Dom Orani Tempesta afirma: “Os cristãos ‘participam na vida pública como cidadãos’. A Igreja venera entre os seus Santos numerosos homens e mulheres que serviram a Deus através do seu generoso empenho nas atividades políticas e de governo. Também os políticos podem ser santos!” – Artigo publicado no novo site da CNBB (03.03.2010)

"Movimentos: evangelizar a cultura, com testemunho de santidade, oração e formação!" É o que pede no Brasil o prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada - Província Franciscana Nossa Senhora da Assunção - Bacabal - MA

Fonte/imagem/notícia: http://www.franciscanosmapi.org.br/ – Publicado em 18/12/2008 – Atualizado em 07.03.2010.

___________________________________________________________________________________________________________

Fonte: CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – “Artigos dos Bispos”

O nosso futuro

Qua, 03 de Março de 2010

A nossa Conferência Episcopal, ecoando um grito de todo o nosso povo, aprovou, coletou assinaturas e entregou ao Congresso Nacional o projeto de lei popular denominado “Ficha Limpa”. É uma iniciativa da Igreja em conjunto com o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, congregando mais de 50 organizações da sociedade civil.

É interessante que quando foi iniciado o processo houve muitas pressões para que não ocorresse. É claro que ele indica uma direção que a sociedade está tentando encontrar para que o nosso processo político seja mais transparente e possa dar frutos democraticamente para o bem social e justo do nosso país. Estamos todos aguardando os passos que os nossos legisladores irão dar para a aprovação desse projeto de lei.

Nas eleições (que a cada dois anos acontece), as tensões políticas acirram os ânimos com as várias denúncias, e ocorre também uma certa paralisia das instituições que começam desde o início a disputa, e com as leis eleitorais, a partir da metade do ano, os projetos e iniciativas são cerceados justamente para tentar barrar aproveitadores da situação, mas que, ao mesmo tempo, emperram a caminhada das instituições e a caminhada do país.

A nossa Conferência Episcopal tem intensificado o seu trabalho em favor de uma verdadeira política para atender aos anseios da população, que necessita de verdadeiras políticas para a educação, saúde, trabalho, habitação, cultura, lazer, em uma sociedade que se privilegia o capital em detrimento à pessoa humana.

Os cristãos “participam na vida pública como cidadãos”. A Igreja venera entre os seus Santos numerosos homens e mulheres que serviram a Deus através do seu generoso empenho nas atividades políticas e de governo. Também os políticos podem ser santos!

As sociedades democráticas atuais, onde, louvavelmente, todos participam na gestão da coisa pública num clima de verdadeira liberdade, exigem novas e mais amplas formas de participação na vida pública da parte dos cidadãos, cristãos e não cristãos. Todos podem, de fato, contribuir através do voto na eleição dos legisladores e dos governantes e, também de outras formas na definição das orientações políticas e das opções legislativas que, no seu entender, melhor promovam o bem comum. Num sistema político democrático, a vida não poderia processar-se de maneira profícua sem o envolvimento ativo, responsável e generoso de todos, “mesmo na diversidade e complementaridade de formas, níveis, funções e responsabilidades”.

Nossa “polis” encontra-se hoje dentro de um processo cultural complexo, que evidencia o fim de uma época e a incerteza relativamente à nova que desponta no horizonte. As grandes conquistas de que se é espectadores obrigam a rever o caminho positivo que a humanidade percorreu no progresso e na conquista de condições de vida mais humanas. Constata-se hoje certo relativismo cultural, que apresenta sinais evidentes da sua presença quando teoriza e defende um pluralismo ético que sanciona a decadência e a dissolução da razão e dos princípios da lei moral natural.

Do concreto da realização e da diversidade das circunstâncias brota necessariamente a pluralidade de orientações e de soluções, que, porém, devem ser moralmente aceitáveis. Não cabe à Igreja formular soluções concretas – e muito menos soluções únicas – para questões temporais, que Deus deixou ao juízo livre e responsável de cada um, embora seja seu direito e dever pronunciar juízos morais sobre realidades temporais, quando a fé ou a lei moral o exijam. Se o cristão é obrigado a “admitir a legítima multiplicidade e diversidade das opções temporais”, é igualmente chamado a discordar de uma concepção do pluralismo em chave de relativismo moral, nociva à própria vida democrática, que tem necessidade de bases verdadeiras e sólidas, ou seja, de princípios éticos que, por sua natureza e função de fundamento da vida social, não são “negociáveis”.

A busca da verdade e do bem comum faz com que muitas vezes as nossas posições sejam confundidas com as de outros que também defendem posições parecidas em alguns campos, mas contrários aos princípios cristãos em outra realidade. Isso ocorre nos dois lados do processo político, e a Igreja sempre sofre por tomar posições que, se de um lado podem assemelhar-se a de outros grupos, no entanto faz parte de uma totalidade de mentalidade que contradiz outras situações. Estamos sempre em “companhias” que os adversários não aceitam e que outros aplaudem e vice-versa.

A fé em Jesus Cristo, que Se definiu a Si mesmo “o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6), nos indica o esforço de nos empenharmos mais decididamente na construção de uma cultura que, inspirada no Evangelho, proponha o patrimônio de valores e conteúdos da Tradição cristã e católica, que no fundo são os valores verdadeiros da pessoa humana.

Porém, é insuficiente e redutivo pensar que o empenho social dos católicos possa limitar-se a uma simples transformação das estruturas, porque, não existindo na sua base uma cultura capaz de acolher, justificar e projetar as instâncias que derivam da fé e da moral, as transformações apoiar-se-iam sempre em alicerces frágeis.

A fé não pretende manietar num esquema rígido os conteúdos sociopolíticos, bem sabendo que a dimensão histórica em que o homem vive impõe que se admita a existência de situações não perfeitas e, em muitos casos, em rápida mudança. Neste âmbito, há que recusar as posições políticas e os comportamentos que se inspiram numa visão utópica que, ao transformar a tradição da fé bíblica numa espécie de profetismo sem Deus, instrumentaliza a mensagem religiosa, orientando a consciência para uma esperança unicamente terrena que anula ou redimensiona a tensão cristã para a vida eterna. Isso não significa uma alienação das realidades do mundo, nem tampouco excluir essas preocupações, mas, pelo contrário, dar o verdadeiro peso das realidades humanas com as quais nos comprometemos justamente por causa do Reino dos Céus.

Assim, o político que professa a fé católica é aquele que, acima dos programas partidários, tem um compromisso inalienável com os aspectos da unidade de vida do cristão: a coerência entre a fé e a vida, entre o evangelho e a cultura. O Concílio Vaticano II exorta os fiéis “a cumprirem fielmente os seus deveres temporais, deixando-se conduzir pelo espírito do evangelho. Afastam-se da verdade aqueles que, pretextando que não temos aqui cidade permanente, pois demandamos a futura, creem poder, por isso mesmo, descurar as suas tarefas temporais sem se darem conta de que a própria fé, de acordo com a vocação de cada um, os obriga a um mais perfeito cumprimento delas”. Queiram os fiéis “poder exercer as suas atividades terrenas, unindo numa síntese vital todos os esforços humanos, familiares, profissionais, científicos e técnicos, com os valores religiosos, sob cuja altíssima jerarquia tudo coopera para a glória de Deus”.

Que neste ano eleitoral os católicos olhem bem a trajetória política de seus candidatos, para os valores que defende ou aprova, verifique se o tipo de sociedade que ele projeta é realmente o mundo que queremos viver e entregar aos nossos descendentes, se ele sabe utilizar os bens públicos para o bem do povo, e tenham a coragem de votar em candidatos de acordo com a nossa iluminada consciência bem formada.

Dom Orani João Tempesta

Publicado em “Artigos dos Bispos” – Site da CNBB.

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso (CPDIR) e o Comitê Permanente para o Diálogo entre as religiões monoteístas da Universidade al-Azhar, do Cairo (Egito), assinaram um comunicado conjunto em que condenam a utilização da religião para justificar a violência (Agência Ecclesia/Portugal – 02.03.2010)

TÚNEL DO TEMPO

Papa em encontro com lideres religiosos na Igreja da Anunciação, em Nazaré, na Galiléia (Israel - 14.05.2009)

Fonte: Site Papa na Terra Santa

quinta-feira, 14 de Maio de 2009

Mensagem contra o fanatismo e a violência

De visita a Nazaré, na Galileia, o Papa apelou hoje à protecção das crianças do fanatismo e da violência, à coragem dos cristãos na Terra Santa e à convivência pacífica entre as diferentes religiões.

Bento XVI reafirmou o desejo de ver unidos cristãos, judeus, muçulmanos e outras religiões a favor de uma cultura de paz.

___________________________________________________________________________________________________________

Fonte: Gaudium Press/Radio Vaticana

12.05.2009

Na Esplanada das Mesquitas, Papa encontra líderes muçulmanos e aponta valores comuns entre as religiões monoteístas
(…)
Muro das Lamentações
(…)

Eis o conteúdo do bilhete depositado pelo Santo Padre:

“Deus de todos os tempos,
na minha visita a Jerusalém, a “Cidade da Paz”,
morada espiritual para judeus, cristãos e muçulmanos,
trago diante de Ti as alegrias, as esperanças e as aspirações,
as angústias, os sofrimentos e as dores de todo o Teu povo espalhado pelo mundo.
Deus de Abraão, Isaac e Jacó,
escuta o clamor dos aflitos, dos amedrontados, dos desesperados,
manda a Tua paz sobre esta Terra Santa, sobre o Oriente Médio,
sobre toda a família humana;
desperta o coração de todos aqueles que chamam o Teu nome
para que queiram caminhar humildemente no caminho da justiça e da piedade.
“O Senhor é bom para quem nele confia,para aquele que o busca”. (Lm 3, 25)”

Publicado em Gaudium Press.

__________________________________________________________________________________________________________

Fonte: Agência Ecclesia – (Agência de Notícias da Igreja Católica em Portugal)

02.03.2010

Católicos e muçulmanos juntos contra a violência

Declaração conjunta assinada pelo Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso e a Universidade al-Azhar

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso (CPDIR) e o Comité Permanente para o Diálogo entre as religiões monoteístas da Universidade al-Azhar, do Cairo (Egipto), assinaram um comunicado conjunto em que condenam a utilização da religião para justificar a violência.

Entre os pontos sublinhados no documento, indica-se a necessidade de “prestar mais atenção ao facto de a instrumentalização da religião para fins políticos poder ser uma fonte de violência”, pelo que deve ser evitada “a discriminação com base na identidade religiosa”.

O documento foi divulgado pelo Vaticano e resulta da reunião realizada na capital egípcia, nos dias 23 e 24 de Fevereiro. A delegação católica foi liderada pelo presidente do CPDIR, Cardeal Jean-Louis Tauran.

O Imã da Universidade, Muhammad Sayyed Tantawi, condenou a morte de seis cristãos e de um polícia muçulmano, ocorrida em Janeiro.

O evento serviu para reafirmar a “igualdade de todos os cidadãos em matéria de direitos e deveres, independentemente de sua pertença religiosa”, lê-se na declaração final.

Ambas as partes ressaltam os valores do perdão recíproco e da reconciliação, como “condições necessárias para uma convivência serena e fecunda“, assim como define o reconhecimento das semelhanças e o respeito pelas diferenças “um pré-requisito para uma cultura do diálogo sobre a base de valores comuns“.

A declaração conjunta convida católicos e muçulmanos a combater “qualquer acção que crie tensões, divisões e conflitos na sociedade”, promovendo “uma cultura de respeito recíproco e de diálogo, através da educação em casa, na escola, nas igrejas e nas mesquitas“.

O próximo encontro bilateral foi programado para 23 e 24 de Fevereiro de 2011, em Roma.

Octávio Carmo

Publicado em Agência Ecclesia – Internacional | Octávio Carmo | 2010-03-02 | 15:33:05 | Diálogo inter-religioso.

* Grifos meus.

Proposta de cancelamento da dívida externa do Haiti pela Cáritas Internacional e pedido de organizações católicas para que crianças desacompanhadas em todo território haitiano sejam protegidas do tráfico de seres humanos (Agência Zenit – Roma)

Fonte: ZENIT – “O mundo visto de Roma” http://www.zenit.org/article-24081?l=portuguese 12-02-2010

Cáritas chama a cancelar dívida externa do Haiti

Apelo aos organismos financeiros internacionais

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010 (ZENIT.org).- Cáritas Internationalis manifestou sua “decepção” com a falta de vontade política do Fundo Monetário Internacional (FMI) para decidir o cancelamento total da dívida pendente do Haiti, durante a reunião do Fundo celebrada na semana passada. Por outro lado, a instituição caritativa expressou sua satisfação com a recente decisão do FMI de conceder ao Haiti uma ajuda de 102 milhões de dólares, com condições muito favoráveis, para enfrentar as necessidades do país após o terremoto. Se bem que o diretor gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, ofereceu seu apoio às iniciativas orientadas a pedir o cancelamento das dívidas do Haiti e assinalou que o Fundo “está trabalhando com todos os doadores com a finalidade de tentar cancelar todas as dívidas do país, incluindo este novo empréstimo”, Cáritas recorda que “esse cancelamento da dívida poderia ser concedido dentro de cinco anos, quando o Haiti terá de começar a pagar as quotas da dívida”. “Dentro de cinco anos, o mundo estará enfrentando novas emergências e a atenção pública já não estará centrada no Haiti”.

Cáritas chama a atenção para as “surpreendentes imagens que nos chegam de Porto Príncipe, que demonstram que terão de passar muitos anos antes do Haiti se encontrar em situação de cobrir um empréstimo internacional”. Para a Cáritas Internacionalis, “agora é o momento de cancelar a dívida”. Por isso, exorta o FMI a garantir a eliminação da dívida já, quando o Haiti luta por sua reconstrução. Esse pedido também se estende ao Banco Mundial, com o qual o Haiti tem contraída uma dívida de 39 milhões de dólares; e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, ao qual o país caribenho deve 447 milhões de dólares. Apesar de que ambas entidades adiantaram seu apoio ao cancelamento da dívida, ainda não se estipulou oficialmente um acordo neste sentido. (ZENIT)

…………………………………………………………………………………………………

Fonte: ZENIT http://www.zenit.org/article-24069?l=portuguese

Organizações católicas pedem que crianças haitianas sejam protegidas

Para prevenir o tráfico de vítimas do terremoto

WASHINGTON, D.C., quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010 (ZENIT.org).- Diversas organizações católicas se uniram para elaborar um documento no qual pedem por programas de proteção a crianças em todo o território do Haiti, para evitar que menores desacompanhados sejam vítimas do tráfico de seres humanos.

A carta, publicada na sexta-feira passada pela Conferência Episcopal dos EUA, propõe várias medidas para ajudar os órfãos haitianos. O texto foi enviado à secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, à secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, e à secretária de Serviços de Saúde e Humanos, Kathleen Sebelius.

“A compaixão do povo dos Estados Unidos tem sido evidente na sua resposta às crianças haitianas que ficaram desamparadas após o terremoto, que incluiu várias ofertas de adoção”, indica a carta.

“Como prestadores de serviços sociais com experiência no cuidado de menores não acompanhados, acreditamos que certos processos devem ser estabelecidos antes dessas crianças serem trazidas para os EUA e envolvidas nos procedimentos legais de adoção”, dizem.

Também destacam a “necessidade de assistência especial e proteção” destas crianças.

Alta prioridade

“Estas medidas visando a garantia da segurança e o auxílio material das crianças, que de outro modo poderiam ser objeto de sequestros e do tráfico de seres humanos, deveriam constituir a mais alta prioridade”, indica a carta.

Os lideres católicos destacam que as ações devem necessariamente envolver especialistas em bem-estar infantil, “capazes de tomar decisões tendo em visita o melhor para cada criança”, e enfatizam a necessidade de localizar a família na tentativa de encontrar familiares vivos, privilegiando uma reunificação sempre que possível.

“Reunificação familiar é um objetivo importante que deve ser priorizado, e caso não seja possível, a melhor solução seria encontrar um tutor no próprio Haiti”, afirmam.

A carta pede que as crianças desacompanhadas sejam levadas para abrigos específicos, onde ficariam aos cuidados de profissionais especializados, e onde fosse facilitado um possível reencontro com a família ou um processo de adoção por famílias cuidadosamente selecionadas.

Para as crianças que têm pais ou familiares vivendo nos EUA, os representantes pediram por uma “aceleração nos trâmites de imigração, para ajudá-las a ingressar no país”.

“Com base em nossa experiência trabalhando com crianças em contextos de desastres ou de deslocamentos forçados, entendemos que não é benéfico nem para a criança do Haiti, nem para o país como um todo, que os menores desacompanhados sejam retirados de seu país de origem sem uma cuidadosa avaliação”.

Os líderes católicos expressaram ainda seu desejo de continuar trabalhando com as autoridades norte-americanas para “garantir que estas crianças vulneráveis, assim como as demais vítimas do terremoto, recebam o cuidado e o apoio que necessitam para retomar suas vidas”. (ZENIT)

%d blogueiros gostam disto: