Sem identidade nem ajudas: a dolorosa sorte dos refugiados cristãos no Paquistão (Agência Fides – 26.08.2010)

Fonte/imagem: Blogue da Paróquia do

Santíssimo Sacramento – Portugal

Artigo sobre Igreja Primitiva – Primeiras Igrejas

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Fonte: Agência Fides

26.08.2010
ÁSIA/PAQUISTÃO – Sem identidade nem ajudas: a dolorosa sorte dos refugiados cristãos

Multan (Agência Fides) – Mais de 200 mil refugiados cristãos e 150 mil hindus no Sul da província do Punjab estão sendo excluídos das ajudas humanitárias e ainda aguardam uma mínima assistência para sobreviver. É o alarme lançado pela Caritas e outras ONGs presentes na área, que confirmam a discriminação na distribuição das ajudas em detrimento dos refugiados pertencentes a minorias religiosas. 600 mil refugiados cristãos e hindus na província meridional de Sindh estão sofrendo a mesma sorte de abandono e exclusão – dizem fontes da Fides. As ajudas,nesta fase de emergência são insuficientes e administrada por funcionários do Governo próximos ao extremismo islâmico ou a organizações humanitárias muçulmanas, que fazem discriminação sistemática na distribuição. “A estes deslocados cristãos e hindus faltam tudo, aguardando indefesos sem nenhum refúgio. “Os deslocados cristãos muitas vezes ignorados. Sua sobrevivência está em risco grande “, disse à Fides um voluntário que atua em nível local. “Os cristãos deslocados são frequentemente ignorados: não são propositadamente identificados e registrados. Dessa forma são automaticamente excluídos de qualquer assistência médica ou alimentar, porque “não existem”, diz a fonte da Fides. Especialmente no sul do Punjab estão ativas diversas organizações extremistas islâmicas que estão aproveitando dessa tragédia para atingir ainda mais as minorias religiosas. Muitos destes grupos, ressalta a fonte de Fides, se improvisaram “organizações caritativas” e se registraram como ONGs locais, mas seu trabalho consiste em eliminar os cristãos e o desastre lhes dá uma oportunidade favorável.

Nazir S. Bhatti, presidente do “Pakistan Christian Congress disse num comunicado que “ódio anticristão impede o alcance da ajuda em muitas áreas”, e pediu ao Governo “fundos específicos a serem destinados às minorias religiosas”. Ele convidou todos os doadores “manterem como ponto de referência a Caritas do Paquistão”.
Por enquanto, a Caritas da Diocese de Multan, em coordenação com a Caritas do Paquistão e com as autoridades locais, implementou um plano de ação para ajudar os refugiados no sul de Punjab, buscando alcançar os cristãos e hindus abandonados, divididos em sete distritos, entregando tendas, alimentos, água potável e fornecendo assistência médica através da unidade de pequenos socorros, compostas de animadores, voluntários, médicos e paramédicos que andam pelo território. (PA) (Agência Fides 26/8/2010)

________________________________________________________________________________________________

Retrospectiva
……………….

Fonte: Veja – Internacional –  http://veja.abril.com.br/100299/p_052.html

10.02.1999

Guerra ímpia

Discriminados por sua crença, cristãos são
vítimas de atrocidades em três países da Ásia

Uma menina de 7 anos é estuprada por quatro vizinhos e quem termina na cadeia é o pai dela. O caso aconteceu numa região pobre do norte do Paquistão. A pequena Nagina voltava da escola quando quatro homens a cercaram, arrastando-a para uma estrebaria. Os gritos da menina chamaram a atenção dos moradores da aldeia de Shekhupura, inclusive de seu pai, Ghulam Masih. Ele chegou a ver os agressores, filhos de um vizinho, em volta da menina deitada com as pernas cobertas de sangue. Os criminosos fugiram enquanto Ghulam levava a filha para um hospital, onde ela ficou semanas internada com graves ferimentos internos e tão traumatizada que não conseguia falar. Horrorizadas, muitas testemunhas se dispuseram a denunciar os quatro irmãos. Eles passaram seis semanas na cadeia e foram libertados. Hoje, dois anos depois do brutal ataque a Nagina, seu pai está preso, sujeito a pena de morte. Nesse período, ele foi torturado, mantido em cativeiro sem direito a defesa e acusado de um assassinato cujas únicas testemunhas são nada menos que os estupradores de Nagina. A lógica que liberta os agressores e prende a vítima é simples: Ghulam é cristão e os estupradores, muçulmanos.

Por mais absurda que pareça no mundo contemporâneo, a perseguição religiosa existe e está aumentando. Em contextos políticos distintos, minorias católicas ou protestantes estão sendo vítimas de agressões variadas que se intensificaram nos últimos meses em três países asiáticos: Índia, Indonésia e Paquistão. Em comum entre eles, a miséria, a superpopulação e a ferocidade dos confrontos. Em Ambon, uma ilha da Indonésia, o auge dos conflitos entre muçulmanos e cristãos há duas semanas deixou uma paisagem de praça de guerra e 65 mortos, a maioria vítima de linchamentos — e a matança está longe de ter chegado ao fim. No final do mês passado, na Índia, um missionário australiano e dois filhos, de 6 e 10 anos, morreram quando uma gangue de fundamentalistas hindus ateou fogo ao carro onde dormiam. O missionário protestante prestava assistência aos leprosos indianos desde 1965. Em dez meses, mais de 100 cristãos foram espancados e dezenas de casas e igrejas foram queimadas por fundamentalistas hinduístas, o dobro do total de casos registrados nos últimos cinqüenta anos.

Violência legalizada — Fanatismo não é novidade no Paquistão. Ao contrário, a Indonésia, embora abrigue a maior população muçulmana do mundo, nunca havia sido marcada por sectarismo religioso flagrante. A crise econômica transformou o país num caldeirão de ódios variados. Diante da escalada da intolerância dos últimos meses, há quem suspeite até que os conflitos venham sendo incitados por agentes do ditador Suharto, deposto em maio do ano passado. Um padre de Jacarta tem uma explicação mais plausível: “Nesses tempos de desespero e exaustão, a sociedade está perdendo a capacidade de lidar com o pluralismo”. Na Índia, o extremismo religioso do tipo que custou a vida ao pai da independência, Mahatma Gandhi, ganhou impulso renovado com a eleição do governo liderado pelo Bharatiya Janata, um partido que prega a preponderância do hinduísmo há onze meses.

Mais prósperos, os cristãos indonésios têm condições melhores para se defender e revidar os ataques. Miseráveis ao extremo, os paquistaneses são os mais desprotegidos. Lá, a violência anticristã se escora na lei. Em julho de 1992, os tribunais do Paquistão perderam independência e credibilidade internacional com a aprovação de uma lei contra blasfêmia que assim se enuncia: “Qualquer pessoa que, por meio de palavras, ditas ou escritas, ou por representação visível, ou por qualquer acusação, alusão ou insinuação, direta ou indiretamente, insulte o Santo Profeta Maomé deve ser punida com a morte”. Uma lei que prevê o cadafalso até por causa de insinuações se presta a todo tipo de arbitrariedade, desde vinganças pessoais até a rapina dos bens dos acusados por vizinhos cobiçosos.

Filhas roubadas — Uma discussão sobre a posse de alguns pombos, por exemplo, acabou com a condenação a morte de três cristãos em 1994. A acusação, de que tinham escrito ofensas ao profeta nas paredes de uma mesquita, ruiu quando o juiz constatou tratar-se de analfabetos. Soltos, os três foram metralhados por fanáticos muçulmanos. “As coisas começaram com leis de proteção ao nome do profeta e terminaram num massacre institucionalizado”, diz a escritora paquistanesa Shazia Alam. Seu pai, o pastor presbiteriano Noor Alam, foi assassinado dentro de casa por três muçulmanos. A igreja que havia terminado de construir virou pó em um incêndio criminoso.

Numa demonstração de que a perseguição aos cristãos é semi-oficial no Paquistão, a polícia trabalhou em conjunto com uma família muçulmana para tirar três filhas adolescentes de um casal de cristãos, Sima e Khushi Masih (o sobrenome é comum entre os cristãos paquistaneses). Atraídas por presentes, as garotas haviam-se convertido ao islamismo e foram entregues à família vizinha contra a vontade delas. Os pais levaram o caso à Justiça, e as meninas acabaram num reformatório, pois o juiz não aceitou que muçulmanas fossem criadas por cristãos. Sima e Khushi, que têm outros três filhos, resignaram-se. As filhas convertidas e roubadas pelo menos estão mais protegidas do que o resto da família. (Veja – Internacional – 10.02.99)

Publicado em Veja Internacional.

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Observação: Este blog não fins comerciais.

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: