Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Quaresma: “A Mais Valiosa Observação Quaresmal’ – Padre Hugh Barbour (Rainha Maria)’

Padre Hugh Barbour: A Mais Valiosa Observação Quaresmal

n/d

Guardai-vos de fazer vossas boas obras diante dos homens, para serdes vistos por eles. Do contrário, não tereis recompensa junto de vosso Pai que está no céu.

Quando, pois, dás esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas                     sinagogas e nas ruas, para serem louvados pelos homens. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa.

Quando deres esmola, que tua mão esquerda não saiba o que fez a direita.*

Assim, a tua esmola se fará em segredo; e teu Pai, que vê o escondido, irá recompensar-te.

Quando orardes, não façais como os hipócritas, que gostam de orar de pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa.

Quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo; e teu Pai, que vê num lugar oculto, te recompensará.

Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante abatido para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa.

Quando jejuares, perfuma a tua cabeça e lava o teu rosto.

Assim, não parecerá aos homens que jejuas, mas somente a teu Pai que está presente ao oculto; e teu Pai, que vê num lugar oculto, te recompensará” (Mateus 6, 1-6, 16-18).

Esmola, oração, e jejum: essas são as observâncias da Quaresma. Na concepção popular, a Quaresma é – em maior parte – um tempo para negar-se a si mesmo, para algum tipo de jejum e abstinência, e os outros dois atos – oração e esmola – não chamam tanto a atenção. Nós geralmente ouvimos as pessoas falar do que elas abriram mão para a Quaresma, e menos frequentemente dos outros dois.

Porém Nosso Senhor lista essas obras do tempo santo no qual estamos entrando em rígida ordem teológica do seu valor intrínseco. Qual é o mais perfeito e de maior mérito em si mesmo? O princípio do qual tratamos aqui é da primazia da caridade ou do amor, e a primazia do bem comum sobre o bem individual: isto é, dispor nossas ações a um amor mais universal.

Portanto, neste modelo, no qual São Tomás de Aquino expõe de acordo com a ordem dada pelo Salvador, a esmola é maior que a oração privada, e os dois são maiores que o jejum.

De novo, o princípio de avaliação é o amor. A esmola – as obras de caridade que fazemos para os outros – oferece o bem para outros visando a sua felicidade e perfeição. A oração é para si mesmo ou para outros; quando é de intercessão por outros, é uma obra de misericórdia, e uma esmola de amor. O jejum e outras penitências corporais são para nossa própria mortificação e libertação de paixões desordenadas, individualmente. Apesar de que podemos jejuar por certas intenções, como a conversão dos pecadores, mesmo assim o ato de jejuar por si só é intrinsecamente ordenado para a correção e perfeição daquele de jejua.

Está claro na Sagrada Escritura que a generosidade para com os pobres agrada mais a Deus, junto da oração e da autonegação, do que qualquer um desses dois sem a esmola. Isso significa que ela é mais poderosa até mesmo do que a penitência corporal para cancelar a dívida dos nossos pecados. É claro, um crente deve se engajar em todos esses atos de devoção, mas é bom saber que se você tem falhado relativamente na penitência corporal por causa da fraqueza, fazer atos de amor para aqueles que necessitam ainda é o marco de uma Quaresma “bem-sucedida”.

Claro que esse ranking pode ser praticamente abstrato, já que é o amor de Deus e ao próximo que garante a eficácia da nossa devoção. Portanto, a oração amorosa, a penitência corporal persistente (alguém pode dizer que este é o modo corporal de rezar), e as obras de misericórdia – todas são obras de amor e portanto possuem mérito. Porém a esmola e as obras de misericórdia ilustram a caridade de maneira mais direta e menos ambígua.

Jejuemos e oremos, mas acima de tudo coloquemo-nos à disposição o nosso tempo e nossos meios a serviço daqueles que precisam da nossa misericórdia: os pobres, os desconsolados, os ignorantes, os doentes e os solitários. E de modo especial nós podemos incluir as almas dos fiéis que partiram nessas obras, que anseiam ver a Deus e celebrar a Páscoa celestial!

Título original : “The Most Valuable Lenten Observance” – Fr.Hugh Barbour

Fonte: http://www.catholic.com  via  otradutorcatolico.wordpress.com

============================

Nota de http://www.rainhamaria.com.br

Disse São João Crisóstomo: “Que proveito resulta de a mesa de Cristo estar coberta de taças de ouro, se Ele morre de fome na pessoa dos pobres? Sacia primeiro o faminto, e depois adornarás o Seu altar com o que sobrar. Fazes um cálice de ouro e não dás um copo de água fresca. Honras a Deus no templo com vestes de seda, enquanto O abandonas lá fora ao frio e à nudez?

Diz na Sagrada Escritura:

“Sabeis qual é o jejum que eu aprecio? – diz o Senhor Deus:  É repartir seu alimento com o faminto, abrigar o pobre desamparado, vestir o nu que você encontrou, em vez de desviar-se de seu semelhante.

n/d

Então tua luz surgirá como a aurora, e tuas feridas não tardarão a cicatrizar-se; tua justiça caminhará diante de ti, e a glória do Senhor seguirá na tua retaguarda…se deres do teu pão ao faminto, se alimentares os pobres, tua luz levantar-se-á na escuridão, e tua noite resplandecerá como o dia pleno. O Senhor te guiará constantemente, alimentar-te-á no árido deserto, renovará teu vigor. Serás como um jardim bem irrigado, como uma fonte de águas inesgotáveis”. (Isaías 58, 6-11)

Publicado em Rainha Maria.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: