Santa Teresa deixou-nos uma espiritualidade que podemos designar como “teresianismo” (…) – Carmelo Santa Teresa – Portugal

"Santa Teresa, Doutora Mística, inspirada pelo Espírito Santo", Josefa de Óbidos.

Fonte: Carmelo Santa Teresa – Portugal

Espiritualidade

S. Teresa de Jesus

Santa Teresa deixou-nos uma espiritualidade que podemos designar como “teresianismo”, que resumidamente se pode apresentar por estas três componentes:

1) Vida, a sua própria pessoa

Na base da sua espiritualidade está a sua experiência pessoal, humana e cristã, ou seja, a sua maneira própria de encarar a existência e a sua experiência do mistério transcendente: o seu humanismo e o seu misticismo, bem equilibrados e unificados.

Ela mesma durante toda a sua vida, não só se esforçou no conhecimento próprio, como também o testemunha e daí deriva a maior parte da sua mensagem doutrinal. Experiência e doutrina tornam-se estreitamente unidas, tanto nos relatos autobiográficos como nas exposições doutrinais.

Assim, a própria Teresa irrompe como um tipo de vida para os seus seguidores e leitores. Torna-se ela própria assim uma referência, como acontece na tradição espiritual carmelitana, que desde as suas origens se inspirou nas grandes referências bíblicas, para além de Jesus: Elias e Eliseu, Maria e José, Paulo (através do texto da Regra).

Agora, é ela que encarna um tipo referencial de “Mulher e Mãe”: consciente da própria fragilidade, experiente em crises e lutas, sedenta de oração e contemplação, em permanente tensão de serviço, até atingir a plena maturidade humana e plenitude cristã no amor a Cristo, na profunda união a Deus, e na dinâmica do serviço aos outros, ao Carmelo e à Igreja. Luta ascética, sensibilidade humana, união mística, amizade e serviço são os rasgos fundamentais da sua pessoa e da sua história que marcam o seu legado espiritual.

2) A sua doutrina espiritual

O humanismo e o misticismo são as duas componentes básicas da sua doutrina espiritual, o díptico do seu magistério. Parte da simples antropologia teológica que apresenta a vida humana como abertura e recepção da vida divina.

Segundo ela, toda a vida espiritual radica na possibilidade de relações pessoais recíprocas entre Deus e o homem. Deus é transcendência (“magnificência”, diz ela), mas é um Deus “tratável”. E o homem, criatura e limitado, é, por sua vez, susceptível de elevação ao plano da vida divina. Essa relação do homem com Deus desenrola-se como “trato de amizade” entre ambos, com clara consciência humana de que o homem é amado por Deus. E essa relação “homem-Deus” é determinante para o desenvolvimento e plenitude humana, de morada em morada, já que o “castelo interior” (outro nome para o itinerário das “Moradas”) é do homem e de Deus.

O crescimento na relação com Ele é, por sua vez, determinante para a nova relação com os irmãos. Em Jesus, Deus feito homem, apresenta-se-nos mais patente a condição “tratável” de Deus: “Cristo é um grande amigo”; “Que mais queremos com um tão bom amigo ao nosso lado?” (V 22,7). Jesus é o modelo de relação do homem com os irmãos. De modo que ao chegar à maturidade das sétimas moradas, o homem não só cresceu em si mesmo chegando ao mais profundo do próprio “castelo”, mas também se converte em servidor absoluto dos outros, como Jesus.

Teresa situa o crescimento teologal na relação com Deus na vertente interior do homem. É no interior do “castelo” simbólico que se chega à plenitude da inabitação da Trindade e à união do homem com Cristo. Inversamente, o crescimento antropológico e sociológico culmina na vertente exterior, no serviço aos irmãos.

3) O estilo de vida que propôs para os seus seguidores

É a vontade transmissora que Teresa propõe.

A quase totalidade dos seus escritos tem por destinatárias as suas filhas. Escreve-lhes para lhes transmitir a sua mensagem espiritual e pô-las em contacto pessoal com a experiência vivida por ela.

Para este grupo escreve expressamente o Caminho de Perfeição, Moradas e Fundações. Tem por critério: “Não direi coisa de que não tenha por experiência.”

Fará pedagogia e mistagogia: que as suas leitoras (e o leitor orante actual) partilhem o seu ideal e convicções, mas que também empatizem com as suas vivências, como ela mesma empatizou com frei João da Cruz. O magistério de ambos é complementar. Num e noutro, a teologia espiritual e a pedagogia do “Caminho” ou da “Subida do monte” convertem-se em mistagogia. Aos dois interessa, acima de tudo, o mistério de Deus no homem. Ou seja, provocar nos leitores uma comunhão de experiência.

Mais do que todas as estruturas que regulam a da do grupo (as leis da Regra e Constituições, ou a observância), o verdadeiro factor unificador, o verdadeiro motor do “teresianismo” é a comunhão na experiência de Deus e no novo estilo de fraternidade.

De novo se encontram o misticismo e humanismo teresianos.

Publicado em Carmelo Santa Teresa.

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: