Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Há 50 anos chegava primeiro grupo do Carmelo Nossa Senhora da Assunção e São José – Comunidade das Irmãs Carmelitas Descalças – Monjas Contemplativas à Região Sul do Brasil – 10.02.2012’

Há 50 anos chegava à Região Sul do Brasil, o grupo de Irmãs Carmelitas que fundaria o Carmelo Nossa Senhora da Assunção e São José – Comunidade das Irmãs Carmelitas Descalças – Monjas Contemplativas.

Publicado em Ordem dos Carmelitas Descalços  Seculares (OCDS) – Comunidade Santa Teresa – Província do Carmo – Sul – Brasil. Pesquisa/fotosCarmelo Nossa Senhora da Assunção e São José – Comunidade das Irmãs Carmelitas Descalças – Monjas Contemplativas – Curitiba – Paraná.

……..

Há 50 anos, chegava à Curitiba, no Paraná, mais exatamente, em 10 de fevereiro de 1960, o grupo de Irmãs Carmelitas, provenientes do Carmelo Santa Teresa, de São Paulo, Capital, para fundação  do Carmelo Nossa Senhora da Assunção e São José. O grupo era formado por dez pioneiras:  Madre Leopoldina de Santa Teresa , Madre Isabel dos Anjos, Ir. Inês de São Sebastião, Ir. Genoveva do Imaculado Coração de Maria, Ir. Teresa de Jesus, Ir. Maria de Lourdes, que depois retornou ao Camelo de S. Paulo. As acompanhavam o grupo das formandas Ir. Teresa Cristina de São José, Ir. Regina da Imaculada Conceição,  Ir. Maria de São José Ir. Maria Celina do Menino Jesus. Vieram a pedido do Arcebispo Dom Manuel da Silveira Delboux. Ao chegarem instalaram-se em uma pequena casa provisória.
No dia 18 de março de 1962, após uma solenidade, as Irmãs passaram para o novo prédio.

carmelo curitiba - o começo

. Veja mais abaixo, como está atualmente o Carmelo Nossa Senhora da Assunção e São José – Comunidade das Irmãs Carmelitas Descalças – Monjas Contemplativas (fotos e texto publicados no site):

Como é Bonito…


Como é bonito Senhor, cada manhã te agradecer.

Mais uma vez teu amor vem me chamar para viver.

Contigo Deus de Amor, eu quero caminhar e assim por onde eu for, irás me acompanhar.

Como é bonito Senhor, cada manhã, ter o meu pão e desejá-lo também a cada um dos meus irmãos.

Como é bonito Senhor, cada manhã recomeçar, tendo a certeza e a fé que tua mão vai me guiar.

 

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Leia também o artigo:

Publicado em: Carmelo Nossa Senhora da Assunção e São José Comunidade das Irmãs Carmelitas Descalças – Monjas Contemplativas

Ideal Apostólico e Oração

Há uma passagem muito importante no livro Caminho de Perfeição que só agora podemos compreender perfeitamente à luz da teologia dos carismas. Diz assim:
“A princípio, quando se tratou da fundação deste mosteiro, não tive a intenção de estabelecer tanta aspereza no exterior (…). Nesta ocasião, tive notícias dos prejuízos e estragos que faziam os luteranos na França, e o quanto ia crescendo esta desventurada seita. Deu-me grande aflição, e, como se pudesse ou valesse alguma coisa, chorava com o Senhor, suplicando-lhe para remediar tanto mal. Parecia-me que mil vidas daria eu para salvação de uma só alma das muitas que ali se perdiam. Sendo mulher e ruim, senti-me incapaz de trabalhar como desejava para a glória de Deus. Tendo o Senhor tantos inimigos e tão poucos amigos, toda a minha ânsia era, e ainda é, que ao menos estes fossem bons. Determinei-me então a fazer este pouquinho a meu alcance, que é seguir os conselhos evangélicos com toda a perfeição possível e procurar que estas poucas irmãs aqui enclausuradas fizessem o mesmo. Confiava na grande bondade de Deus, que nunca falta a quem por ele se decide a tudo deixar. Sendo elas tais como eu as pintava em meus desejos, entre suas virtudes desapareceriam minhas faltas, e assim poderia eu de algum modo contentar ao Senhor. E, ocupadas todas em orações pelos defensores da Igreja, pregadores e letrados que a sustentam, ajudaríamos, no que estivesse a nosso alcance, a este meu Senhor, tão atribulado por aqueles a quem fizera tanto bem. Até parece que esses traidores pretendem crucificá-lo de novo, deixando-o sem ter onde reclinar a cabeça.” (C 1, 1-2).

Clique aqui para ler os livros: Caminho de Perfeição e Castelo Interior

Ao estabelecer esse gênero de vida, feito de oração, penitência, silêncio e solidão, o plano da Santa Madre foi formar amigos fortes e fiéis de Cristo, preparados para fazer por Ele muito mais do que os próprios teólogos e sacerdotes. Bem convencida disto, a Santa prossegue:

“Ó, minhas irmãs no Cristo! ajudai-me a suplicar isto ao Senhor, já que para este fim vos reuniu aqui. Esta é a nossa vocação. Estes hão de ser vossos negócios. Estes, vossos desejos. Aqui se empreguem vossas lágrimas. Sejam estes os vossos pedidos e não, irmãs, súplicas por negócios do mundo” (C 1, 5).

E para que não paire dúvida alguma, acrescenta esta declaração terminante:

“Se vossas orações e desejos, disciplinas e jejuns não se empregarem no que deixei indicado, ficai certas de que não realizais nem cumpris o fim para o qual o Senhor vos reuniu aqui.” (C 3, 10).

Há quem pense que o Carmelo Teresiano atual deixa bastante a desejar em relação à sua vocação específica, pois não produz o mesmo número de místicos que no passado. Mas quem pode afirmá-lo com certeza? À primeira vista, pareceria natural que, dado o número atual de membros da Ordem (13.000 religiosas e 3.000 religiosos, segundo o cálculo de 1979,[4] comparados com 200 e 300 respectivamente do tempo da Santa Teresa), florescessem mais almas místicas do que no passado. Mas, na verdade, estes são dons gratuitos de Deus e só Ele sabe o porquê.

Mais ainda: este modo tão limitado e humano de encarar nossa vocação não é só dos estranhos à Ordem, mas também de seus próprios membros. Na época atual – de tão ativo apostolado no campo social -, não é incomum ouvir queixas e preocupações dos que acreditam que o Carmelo Teresiano moderno não participa como deveria desse apostolado, nem do apostolado missionário e educacional em que a hierarquia da Igreja Católica parece tão empenhada. Também não faltam algumas irmãs nossas de clausura que se sentem um pouco frustradas e sentem suas vidas um pouco vazia se não puderem participar – mesmo em termos limitados – do campo do apostolado social da Igreja junto aos pobres. Da mesma forma muitos leigos tem dificuldade de entender o porquê de “disperdiçar” uma vida ficando “presa por grades” e “sem poder fazer nada de concreto para ajudar quem precisa”.

Como é verdade que não há nada de novo sob o sol! Essas mesmas objeções foram apresentadas à Madre Teresa por algumas irmãs de seu tempo, e a Santa deu-lhes uma resposta concludente:

“A outra objeção é a de que não podeis nem tendes meios de ganhar almas para Deus. De boa vontade o faríeis. Contudo, não vos cabendo ensinar nem pregar a exemplo dos apóstolos, não sabeis como agir. A isso já respondi por escrito mais de uma vez – talvez mesmo neste Castelo, não sei. Como, porém, creio que a dúvida vos passe pela mente, junto com os grandes desejos que o Senhor vos dá, não deixarei de repeti-lo aqui. Já vos disse em outra parte (3M 2, 13) que algumas vezes o demônio nos inspira desejos magnânimos, para deixarmos de lado ocasiões atuais de servir a Nosso Senhor em obras positivas e realizáveis. Ficamos desejando coisas impossíveis. Muito fareis com a vossa oração, não há dúvida. Contudo, já não falo nisso. Só vos digo uma coisa: não queirais ajudar a todo o mundo. Contentai-vos em ajudar aqueles que estão em vossa companhia. A vossa obrigação para com eles é maior. Desse modo, a vossa obra será tanto mais meritória. Julgais que é pouco lucro abrasá-los todos com o fogo de vossa grande humildade, mortificação, diligência em servir às irmãs, caridade sincera para com elas e amor de Deus? Ou se, com as demais virtudes, os encheis de estímulo? Não é pequeno, mas grandíssimo proveito – e muito agradável serviço prestado ao Senhor. Vendo que realizais as obras a vosso alcance, Sua Majestade entenderá que faríeis muito mais se pudésseis. Assim vos dará o prêmio como se lhe tivésseis ganho muitas almas.” (7M 4, 14).

Para evitar mal-entendidos e para que suas filhas não pensassem que se esquivava da questão, a Santa acrescenta com clareza: “Direis que não é converter almas, porque todas aqui são boas e virtuosas. Que tendes vós com isso? Que vos importa? Quanto melhores e mais perfeitas, tanto mais os seus louvores serão agradáveis ao Senhor. Na mesma proporção, tanto mais as suas orações serão de proveito para os próximos. Enfim, minhas irmãs, concluo com este pensamento: não construamos torres sem alicerces firmes. O Senhor não olha tanto a magnificência das obras. Olha mais o amor com que são feitas. Se realizarmos o que está ao nosso alcance, o que depende de nós, Sua Majestade fará com que o continuemos realizando cada dia mais e melhor. Não nos cansemos logo. No breve tempo desta vida – que talvez dure menos do que pensamos – ofereçamos interior e exteriormente ao Senhor o sacrifício que estiver em nossas mãos. Sua Majestade o juntará com a oblação que de si mesmo fez ao Pai na cruz, por todos nós. Assim lhe conferirá o valor merecido por nosso amor, nossa boa vontade, ainda que as obras sejam pequeninas” (7M 4, 15).

…………………..

Livros de Santa Teresa de Ávila disponibilizados no site Carmelo Nossa Senhora da Assunção e São José – Comunidade das Irmãs Carmelitas Descalças – Monjas Contemplativas – “Castelo Interior” e “Caminho de Perfeição“, no link  Livros .

Read Full Post »