“A FÉ EM NOSSO SENHOR” – Conferência de São Pedro Julião Eymard – Apóstolo da Eucaristia e propagador do culto solene à Jesus Sacramentado (Congregação das Servas do Santíssimo Sacramento da Adoração Perpétua)

Apóstolo da Eucaristia e propagador do culto solene à Jesus Sacramentado, São Pedro Julião Eymard nasceu no norte da França, em Esère, no dia 4 de fevereiro de 1811 e faleceu em 1º de agosto de 1868. A sua memória litúrgica deve ser celebrada em 2 de agosto, um dia após o de sua morte. (LBN)

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

st pierre julien eymard

Pensamentos São Pedro Julião Eymard, extraídos de Servos da Eucaristia.

Jesus está na Eucaristia, portanto todos a Ele“.

 

Uma boa hora de adoração diante do Santíssimo Sacramento produz maior bem do que todas as igrejas de mármore que possamos visitar ou todos os túmulos que possamos venerar.”

 

O grande mal de nossa época é que não vamos a Jesus Cristo como a seu Salvador e a seu Deus. Abandona-se o único fundamento, a única fé, a única graça da salvação… Então o que fazer? Retornar à fonte da vida, mas não ao Jesus histórico ou ao Jesus glorificado no céu mas sim ao Jesus que está na Eucaristia. Temos que fazê-lo sair de seu esconderijo para que possa de novo colocar-se à cabeça da sociedade cristã… Que venha cada vez mais o reino da Eucaristia: Adveniat regnum tuum!

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Fonte: Congregação das Servas do Santíssimo Sacramento da Adoração Perpétua (Conferência proferida por São Pedro Julião Eymard)

 

A FÉ EM NOSSO SENHOR

“Se tiverdes fé como um grão de mostarda, vós fareis as montanhas mudarem de lugar.” [cf. Mt 17,20]

Mas nossa fé que opera tão pouco deve ser bem pequena! Digamos, portanto, como os Apóstolos: Senhor, aumentai a nossa fé [Lc 17,5]. Não peçamos a fé nos milagres, nas verdades, mas em Nosso Senhor Presente. Crê-se nas verdades passadas e distantes que quase não nos tocam. Mas em Nosso Senhor Presente, quase não se tem fé, porque seria necessário amá-LO. Não se acredita em alguém, sem amá-lo, sem honrá-lo. Tem-se medo dos sacrifícios que este amor exige. Ora, todos nós cremos na Eucaristia como verdade, presença – é a salvação. Muitos param aí: fé de conhecimento, fé quase negativa, que quase não honra, que se ocupa muito pouco daquilo que crê. Todos os cristãos têm esta fé; isso não deve bastar ao coração, esta não é uma fé pessoal, é uma fé negativa e especulativa, que não insulta, mas que não honra, ou então que só honra a Nosso Senhor na Igreja – e ainda! Eles entram, não saúdam, ou saúdam de forma ridícula; se tivessem fé, dever-se-ia esbofeteá-los, são insultadores, ou máquinas que não refletem. Se dissessem a si mesmos: “Jesus que lá está é o mesmo que está no Céu! Tudo treme ao Seu olhar, obedece à Sua palavra, Ele tem em sua mão o raio, o trovão”, não se faria o que se faz. Veem-se Igrejas onde os sacristãos, pessoas honestas não fazem nem saudação, nem reverência: é um escândalo. E se eu fosse pagão, vendo isso, jamais me converteria. Vede, a fé, em seu primeiro grau, é o respeito; pois, será que só porque Nosso Senhor Se velou, deve-se faltar com o respeito para com Ele? Pouco respeito significa pouca fé, falta de respeito, impiedade e indiferença. Isto me faz sofrer, crede-me, não falteis jamais com o respeito ao Santíssimo Sacramento. É preferível não vir. As irreverências no lugar santo são sempre punidas neste mundo. Nosso Senhor não pune, Ele quis de tal forma Se esconder!

Depois desta fé na verdade que honra a dignidade, a realeza, que respeita, que é a fé prática, é preciso crer na bondade de Nosso Senhor. Crer na verdade não prende, não cria laços de afeição. Crede em Sua bondade, em Sua misericórdia, em Suas graças. Crede que Ele está lá para conceder Suas graças. Ele não quer guardá-las. Recebei-as ao menos, desembaraçai-O delas. E se credes nesta bondade, doente, vós O consultareis, triste, vós vireis pedir-Lhe a consolação. Na medicina o que melhor cura é o fogo, o éter, o que queima – eis aqui o fogo divino que cauteriza toda ferida.

Vós tendes necessidade de conselhos, vinde a este Amigo, vinde dizer vossas penas corporais e espirituais, o pão para a natureza e para a graça: tudo vem d’Ele nas duas ordens; vós não sois Anjos, tendes necessidades do corpo, pedi a Nosso Senhor. Ele quer fazer pessoas felizes cada dia, Ele quer aplicar o bálsamo, comunicar a força, a luz. Ele é mais feliz em dar, do que nós em receber. Se tivéssemos esta fé, desde que tivéssemos qualquer necessidade, viríamos a Ele. Faz-se tudo ao contrário: vai-se a tudo e termina-se por Ele. Tem-se medo de Sua bondade. Cada um gosta de restituir o que recebe para estar quite. Nosso Senhor dá e não recebe nada, Ele pede somente o reconhecimento. Não gostamos de estar em dívida de reconhecimento. Os Santos sabem disso, ide – eles O fazem trabalhar, desatam-NO, fazem-NO agir. Quase não temos fé, uma vez que permanecemos infelizes longe d’Ele. Digo-vos que temos medo d’Ele. Nada podemos receber de Nosso Senhor sem nos prendermos pelo amor.

Além disso, existe a fé no amor de Nosso Senhor; isto completa a fé na Eucaristia. Crer que Ele está lá por amor, que este amor é tão forte, tão grande, que Ele não pode mais se tornar livre. É um contrato perpétuo. E se Lhe perguntamos: “Por que estais aí?”, Ele não dirá que é para nos fazer o bem, isto nos humilharia. Ele responderá que é por amor, para ser nosso Companheiro, conversar conosco. Se Ele não nos amasse, não estaria lá. A bondade poderia se contentar com os canais dos Sacramentos para nos conceder as graças. O amor não, o amor quer estar lá Ele mesmo. É o fogo que somente Nosso Senhor pode acender e entreter. Também somente o amor vem a Nosso Senhor, ao Seu amor, quero dizer. Se se acreditasse nisso, haveria de que se tornar louco de amor. Jesus Cristo o mesmo que está no Céu! Amando com um amor infinito! Não se poderia mais ir embora. Alguns Santos viviam do êxtase deste amor compreendido.

Nós estamos ainda longe de acreditar que Nosso Senhor está lá, amando-nos como no Céu, mais que isto, consumindo-Se de amor, enquanto que no Céu, Ele não Se consome. O que fazer? Humilhar-se por ter amado mais as criaturas do que Nosso Senhor! por não ter feito por Ele o que fizestes pelo próximo.

Peçamos a fé na bondade, no amor de Nosso Senhor. Devemos pedir que a fé no Santíssimo Sacramento ressurja na terra – eu digo ressurja, porque ela já não existe. Pedi a fé para essas almas que não creem, que estão paralisadas. É isso o que se deve pedir: a fé no coração, na vida de Nosso Senhor. O resto virá, e depressa nos converteremos com isso.

(Conferência feita por São Pedro Julião Eymard em 14 de maio de 1868).

OBRAS COMPLETAS / XII VOLUME)

Publicado em Congregação das Servas do Santíssimo Sacramento da Adoração Perpétua.

Patriarca Latino de Jerusalém presidirá no Santuário de Fátima a peregrinação internacional de 13 de maio (Tarde com Maria)

Fátima_Portugal_2014

Publicado em Tarde com Maria (texto e foto).

O Patriarca Latino de Jerusalém, Dom Fouad Twal, presidirá no Santuário de Fátima a peregrinação internacional de 13 de maio.

Numa entrevista à sala de imprensa do Santuário de Fátima, Dom Twal apresentou as principais intenções de oração que serão feitas num local onde “Maria continua irradiando sua luz, seu amor de Mãe e seus ensinamentos”.

“Irei apresentar a Nossa Senhora as súplicas de seus filhos do Oriente Médio e as de seus filhos do mundo inteiro. De modo especial, pedirei pelas necessidades dos cristãos e de todos os habitantes de sua pátria: a Terra Santa. Peço a todos para que rezem pela Terra de Jesus e de Maria”, frisou o patriarca.

Nas mesmas declarações, Dom Twal falou sobre a primeira viagem do Papa Francisco à Terra Santa de 24 a 26 de maio próximo, afirmando que o Santo Padre irá à Terra Santa “como peregrino da paz e da unidade”, a uma terra “em chamas “, com muros visíveis e invisíveis, difíceis de ultrapassar.

Como gestos concretos para assinalar a peregrinação pontifícia, o Patriarca Latino de Jerusalém pediu liberdade total de acesso aos lugares sagrados para todos os fiéis e liberdade para que as famílias separadas pelo Muro possam se encontrar.

Dom Twal pediu orações pelos cristãos e seu futuro, afirmando que os cristãos no Oriente Médio são uma riqueza para toda a Igreja.

Fonte: Rádio Vaticano.

“Discurso da lua” é proferido espontaneamente pelo Papa João XXIII a fiéis que acorreram à Praça de São Pedro portando velas e em oração, após abertura do Concílio Vaticano II – 11 de outubro de 1962 (YouTube)

“O discurso da lua” é uma das mais famosas intervenções do chamado “Papa bom” ou João XXIII.
Na noite de 11 de Outubro de 1962, após a sessão de abertura do Concílio Vaticano II, uma multidão de fiéis acorreu espontaneamente à Praça de São Pedro com velas e em oração.
Informado pelo seu secretário, Mons. Capovilla, João XXIII aproximou-se à janela, e, emocionado, falou de improviso.
O caráter coloquial e absolutamente inesperado da sua saudação, granjeou-lhe o título de “discurso da lua“, devido à referência que o mesmo fez no início do diálogo. (Fonte: YouTube – Canal João Batista Merc..)

“Não tenhais medo!” Papa João Paulo II – Trecho de discurso inaugural – Domingo 22 outubro 1978 (YouTube)

Trecho do discurso inaugural do pontificado do Papa João Paulo II. Apresenta o tema que foi marcante em sua condução pastoral: “Não tenhais medo!” O texto na íntegra pode ser encontrado aqui: http://www.vatican.va/holy_father/joh…

 

Fonte: YouTube (Canal Andlavor).

Eu ressuscito e ressuscitarei para a vida eterna graças à Tua Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição – Domingo – Páscoa (Carmelo Descalço- OCD – 2014)

Graças, vos damos, Senhor…

páscoa carmelo

Senhor,

neste dia de Páscoa,
é com o coração cheio de júbilo
que faço memória e atualizo a fé em que acredito:
creio na ressurreição dos mortos
e na vida do mundo que há de vir.
Sim, Jesus, dou-Te graças infindas, pois,
porque deste voluntariamente a Tua vida,
retomaste-a e retomaste-a para mim.
Eu ressuscito e ressuscitarei para a vida eterna
graças à Tua Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição.
O coração não cabe em mim de tanta alegria por esta certeza.
Que ela inunde a minha vida, sare as minhas feridas,
cure os meus desgostos e alivie as minhas dores,
porque a Vida venceu a morte, o mal e todo o pecado.
E a vida é a Vida de Deus,
que Tu derramaste no meu coração
e está em mim presente, agora e sempre!

 

Publicado em  Carmelodescalco Ocd.

A Igreja não olha para os homossexuais como tais, mas como filhos de Deus (Parte I) – Paris – Entrevista – 20 de fevereiro de 2014 (Zenit.org – Roma)

Entrevista proveniente de Agência Zenit (Roma).

A Igreja não olha para os homossexuais como tais, mas como filhos de Deus (Parte I)

Padre Paul Check relata como nasceu o apostolado “Courage”, voltado para aqueles que mostram atração para pessoas do mesmo sexo

Paris, 20 de Fevereiro de 2014 (Zenit.org) Ann Schneible

The Courage é um apostolado que atende às necessidades das pessoas atraídas pelo mesmo sexo, que se sentem excluídas da Igreja e que querem encontrar a sua unidade além do rótulo de homossexuais.

Nascido nos EUA, onde está presente em metade das dioceses, o projeto então, se espalhou em outros doze países, sempre com o objetivo de ajudar aqueles que têm tendências homossexuais, a viver em castidade, em um espírito de amor e de verdade.

Para conhecer a realidade do The Courage, ZENIT entrevistou o Pe. Paul Check, que tornou-se diretor do projeto após a morte do seu fundador, padre John Harvey.

Acompanhe a seguir:

***

ZENIT: Padre Paul, gostaria de nos contar brevemente a história do apostolado The Courage?

Padre Check: Em 1980, o futuro Cardeal Arcebispo de Nova York, Terence Cooke, teve a ideia de criar um apostolado que se preocupasse pelas pessoas necessitadas da proteção materna da Igreja e da sua caridade pastoral, pessoas que se sentissem estranhas à Igreja ou que até mesmo a odiassem. O cardeal pediu, portanto, ao padre Benedict Groeschel para ajudá-lo em um novo apostolado destinado a homens e mulheres com tendências homossexuais, para que compreendessem o amor de Cristo por ele, o seu papel reservado na Igreja, a sua chamada a uma vida de castidade, e as graças que Deus lhes teria concedido caso se abrissem a Ele.

Padre Groeschel conhecia um sacerdote que há muitos anos estudava questões relacionadas à homossexualidade, um verdadeiro pioneiro neste campo: padre John Harvey, um oblato de São Francisco de Sales.

Em 1980, sete homens se reuniram em Manhattan, sob a orientação do padre Harvey e formularam os cinco objetivos de Courage: castidade, oração e dom de si, amizade em Cristo, necessidade de amizades castas e disseminação do bom exemplo.

Além de formar esses grupos de apoio, The Courage oferece treinamento para sacerdotes e seminaristas, ajudando-os a compreender o seu desafio na compreensão da complexidade da homossexualidade e ajudar, por sua vez, homens e mulheres com essa inclinação.

ZENIT: Como pode ser definido e compreendido a atração pelo próprio sexo? E como eles podem definir-se, as pessoas homossexuais?

Padre Check: Esta questão realmente vai ao coração do nosso trabalho. A linguagem é muito importante, porque as palavras evocam imagens, idéias e problemas, por vezes profundamente enraizados. Há, de fato, muita sensibilidade sobre a linguagem, dá-se muito peso às palavras.

Procuro aproximar-me com muito cuidado da questão da identidade, a partir de duas perspectivas, assim como o faz a Igreja, seguindo o exemplo de Cristo. No Evangelho, o Senhor compromete as pessoas de duas formas: a primeira é no ensinamento em grupo, como ocorre, por exemplo, no Sermão da Montanha. Ao mesmo tempo, porém, Nosso Senhor envolve as pessoas individualmente, encontra as almas individualmente e apresenta-lhes a Boa Nova de forma muito precisa, clara e íntima, para orientá-los a um conhecimento mais profundo de si mesmos.

Isso é um desafio, porque a Igreja quer transmitir a sua mensagem mas também encontrar pessoalmente as mulheres e os homens.

Devemos ter em mente que a identidade real e aquela percebida podem não coincidir.

A sua pergunta exige uma longa premissa que espero que possa ajudar, de modo que aquilo que estou pra dizer não pareça insensível ou ignorante da realidade vivida. Jamais podemos dizer: “a sua experiência de si mesmo não é válida”, como se nós soubéssemos mais daquela pessoa do que ela dela mesma.

Portanto, o vocabulário da Igreja foi escolhido com muito cuidado e, ao longo dos anos, tornou-se sempre mais e mais preciso. Ao dizer isso, quero dizer que a Igreja é muito cuidadosa para medir todos os aspectos da experiência humana, de acordo com a sua importância e para dar às coisas o seu peso adequado.

A Igreja evita rotular uma pessoa com base em sua orientação sexual, sem subestimá-la por isso ou sem ser insensível ao conceito que cada um tem de si mesmo. Eu acho que seja interessante notar que a questão mais importante da história da humanidade seja a da identidade. Jesus, afinal, perguntou aos apóstolos: “Quem dizem que eu sou?”.

Quando a Igreja fala de homossexualidade, fala no mais amplo contexto da castidade. A castidade é uma virtude que neutraliza as falsas aspirações, regulando o apetite sexual de acordo com a reta razão e o projeto de Deus para a natureza humana. Um coração casto é um coração em paz, que dá tudo de si mesmo, de acordo com o seu estado de vida, e de acordo com esse dom de si, encontra a sua realização. Um dos maiores desafios que a Igreja está enfrentando hoje é o de propor a castidade como parte da “boa nova”, mas Jesus o fez e também nós o podemos fazer.

Portanto, a Igreja presta muita atenção em quem é realmente cada um de nós , não apenas como uma pessoa com tendências homossexuais, mas como um filho de Deus, redimido pelo Sangue Precioso de Cristo e chamado à graça nesta vida e à glória na vida futura. A Igreja diz: as atrações para com seu próprio sexo podem ser um aspecto importante da sua experiência de vida ou até mesmo da sua auto-compreensão, porém procura não ver-lhe somente através da lente da homossexualidade.

A Igreja fala com atenção e amor quando fala da tendência ou atração homossexual, em vez de usar substantivos como “homossexual”, “lésbica” ou “gay”.

(Tradução Thácio Siqueira)

Ideologia contrária à vida e à família natural evidencia sua capacidade de formular e condicionar os documentos das Comissões das Nações Unidas (Entrevista – Zenit.org – Roma)

Artigo e imagem publicados no site Cleofas (Prof. Felipe Aquino) – “A total destruição da família“.

—————————————————————————————————————————————————————–

Texto proveniente de Zenit.org (Roma).

ENTREVISTA

ONU: Quando a política é distorcida pela ideologia

Stefano Gennarini C- Fam conta como a ideologia contrária à vida e à família natural é capaz de formular e condicionar os documentos das Comissões das Nações Unidas

Roma, 07 de Fevereiro de 2014 (Zenit.org) Junno Arocho

Tem causado polêmica no âmbito internacional o Relatório do Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança que critica fortemente a Igreja Católica. O que é mais surpreendente é que o Comitê da ONU não se limitou apenas a lançar críticas venenosas, mas pretendeu que a Santa Sé se retire da oposição às políticas abortivas e pare de se opor  aos casamentos e adoções por casais homossexuais. Mons. Silvano Maria Tomasi, Observador permanente da Santa Sé junto aos Departamentos da ONU em Genebra, argumentou que o relatório em questão foi formulado e escrito por pessoas que têm fortes preconceitos contra o Vaticano.

Stefano Gennarini , diretor do Centro de Estudos Legais C- FAM , também está convencido de que o relatório da Comissão tenha sido escrito e utilizado como uma ferramenta contra a Igreja Católica. C- FAM, “Instituto para a família e os Direitos Humanos” com sede em Nova York e Washington, foi fundada em 1990 como resposta ao apelo do Beato João Paulo II para que os católicos estejam presentes em praça pública. Para saber mais detalhes, ZENIT entrevistou Stefano Gennarini.

***

ZENIT: O que é o C- FAM e qual é o papel que desempenha na ONU?

Gennarini: C -FAM está comprometida todos os dias em seguir e aprofundar tudo o que acontece nas Nações Unidas, com particular ênfase para as questões da família e da vida. As informações e entrevistas coletadas são  difundidas por um boletim semanal conhecido como “Friday Fax” (O fax da sexta-feira). Como associação, C- FAM participou dos principais encontros e conferências relativas aos temas sociais, como a Conferência do Cairo do 1994, e é reconhecida junto ao Conselho Econômico e Social das Nações Unidas.

ZENIT: O que você acha das recomendações divulgadas pelo Comitê das Nações Unidas sobre os direitos da Criança?

Gennarini: Eu estou acostumado a ver como os funcionários dos departamentos das Nações Unidas conseguem elaborar documentos extravagantes. Neste caso, estou preocupado com aqueles que irão ler estas observações. É uma pena que o Comitê sobre os Direitos da Criança tenha escolhido tomar esse caminho. Dessa forma, estão minando o trabalho da ONU na promoção e no respeito dos direitos humanos. Com este documento a credibilidade deste departamento foi posta em discussão: agora nenhum país tomará a sério as observações do Comitê, porque é evidente que se trata de um documento politicamente e ideologicamente tendencioso.

ZENIT: Portanto, você não está surpreso por este comportamento?

Gennarini: Realmente não. Há anos existem grupos ideologicamente militantes do aborto e do matrimônio e adoção gay; grupos que são maioria nos departamentos de organismos das Nações Unidas. Estes grupos gozam de generosas doações provenientes dos países do Norte e daqueles europeus. Sua ideologia distorce a realidade, de tal forma que embora nenhum tratado mencione o aborto a orientação sexual e questões semelhantes, eles são capazes de inserir argumentações ideológicas nos documentos oficiais. Inserindo argumentações ideológicas distorcem a interpretação jurídica. É uma pena, porque as indicações dos comitês de vigilância dos departamentos da ONU poderiam desempenhar um papel importante no ajudar os países a fazer respeitar os direitos humanos. Pelo contrário, o debate foi todo dirigido à promoção do aborto e da homossexualidade. Este modo de atuar alimenta o ceticismo daqueles que criticam as Nações Unidas e especialmente o Departamento para a promoção e o respeito dos Direitos Humanos. O ataque contra a Igreja Católica estava no ar. Os partidários de certas ideologias estão sempre tentando manchar a imagem pública da Santa Sé. Para eles, o Vaticano é o inimigo público número um. Não suportam que a Santa Sé se oponha a violações da dignidade humana. Se não fosse o trabalho da delegação vaticana junto às Nações Unidas e da Secretaria de Estado, o aborto e a sodomia[*] poderiam já ter sido declarados como direitos humanos universais. A Santa Sé é a única delegação da ONU que não aceita qualquer ambiguidade sobre questões que afetam a dignidade dos meninos e das meninas. Em geral, as delegações dos diferentes Países não estão dispostas a lutar para defender o nascituro.

ZENIT: Mons. Tomasi, Observador Permanente da Santa Sé na ONU, em Genebra, disse em uma entrevista que o relatório “foi escrito” antes mesmo de que a Santa Sé fizesse a sua apresentação à comissão. É verdade?

Gennarini: É um fato. Mons. Tomasi está simplesmente afirmando o que muitos daqueles que trabalham nas Nações Unidas já sabem. A verdade é que os documentos não são escritos por especialistas que compõem o corpo de monitoramento dos tratados. Esses especialistas não são compensados ​​pelo trabalho que fazem e trabalham sobre estas questões apenas um par de semanas por ano. Quem está realmente no controle desses processos é o pessoal das Nações Unidas e do Departamento do Alto Comissariado para os Direitos Humanos que trabalham em tempo integral em Genebra para preparar relatórios, observações e recomendações. Assim, quando os especialistas reuniram-se com a Santa Sé em janeiro e falaram com Mons. Tomasi , elogiaram o trabalho da Santa Sé para proteger as crianças. E, no entanto, foi tudo inútil, porque os burocratas das Nações Unidas já tinha decidido as suas observações.

ZENIT: Então é verdade o que disse o arcebispo, ou seja, que detrás das observações do Comitê tinha uma boa parte das organizações não governamentais prováveis a favor do casamento gay e do aborto?

Gennarini: Sem dúvida. Os países nas Nações Unidas reclamaram muitas vezes a falta de transparência na forma como os comités de vigilância interagem com as organizações não-governamentais. Muitas vezes, as informações fornecidas pelos países membros são ignoradas e as Comissões se baseiam quase exclusivamente em informações provenientes desses grupos. A mesma Comissão acusou a Santa Sé de provocar as violências contra os homossexuais, condenou a Rússia por ter emanado uma lei que protege os menores de informações que poderiam influenciar negativamente a sua saúde, enganando-lhes que os atos homossexuais são iguais aos de uma relação sexual entre um homem e uma mulher. Grupos homossexuais querem que as suas escolhas sexuais sejam abraçadas por toda a sociedade e por isso a ONU é um outro instrumento para alcançar este objetivo. É uma pena que uma série de organizações que promovem o aborto e o matrimônio gay, os direitos sexuais para as crianças e coisas do tipo tenham conseguido uma tal força dentro dos organismos das Nações Unidas. Estamos falando de organizações fortes e mundialmente respeitadas como Amnesty International e a Comissão Internacional dos juristas e de outros grupos de mais recente formação, como o Centro para os direitos reprodutivos e Human Rights Watch. O que aconteceu nos últimos 30 anos é que muitas organizações para os direitos humanos – cujo objetivo era afirmar direitos civis e políticos durante a Guerra fria – se encontraram sem causa após a queda do Muro de Berlim. Então, concentraram a sua atenção sobre os direitos sexuais. O que eles querem é transformar a autonomia sexual desenfreada em uma norma fundamental dos direitos humanos. O aborto e o homossexualismo são simplesmente as manifestações mais extremas da autonomia sexual desenfreada. Nos países ocidentais, onde esta autonomia sexual ganhou um lugar privilegiado, essas organizações foram financiadas por mais de 20 anos com bilhões de dólares colocados à sua disposição para pagar litígios, educação, lobby e outros projetos para promover as suas causas.

ZENIT: Neste contexto como é que C- FAM atua como uma instituição voltada para os direitos humanos e familiares? Como vocês têm a intenção de reagir a este relatório da ONU?

Gennarini: C -FAM lançou uma petição em apoio da Santa Sé: http://www.defendthevatican.org . Esperamos apontar aos nossos amigos nas Nações Unidas mais um exemplo de abuso por parte de comitês da ONU. Nos últimos três anos, temos trabalhado em estreita colaboração com os diplomatas na Assembleia Geral das Nações Unidas para reformar os órgãos previstos pelo tratado e permitir-lhes funcionar corretamente no futuro. É importante que estes especialistas tenham em conta este trabalho. É o único modo de garantir que se evite no futuro opiniões extravagantes desse tipo. Até que os especialistas possam interpretar os tratados como quiserem, isso continuará a acontecer. E, naturalmente, continuaremos a tratar esses temas em www.c-fam.org

Tradução de Thácio Siqueira

(07 de Fevereiro de 2014) © Innovative Media Inc.

Publicado em Zenit.org.

[*] – Palavra de origem bíblica.

Natal de Jesus: um menino que nasce – envolto em mistério – para ensinar a força do perdão e do amor

Entraremos na semana do Natal dentro de poucos dias, quando todo o mundo ocidental-cristão, tradicionalmente, comemora um acontecimento ocorrido há dois mil anos: o nascimento de uma criança, de um menino – Jesus. Ainda que o sentido da festa esteja comprometido em razão do apelo comercial excessivo, o significado da vinda do Jesus – “Homem”, continua sendo muito significativo em todas as partes do mundo.

Por pensar deste modo, apresento a vocês uma composição visual que, admito, produzi, com certa dificuldade. É fruto da manipulação de algumas imagens muito belas que encontrei no site que refiro mais abaixo, com o fito de representar uma cruz. Posso dizer que pelo resultado final, senti muita satisfação interior. Acredito ser óbvio o motivo (pelo menos, para mim o é): fala em essência da Cristandade.  Em seu conjunto, podemos concluir que estamos diante da obra maravilhosa de Jesus, após sua vinda em carne a este mundo, que se deu através do “sim” corajoso e total da Virgem Maria.

Assim, ao estarmos diante de qualquer Cruz, somos levados também a pensar que Jesus Cristo foi Crucificado por nossas faltas, e, é o primeiro Ressuscitado para toda a Eternidade, para nossa redenção. Ele é a nossa esperança! Em Seu divino, puro e profundo amor por cada um de nós, criaturas de Deus (preocupado com Sua partida), tranquilizou-nos, homens e mulheres de todos os tempos:  “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida“.

Preparemo-nos interiormente para o verdadeiro sentido do Natal. (LBN)

jesus-resurrection-easter-02-150x1502

jesus-all-0116-150x150

jesus-resurrection-tomb-150x1501

jesus-saves

jesus-to-the-rescue-150x150

Crédito/imagens:

http://www.turnbacktogod.com/jesus

São João da Cruz – Memória – 14 de dezembro (Espiritualidade Carmelita)

Fonte: Espiritualidade Carmelita

Breve Biografia de São João da Cruz

A mosca que pousa no mel não pode voar; a alma que fica presa ao sabor do prazer, sente-se impedida em sua liberdade e contemplação.

São João da Cruz nasceu em 1542 em Fontiveros, província de Ávila, na Espanha. Seus pais se chamavam Gonzalo de Yepes e Catalina Alvarez. Gonzalo pertencia a uma família de posses da cidade de Toledo. Por ter-se casado com uma jovem de classe “inferior” foi deserdado por seus pais e tornou-se tecelão de seda.

Em 1548, a família muda-se para Arévalo. Em 1551 transfere-se para Medina del Campo, onde o futuro reformador do Carmelo estuda numa escola destinada a crianças pobres. Por suas aptidões, torna-se empregado do diretor do Hospital de Medina del Campo. Entre 1559 a 1563 estuda Humanidades com os Jesuítas. Ingressou na Ordem dos Carmelitas aos vinte e um anos de idade, em 1563, quando recebe o nome de Frei João de São Matias, em Medina del Campo. Pensa em tornar-se irmão leigo, mas seus superiores não o permitiram. Entre 1564 e 1568 faz sua profissão religiosa e estuda em Salamanca. Tendo concluído com êxito seus estudos teológicos, em 1567 ordena-se sacerdote e celebra sua Primeira Missa.

Infelizmente, ficou muito desiludido pelo relaxamento da vida monástica em que viviam os conventos carmelitas. Decepcionado, tenta passar para a Ordem dos Cartuxos, ordem muito austera, na qual poderia viver a severidade de vida religiosa à que se sentia chamado. Em setembro de 1567 encontra-se com Santa Teresa, que lhe fala sobre o projeto de estender a Reforma da Ordem Carmelita também aos padres. O jovem de apenas vinte e cinco anos de idade aceitou o desafio. Trocou o nome para João da Cruz. No dia 28 de novembro de 1568, juntamente com Frei Antônio de Jesús Heredia, inicia a Reforma. O desejo de voltar à mística religiosidade do deserto custou ao santo fundador maus tratos físicos e difamações. Em 1577 foi preso por oito meses no cárcere de Toledo. Nessas trevas exteriores acendeu-se-lhe a chama de sua poesia espiritual. “Padecer e depois morrer” era o lema do autor da “Noite Escura da alma”, da “Subida do monte Carmelo”, do “Cântico Espiritual” e da “Chama de amor viva”.

A doutrina de João da Cruz é plenamente fiel à antiga tradição: o objetivo do homem na terra é alcançar “Perfeição da Caridade e elevar-se à dignidade de filho de Deus pelo amor”; a contemplação não é um fim em si mesma, mas deve conduzir ao amor e à união com Deus pelo amor e, por último, deve levar à experiência dessa união à qual tudo se ordena”. “Não há trabalho melhor nem mais necessário que o amor”, disse o Santo. “Fomos feitos para o amor”. “O único instrumento do qual Deus se serve é o amor”. “Assim como o Pai e o Filho estão unidos pelo amor, assim o amor é o laço da união da alma com Deus”.

O amor leva às alturas da contemplação, mas como o amor é produto da fé, que é a única ponte que pode salvar o abismo que separa a nossa inteligência do infinito de Deus, a fé ardente e vívida é o. João da Cruz costuma pedir a Deus três coisas: que não deixasse passar um só dia de sua vida sem enviar-lhe sofrimentos, que não o deixasse morrer ocupando o cargo de superior e que lhe permitisse morrer humilhado e desprezado.

Faleceu no convento de Ubeda, aos quarenta e nove anos, no dia 14 de dezembro de 1591, após três meses de sofrimentos atrozes. A primeira edição de suas obras deu-se em Alcalá, em 1618. No dia 25 de janeiro de 1675 foi beatificado por Clemente X. Foi canonizado e declarado Doutor da Igreja por Pio XI . Em 1952 foi proclamado “Patrono dos Poetas Espanhóis”.

Talvez a mais bela e completa descrição física e espiritual do Santo Fundador tenha sido feita por Frei Eliseu dos Mártires que com ele conviveu em Baeza: “Homem de estatura mediana, de rosto sério e venerável. Um pouco moreno e de boa fisionomia. Seu trato era muito agradável e sua conversa bastante espiritual era muito proveitosa para os que o ouviam. Todos os que o procuravam saíam espiritualizados e atraídos à virtude. Foi amigo do recolhimento e falava pouco. Quando repreendia como superior, que o foi muitas vezes, agia com doce severidade, exortando com amor paternal..” Santa Teresa de Jesus o considerava “uma das almas mais puras que Deus tem em sua Igreja. Nosso Senhor lhe infundiu grandes riquezas da sabedoria celestial. Mesmo pequeno ele é grande aos olhos de Deus. Não há frade que não fale bem dele, porque tem sido sua vida uma grande penitência”. Poucos homens falaram dos sublimes mistérios de Deus na alma e da alma em Deus como São João da Cruz.

saojoaodacruz_espiritualidadecarmelita

Publicado em Espiritualidade Carmelita (por

“O Evangelho de Jesus, acolhido com fé verdadeira, traz alegria incontida e precisa ser partilhado com outras pessoas.” – Dom Odilo Pedro Scherer Arcebispo de São Paulo – SP (CNBB – 27.11.2013)

“JESUS MISERICORDIOSO – Eu confio em Vós”: Impressão poligráfica, replicada a partir da pintura revelada por Jesus a Santa Faustina Kowalska (1931), em visão mística (e, oficialmente aprovada pela Igreja Católica). Pintura restaurada em 2005.

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Com a recém anunciada Exortação Apostólica – Evangelii Gaudium, o Papa Francisco traz o que no mundo católico é tido como uma verdadeira boa nova.  Ela vem para conquistar as consciências de homens e mulheres que se lançam à evangelização em tempos voláteis, relativistas. Esta é a “Nova Evangelização” há muito aguardada por leigos e consagrados, e vem com um tom surpreendentemente positivo numa época permeada pelo que os especialistas chamam de “cultura da morte”. Evangelii Gaudium fala de alegria no anúncio do Evangelho.

Poderia não ter tido esta ênfase, mas o Papa quer trazer uma visão positiva da vida no mundo, justamente para resgatá-lo de suas obscuridades. Certamente, quer alcançar os jovens e os que se afastaram até mesmo da vida cristã  devido às pressões de uma cultura voltada à busca de satisfações  imediatas (consumo desenfreado) ou, então, estão alijados porque perdidos no emaranhado de caminhos que sugerem facilidades, mas que na verdade, confundem as mentes com  sugestões de auto-aniquilamento (em nome de uma suposta mudança de paradigma).

Também não ficam fora do foco da Exortação Apostólica – Evangelii Gaudium – os indivíduos que não estão sendo alcançados pela evangelização porque se encontram em situações de pobreza crônica. O desperdício em nossas sociedades, que anda ao lado da indigência ou linha da miséria o deixa escandalizado. Papa Francisco, nesse sentido, não admite o esquecimento de nenhuma ovelha perdida; quer trazer todas de volta o aprisco. Assim, todos somos convocados a buscá-las e encontrando-as, não ter outra atitude que não a do acolhimento irrestrito em nome  Igreja – o corpo de Cristo, que é a cabeça. E, mais, é católica porque sua vocação é a acolhida, já que  o termo  katholikos traz o significado de “geral” ou “universal”. (LBN)

__________________________________________________________________________________________

Fonte: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

A alegria do Evangelho

27 de novembro de 2013

Dom Odilo Pedro Scherer
Arcebispo de São Paulo (SP)

No Domingo de Cristo Rei, 24 de novembro, o papa Francisco brindou a Igreja com uma bela Exortação Apostólica sobre a evangelização, chamada: Evangelii gaudium – “A Alegria do Evangelho”. É um presente feito à Igreja no encerramento do Ano da Fé, ao longo do qual ela procurou, em todas as suas comunidades, recobrar o fervor da fé.

A Exortação Apostólica traz as contribuições e impulsos da assembleia do Sínodo dos Bispos de outubro de 2012, sobre o tema da “nova evangelização para a transmissão da fé cristã”. Mas também representa uma palavra pessoal do Papa Francisco e retrata sua experiência pessoal de “nova evangelização” na América Latina, especialmente, aquela do Documento de Aparecida.

O Evangelho de Jesus, acolhido com fé verdadeira, traz alegria incontida e precisa ser partilhado com outras pessoas. Quem encontrou Jesus, o Salvador e Senhor, fica de tal modo marcado e fascinado, que não pode segurar só para si essa boa experiência da fé; como os pastores da noite do nascimento de Jesus, em Belém (cf Lc 2,8-20), ou como os apóstolos, no início da pregação do Evangelho (cf At 4,20), também a Igreja sente-se impulsionada a comunicar também aos outros “o que viu e ouviu”.

Assim aconteceu no tempo de Jesus e dos Apóstolos e continuou a acontecer, ao longo da História, em tantas ocasiões e com uma multidão de pessoas. E acontece ainda hoje que homens e mulheres que acolhem com fé e alegria o Evangelho de Cristo, orientando suas vidas para Ele. Muitas pessoas batizadas fazem a experiência de sentir-se amadas por Deus e despertam para um generoso compromisso missionário e evangelizador.

O Evangelho é boa notícia para o nosso mundo e assim deve ser anunciado.  A alegria da fé, nascida do Evangelho, continua a levar a Igreja a anunciar e a compartilhar com outros o dom recebido, mesmo a custo de muitos sacrifícios e cruzes.

No encerramento do Ano da Fé, somos todos novamente enviados em missão, como “discípulos do Reino de Deus”. Anunciar o Evangelho e testemunhar a força e a eficácia de sua ação transformadora não deveria ser uma obrigação pesada, mas uma necessidade que brota do coração agradecido de quem encontrou as razões para crer: “ai de mim, se eu não pregar o Evangelho!” (1Cor, 9,16).

No Brasil, a solenidade de Cristo Rei e, neste ano, o encerramento do Ano da Fé, coincidiram com o início da Campanha Nacional para a Evangelização. Durante três semanas, somos convidados a refletir sobre a realidade da evangelização no Brasil, a rezar e a nos empenhar para que ela aconteça em todos os cantos de nosso País; no terceiro Domingo do Advento, faz-se a coleta em favor da evangelização, como gesto concreto de apoio a esta obra prioritária da Igreja.

Nada mais justo e acertado: o encontro renovado com Cristo Senhor aprofunda os laços da nossa fé; e esta leva-nos a anunciar a alegria do Evangelho, para ajudar outras pessoas a também se aproximarem de Deus. A evangelização é missão deve envolver a todos os batizados; todos eles têm parte na missão de anunciar o Evangelho, de muitas maneiras. A transmissão da fé e a iniciação à vida cristã são desafios urgentes, que todos os membros da Igreja precisam assumir de forma renovada.

A Exortação Apostólica Evangelii Gaudium – “A Alegria do Evangelho” – vem em boa hora para estimular e orientar a todos!

****

Publicado em Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Papa propõe reforma da Igreja em sua primeira exortação apostólica (Deutsche Welle – 26.11.2013)

Fonte: Deutsche Welle (DW)

26.11.2013

Papa propõe reforma da Igreja em sua primeira exortação apostólica

Documento critica ordem econômica global e seu papel na geração da violência. Francisco enfatiza necessidade de abertura da Igreja Católica, tanto em suas estruturas internas como em direção a outras religiões.

Foto: DW

Publicado em Deutsche Welle.

****

Fonte: Santa Sé – Vaticano: http://www.vatican.va

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA
EVANGELII GAUDIUM
DO SANTO PADRE
FRANCISCO
AO EPISCOPADO, AO CLERO
ÀS PESSOAS CONSAGRADAS
E AOS FIÉIS LEIGOS
SOBRE
O ANÚNCIO DO EVANGELHO
NO MUNDO ACTUAL

ÍNDICE

I. Alegria que se renova e comunica [2-8]

II. A doce e reconfortante alegria de evangelizar [9-10]

Uma eterna novidade [11-13]

III. A nova evangelização para a transmissão da fé [14-15]

A proposta desta Exortação e seus contornos [16-18]

Capítulo I
A TRANSFORMAÇÃO MISSIONÁRIA DA IGREJA

I. Uma Igreja «em saída» [20-23]

«Primeirear», envolver-se, acompanhar, frutificar e festejar [24]

II. Pastoral em conversão [25-26]

Uma renovação eclesial inadiável [27-33]

III. A partir do coração do Evangelho [34-39]

IV. A missão que se encarna nas limitações humanas [40-45]

V. Uma mãe de coração aberto [46-49]

Capítulo II
NA CRISE DO COMPROMISSO COMUNITÁRIO

I. Alguns desafios do mundo actual [52]

Não a uma economia da exclusão [53-54]
Não à nova idolatria do dinheiro
[55-56]
Não a um dinheiro que governa em vez de servir
[57-58]
Não à desigualdade social que gera violência
[59-60]
Alguns desafios culturais
[61-67]
Desafios da inculturação da fé
[68-70]
Desafios das culturas urbanas
[71-75]

II. Tentações dos agentes pastorais [76-77]

Sim ao desafio duma espiritualidade missionária [78-80]
Não à acédia egoísta
[81-83]
Não ao pessimismo estéril
[84-86]
Sim às relações novas geradas por Jesus Cristo
[87-92]
Não ao mundanismo espiritual
[93-97]
Não à guerra entre nós
[98-101]
Outros desafios eclesiais
[102-109]

Capítulo III
O ANÚNCIO DO EVANGELHO

I. Todo o povo de Deus anuncia o Evangelho [111]

Um povo para todos [112-114]
Um povo com muitos rostos
[115-118]
Todos somos discípulos missionários
[119-121]
A força evangelizadora da piedade popular
[122-126]
De pessoa a pessoa
[127-129]
Carismas ao serviço da comunhão evangelizadora
[130-131]
Cultura, pensamento e educação
[132-134]

II. A homilia [135-136]

O contexto litúrgico [137-138]
A conversa da mãe
[139-141]
Palavras que abrasam os corações
[142-144]

III. A preparação da pregação [145]

O culto da verdade [146-148]
A personalização da Palavra
[149-151]
A leitura espiritual
[152-153]
À escuta do povo
[154-155]
Recursos pedagógicos
[156-159]

IV. Uma evangelização para o aprofundamento do querigma [160-162]

Uma catequese querigmática e mistagógica [163-168]
O acompanhamento pessoal dos processos de crescimento
[169-173]
Ao redor da Palavra de Deus
[174-175]

Capítulo IV
A DIMENSÃO SOCIAL DA EVANGELIZAÇÃO

I. As repercussões comunitárias e sociais do querigma [177]

Confissão da fé e compromisso social [178-179]
O Reino que nos solicita
[180-181]
A doutrina da Igreja sobre as questões sociais
[182-185]

II. A inclusão social dos pobres [186]

Unidos a Deus, ouvimos um clamor [187-192]
Fidelidade ao Evangelho, para não correr em vão
[193-196]
O lugar privilegiado dos pobres no povo de Deus
[197-201]
Economia e distribuição das entradas
[202-208]
Cuidar da fragilidade
[209-216]

III. O bem comum e a paz social [217-221]

O tempo é superior ao espaço [222-225]
A unidade prevalece sobre o conflito
[226-230]
A realidade é mais importante do que a ideia
[231-233]
O todo é superior à parte
[234-237]

IV. O diálogo social como contribuição para a paz [238-241]

O diálogo entre a fé, a razão e as ciências [242-243]
O diálogo ecuménico
[244-246]
As relações com o Judaísmo
[247-249]
O diálogo inter-religioso
[250-254]
O diálogo social num contexto de liberdade religiosa
[255-258]

Capítulo V
EVANGELIZADORES COM ESPÍRITO

I. Motivações para um renovado impulso missionário [262-263]

O encontro pessoal com o amor de Jesus que nos salva [264-267]
O prazer espiritual de ser povo
[268-274]
A acção misteriosa do Ressuscitado e do seu Espírito
[275-280]
A força missionária da intercessão
[281-283]

II. Maria, a Mãe da evangelização [284]

O dom de Jesus ao seu povo [285-286]
A Estrela da nova evangelização
[287-288]

Publicado em Vaticano – Santa Sé (http://www.vatican.va/holy_father/francesco/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20131124_evangelii-gaudium_po.html)

Solenidade de Cristo Rei do Universo – 24 de novembro – Santuário Nacional – Palavra de Dom Damasceno – Arcebispo de Aparecida

REX PACIFICUS – ÉPIPHANIE CHRISTO ROI

Solenidade de Cristo Rei – Santuário Nacional

Arcebispo de Aparecida – Dom Damasceno

Já estamos celebrando nesta Eucaristia a liturgia da Solenidade de Jesus Cristo, Rei do Universo. A liturgia da festa  Cristo Rei nos convida a contemplar o mistério de Cristo, Senhor da História, Juiz e Salvador da humanidade.
O texto do Apocalipse que escutamos apresenta Jesus como a testemunha fiel que nos revelou e nos revela que Deus é amor, Deus é Pai  e nós somos seus filhos pelo Espirito Santo derramado em nossos corações, que clama no nosso íntimo:  Abbá – isto é – Pai.  Jesus Cristo é o primeiro que ressuscitou dos mortos, venceu a morte, o pecado, o demônio e elevado aos céus à direita do Pai, Ele nos precedeu na glória dos céus, como prometeu aos seus discípulos: “quando eu for e vos tiver preparado um lugar,  voltarei para levar-vos comigo, para que estejais onde eu estou” (Jo 14, 2-3)
No evangelho, diante de Pilatos, representante na Judeia, de Cesar, imperador romano, Jesus não nega que é rei, mas afirma que seu reino não é deste mundo. Seu reino não tem origem na terra. Seu poder não se apoia na força, nem no poder deste mundo. Sua realeza vem do céu, é espiritual;  “é o poder divino de dar a vida eterna, de libertar do mal, de derrotar o domínio da morte” (Bento XVI).  Seu reinado se manifesta no amor, “amai-vos uns aos outros como  eu vos amei”; “não há prova maior de amor do que dar a vida pelos seus amigos.”  Seu reinado se  manifesta no serviço: “eu não vim para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate de muitos.” Seu reino é um reino de paz: “felizes os que constroem a paz.”
Quem se tornou discípulo de Jesus, quem fez dele a opção de sua vida, deve assumir as mesmas atitudes de Jesus: testemunhar a verdade, a justiça,  a solidariedade, o amor e a  paz.  “Escolher Cristo não garante o sucesso segundo os critérios do mundo (poder, dinheiro, fama, prestígio), mas assegura aquela paz e alegria que só Ele pode dar.” (Bento XVI).
Peçamos a Maria, Rainha do Céu e da Terra, que nos ajude  a seguir Jesus, nosso Rei, como Ela o fez e a dar testemunho Dele com toda a nossa existência. (…)
Publicado por Dom Damasceno  (26 de novembro de 2012).

“(…) Não é esta vida que é referência para a vida eterna, para a outra vida, aquela que nos espera, mas é a eternidade – aquela vida – que ilumina e dá esperança à vida eterna de cada um de nós!” – Papa Francisco no Ângelus na manhã deste domingo (10.11.2013) – Agência Zenit(Roma)

PapaFrancisco_Angelus_10nov2013Publicado em Zenit.org.

Roma, 10 de Novembro de 201 3

Publicamos a seguir as palavras do Papa pronunciadas aos fieis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, hoje às 12hs durante a tradicional oração do Angelus.

***

Caros irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho deste domingo nos apresenta Jesus com os saduceus, que negavam a ressurreição. E é justamente sobre este tema que eles fazem uma pergunta a Jesus, para coloca-lo em dificuldade e ridicularizar a fé na ressurreição dos mortos. Partem de um caso imaginário: “Uma mulher teve sete maridos, mortos um depois do outro”, e perguntam a Jesus: “De quem será esposa esta mulher depois da sua morte?”. Jesus, sempre humilde e paciente, primeiramente responde que a vida depois da morte não tem os mesmos parâmetros daquela terrena. A vida eterna é uma outra vida, em uma outra dimensão onde, entre outras coisas, não existirá mais o matrimônio, que está ligado à nossa existência neste mundo. Os ressuscitados – disse Jesus – serão como os anjos, e viverão em um estado diferente, que agora não podemos experimentar e nem sequer imaginar. E assim explica Jesus.

Mas, depois, Jesus, por assim dizer, passa ao contra ataque. E o faz citando a Sagrada Escritura, com uma simplicidade e uma originalidade que nos deixam cheios de admiração pelo nosso Mestre, o único Mestre! A prova da ressurreição, Jesus a encontra no episódio de Moisés e da sarça ardente (cf. Ex 3, 1-6), lá onde Deus se revela como o Deus de Abrão, de Isaque e de Jacó. O nome de Deus está ligado aos nomes dos homens e das mulheres com os quais Ele se liga, e esta ligação é mais forte do que a morte. E nós podemos falar também da relação de Deus conosco, com cada um de nós: Ele é o nosso Deus! Ele é o Deus de cada um de nós! Como se Ele tivesse o nosso nome. Ele gosta de dizer, e esta é a aliança. Eis porque Jesus afirma: “Deus não é dos mortos, mas dos vivos; porque todos vivem por ele” (Lc 20, 38). E esta é a ligação decisiva, a aliança fundamental, a aliança com Jesus: Ele mesmo é a Aliança, Ele mesmo é a Vida e a Ressurreição, porque com o seu amor crucificado venceu a morte. Em Jesus Deus nos dá a vida eterna, a dá a todos, e todos, graças a Ele têm a esperança de uma vida ainda mais verdadeira do que esta. A vida que Deus nos prepara não é um simples embelezamento desta atual: essa supera a nossa imaginação, porque Deus nos surpreende continuamente com o seu amor e com a sua misericórdia.

Portanto, o que acontecerá é justamente o contrário do que esperavam os fariseus. Não é esta vida que é referência para a vida eterna, para a outra vida, aquela que nos espera, mas é a eternidade – aquela vida – que ilumina e dá esperança à vida eterna de cada um de nós! Se olhamos somente com olhos humanos, somos levados a dizer que o caminho do homem vai da vida à morte. Isso se vê! Mas somente é assim se o olhamos com olhos humanos. Jesus muda esta perspectiva e afirma que a nossa peregrinação vai da morte à vida: a vida plena! Nós estamos em caminho, em peregrinação em direção à vida plena, e aquela vida plena é aquela que nos ilumina no nosso caminho! Portanto, a morte está atrás, nas costas, não diante de nós. Diante de nós está o Deus dos vivos, o Deus da aliança, o Deus que traz o meu nome, o nosso nome, como Ele disse: “eu sou o Deus com o meu nome, com o teu nome, com o teu nome…, com o nosso nome. Deus dos vivos!… Eis a derrota definitiva do pecado e da morte, o começo de um novo tempo de alegria e de luz sem fim. Mas já nessa terra, na oração, nos Sacramentos, na fraternidade, nós encontramos Jesus e o seu amor, e assim podemos degustar algo da vida ressuscitada. A experiência que fazemos do seu amor e da sua fidelidade acende como um fogo no nosso coração e aumenta a nossa fé na ressurreição. De fato, se Deus é fiel e ama, não pode sê-lo por tempo limitado: a fidelidade é eterna, não pode mudar. O amor de Deus é eterno, não pode mudar! Não é ao mesmo tempo limitado: é para sempre! É para seguir adianta! Ele é fiel para sempre e Ele nos espera, cada um de nós, acompanha a cada um de nós com esta fidelidade eterna.”

(Papa Francisco)

(Tradução Thácio Siqueira)

(10 de Novembro de 2013) © Innovative Media Inc.
Publicado em Agência Zenit – Roma.

“Nós somos aquela criança, todos nós, todos os dias: apanhados no escuro, precisando e querendo saltar, mas incapazes de ver onde vamos cair, sentindo-nos sós e assustados. Somos também Pedro, querendo andar sobre a água em direção a Jesus, mas hesitamos e deixamo-nos submergir.(…)” – Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura – Portugal (12.10.2013)

Artigo publicado Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC) – Portugal

Espiritualidade

Saltar no escuro… e não olhar para trás

Mons. Dennis Clark

Depois, Jesus obrigou os discípulos a embarcar e a ir adiante para a outra margem, enquanto Ele despedia as multidões. Logo que as despediu, subiu a um monte para orar na solidão. E, chegada a noite, estava ali só. O barco encontrava-se já a várias centenas de metros da terra, açoitado pelas ondas, pois o vento era contrário. De madrugada, Jesus foi ter com eles, caminhando sobre o mar. Ao verem-no caminhar sobre o mar, os discípulos assustaram-se e disseram: «É um fantasma!» E gritaram com medo. No mesmo instante, Jesus falou-lhes, dizendo: «Tranquilizai-vos! Sou Eu! Não temais!» Pedro respondeu-lhe: «Se és Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo sobre as águas.» «Vem» – disse-lhe Jesus. E Pedro, descendo do barco, caminhou sobre as águas para ir ter com Jesus. Mas, sentindo a violência do vento, teve medo e, começando a ir ao fundo, gritou: «Salva-me, Senhor!» Imediatamente Jesus estendeu-lhe a mão, segurou-o e disse-lhe: «Homem de pouca fé, porque duvidaste?» E, quando entraram no barco, o vento amainou. (Mateus 14, 22-32)

Às primeiras horas da madrugada, o som de um alarme de incêndio interrompeu o silêncio e, no momento exato, despertou uma família para o choque de ver a sua casa envolvida pelas chamas. Sem tempo para salvar o que quer que fosse a não ser as suas próprias vidas, desceram as escadas a correr e escaparam para a escuridão. Ainda a recuperar o fôlego, o pai contava os filhos: «João, Ana, Maria, Miguel… – onde está o Miguel?»

Naquele preciso momento, Miguel, de cinco anos, chorava de uma das janelas do primeiro andar: «Mãe! Pai! Onde estão?»

Era demasiado tarde para voltar a entrar – a casa estava um inferno – pelo que o pai respondeu: «Salta, Miguel, que eu seguro-te».

Entre soluços, a criança chorava: «Mas eu não consigo ver-te, papá!»

O pai respondeu-lhe calmamente: «Eu sei que não me consegues ver, filho, mas eu vejo-te. Salta!»

Durante alguns instantes não houve nada a não ser o silêncio. Então o rapaz saltou para a escuridão e encontrou a segurança nos braços do pai.

***

Nós somos aquela criança, todos nós, todos os dias: apanhados no escuro, precisando e querendo saltar, mas incapazes de ver onde vamos cair, sentindo-nos sós e assustados. Somos também Pedro, querendo andar sobre a água em direção a Jesus, mas hesitamos e deixamo-nos submergir.

“O medo é inútil», disse muitas vezes Jesus. “O que é preciso é fé”. Está certo, mas a fé de que Ele fala não é o que muitos de nós pensamos. Não se tratam de abstrações teológicas. Trata-se de nos confiarmos às mãos de Deus porque sabemos que Ele nos ama mais do que nós nos amamos a nós mesmos.

Mas ainda que esta ideia esteja clara, podemos ainda ficar desorientados por pensarmos que, ao confiar em Deus, Ele nos protege do fracasso e da dor. A promessa não é essa. A promessa de Deus para aqueles que n’Ele confiam é esta: Ele dar-nos-á a força para enfrentar todos os problemas que surgirem, e nunca deixará que sejamos destruídos por eles, ainda que morramos.

Mas a fé tem ainda outro lado: os talentos e dons que Deus nos deu porque Ele teve fé em nós. Pedro perdeu a fé nos dons que Deus lhe havia dado e esperou que Deus resolvesse o problema. Resultado: afundou-se! Confiar em Deus significa também confiar nos seus dons. E confiar nos seus dons significa usá-los.

Há uma antiga expressão que diz: Trabalha como se tudo dependesse de ti, e reza como se tudo dependesse de Deus. É precisamente o que é necessário, mas não é fácil aplicá-lo porque não conseguimos ver Deus, e demasiadas vezes não conseguimos ver os nossos dons. Pode ajudar recordar as palavras escritas há mais de 50 anos na parede do gueto de Varsóvia:

Acredito no sol, ainda que não brilhe.

Acredito no amor, ainda que não o sinta.

Acredito em Deus, ainda que não O veja.

Confie em Deus e confie nos dons que Ele lhe deu. Ou seja, use os seus dons. E então salte! E nunca olhe para trás!

Mons. Dennis Clark
In Catholic Exchange
Trad. / adapt.: rm
© SNPC (trad.) | 20.11.10

Publicado em SNPC – Portugal.

“A misericórdia é a verdadeira força que pode salvar o homem e o mundo” – Homilia pronunciada pelo Papa Francisco no Angelus no domingo -15 de setembro (Zenit.org)

Fonte (imagem): Spe Deus O Evangelho do dia 17 de setembro de 2013

….

Fonte (vídeo): pt.euronews.

Homilia de 14.03.2013: No primeiro dia de pontificado o Papa Francisco apelou à Igreja Católica para preservar os seus valores e não ceder às tentações do mundo moderno: “Papa Francisco apela à preservação dos valores da Igreja“.

Fonte(vídeo): antena.3
Homilia de 16.03.2013: PRIMERA HOMILÍA DEL NUEVO PONTÍFICE – El Papa Francisco: “Sin la Cruz de Cristo, somos mundanos, no discípulos” : En la misa que ha cerrado el Cónclave en la Capilla Sixtina, Francisco ha remarcado tres palabras: “Caminar, edificar, confesar”. Lo ha hecho de forma didáctica, sin seguir un discurso escrito y sin dejar de gesticular con sus brazos, vestido de blanco, con la mitra y el báculo.

….

Fonte:  Texto proveniente de Zenit.org.

A misericórdia é a verdadeira força que pode salvar o homem e o mundo

As palavras do papa Francisco no Angelus

Cidade do Vaticano, 15 de Setembro de 2013

Apresentamos as palavras pronunciadas pelo papa Francisco neste domingo, diante dos fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro para rezar o Angelus.

 “Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Na liturgia de hoje, lemos o capítulo 15 do Evangelho de Lucas, que contém as três parábolas da misericórdia: a ovelha perdida, a moeda perdida, e a mais longa de todas as parábolas, típica de São Lucas, a do pai e dos dois filhos, o filho “pródigo” e o filho, que acredita ser o “justo”, que crê ser santo. Todas estas trêsA misericórdia é a verdadeira força que pode salvar o homem e o mundo parábolas falam da alegria de Deus, Deus é alegria. Interessante: Deus é alegria! E o que é a alegria de Deus? A alegria de Deus é perdoar, a alegria de Deus é perdoar! É a alegria de um pastor que reencontra a ovelha; é a alegria de uma mulher que encontra novamente a sua moeda; é a alegria de um pai que acolhe novamente em casa, o filho que estava perdido, que era considerado morto e tornou a viver, voltou para casa. Aqui está todo o Evangelho! Aqui! Aqui está todo o Evangelho, todo o cristianismo! Mas não é sentimento, não é ser “bonzinho”! Pelo contrário, a misericórdia é a verdadeira força que pode salvar o homem e o mundo do “câncer” que é o pecado, o mal moral, o mal espiritual. Só o amor preenche os espaços vazios, os abismos negativos que o mal abre no coração e na história. Somente o amor pode fazer isso, e essa é a alegria de Deus!

Jesus é todo misericórdia, Jesus é todo amor: é Deus feito homem. Cada um de nós é aquela ovelha perdida, aquela moeda perdida; cada um de nós é aquele filho que desperdiçou a própria liberdade seguindo falsos ídolos, ilusão de felicidade, e perdeu tudo. Mas Deus não se esquece de nós, o Pai nunca nos abandona. É um pai paciente, nos espera sempre! Respeita a nossa liberdade, mas permanece fiel. E quando voltamos para Ele, nos acolhe como filhos, em sua casa, porque ele não para nunca, nem por um momento, de nos esperar, com amor. E o seu coração está em festa por cada filho que retorna. Está em festa porque é alegria. Deus sente essa alegria quando um de nós pecadores vai até Ele e pede o seu perdão.

Qual é o perigo? É que supomos sermos justos, e julgamos os outros. Julgamos até Deus, porque pensamos que deveria punir os pecadores, condenando-os à morte, em vez de perdoar. Agora sim corremos o risco de permanecer fora da casa do Pai! Como aquele irmão mais velho da parábola que, em vez de se alegrar porque seu irmão retornou, ele fica com raiva de seu pai que o acolhe e faz festa. Se em nossos corações não há misericórdia, alegria do perdão, não estamos em comunhão com Deus, mesmo observando todos os preceitos, pois é o amor que salva, não apenas a prática dos preceitos. É o amor por Deus e pelo próximo que realiza todos os mandamentos. E este é o amor de Deus, a sua alegria: perdoar. Nos espera sempre! Talvez algum de vocês tenha algo pesado em seu coração: “Mas, eu fiz isso, eu fiz aquilo…”. Ele te espera! Ele é pai: sempre espera por nós!

Se vivemos de acordo com a lei “olho por olho, dente por dente”, jamais sairemos da espiral do mal. O Maligno é inteligente, e nos ilude que com a nossa justiça humana podemos nos salvar e salvar o mundo. Na realidade, somente a justiça de Deus pode nos salvar! E a justiça de Deus se revelou na Cruz: a Cruz é o julgamento de Deus sobre todos nós e sobre este mundo. Mas como Deus nos julga?Dando a vida por nós! Eis o ato supremo de justiça que derrotou, uma vez por todas, o Príncipe deste mundo; e esse ato supremo de justiça é também ato supremo de misericórdia. Jesus chama todos a seguirem este caminho: ‘Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso’ (Lc 6:36)”.

Peço-vos uma coisa, agora. Em silêncio, todos, pensemos… cada um pense em uma pessoa com a qual não estamos bem, com a qual estamos com chateados, que não gostamos. Pensemos nessa pessoa em silêncio, neste momento, rezemos por esta pessoa e tornemo-nos misericordiosos para com esta pessoa.

Invoquemos agora a intercessão de Maria, Mãe da Misericórdia.

(Depois do Angelus)

Queridos irmãos e irmãs,

ontem, na Argentina, foi proclamado Bem-aventurado José Gabriel Brochero, um padre da diocese de Córdoba, que nasceu em 1840 e morreu em 1914. Impulsionado pelo amor de Cristo, dedicou-se inteiramente ao seu rebanho, para levar todos ao Reino de Deus, com imensa misericórdia e zelo pelas almas. Estava com o povo, e tentava levar muitos aos exercícios espirituais. Ele andava por quilômetros e quilômetros, subindo as montanhas com sua mula chamada “cara feia”, porque não era bonita. Ele caminhava mesmo debaixo de chuva, era corajoso! Mas, vocês também, com essa chuva, estão aqui, vocês são corajosos. Bravos! No final, este Beato estava cego e leproso, mas cheio de alegria, a alegria do Bom Pastor, a alegria do Pastor misericordioso!

Gostaria de unir-me à alegria da Igreja na Argentina pela beatificação deste pastor exemplar, que percorreu incansavelmente com uma mula, os caminhos áridos de sua paróquia, procurando casa por casa, as pessoas a ele confiadas para levá-las a Deus. Peçamos a Cristo, por intercessão do novo Beato, que se multipliquem os sacerdotes que, imitando Brochero, entreguem as suas vidas ao serviço da evangelização, de joelhos diante do Crucifixo, como também testemunhando em todos os lugares o amor e a misericórdia Deus”.

Hoje, em Turim, conclui-se a Semana Social dos católicos italianos, sobre o tema ” Família, esperança e futuro para a sociedade italiana”. Saúdo todos os participantes e alegro-me com o forte compromisso que existe na Igreja na Itália com as famílias e para as famílias e que é um forte estímulo também para as instituições e para todo o país. Coragem! Avante neste caminho da família!

Saúdo com afeto todos os peregrinos presentes hoje: famílias, grupos religiosos, jovens. Em particular, saúdo os fiéis de Dresano, Taggi di Sotto e Torre Canne di Fasano; UNITALSI de Ogliastra, as ciranças de Trento que em breve receberão a Primeira Comunhão, os jovens de Florença e o “Spider Clube Itália”.

Desejo a todos um bom domingo e um bom almoço. Adeus!”

(15 de Setembro de 2013) © Innovative Media Inc.
Publicado em Zenit.org.
%d blogueiros gostam disto: