“Vem, ó graça divina, desce a meu peito, enche-me desde pela manhã, de tuas consolações, para que não desfaleça minha alma de secura e puro cansaço.” – in “Imitação de Cristo” – Capítulo 55, Livro III.

Jesus, em agonia e oração, no Horto, em Getsêmani.

Imagem: http://www.filhosdapaixao.org.br/associacoes/associacao_consoladores.htm (clique na imagem)

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Este blogue, em cada post, carrega um pouco de mim, de minhas aflições, decepções, tristezas, expectativas e, mesmo sabendo que a maioria não acredita mais neste aspecto da vida espiritual, incluo o peso das tentações… Tentações: em que consistiriam mesmo? Sou um leiga, uma jornalista a mais neste mundo caótico, mas diria que na atualidade se poderia dizer que “tentações” são aqueles eventos que envolvem nosso pensamento envolto em trevas… Tais eventos não são aparentes: são temores, medos, inseguranças, suspeitas infundadas, que podem acarretar sofrimento, tanto para nós próprios quanto para quem nos cerca, e vice-versa. Enfim, tudo se passa em nossa mente, nossa alma, ou na de outra pessoa. Ao fim e ao cabo, todos sofremos, inutilmente. Entendo que ao longo de nossas vidas somos assaltados por algumas, muitas destas tentações por um longo período, ou, pior, todas juntas, em geral, como um “teste”, por breve período… Em contrapartida, aprendemos na Bíblia que Deus jamais nos tenta ( o que lembra cilada…). Ele nos prova: sofremos provações. Entretanto, as Escrituras mostram que permite ao “tentador”, segundo sua Onisciência e Vontade, que este se aproxime de nós (com tentações), mas para nossa edificação.

Ainda que tudo se passe principalmente em nossa mente, elas [as tentações] têm, a meu ver, uma base concreta, e por uma simples razão: estamos sempre em interação com nossos semelhantes (alguns deles, nossos antípodas, às vezes adversários), o que faz com que nossa mente perca seu “centro”. Mas a Graça de Deus sempre está presente. Ela nos indica o caminho: a oração, a súplica.

Vocês lembrarão no texto deste capítulo de a “Imitação”, a possível influência que teve no pensamento de Santa Teresa de Ávila em seus escritos Castelo Interior e Vida. Lá estão a queda da graça e a misericórdia divina, que, através das sugestões do Espírito Santo, nos sussurra o meio (a oração) necessário para dominarmos as “feras” que nos “puxam” para baixo, e que sob um só comando nosso, se afastam imediatamente… Alcançamos mais um patamar em nosso castelo…

Outro pensamento relacionado às “tentações” (que, no passado, era associado quase exclusiva e popularmente à tendência ao desregramento dos sentidos) é o que Cristo Jesus fala várias vezes no Sermão da Montanha: há a influência do “Maligno” (no Novo Testamento é assim que o adversário dos homens e de Deus é nomeado por Jesus).

Ao adaptarmos ao mundo de hoje, também entra a sensualidade, que agora foi transformada em erotização total de tudo que puder ser transformado em mercadoria (pornografia na internet, incluindo infelizmente as redes de pornografia infantil, entre outras ofertas, que aniquilam com o espírito humano…). Há, além disso, games e vídeos infanto-juvenis com mensagens subliminares de sexo e violência. Inclusive, recentemente, surgiram em bancas cópias de games proibidos, vindos do Japão, que apresentam de forma explícita estes dois temas juntos (entre outras indicações nefastas, incentivam o estupro e o aborto!). O público alvo é composto por crianças e jovens. Tétrico.

Em meio a tudo, há condutas adultas pouco saudáveis para o corpo e para o espírito, que na prática, afastam qualquer tipo de vida interior. Falo de sites de relacionamento, com exceção para os que não incluem a ‘opção’ sexo. Tenho 49 anos, mas acredito que a felicidade de mulheres e homens só pode ser alcançada quando a descoberta da amizade, do amor está em primeiro plano, sem pressa… Isto vale para qualquer ambiente.

No capítulo 55 de a “Imitação de Cristo”, o escritor, este misto de monge e leigo, percorre um itinerário (aparentemente anacrônico), em que, mesmo na nossa condição de leigos e leigas dá pistas valiosas para enfrentarmos nossos temores e as tentações que surgem (porque conhecia as suas próprias fraquezas e contra elas entrava em combate por meio da oração e meditação). Estas [as tribulações e tentações], em seu conjunto, nada mais são que obstáculos à nossa paz interior. Sem ela, vagamos e nos afastamos do Mistério que é Deus – a fonte da Paz.

(LBN)

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….Apresentação

“Imitação de Cristo” – Thomas de Kempis é tido como o autor do terceiro livro “Consolação Interior“. De acordo com o tradutor do texto latino, e autor das reflexões sobre a obra – Pe. J.I. Roquette, Kempis teria sido o “cônego regrante de Santo Agostinho” (que viveu no século V). No “Prólogo”, Pe. Roquette aventa (e a discussão sobre a autoria atravessa séculos…) que os dois primeiros livros e o quarto foram escritos pelos abades – Gersen e Gerson – para orientação de seus monges. É interessante observar que em certa parte há menção a São Francisco de Assis (séc. XIII).O consenso, conforme o tradutor do latim e comentador é que tudo contribuiu para a riqueza espiritual que há nesta pequena, antiga, reconhecida e estimada obra chamada “Imitação de Cristo”. (Editora Ave-Maria, 18ª edição, 1991; Imprimatur 26.11.1928).

CAPÍTULO LV

Da corrupção da natureza e da eficácia da graça divina

O DISCÍPULO

1. Deus e Senhor meu, que me criastes à vossa imagem e semelhança, concedei-me esta graça que declarastes ser tão excelente e necessária para a salvação, para que eu possa vencer minha natureza corrupta, que me arrasta ao pecado e leva à perdição.

“Porque sinto em minha carne a lei do pecado que contradiz a lei do espírito”, e me leva cativo a obedecer em muitas à sensualidade; nem poderei resistir às suas paixões, se Vós me não socorrerdes, reanimando meu coração com a efusão de vossa divina graça.

2. Vossa graça é necessária e é mesmo uma grande graça vencer a natureza “propensa ao mal desde a infância” (Gen 8, 21).

Porque viciada pelo primeiro homem e corrompida pelo pecado, passou a todos os homens a pena deste crime, de sorte que esta mesma natureza, que Vós criastes em retidão e justiça, só nos recorda a fraqueza e desconcerto de uma natureza corrupta, porque deixada a si mesma, seu próprio movimento a leva ao mal e às coisas terrenas.

A pouca força que lhe ficou é como numa faísca debaixo da cinza; e esta pequena relíquia é a sua mesma razão natural, cercada de espessas trevas, sabendo ainda discernir o bem do mal, o verdadeiro do falso, mas sem forças para cumprir o que aprova, porque não possue a luz plena da verdade nem goza de afetos são e bem regulados.

3. Daqui vem, Deus meu, que “me deleito em vossa lei, segundo o homem interior, reconhecendo que vossos mandamentos são bons, justos e tão santos”, que condenam todo o mal e ensinam todo o bem, e ensinam a fugir do pecado. (RM, 7, 22).

Porém “minha carne me traz escravizado à lei do pecado”, obedecendo antes aos sentidos que à razão, “querendo o bem e não tendo força para cumpri-lo” (RM 7,18).

Assim acontece também que proponho frequentemente fazer muitas obras boas; mas, faltando-me a graça para ajudar minha fraqueza, cedo ao primeiro obstáculo, desfaleço e caio. Pela mesma causa sucede que, bem conhecido o caminho da perfeição, vejo claramente o que deve fazer; porém, opresso com o peso de minha própria corrupção, não aspiro ao mais perfeito.

4. Oh! Quão necessário me é, Senhor, a vossa graça para começar o bem, para o prosseguir e para o aperfeiçoar! Sem ela nada posso fazer; mas “posso tudo em Vós, com auxílio da vossa graça”. (Flp 4,13)

Ó graça verdadeiramente celestial, sem ti nada valem os merecimentos próprios e para pouco prestam os dons naturais!

Nem as artes, nem as riquezas, nem a formosura, nem a fortaleza, nem o engenho, nem a eloquência tem valor algum diante de Vós, Senhor, sem a vossa graça.

Os dotes da natureza são comuns aos bons e maus, porém, a graça ou a caridade é o dom próprio dos escolhidos; ela o sinal pelo qual se conhecem os que são dignos da vida eterna.

Tal é a excelência desta graça, que nem o dom da profecia, nem o poder de obrar milagres, nem a mais alta contemplação devem ser contados por coisa alguma sem ela.

Nem ainda a fé, nem a esperança, nem todas as outras virtudes Vos são aceitas sem a graça e a caridade.

5. Ó venturosa graça, que enriqueces de virtudes ao pobre de espírito, e ao rico dos bens do mundo fazes humilde de coração.

Vem, ó graça divina, desce a meu peito, enche-me desde pela manhã, de tuas consolações, para que não desfaleça minha alma de secura e puro cansaço.

Imploro vossa graça, ó meu Deus, só ela quero; “pois vossa graça me basta”, ainda que me falte tudo que a natureza deseja (2 Cor 12,9).

Por mais tentado e oprimido que seja de tribulações, nenhum mal temerei, enquanto vossa graça me assistir: Ela é minha força, meu conselho, meu sustentáculo. Muito mais poderosa que todos os inimigos e muito mais sábia que todos os doutos.

6. A graça ensina a verdade, dá a ciência, ilumina o coração, consola nas aflições, desterra a tristeza, tira o temos, alimenta a devoção, produz santas lágrimas.

Que sou eu sem ela, senão um pau seco, um tronco inútil, próprio para ser deitado ao fogo?

Assista-me, pois, Senhor, vossa graça para que esteja sempre atento a empreender, prosseguir e aperfeiçoar boas obras, por Vosso Filho, Jesus Cristo. Amém.

In “Imitação de Cristo” – Capítulo LV.

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: