Proposta de cancelamento da dívida externa do Haiti pela Cáritas Internacional e pedido de organizações católicas para que crianças desacompanhadas em todo território haitiano sejam protegidas do tráfico de seres humanos (Agência Zenit – Roma)

Fonte: ZENIT – “O mundo visto de Roma” http://www.zenit.org/article-24081?l=portuguese 12-02-2010

Cáritas chama a cancelar dívida externa do Haiti

Apelo aos organismos financeiros internacionais

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010 (ZENIT.org).- Cáritas Internationalis manifestou sua “decepção” com a falta de vontade política do Fundo Monetário Internacional (FMI) para decidir o cancelamento total da dívida pendente do Haiti, durante a reunião do Fundo celebrada na semana passada. Por outro lado, a instituição caritativa expressou sua satisfação com a recente decisão do FMI de conceder ao Haiti uma ajuda de 102 milhões de dólares, com condições muito favoráveis, para enfrentar as necessidades do país após o terremoto. Se bem que o diretor gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, ofereceu seu apoio às iniciativas orientadas a pedir o cancelamento das dívidas do Haiti e assinalou que o Fundo “está trabalhando com todos os doadores com a finalidade de tentar cancelar todas as dívidas do país, incluindo este novo empréstimo”, Cáritas recorda que “esse cancelamento da dívida poderia ser concedido dentro de cinco anos, quando o Haiti terá de começar a pagar as quotas da dívida”. “Dentro de cinco anos, o mundo estará enfrentando novas emergências e a atenção pública já não estará centrada no Haiti”.

Cáritas chama a atenção para as “surpreendentes imagens que nos chegam de Porto Príncipe, que demonstram que terão de passar muitos anos antes do Haiti se encontrar em situação de cobrir um empréstimo internacional”. Para a Cáritas Internacionalis, “agora é o momento de cancelar a dívida”. Por isso, exorta o FMI a garantir a eliminação da dívida já, quando o Haiti luta por sua reconstrução. Esse pedido também se estende ao Banco Mundial, com o qual o Haiti tem contraída uma dívida de 39 milhões de dólares; e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, ao qual o país caribenho deve 447 milhões de dólares. Apesar de que ambas entidades adiantaram seu apoio ao cancelamento da dívida, ainda não se estipulou oficialmente um acordo neste sentido. (ZENIT)

…………………………………………………………………………………………………

Fonte: ZENIT http://www.zenit.org/article-24069?l=portuguese

Organizações católicas pedem que crianças haitianas sejam protegidas

Para prevenir o tráfico de vítimas do terremoto

WASHINGTON, D.C., quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010 (ZENIT.org).- Diversas organizações católicas se uniram para elaborar um documento no qual pedem por programas de proteção a crianças em todo o território do Haiti, para evitar que menores desacompanhados sejam vítimas do tráfico de seres humanos.

A carta, publicada na sexta-feira passada pela Conferência Episcopal dos EUA, propõe várias medidas para ajudar os órfãos haitianos. O texto foi enviado à secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, à secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, e à secretária de Serviços de Saúde e Humanos, Kathleen Sebelius.

“A compaixão do povo dos Estados Unidos tem sido evidente na sua resposta às crianças haitianas que ficaram desamparadas após o terremoto, que incluiu várias ofertas de adoção”, indica a carta.

“Como prestadores de serviços sociais com experiência no cuidado de menores não acompanhados, acreditamos que certos processos devem ser estabelecidos antes dessas crianças serem trazidas para os EUA e envolvidas nos procedimentos legais de adoção”, dizem.

Também destacam a “necessidade de assistência especial e proteção” destas crianças.

Alta prioridade

“Estas medidas visando a garantia da segurança e o auxílio material das crianças, que de outro modo poderiam ser objeto de sequestros e do tráfico de seres humanos, deveriam constituir a mais alta prioridade”, indica a carta.

Os lideres católicos destacam que as ações devem necessariamente envolver especialistas em bem-estar infantil, “capazes de tomar decisões tendo em visita o melhor para cada criança”, e enfatizam a necessidade de localizar a família na tentativa de encontrar familiares vivos, privilegiando uma reunificação sempre que possível.

“Reunificação familiar é um objetivo importante que deve ser priorizado, e caso não seja possível, a melhor solução seria encontrar um tutor no próprio Haiti”, afirmam.

A carta pede que as crianças desacompanhadas sejam levadas para abrigos específicos, onde ficariam aos cuidados de profissionais especializados, e onde fosse facilitado um possível reencontro com a família ou um processo de adoção por famílias cuidadosamente selecionadas.

Para as crianças que têm pais ou familiares vivendo nos EUA, os representantes pediram por uma “aceleração nos trâmites de imigração, para ajudá-las a ingressar no país”.

“Com base em nossa experiência trabalhando com crianças em contextos de desastres ou de deslocamentos forçados, entendemos que não é benéfico nem para a criança do Haiti, nem para o país como um todo, que os menores desacompanhados sejam retirados de seu país de origem sem uma cuidadosa avaliação”.

Os líderes católicos expressaram ainda seu desejo de continuar trabalhando com as autoridades norte-americanas para “garantir que estas crianças vulneráveis, assim como as demais vítimas do terremoto, recebam o cuidado e o apoio que necessitam para retomar suas vidas”. (ZENIT)

%d blogueiros gostam disto: