“Hoje reconhecemos a santidade de um confessor, um filho desta nação que, embora não tenha sido chamado a derramar seu sangue pelo Senhor, porém, deu um testemunho eloquente durante uma longa vida dedicada ao ministério sacerdotal, especialmente à pregação, ensino e escritos” – Homilia da Missa de beatificação do Cardeal Newman pelo Papa Bento XVI, em Birmingham, na Inglaterra, neste domingo, dia 19 de setembro de 2010.

Fonte/imagem/textos: ACI Digital

Beato Cardeal Newman poderia ser declarado Doutor da Igreja, afirma porta voz Vaticano

Bento XVI se despediu do Reino Unido alentando testemunho católico ante os desafios atuais

__________________________________________________________________________________________________

VIAGEM AO REINO UNIDO

Fonte: Agência Fides

20.09.2010

VATICANOBento XVI beatifica o Cardeal Newman: “o específico serviço ao qual foi chamado causou a aplicação de seu sutil intelecto e de sua caneta prolífica para muitos dos urgentes problemas do dia”

Birmingham (Agência Fides) – “Hoje reconhecemos a santidade de um confessor, um filho desta nação que, embora não tenha sido chamado a derramar seu sangue pelo Senhor, porém, deu um testemunho eloqüente durante uma longa vida dedicada ao ministério sacerdotal, especialmente à pregação, ensino e escritos”: são as palavras pronunciadas pelo Papa Bento XVI durante a missa de beatificação do Servo de Deus, John Henry Newman (1801-1890), Cardeal e fundador do Oratório de São Felipe Neri na Inglaterra, que presidiu no domingo, 19 de setembro em Cofton Park, em Birmingham.

Repetindo o lema do Cardeal Newman, “Cor ad cor loquitur”, que foi também o logotipo de sua viagem apostólica, Bento XVI explicou que isto “nos permite penetrar em sua compreensão da vida cristã como um chamado à santidade, experimentada como “intenso desejo do coração humano de entrar em comunhão íntima com o Coração de Deus. Ele nos lembra que a fidelidade à oração nos transforma gradualmente na imagem de Deus. Newman nos ajuda a entender o que isso significa em nossa vida diária: nos diz que o nosso Divino Mestre foi atribuiu uma tarefa específica para cada um de nós, um serviço bem definido”, confiado unicamente a cada indivíduo”.

Assim, o Papa continuou: “O serviço específico para o qual o Beato John Henry Newman foi chamado, causou a aplicação de seu intelecto sutil e sua caneta prolífica para muitos dos mais urgentes problemas do dia”. “As suas intuições sobre a relação entre fé e razão, sobre o espaço vital da religião revelada na sociedade civilizada, e sobre a necessidade de uma abordagem à educação amplamente fundamentada e de longo alcance, não foram somente de profunda importância para a Inglaterra vitoriana, mas continuam hoje a inspirar e iluminar muitos em todo o mundo”. O Santo Padre prestou homenagem à sua visão de educação: “firmemente contrário a qualquer abordagem reducionista ou utilitarista, tentou criar um ambiente educativo em que a disciplina intelectual, moral e compromisso religioso caminhassem juntos”. Em particular, o Papa sublinhou a atualidade do famoso apelo do beato John Henry “por um laicato inteligente e bem instruído”, e concluiu: “rezo para que através de sua intercessão e exemplo, aqueles que se dedicam à tarefa da educação e catequese sejam inspirados a um esforço maior de sua visão, que claramente se coloca diante de nós”.

Bento XVI concluiu a homilia recordando a vida de um sacerdote e pastor de almas de Newman, que viveu “no devoto cuidado para com as pessoas de Birmingham durante os anos em que fundou o Oratório, visitando os doentes e pobres, confortando os necessitados, cuidando daqueles que estavam na prisão. Não é de se admirar que depois de sua morte milhares de pessoas se colocaram em filas nas ruas do lugar, enquanto seu corpo era levado para a sepultura pouco distante daqui. Cento e vinte anos mais tarde, grandes multidões se reuniram novamente aqui para se alegrar pelo solene reconhecimento da Igreja pela santidade excepcional deste amado pai das almas”. (SL) (Agência Fides 20/09/2010)

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Fonte: Agência Fides

18.09.2010

VATICANO Bento XVI no Reino Unido: “a colaboração e o diálogo entre religiões requer o respeito recíproco, a liberdade de praticar a própria religião e cumprir atos de culto público, como também a liberdade de seguir a própria consciência”

Londres (Agência Fides) – “Desde o Concílio Vaticano II a Igreja Católica colocou ênfase especial sobre a importância do diálogo e da colaboração com os seguidores de outras religiões. E para que seja fértil, ocorre a reciprocidade por parte de todas as componentes em diálogo e dos seguidores de outras religiões”. Foi o que disse o Papa Bento XVI em seu discurso durante o encontro com líderes os de outras religiões, que se realizou na sexta-feira 17 setembro, no final da manhã, no St Mary’s University College de Twickenham, em Londres. O Papa salientou: “Penso em particular em determinadas situações em algumas partes do mundo, onde a colaboração e diálogo entre as religiões exigem respeito mútuo, a liberdade de praticar sua religião e cumprir atos de culto público, bem como a liberdade de seguir sua consciência, sem sofrer o ostracismo ou a perseguição, até mesmo após a conversão de uma religião para outra”.

O Papa em seguida ilustrou formas concretas através das quais realizar este diálogo em diferentes níveis: o diálogo da vida, que “significa simplesmente viver lado a lado e aprender uns com os outros e o diálogo de ação”, que nos faz aproximar das formas concretas de colaboração”. Depois, há as conversações formais, que não dizem respeito somente ao intercâmbio teológico, “mas também o colocar à consideração mútua suas riquezas espirituais, o falar sobre sua experiência de oração e contemplação, expressar a alegria do nosso encontro com o amor divino”. O Santo Padre elogiou as diversas iniciativas, destacando que “o esforço para ir ao encontro com amizade aos seguidores de outras religiões, está se tornando uma parte familiar da missão da Igreja local, uma característica do panorama religioso neste país”.
No final de seu discurso o Santo Padre garantiu que “a Igreja Católica persegue o caminho do compromisso e do diálogo” e que “os católicos, tanto na Grã-Bretanha seja em todo o mundo, continuarão a edificar pontos de amizade com outras religiões, para corrigir os erros do passado e para promover a confiança entre os indivíduos e comunidades”.

Na parte da tarde, o Santo padre fez uma visita de cortesia ao Arcebispo de Cantuária, Rowan Williams. Relembrando o histórico encontro realizado na Catedral de Cantuária entre o Papa João Paulo II e arcebispo Robert Runcie, Bento XVI disse: “neste mesmo lugar onde Santo Tomás de Cantuária testemunhou Cristo, derramando seu sangue, eles oraram juntos pelo dom da unidade entre os seguidores de Cristo. Ainda hoje continuamos a orar por esse dom, sabendo que a unidade querida por Cristo para os seus discípulos virá somente em resposta à oração”. Deixando de mencionar as dificuldades “que o movimento ecumênico encontrou e encontrando”, o Papa deu graças “pela profunda amizade que cresceu entre nós e os progressos notáveis em muitas áreas de diálogo”.

O fato de que a cultura se desenvolva “de modo sempre mais distante de suas raízes cristãs” e a sociedade assuma uma dimensão multicultural, aumentando a oportunidade de conhecer outras religiões, abre aos cristãos a possibilidade de “explorar, juntamente com os membros de outras tradições religiosas, maneiras de testemunhar a dimensão transcendente da pessoa humana e do chamado universal à santidade. A cooperação ecumênica nesta área continua a ser essencial, e irá certamente dar frutos na promoção da paz e harmonia num mundo que tantas vezes parece em risco fragmentação. Ao mesmo tempo, nós cristãos não devemos hesitar em proclamar a nossa fé na unicidade da salvação obtida por Cristo para nós, e explorar juntos uma compreensão maior profunda compreensão dos meios que Ele colocou à nossa disposição para alcançar a salvação”. Enfim, o Santo Padre citou o testemunho de John Henry Newman: “por um lado ele foi movido em seguir a própria consciência, mesmo com um pesado custo pessoal; por outro lado, o calor da amizade contínua com seus precedentes colegas, o levou a explorar com eles, com verdadeiro espírito irênico, as questões sobre as quais tinha divergência, movido por uma busca profunda da unidade na fé”. (SL) (Agência Fides 18/09/2010)

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: