, para ouvir a sua voz e ter a graça de obedecer-Lhe. Ofereça esse propósito como o seu ouro, incenso e mirra. Ele vai gostar!

    Mais do que os presentes e as microlâmpadas piscando, Ele quer seu coração; todo, inteiro, sem divisão. Então, o melhor presente é entregar-Lhe o coração determinado a amá-Lo.

    Prof. Felipe Aquino

    Publicado em Formação Canção Nova.

    Novena de Natal – A espera do Senhor

    Começa hoje, 16 de dezembro, a Novena de Natal e a contagem regressiva para celebrar o nascimento de Jesus Cristo. Estes nove dias podem ser vividos intensamente em família, no trabalho, com a comunidade, o grupo da Igreja, e tantas outras pessoas.

    Recomenda-se rezar à Virgem, a São José e ao Menino Jesus, refletindo e meditando sobre a vinda do Salvador.

    1. Oração inicial

    Deus benigno de infinita caridade que nos amastes tanto e que nos destes em vosso Filho a melhor oferta de vosso amor, para que, encarnado e feito nosso irmão no seio da Virgem, nascesse em um presépio para nossa saúde e remédio; vos damos graças por tão imenso benefício. De volta vos oferecemos, Senhor, o esforço sincero para fazer deste vosso mundo e nosso, um mundo mais justo, mais fiel ao grande mandamento de nos amarmos como irmãos. Conceda-nos, Senhor, vossa ajuda para poder realizá-lo. Pedimo-Vos que este Natal, festa de paz e alegria, seja para nossa comunidade um estímulo a fim de que, vivendo como irmãos, procuremos mais e mais os caminhos da verdade, da justiça, do amor e da paz. Amém.

    (Rezar um Pai Nosso)

    2. Oração para a família

    Senhor, fazei de nosso lar um lugar de Vosso amor. Que não haja injúria porque nos dais compreensão. Que não haja amargura porque nos abençoais. Que não haja egoísmo porque nos alentais. Que não haja rancor porque nos dais o perdão. Que não haja abandono porque estais conosco. Que saibamos caminhar até vós em nosso viver cotidiano. Que cada manhã amanheça mais um dia de entrega e sacrifício. Que cada noite nos encontre com mais amor. Fazei Senhor com nossas vidas, que quisestes unir, uma página cheia de vós. Fazei, Senhor, de nossos filhos o que desejardes, ajudai-nos a educá-los, orientá-los pelo vosso caminho. Que nos esforcemos no apoio mútuo. Que façamos do amor um motivo para amar-vos mais. Que quando amanhecer o grande dia de ir a seu encontro conceda nos encontrarmos unidos para sempre em vós. Amém.

    3. Oração à Virgem

    Soberana Maria, te pedimos por todas as famílias de nosso país; faz com que cada lar de nossa pátria e do mundo seja fonte de compreensão, de ternura, de verdadeira vida familiar. Que estas festas de Natal, que nos reúnem ao redor do presépio onde nasceu teu Filho, nos unam também no amor, que nos façam esquecer as ofensas e nos deem simplicidade para reconhecer os enganos que tenhamos cometido. Mãe de Deus e Nossa Mãe, intercedei por nós. Amém.

    4. Oração a São José

    Santíssimo São José, esposo de Maria e pai adotivo do Senhor, foste escolhido para fazer as vezes de pai no lar de Nazaré. Ajudai os pais de família; que eles sejam sempre no lar a imagem do pai celestial, a teu exemplo; que cumpram a grande responsabilidade de educar e formar seus filhos, entregando-lhes, com um esforço contínuo, o melhor de si mesmos. Ajudai os filhos a entender e apreciar o abnegado esforço de seus pais. São José, modelo de marido e pai, intercedei por nós. Amém.

    (Rezar um Pai Nosso)

    5. Meditações

    1ª Dia – 16 de dezembro

    Vamos avaliar nossos valores de modo que o Natal seja o que deve ser: uma festa dedicada à RECONCILIAÇÃO. Dedicada ao perdão generoso e compreensivo que aprenderemos com um Deus compassivo. Com o perdão do Espírito Santo podemos nos reconciliar com Deus e com os irmãos e andar em uma vida nova.

    É a boa notícia que São Paulo exclamou em suas cartas, tal como lemos em sua epístola aos Romanos 5, 1-11.

    Viver o Natal é apagar as ofensas se alguém nos ofendeu e é pedir perdão se tivermos ofendido a outros. Assim, do perdão nasce a harmonia e construímos essa paz que os anjos anunciam em Belém: paz na terra aos homens que amam ao Senhor e se amam entre si. Os seres humanos podem nos ofender com o ódio ou podemos ser felizes em um amor que reconcilia. E essa boa missão é para cada um de nós: ser agentes de reconciliação e não de discórdia, ser instrumento de paz e semeadores de irmandade.

    2º Dia – 17 de dezembro

    O segundo dia é dedicado à COMPREENSÃO. Compreensão é uma nota distintiva de todo verdadeiro amor. Podemos dizer que a encarnação de um Deus que se faz homem pode ler-se em chave desse grande valor chamado compreensão. É um Deus que fica em nosso lugar, que rompe as distâncias e compartilha nossos afãs e nossas alegrias. É graças a esse amor compreensivo de um Deus pai que somos filhos de Deus e irmãos entre nós. Deus, como afirma São João, nos mostra a grandeza de seu amor e nos chama a viver como filhos dele.

    Ler a primeira carta de João 3, 1-10.

    Se de verdade atuarmos como filhos de Deus não imitamos Caim, mas “dermos a vida pelos irmãos” (3, 16). Com um amor compreensivo, somos capazes de ver as razões dos outros e ser tolerantes com suas falhas. Se o Natal nos tornar compreensivos será um excelente Natal. Feliz Natal é aprender a nos colocarmos no lugar dos demais.

    3º Dia – 18 de dezembro

    O terceiro dia é dedicado ao RESPEITO. Uma qualidade do amor que nos move a aceitar os outros tal como são. Graças ao respeito valorizamos a grande dignidade de toda pessoa humana feita à imagem e semelhança de Deus, embora essa pessoa esteja errada. O respeito é fonte de harmonia porque nos anima a valorizar as diferenças, como o faz um pintor com as cores ou um músico com as notas ou ritmos. Um amor respeitoso nos impede de julgar os outros, manipulá-los ou querer moldá-los a nosso modo.

    Sempre que penso no respeito vejo Jesus conversando amavelmente com a mulher samaritana, tal como o narra São João no capítulo quarto de seu evangelho. É um diálogo sem recriminações, sem condenações e no qual brilha a luz de uma delicada tolerância. Jesus não aprova que a mulher não conviva com seu marido, mas em vez de julgá-la, a felicita por sua sinceridade. Atua como bom pastor e nos ensina a ser respeitosos se de verdade queremos nos entender com os demais.

    4º Dia – 19 de dezembro

    O quarto dia é dedicado à SINCERIDADE. Uma qualidade sem a qual o amor não pode subsistir, já que não há amor onde há mentira. Amar é andar na verdade, sem máscaras, sem o peso da hipocrisia e com a força de integridade.

    Só na verdade somos livres como anunciou Jesus Cristo: João 8, 32. Só sobre a rocha firme da verdade pode se sustentar uma relação nas crises e nos problemas. Com a sinceridade ganhamos a confiança e com a confiança chegamos ao entendimento e à unidade. O amor ensina a não agir como os egoístas e os soberbos que acreditam que sua verdade é a verdade.

    Se o Natal nos aproximar da verdade é um bom Natal, é uma festa em que acolhemos Jesus como luz verdadeira que vem a este mundo: João 1, 9. Luz verdadeira que nos afasta das trevas nos move a aceitar Deus como caminho, verdade e vida. Que nosso amor esteja sempre iluminado pela verdade, de modo que esteja também favorecido pela confiança.

    5º Dia – 20 de dezembro

    O quinto dia é dedicado ao DIÁLOGO. Toda a Bíblia é um diálogo amoroso e salvífico de Deus com os homens. Um diálogo que leva a seu cume e sua plenitude quando a Palavra de Deus que é Seu Filho, se faz carne, se faz homem, tal como narra São João no primeiro capítulo de seu evangelho. De Deus apoiado na sinceridade, assegurado no respeito e enriquecido pela compreensão, é o que necessitamos em todas nossas relações. Um diálogo em que diariamente “nos revestimos de misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência”. Colossenses 3, 12.

    O diálogo sereno que brota de um sincero amor e de uma alma em paz é o melhor presente que podemos nos dar em dezembro. Assim evitamos que nossa casa seja lugar vazio de afeto onde andamos dispersos como estranhos sob o mesmo teto. Deus concede a todos o dom de nos comunicar sem ofensas, sem julgamentos, sem altivez, e sim com apreço que gera acolhida e aceitação mútua.

    6º Dia – 21 de dezembro

    O Sexto dia é para valorizar a SIMPLICIDADE. Simplicidade que é a virtude das almas grandes e das pessoas nobres. Simplicidade que foi o adorno de Maria de Nazaré tal como ela mesma o proclama em seu canto de Magnificat. “Meu espírito se alegra em Deus meu Salvador porque olhou a humildade de sua serva” (Lucas 1, 47-48).

    Natal é uma boa época para desterrar o orgulho e tomar consciência de tantos males que conduzem a soberba. Nenhuma virtude nos aproxima tanto dos demais como a simplicidade e nenhum defeito nos afasta tanto como a arrogância. O amor só reina nos corações humildes, capazes de reconhecer suas limitações e de perdoar sua altivez. É graças à humildade que agimos com delicadeza, sem nos crer mais do que ninguém, imitando a simplicidade de um Deus que “se despojou de si mesmo e tomou a condição de servo” (Filipenses 2, 6-11).

    Crescer em simplicidade é um admirável presente para nossas relações. Recordemos que nesta pequenez há verdadeira grandeza, e que o orgulho acaba com o amor.

    7º Dia – 22 de dezembro

    Sétimo dia é para crescer em GENEROSIDADE. É a capacidade de dar com desinteresse onde o amor ganha a corrida do egoísmo. É na entrega generosa de nós mesmos que se mostra a profundidade de um amor que não se esgota nas palavras. E isso é o que celebramos no Natal: o gesto sem igual de um Deus que dá a si mesmo. Isso São Paulo destaca: “soberba também na generosidade… pois conheceis a generosidade de Nosso Senhor Jesus Cristo o qual sendo rico, por vós se fez pobre para que vos enriquecêsseis com sua pobreza”. É uma passagem bíblica em que o apóstolo convida aos Coríntios a compartilhar seus bens com os necessitados (2Cor 8, 7-15).

    Sabemos amar quando sabemos compartilhar, sabemos amar quando damos o melhor de nós mesmos em lugar de dar apenas coisas. Tomemos, pois, a melhor decisão: dar carinho, afeto, ternura e perdão; dar tempo e dar alegria e esperança. São os presentes que mais valem e não custam dinheiro. Demos amor, como dizia São João da Cruz: onde não há amor coloques amor, e tirarás amor.

    8º Dia – 23 de dezembro

    Oitavo dia é para assegurar a FÉ. Uma fé que é firme quando nasce de uma relação amistosa com o Senhor. Uma fé que é autêntica se está confirmada com as boas obras, de modo que a religião não seja apenas de rezas, ritos e tradições. Precisamos cultivar a fé com a Bíblia, a oração e a prática religiosa porque a fé é nosso melhor apoio na crise. Necessitamos de uma fé grande em nós mesmo, em Deus e nos demais. Uma fé sem vacilações como queria Jesus: Marcos 11, 23. Uma fé que ilumina o amor com a força da confiança, já que “o amor em tudo crê” (1Cor 13, 7).

    A FÉ é a força da vida e sem ela andamos à deriva. De fato, aquele que perdeu a fé, já não tem mais nada a perder. Que bom que cuidamos de nossa fé como se cuida de um tesouro! Que bom que nos possam saudar como à Virgem: “Feliz és tu que acreditaste” (Lc 1, 45).

    9º Dia – 24 de dezembro

    Nono dia é para avivar a ESPERANÇA e o AMOR. O amor e a esperança sempre vão de mãos dadas com a fé. Por isso, em seu hino ao amor, São Paulo nos mostra que o amor crê sem limites e espera sem limites (1Cor 13, 7). Uma fé viva, um amor sem limites e uma esperança firme são o incenso, o ouro e a mirra que nos dão ânimo para viver e coragem para não cair.

    É graças ao amor que sonhamos com altos ideais e é graças à esperança que os alcançamos. O amor e a esperança são as asas que nos elevam à grandeza, apesar dos obstáculos e das insipidezes. Se amarmos Deus, amamos nós mesmos e amamos os outros, podemos obter o que sugere São Pedro em sua primeira carta: “Estejam sempre dispostos a dar razão de sua esperança. Com doçura, respeito e com uma boa consciência” (3, 15-16). Se acendermos a chama da esperança e o fogo do amor, sua luz radiante brilhará no novo ano depois que se apaguem as luzes do Natal.

    6. Oração ao Menino Deus:

    Senhor, Natal é a lembrança de teu nascimento entre nós, é a presença de teu amor em nossa família e em nossa sociedade. Natal é certeza de que o Deus do céu e da terra é nosso Pai, que tu, Divino Menino, é nosso irmão. Que esta reunião junto a teu presépio nos aumente a fé em sua bondade, comprometa-nos a viver verdadeiramente como irmãos, nos dê valor para matar o ódio e semear a justiça e a paz. Ó Divino Menino, ensina-nos a compreender que onde há amor e justiça, ali estas tu e ali também é Natal. Amém.

    (Rezar um Glória ao Pai)

    7. Gozos

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Ó sapiência suma de Deus soberano que ao nível de um menino te rebaixaste. Ó Divino infante, vem para nos ensinar a prudência que faz verdadeiros sábios.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Menino do presépio nosso Deus e irmão, tu sabes e entendes da dor humana; que quando sofrermos dores e angústias sempre lembremos que tu nos salvaste.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Ó luz do oriente, sol de eternos raios que entre as trevas seu esplendor vejamos, Menino tão precioso, sorte do cristão, ilumina o sorriso de seus doces lábios.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Rei das nações, ilustre Emanuel, de Israel pastor. Menino que apascenta com suave cajado a ovelha arisca ou o cordeiro manso.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Abram-se os céus e chova do alto o bom orvalho, como santa irrigação. Venha belo menino, venha Deus encarnado; brilha bela estrela, brota a flor do campo.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Tu te fizeste Menino em uma família cheia de ternura e calor humano. Que vivam os lares aqui congregados o grande compromisso do amor cristão.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Do fraco és auxílio, do enfermo és amparo, consolo és do triste, luz do desterrado. Vida de minha vida, meu sonho adorado, meu constante amigo, meu divino irmão.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Vem diante de meus olhos por ti enamorados, ora beije teus pés, ora beije tuas mãos. Prosternado em terra, te estendo os braços e, mais do que minhas frases, te diz meu pranto.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Faz de nossa pátria uma grande família; semeia em nosso chão teu amor e tua paz, nos dê fé na vida, nos dê esperança e um sincero amor que nos una mais.

    Meu doce Jesus, meu menino adorado! Vem a nossas almas! Vem, não demores tanto!

    – Vem nosso Salvador, por quem suspiramos! Vem às nossas almas, vem, não demores tanto!

    Publicado em Paróquia Nossa Senhora das Dores – Odessa SP.

    Palavra de Vida: “Tende coragem! Eu venci o mundo.” (João 16,33).

    Com essas palavras concluem-se os discursos de despedida dirigidos por Jesus aos discípulos na sua última ceia, antes de morrer. Foi um diálogo denso, em que revelou a realidade mais profunda do seu relacionamento com o Pai e da missão que este lhe confiou.

    Jesus está prestes a deixar a terra e voltar ao Pai, enquanto que os discípulos permanecerão no mundo para continuar a sua obra. Também eles, como Jesus, serão odiados, perseguidos, até mesmo mortos (cf. Jo 15,18.20; 16,2). Sua missão será difícil, como foi a Dele: “No mundo tereis aflições”, como acabara de dizer (16,33).

    Jesus fala aos apóstolos, reunidos ao seu redor para aquela última ceia, mas tem diante de si todas as gerações de discípulos que haveriam de segui-lo, inclusive nós.

    É a pura verdade: entre as alegrias esparsas no nosso caminho não faltam as “aflições”: a incerteza do futuro, a precariedade do trabalho, a pobreza e as doenças, os sofrimentos causados pelas calamidades naturais e pelas guerras, a violência disseminada em casa e entre os povos. E existem ainda as aflições ligadas ao fato de alguém ser cristão: a luta diária para manter-se coerente com o Evangelho, a sensação de impotência diante de uma sociedade que parece indiferente à mensagem de Deus, a zombaria, o desprezo, quando não a perseguição aberta, por parte de quem não entende a Igreja ou a ela se opõe.

    Jesus conhece as aflições, pois viveu-as em primeira pessoa. Mas diz:

    “Tende coragem! Eu venci o mundo.” 

    Essa afirmação, tão decidida e convicta, parece uma contradição. Como Jesus pode afirmar que venceu o mundo, quando pouco depois é preso, flagelado, condenado, morto da maneira mais cruel e vergonhosa? Mais do que ter vencido, Ele parece ter sido traído, rejeitado, reduzido a nada e, portanto, ter sido clamorosamente derrotado.

    Em que consiste a sua vitória? Com certeza é na ressurreição: a morte não pode mantê-lo cativo. E a sua vitória é tão potente, que faz com que também nós participemos dela: Ele torna-se presente entre nós e nos leva consigo à vida plena, à nova criação.

    Mas antes disso ainda, a sua vitória consistiu no ato de amar com aquele amor maior, de dar a vida por nós. É aí, na derrota, que Ele triunfa plenamente. Penetrando em cada canto da morte, libertou-nos de tudo o que nos oprime e transformou tudo o que temos de negativo, de escuridão e de dor, em um encontro com Ele, Deus, Amor, plenitude.

    Cada vez que Paulo pensava na vitória de Jesus, parecia enlouquecer de alegria. Se é verdade, como ele dizia, que Jesus enfrentou todas as contrariedades, até a adversidade extrema da morte e as venceu, também é verdade que nós, com Ele e Nele, podemos vencer todo tipo de dificuldade. Mais ainda, graças ao seu amor somos “mais que vencedores”: “Tenho certeza de que nem a morte, nem a vida […], nem outra criatura qualquer será capaz de nos separar do amor de Deus, que está no Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 8,37; cf. 1Cor 15,57).

    Então compreende-se o convite de Jesus a não ter medo de mais nada:

    “Tende coragem! Eu venci o mundo.”

    Essa frase de Jesus poderá nos infundir confiança e esperança. Por mais duras e difíceis que possam ser as circunstâncias em que nos encontramos, elas já foram vividas e superadas por Jesus.

    É verdade que não temos a sua força interior, mas temos a presença Dele mesmo, que vive e luta conosco. “Se tu venceste o mundo” – diremos a Ele nas dificuldades, provações, tentações – “saberás vencer também esta minha ‘aflição’. Para mim, para todos nós, ela parece um obstáculo intransponível. Temos a impressão de não dar conta. Mas com tua presença entre nós encontraremos a coragem e a força, até chegarmos a ser ‘mais que vencedores’”.

    Não é uma visão triunfalista da vida cristã, como se tudo fosse fácil e coisa já resolvida. Jesus é vitorioso justamente no drama do sofrimento, da injustiça, do abandono e da morte. A sua vitória é a de quem enfrenta a dor por amor, de quem acredita na vida após a morte.

    Talvez também nós, como Jesus e como os mártires, tenhamos de esperar o Céu para ver a plena vitória sobre o mal. Muitas vezes temos receio de falar do Paraíso, como se esse pensamento fosse uma droga para não enfrentar com coragem as dificuldades, uma anestesia para suavizar os sofrimentos, uma desculpa para não lutar contra as injustiças. Ao contrário, a esperança do Céu e a fé na ressurreição são um poderoso impulso para enfrentar qualquer adversidade, para sustentar os outros nas provações, para acreditar que a palavra final é a do amor que venceu o ódio, da vida que derrotou a morte.

    Portanto, em qualquer dificuldade, seja ela pessoal ou de outros, renovemos a confiança em Jesus, presente em nós e entre nós: Ele venceu o mundo e nos torna participantes da sua própria vitória, Ele nos escancara o Paraíso, para onde foi preparar-nos um lugar. Desse modo encontraremos a coragem para enfrentar toda provação. Seremos capazes de superar tudo, Naquele que nos dá a força.

    Fabio Ciardi 

    _____________________________

    Movimento dos Focolares/Brasil.

    Publicado em I. Católica.

    Santa Teresinha ensina a maior missão: ser o amor!

    A jovem, encontrou a alegria que jamais passaria e prontamente desejou e buscou corresponder. Ela, que é padroeira das missões sem jamais ter saído do Carmelo.

    Encerramos o mês dedicado à Bíblia e agora [estamos finalizando] outubro, conhecido como mês missionário, e já celebramos a memória litúrgica de Santa Teresinha do Menino Jesus, jovem, doutora da Igreja e padroeira das missões.

    A leitura e reflexão da palavra de Deus não se reduz a um determinado mês do ano. Teresinha entendeu que a leitura da Bíblia não está reduzida ao mês de setembro, mas é uma prática para a vida toda. No silêncio e em uma profunda vida interior, mesmo enclausurada, se descobriu plenamente mulher: obediente, livre e inteira. Inteiramente consagrada ao Senhor, ela, constantemente, refletia e orava com as Sagradas Escrituras e aí buscava às luzes para a vida.

    Minha vocação é o amor

    Como uma jovem freira, que faleceu com apenas 24 anos, que desde os 15 viveu reclusa num convento, tem algo a nos ensinar sobre a missão de todo cristão? E como se tornou padroeira das missões? A resposta é bem simples: pela vivência do amor.

    O Decreto Conciliar Ad Gentes sobre a atividade missionária da Igreja afirma: “A Igreja peregrina é, por sua natureza, missionária, visto que tem sua origem, segundo o desígnio de Deus Pai, na ‘missão’ do Filho e do Espírito Santo” (AG,6). Em nosso “DNA espiritual” de batizados, está impresso o nosso desígnio missionário, e Santa Teresinha do Menino Jesus, mesmo vivendo no Carmelo, viveu esta identidade missionária, rezando pelas vocações.

    Nos escritos autobiográficos, intitulados “História de uma alma”, Santa Teresinha afirma: “Ó Jesus, meu amor, minha vocação, encontrei-a afinal: Minha vocação é o amor”. Seu exemplo é caminho para que todos nós sejamos missionários onde nos encontramos.

    Pois bem! A história desta melancólica e grande mulher, é cheia de pormenores que nos falam do amor e do zelo em seguir Jesus. Mas o foco para a motivação, está centrado no desejo do coração dessa jovenzinha, que muito cedo entrou no Carmelo de Lisieux para seguir o Divino Mestre, mas ao mesmo tempo consumia-se no desejo de estar em todas as partes do mundo anunciando o Evangelho.

    A missionariedade de Teresinha

    Foi no auge de muitas dúvidas e dividida pelo fogo do zelo, em descobrir como melhor servir ao Senhor, que Teresinha, um dia, abrindo a Bíblia, descobriu o rumo a seguir. Teresinha se encontrou com Deus ao ler o Capítulo 13 da Primeira Carta aos Coríntios – ótima sugestão de leitura espiritual para esse dia – texto de São Paulo que nos coloca a refletir e mexe com o nosso interior, questiona e ao mesmo tempo dá resposta.

    Ela ainda, tinha o desejo desmedido de ser missionária: “… quereria iluminar as almas como os Profetas, os Doutores, sentia a vocação de ser Apóstolo… Queria ser missionário, não apenas durante alguns anos, mas queria tê-lo sido desde o princípio do mundo e continuar até à consumação dos séculos”, anotou ela na autobiografia.

    Em oração e intimidade com Deus, enclausurada no Carmelo, decifrou: “Compreendi que, se a Igreja apresenta um corpo formado por membros diferentes, não lhe falta o mais necessário […]; compreendi que a Igreja tem coração, um coração ardente de amor; compreendi que só o amor fazia atuar os membros da Igreja e que, se o amor viesse a extinguir-se, nem os Apóstolos continuariam a anunciar o Evangelho nem os mártires a derramar o seu sangue”.

    A santa teve a compreensão do que todo cristão deve buscar para si: compreendi que o amor encerra em si todas as vocações, que o amor é tudo e que abrange todos os tempos e lugares, numa palavra, que o amor é eterno”.

    O legado de Santa Teresinha 

    Santa Teresinha costumava meditar a vida dos santos. Ela se encantava com as virtudes e as penitências a que eles se submetiam. Comparando-se com eles, sentia-se um nada, como um pequeno grão de areia, diante de Deus. Mas isso não lhe foi motivo para se afastar de Deus ou da sua missão, serviu, antes, para se aproximar ainda mais Dele. 

    Ela buscou a santidade com todas as suas forças, e de diversas formas e dizia: “O que em minha alma agrada ao bom Deus é ver o amor que tenho à minha pequenez e à minha pobreza, é a minha esperança cega em sua misericórdia. E admitindo sua fraqueza, pedia a Jesus que a carregasse em Seus braços em direção ao “cume da perfeição”.

    “Sigamos o caminho da simplicidade. Entreguemo-nos com todo o nosso ser ao amor. Em tudo busquemos fazer a vontade de Deus. O zelo pela salvação das pessoas devore nosso coração”.

    Aprendemos com Santa Teresinha que a perfeição é alcançada no amor. Tudo deve ser feito com amor: as pequenas coisas, os pequenos gestos, as obrigações de todos os dias, as grandes responsabilidades, e, principalmente, no cumprimento da nossa missão como Filhos de Deus é o amor que deve nos conduzir. 

    Padroeira das missões

    Foi devido a este intenso desejo de amar a Deus e de através do amor levar as pessoas até Ele que Santa Teresinha recebeu o título de padroeira das missões ao ser canonizada em 1927 pelo Papa Pio XI. Mas não somente por esse motivo. A pequena carmelita intercedia pelos seus irmãos missionários e estabelecia com eles pela oração e por cartas, como que uma fraternidade e missionariedade espiritual e universal.

    “Quando rezo pelos meus irmãos missionários, não ofereço os meus sofrimentos, digo simplesmente: Meu Deus, dai-lhe tudo o que desejo para mim”. 

    Durante algum tempo Teresinha empenhou-se por sustentar o trabalho apostólico de dois missionários que desempenhavam funções pastorais um na China e outro na África. Por esses sacerdotes, a quem chamava de irmãos espirituais, ela rezava incansavelmente para que Deus providenciasse tudo quanto eles necessitavam para cumprir com sua missão de evangelização. Além disso trocava com eles correspondências.

    Numa dessas cartas escritas por Santa Teresa, lemos: Trabalhemos juntos na salvação das almas. Não temos senão o único dia da nossa vida para salvá-las e assim dar ao Senhor as provas do nosso amor (Carta 220).

    Que para nós, assim como foi para Santa Teresinha, ser missionário dependa somente do amor e que busquemos, a seu exemplo, contemplar no outro a pessoa de Jesus.

    Meu Deus, eu Vos amo

    No Carmelo de Lisieux, prisioneira por amor e do Amor, desejou ardentemente percorrer o mundo inteiro para implementar a Cruz de Cristo em todo o lado. A experiência do Deus Misericórdia é o Centro de toda desta vida e obra. 

    Santa Teresinha foi acolhida no Reino de Deus no dia 30 de setembro de 1897 – no auge de sua juventude. “Meu Deus, eu Vos amo!”, foram as últimas palavras.  Em 1997, pela riqueza espiritual de sua autobiografia e de seus escritos, São João Paulo II proclamou Santa Teresa Doutora da Igreja – a mulher mais jovem, até então, a receber esse título.

    Pela sua entrega total ao amor Misericordioso de Deus, pela constante ânsia em que ardia por “salvar almas”, pelos laços de fraternidade espiritual que cultivou com alguns missionários no campo de missão, ela foi escolhida como Padroeira das Missões.

    Que em meio aos  desejos que ecoam em seu coração, você encontre dentro de si uma essência, um âmago, um intrínseco chamado, o que há de mais profundo em seu ser. A Obra Nova sempre espera aqueles que têm sede do que é atemporal.

    A pequena via de santidade

    Teresinha foi uma vida que definitivamente valeu a pena, porque não foi vivida para si, mas para o outro. Ela encontrou uma pequena via que a levaria para os braços do seu Amado Jesus e nos deu uma grande via para também chegarmos a Ele: a sua própria vida.

    Ela nos ensina que a santidade é possível. Deus não nos inspira desejos irrealizáveis, não é presunção, jamais será, é nossa vocação! Existimos para ser santos, foi para isso que Deus nos criou e é isso que Ele nos pede todos os dias.

    Nossas fraquezas, nossas feridas e nossa história, se forem vistas à luz do Espírito Santo, não são empecilhos para a santidade, ao contrário, se tornarão molas propulsoras e nos lançarão cada vez mais perto do anseio do nosso coração.

    Deste modo, façamos como ela e a seu exemplo, que nossa vida também seja pelo outro e que assim, nessa estranha loucura de amor, possamos buscar cada vez mais viver e, enfim, morrer de amor. “Depois da minha morte, farei cair do Céu uma chuva de rosas”.

    “Quero passar o Céu, a fazer bem sobre a Terra. Não olharei para as almas somente, mas hei de descer para junto delas. Vai começar a minha missão que é ensinar os homens a amar a Deus como eu o amo. Só descansarei no fim do mundo quando estiver completo o número dos eleitos. Nunca é demasiada a confiança que se deposita em Deus Infinitamente Bom e Misericordioso. Ninguém me invocará, sem receber resposta

    A mensagem de Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face ecoa nesta década que se inicia e pode nos levar à seguinte reflexão: qual é o legado que eu vou deixar na humanidade? Será que a minha vida tem sido uma resposta definitiva para o outro, uma ponte para as coisas que verdadeiramente não passam?

    Santos em missão: Teresinha do Menino Jesus


    Por Janaína Teixeira.

    Publicado em Comunidade Católica Shalom.

    SANTA TERESA DE JESUS – Memória – 15 de outubro

    Nunca um santo ou santa mostrou-se tão “carne e osso” como Teresa d’Ávila, ou Teresa de Jesus, nome que assumiu no Carmelo. Nascida no dia 28 de março de 1515, seus pais, Alonso Sanchez de Cepeda e Beatriz d’Ávila y Ahumada, a educaram, junto com os irmãos, dentro do exemplo e dos princípios cristãos. Aos sete anos, tentou fugir de casa e peregrinar ao Oriente para ser martirizada pelos mouros, mas foi impedida. A leitura da vida dos santos mártires tinha sobre ela uma força inexplicável e, se não fossem os parentes terem-na encontrado por acaso, teria fugido, levando consigo o irmão Roderico.

    Órfã de mãe aos doze anos, Teresa assumiu Nossa Senhora como sua mãe adotiva. Mas o despertar da adolescência a levou a ter experiências excessivas ao lado dos primos e primas, tornando-se uma grande preocupação para seu pai. Aos dezesseis anos, sua atração pelas vaidades humanas era muito acentuada. Por isso, ele a colocou para estudar no colégio das agostinianas em Ávila. Após dezoito meses, uma doença grave a fez voltar para receber tratamento na casa de seu pai, o qual se culpou pelo acontecido.

    Nesse período, pela primeira vez, Teresa passou por experiências espirituais místicas, de visões e conversas com Deus. Todavia as tentações mundanas não a abandonavam. Assim atormentada, desejando seguir com segurança o caminho de Cristo, em 1535, já com vinte anos, decidiu tornar-se religiosa, mas foi impedida pelo pai. Como na infância, resolveu fugir, desta vez com sucesso. Foi para o Convento carmelita da Encarnação de Ávila.

    Entretanto a paz não era sua companheira mais presente. Durante o noviciado, novas tentações e mais o relaxamento da fé não pararam de atormentá-la. Um ano depois, contraiu outra doença grave, quase fatal, e novamente teve visões e conversas com o Pai. Teresa, então, concluiu que devia converter-se de verdade e empregou todas as forças do coração em sua definitiva vivência da religião, no Carmelo, tomando o nome de Teresa de Jesus.

    Aos trinta e nove anos, ocorreu sua “conversão”. Teve a visão do lugar que a esperaria no inferno se não tivesse abandonado suas vaidades. Iniciou, então, o seu grande trabalho de reformista. Pequena e sempre adoentada, ninguém entendia como conseguia subir e descer montanhas, deslocar-se pelos caminhos mais ermos e inacessíveis, de convento em convento, por toda a Espanha. Em 1560, teve a inspiração de um novo Carmelo, onde se vivesse sob as Regras originais. Dois anos depois, fundou o primeiro Convento das Carmelitas Descalças da Regra Primitiva de São José em Ávila, onde foi morar.

    Porém, em 1576, enfrentou dificuldades muito sérias dentro da Ordem. Por causa da rigidez das normas que fez voltar nos conventos, as comunidades se rebelaram junto ao novo geral da Ordem, que também não concordava muito com tudo aquilo. Por isso ele a afastou. Teresa recolheu-se em um dos conventos e acreditou que sua obra não teria continuidade. Mas obteve o apoio do rei Felipe II e conseguiu dar sequência ao seu trabalho. Em 1580, o papa Gregório XIII declarou autônoma a província carmelitana descalça.

    Apesar de toda essa atividade, ainda encontrava espaço para transmitir ao mundo suas reflexões e experiências místicas. Na sua época, toda a cidade de Ávila sabia das suas visões e diálogos com Deus. Para obter ajuda, na ânsia de entender e conciliar seus dons de espiritualidade e as insistentes tentações, ela mesma expôs os fatos para muitos leigos e não apenas aos seus confessores. E ela só seguiu numa rota segura porque foi devidamente orientada pelos últimos, que eram os agora santos Francisco Bórgia e Pedro de Alcântara, que perceberam os sinais da ação de Deus.

    A pedido de seus superiores, registrou toda a sua vida atribulada de tentações e espiritualidade mística em livros como “O caminho da perfeição”, “As moradas”, “A autobiografia” e outros. Neles, ela própria narra como um anjo transpassou seu coração com uma seta de fogo. Doente, morreu no dia 4 de outubro de 1582, aos sessenta e sete anos, no Convento de Alba de Torres, Espanha. Na ocasião, tinha reformado dezenas de conventos e fundado mais trinta e dois, de carmelitas descalças, sendo dezessete femininos e quinze masculinos.

    Beatificada em 1614, foi canonizada em 1622. A comemoração da festa da transverberação do coração de Santa Teresa ocorre em 27 de agosto, enquanto a celebração do dia de sua morte ficou para o dia 15 de outubro, a partir da última reforma do calendário litúrgico da Igreja. O papa Paulo VI, em 1970, proclamou santa Teresa d’Ávila doutora da Igreja, a primeira mulher a obter tal título.

    Publicado em Diocese de Ji-Paraná.

    Leia também um artigo resumido e muito interessante (imagem acima): “Moradas da alma”: as etapas da vida mística segundo Santa Teresa”

    Cinco fatos que talvez você não saiba sobre o Padre Pio e seu anjo da guarda

    [Na última sexta-feira], 23 de setembro, a Igreja [celebrou] a festa de São Pio de Pietrelcina, o sacerdote dos estigmas e um santo que tinha muita devoção e proximidade ao seu anjo da guarda.

    Confira a seguir cinco fatos que você talvez não conhecesse sobre Pe. Pio e os anjos:

    1. Achava que todos podiam ver seus anjos da guarda

    Segundo a Obra dos Santos Anjos, associação católica que difunde entre os fiéis a devoção dos santos Anjos e possui estatutos próprios aprovados pela Santa Sé, diz-se que quando o Pe. Pio ainda era muito pequeno começou a ter visões do seu anjo da guarda, de Jesus e Maria. Sua mãe disse que ele pensava que todo mundo podia vê-los.

    2. Juntos contra o demônio

    Em certas ocasiões, o demônio manchava as cartas que seu confessor lhe enviava e seguindo o conselho do seu anjo da guarda, quando chegava uma carta, antes de abri-la, o santo a aspergia com água benta e desta maneira podia lê-las.

    “O companheiro de minha infância tenta suavizar as dores que me causavam aqueles impuros apóstatas embalando meu espírito como sinal de esperança” (Carta. I,321), destacava o santo sacerdote referindo-se ao seu anjo da guarda.

    Não obstante, certa vez o demônio estava batendo no Pe. Pio e o santo chamou várias vezes em voz alta seu anjo da guarda, mas foi inútil. Em seguida, quando o anjo apareceu a consolá-lo, Pe. Pio zangado lhe perguntou por que não o socorreu.

    O anjo lhe respondeu: “Jesus permite estes assaltos do diabo porque Sua compaixão te faça querido dele e queria que te assemelhasses com isso ao deserto, o jardim e a cruz” (Carta I, 113).

    3. Traduzia as cartas

    Quando recebia alguma carta escrita em francês, o anjo da guarda a traduzia. Uma vez, Pe. Pio escreveu: “Se a missão de nosso anjo da guarda é importante, a do meu com certeza é maior, porque também deve ser professor na tradução de outras línguas” (Carta I,304).

    4. Seu anjo o despertava e rezava com ele

    Narrava o Santo capuchinho: “De noite, fechava meus olhos, via descer o véu e abrir-se diante de mim o paraíso; e, consolado por esta visão, durmo com um sorriso doce e feliz nos lábios e com uma grande tranquilidade no meu semblante, esperando que meu pequeno companheiro de infância venha despertar-me e, desta forma, rezar juntos as orações matutinas ao amado de nossos corações” (Carta I,308).

    5. Falava com outros anjos da guarda

    “Se precisarem de mim – repetia o santo aos seus filhos espirituais –, podem me mandar seu anjo da guarda”. Certo dia, Frei Alessio Parente (Frei menor capuchinho) aproximou-se de Pe. Pio com algumas cartas na mão a fim de fazer-lhes algumas perguntas e o Pe. Pio não pôde atendê-lo.

    Em seguida, o sacerdote dos estigmas o chamou e disse: “Não viu todos aqueles anjos que estavam aqui ao meu redor? Eram os anjos da guarda dos meus filhos espirituais que vieram trazer-me suas mensagens. Tive que responder-lhes rapidamente”.

    O venerado Pe. Pio de Pietrelcina sempre reconheceu e agradeceu a missão do anjo da guarda como “mensageiro” e por isso recomendava a devoção a eles.

    Fonte: Acidigital

    Publicado em Carmelo Cristo Redentor.

    Imagem: Associação Regina Fidei – Artigo: “O melhor amigo do Padre Pio: o Anjo da Guarda”.

    Fé católica, cultura e sociedade contemporânea: um descompasso radical

    ARTIGO

    Vivemos, na atualidade, em uma sociedade neopagã. A afirmação categórica é do então Cardeal Joseph Ratzinger – Bento XVI – hoje na condição de Papa Emérito, em seu livro “Ser Cristão na Era Neopagã”. A obra contém seus discursos e homilias, proferidos entre 1986 a 1999, cuja tradução foi publicada no Brasil, em 2014. Ora, tal afirmação contundente é fruto de observações acuradas, ao longo de décadas, mais exatamente, desde o tempo de sua participação como padre e professor, ao tempo da realização do Concílio Vaticano II, entre 1962 e 1965. Anos se seguiram e chegaram a esta conclusão já em meados da década de 80, ou seja, passados quase 20 anos daquele Concílio. Mas que relação haveria entre o Concílio Vaticano II e o neopaganismo dominante na sociedade contemporânea? Não é uma resposta fácil e simples para este panorama desconcertante. O conteúdo apresentado aqui não trata, especificamente, dos escritos do Cardeal Ratzinger, mas de uma sedimentação de dados e fatos relacionados à crescente secularização da Igreja, imersa em uma era neopagã. 

    Este panorama é algo inaudito na história da Igreja Católica, por motivos óbvios, porque aponta para um retrocesso cultural da civilização judaico-cristã. Ou seja, o ponto de partida do Cristianismo foi justamente trazer aos povos pagãos o anúncio do Evangelho de Cristo e este objetivo foi quase em sua totalidade atingido no mundo contemporâneo. A demonstração disso é que todas as instituições que regulam a sociedade Ocidental tem base no legado judaico-cristão. No entanto, pouco a pouco, as sociedades foram deixando de lado esta herança, principalmente, a partir do século XIX – ainda que de maneira discreta – os valores universais que a fundamentam. Isto porque, no caldo cultural produzido pela Revolução Francesa, devido às perseguições à Igreja, surgiram ideias e ideais contrários a este legado. Como resultado dessa virada abrupta e sanguinária, houve a pretensão de estabelecer um mundo novo, em bases neopagãs e ateias. Ainda que fosse norteado pelo patrimônio cultural cristão, desde a evangelização dos povos, naquele século indivíduos quiseram romper definitivamente com os pressupostos do Cristianismo. 

    Por outro lado, no final do século XIX, a Igreja Católica, acompanhando a realidade dos sindicatos de trabalhadores e a condição dos operários, lançou a Doutrina Social da Igreja, na forma de uma Carta Encíclica, publicada pelo Papa Leão XIII, em 15 de maio de 1891. Estavam lançadas as bases para os católicos se situarem diante da industrialização crescente, tanto para os empregados, quanto para os empregadores. Ou seja, os donos das indústrias não estavam livres em sua consciência para explorar seus empregados, enquanto os empregados sabiam que tinham direitos, mas desde que correspondessem às expectativas de seus empregadores. Nem tanto o liberalismo econômico por parte dos patrões, nem tanto as reivindicações exacerbadas dos sindicatos, minados de comunistas.

    Na continuidade, vieram as 1ª e a 2ª Grandes Guerras e o sofrimento humano foi sem precedentes, principalmente na 1ª Grande Guerra. Mas, encerrados estes ciclos, com o fim da 2ª Guerra, em 1945, teve início a reconstrução da Europa. Passados cinco anos, um novo ímpeto, o do progresso, surgiu naquele continente e nos Estados Unidos. E, como não poderia deixar de ser, o mesmo aconteceu dentro da Igreja Católica, na esteira do pós-Guerra. Correntes, já antigas, chamadas de modernistas trataram de, internamente, incentivar mais e mais a ideia de progresso, de renovação da Igreja. Embarcaram neste ideal, a geração da época e posteriores e com o passar dos anos, na década de 60, aquela motivação benévola de abertura para a modernidade, por parte do Concílio Vaticano II, foi desvirtuada passo a passo. Enfim, uma má interpretação dos seus fundamentos e propostas acabou se impondo, o que gerou, com o passar dos anos e décadas, no quase esquecimento do que constituiu a Cristandade até o Concílio Vaticano II.

    Preocupado com esta nova face da Igreja Católica que ia se formando e até se solidificando, quando assumiu o Papado, o então Papa Bento XVI, incansavelmente, falou da chamada “hermenêutica da continuidade”, embutida neste Concílio. Ou seja, a renovação do que necessitava ser repensado, mas sem descuidar do legado, do depósito da fé de dois mil anos de Cristianismo. Isto porque estavam contidos no Magistério e na Doutrina da Igreja Católica, ambos, rigorosamente, embasados nas Escrituras Sagradas. Mas, a pressão exterior, sob o véu do progressismo, sobre leigos e consagrados, de forma consciente ou não, acabou gerando um desvirtuamento tal, que só não destruiu a Igreja até o nosso tempo, porque o próprio Jesus afirmou que as portas do Inferno sobre ela jamais prevalecerão. 

    A propósito, voltando um pouco no tempo, foram agregados outros fatores dentro da própria Igreja Católica, mais arraigados, que influenciaram leigos e consagrados ao longo do tempo. Tais fatores remontam a meados do século XIX, quando a Maçonaria e o Manifesto Comunista, vieram ambos a público, em 1848, e, com ousadia, afirmaram seus propósitos, obviamente, sob a capa do bem comum. Se mostravam pretensamente humanistas, ou seja, tendo por base ideais, já bastante conhecidos, como “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”, que remontavam à selvagem e sanguinária Revolução Francesa, em 1789, referida logo no início deste texto. Desse modo, é sabido e documentado que houve a partir desta época – isto é, meados do século XIX, infiltrações nos seminários. Estas infiltrações avançaram com mais ênfase no período da Revolução Comunista, em 1917, estendendo-se tal estratégia, ou seja, a da tentativa de enfraquecimento da Igreja Católica durante todo o período no qual estava no comando da URSS (União das Repúblicas Socialistas), o ditador russo, Joseph Stálin e período posterior. Neste, foi engendrada a estrutura da Teologia da Libertação, que consistia para o comunismo russo uma extensão de seu domínio na América Latina. Este dado veio à tona através de entrevistas com um ex-espião da União Soviética, Ion Mihai Pacepa, que foi general da polícia secreta da Romênia comunista. Pacepa pediu demissão do cargo e fugiu para os Estados Unidos, no fim da da década de 70. Obviamente, não teria curso esta estratégia se não houvesse na Igreja Católica uma leva de simpatizantes do ideário comunista. De modo similar, isto é, engendrar tentativas de minar a Igreja Católica por dentro por agentes externos se aplica também à Maçonaria, já antes referida, mas esta, sub-repticiamente, adotou uma tática pública, ou seja, buscar a aceitação de maçons no seio da Igreja. Esta entidade, que passou a ostentar uma fachada social, mas mantém encontros fechados a partir de certo grau que seus membros “ascendem”, fez duas tentativas ostensivas. Uma delas se deu durante a gestão do Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o então Cardeal Joseph Ratzinger (de novembro de 1981 a abril de 2005), no início do Papado de João Paulo II (16 de outubro de 1978), que a rechaçou, e no Papado do próprio Bento XVI, a partir de 2005. Este, encomendou a uma junta de especialistas alemães um exame sobre a base conceitual da Maçonaria, e, já no 2º Grau, entre os 33 que a compõem, ficou comprovado que esta associação não se adequava ao Cristianismo e, por extensão, à Doutrina católica. Desse exame, foi lavrado um parecer em que consta não haver compatibilidade entre ser maçom e participar da Igreja Católica.

    IGREJA INVISÍVEL

    Assim, este verdadeiro bombardeio de propostas de “ser Igreja”, após as inúmeras leituras da proposta inicial do Concílio Vaticano II, em um mundo que adentrava em uma era neopagã, não poderia resultar em outra coisa, a não ser em uma fragmentação, onde a Igreja Católica passou a agradar ou ter os bons olhos da sociedade, em franco ímpeto de rejeição do passado, a partir dos anos 50 e 60. Isto, se deu em larga escala e os aplausos, interna e externamente, foram muitos, o que por si só é algo que é estranho ao Cristianismo. Ou seja, se o espírito mundano nas sociedades gera aprovação é porque a Doutrina da Igreja foi relaxada num todo, e, sendo assim, em seu interior, pouco a pouco os valores cristãos, que são exigentes, principalmente, católicos, passaram a ocupar um segundo plano. Ou seja, foram adotadas ideias e costumes não condizentes com o próprio Cristianismo. Um exemplo disso, foi ao tempo do Concílio, um casal norte-americano apresentou a proposta do uso de pílulas anticoncepcionais pelos católicos, o que gerou muita controvérsia, chamando a atenção da imprensa mundial, que não economizou páginas em entrevistas sobre este ou aquele ponto de vista. De certo modo, se estabeleceu uma ponte entre a Igreja e o mundo nesta época. Era o que o pensamento mundano queria, incluindo boa parte dos leigos católicos, mas o uso da pílula pelos casais católicos se opunha radicalmente ao valor que o Cristianismo dá à abertura ao dom da vida no matrimônio. Ainda que a proposta tenha sido rejeitada, a difusão do assunto pelo mundo inteiro, deu margem à aceitação pelas famílias católicas do controle da natalidade por este meio. Isto, como que desgastou o princípio da geração da vida, dádiva de Deus, passando a vinda de uma criança a ser calculada, planejada, conforme as condições materiais dos casais católicos. Assim se deu com o recurso ao DIU (Dispositivo Intra Uterino) pelas mulheres, inclusive católicas, no mundo inteiro. Para piorar o quadro instalado, a partir deste acontecimento, já em 1972, nos Estados Unidos, o direito ao aborto foi aprovado, amparado por lei federal. Alguns Estados acolheram a legalização, enquanto outros o mantiveram como ilegal. Foi o estopim para a ideia se espalhar pelo mundo todo, quando surgiram no início da da década de 70, os primeiros movimentos pró-aborto, na esteira da “revolução sexual” surgida nesta mesma década ou poucos antes dela. A propósito, a Profª Dra. em Filosofia, Alice von Hildebrand, esposa do renomado filósofo e teólogo católico, Dietrich von Hildebrand, teceu em seu livro “O Privilégio de Ser Mulher”, duras críticas ao aborto legal, que, como é sabido, trouxe consigo a cultura da morte a centenas de países. Na mesma esteira, em toda exposição pública a que tinha acesso, Madre Teresa de Calcutá falava em auditórios no Ocidente contra a prática do aborto. Dizia ela que, se alguém é capaz de matar uma criança em seu ventre, o que esperar de uma sociedade que patrocina este assassinato? Em sua singeleza, pedia, quando estava diante da situação que a mãe desse à luz e trouxesse a criança para ela adotar. Foi ouvida e levada a sério por muitas pessoas, que, ao fim e ao cabo, por ser muito admirada pelo Papa João Paulo II, a trazia para falar às multidões. Com certeza, Santa Teresa de Calcutá teve grande influência em seu combate ao aborto, abrindo os olhos de milhares enquanto viva esteve, e, na atualidade, por certo, o mesmo acontece a milhões de pessoas de todos os credos, já que com o advento da internet, seu pensamento obstinado contra o aborto, continua circulando no mundo todo. É uma gota em um oceano de mal feitos, mas é bendita sobremaneira esta filha da Igreja Católica, já que sua voz determinada, ainda que humilde, marcou profundamente gerações de adultos e jovens, que passaram a lutar em movimentos pró-vida, principalmente, no rebanho católico. 

    São exatamente estes leigos, que são indiferentes ao respeito humano – termo antigo, já em desuso, mas ainda válido, a saber, colocar o ser humano à frente do que é correto aos olhos de Deus – é que compõem a Igreja invisível, fazendo frente aos desatinos do mundanismo. É importante dizer que há correntes no interior da Igreja, que compõem entusiasticamente a Cristandade contemporânea, mas não se dão conta de que não estão levando em conta o legado do Santo Magistério e da Sã Doutrina católicos nesse sentido. Mais ainda, o que é pior, os desprezam, deixando-se arrastar por ideais contrários à própria Doutrina Social da Igreja Católica, tal como o comunismo e o socialismo, pela via do marxismo. Ora, como cristãos, em obediência aos ensinamentos de Jesus aos Apóstolos, no Novo Testamento, seria uma decorrência natural rejeitar o mundo e as ideias e atitudes apartadas desse ensino. 

    Dessa forma, na atualidade, o ideário do “politicamente correto”, de base marxista, quase dominante na cultura, deve ser rejeitado com decisão pelos cristãos, porque sua base é neopagã, isto é, o ser humano é o fundamento de todas coisas, – ou seja, se trata de um humanismo radical, portanto, ateu e materialista. Dessa maneira, é um mundo sem Deus e sua Lei Revelada, daí porque remonta ao tempo do paganismo. Esta tendência, que deriva do marxismo, conseguiu, pouco a pouco, se imiscuir na Igreja, e encontrou na corrente da Teologia da Libertação uma via de pleno desenvolvimento. Nesta, Deus, como que está a serviço dos interesses materiais, em nome de uma pretensa justiça social, ou seja, o Paraíso na Terra aqui e agora, em vista da instauração do Reino de Deus. Esta “teologia” é enganosa, além de reduzir ao mínimo o caráter sagrado da fé católica. 

    No entanto, a Igreja invisível persiste, guiada pelo Espírito Santo, suscitando combatentes, que atuam dentro e fora dela, sem esmorecer. Ali onde o erro quer dominar, surge um movimento contrário. Cumpre-se, então, a promessa de Cristo de que Sua Igreja jamais seria destruída. É verdade que em seu todo, a Igreja Católica, neste século e desde o início do passado, pareça, aqui e ali, desfigurada, ao ser comparada à Igreja primitiva até o advento da era industrial. Nesse sentido, não importa tanto a forma, e, sim, o conteúdo de sua mensagem. Até é possível conviver com o despojamento estético das igrejas católicas, como se fossem templos protestantes, isto é, sem as bordaduras das roupas clericais ou o estilo arquitetônico moderno, ainda que seja lamentável vê-las despojadas de belas imagens inspiradoras. A ascese, o fervor místico, na prática, desaparecem da mente e do coração do fiel. Mas há algo ainda pior nesse sentido. Em várias partes do Brasil e no mundo, não é possível ver crucifixos com a figura de Jesus Cristo, e menos ainda, uma imagem da Virgem Maria. No máximo, são apresentadas figuras estilizadas, inclusive da Via Sacra. No entanto, como foi referido acima, é possível suportar essa dessacralização se há um sacerdote piedoso, inspirado e sábio. Quando não há um tal sacerdote, as almas divagam dentro da própria igreja, conferindo o celular ou conversam sobre assuntos alheios à Santa Missa. Tem sido muito comum estas ocorrências devido à dispersão quase generalizada, à perda do sentido do sagrado, à ênfase que, no mundo publicitário, é dada ao que está acontecendo nas redes sociais. É um problema amplo, mas se é levado para a celebração, fica evidente o que a dessacralização gera na vida dos fiéis.

    Por conseguinte, esta combinação, ou seja, a falta de dedicados pastores de almas e a mundanização, gera como que um efeito cascata, que atinge indiretamente as famílias, minando até mesmo seu sentido de estar no mundo. Afinal, a Igreja é o Corpo de Cristo, do qual Ele é a Cabeça. Este Corpo é composto, em sua maioria, de famílias, desde a pia batismal até o matrimônio. Se não há ensino, admoestação e exortação, por parte de padres e Bispos em homilias bem preparadas, o que pais (e filhos por extensão), ou jovens, o quê todos vão levar para casa e pôr em prática em relação aos valores cristãos?

    Novamente, volta o drama que o neopaganismo vigente espalha com seus inúmeros tentáculos. Não seria este ideário – o neopagão, obviamente – que poderia trazer paz, amor mútuo, compreensão e perdão entre os membros de uma família, pelo contrário, vai predominar a confusão, o desencontro. Daí a importância de bons pastores, bons confessores, que vão ser, em quase todas as situações de conflito, uma influência benévola. Vão como que “por nos eixos” os desajustes eventuais que qualquer família católica, vez ou outra, atravessa, ao viver em um mundo que tende para o caos. Este é o poder da Igreja invisível, que como a palavra refere, não pode ser vista, porque é mística, mas, na trama caótica do mundo, é vital, essencial. Nosso Senhor Jesus Cristo a orienta e pequenos milagres acontecem todos os dias nas famílias ou aos indivíduos, por intermédio dos sacerdotes a Ele fiéis, bem como, leigos, profunda e valentemente, cristãos.

    Lúcia Barden Nunes – Jornalista.

    %d blogueiros gostam disto: