Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘“Rede Asiática contra a pena de morte” e ajuda humanitária urgente no Quênias pelas inundações (Agência Fides)’

Veja abaixo destas duas importantes e dramáticas notícias, um vídeo do YouTube sobre o dia dedicado à Nossa Senhora de Guadalupe (México), padroeira da América Latina. Sua aparição é dada como milagrosa, já que cientistas não conseguem explicar que tipo de material teria sido utilizado na sua estampa sob um simples tecido de linho. Afirmam que não duraria mais de 20 anos.  Há 500 anos ela fez uma aparição ao índio São Juan Diego e disse que quer proteger seus filhos no mundo inteiro. Estas parições foram reconhecidas pela Igreja Católica, pelo caráter miraculoso que possuem.  Ao que parece, nós, seus filhos estamos ignorando suas palavras de alerta desde lá, ou seja, há muito tempo: nos séculos 19, em Lourdes e La Sallete, na França e, no século XX (1917), na cidade de Fátima, em Portugal. Um desses exemplos de descaminhos é a injustiça, na forma de julgamentos precipitados na Ásia, que levam anualmente  à pena de morte milhares de pessoas, os quais ignoram o Direito Internacional. Outro exemplo é todo tipo de agressão ao meio ambiente em escala mundial, que leva a mudanças climáticas, trazendo inundações e doenças a países já na linha de pobreza, como é o caso do Quênia.(LBN)

……………………………………..

Fonte: Agência Fides

10.12.2011

ÁSIA – Em 14 países asiáticos a pena de morte é aplicada após julgamentos injustos ou com provas obtidas sob tortura

Hong Kong (Agência Fides) – Em 14 países asiáticos são condenados à morte milhares de pessoas todos os anos, após julgamentos injustos, ou com base em provas obtidas sob tortura. E a afirmação da “Rede Asiática contra a pena de morte” (“Anti-Death Penalty Asia Network”) num relatório intitulado “Quando fala a justiça. Milhares condenados à morte após julgamentos injustos”, apresentado no últimos dias em Hong Kong, cuja cópia foi enviada à Agência Fides. Segundo o relatório, 14 países asiáticos exercem juntos mais penas de morte do que o resto do mundo. Em particular, o relatório pede uma ação em favor de oito pessoas que correm o risco de execução na China, Japão, Índia, Indonésia, Malásia, Paquistão, Cingapura e Taiwan. Em cada um desses casos, a sentença de morte – se afirma – foi imposta após um julgamento injusto e em seis casos a cada oito a acusação foi baseada em provas obtidas mediante tortura.
Confissões obtidas pela força são regularmente consideradas “provas confiáveis” em processos no Afeganistão, China, Japão, Índia e Indonésia, embora as leis proíbam tais práticas. O documento enfatiza “as falhas presentes nos sistemas judiciários de muitos desses países”, recordando que, por outro lado, mais da metade dos países asiáticos aboliram a pena de morte ou não aplicam execuções capitais nos últimos 10 anos.
O texto nota que na Ásia, os réus de crimes puníveis com a pena de morte possuem um limitado, ou inexistente, acesso à defesa legal, seja antes como durante o processo. Dentre os exemplos citados, constam: na Índia, Devender Pal Singh, detento no braço da morte, denunciou à Corte suprema que os policiais o obrigaram à força “a assinar algumas folhas em branco”. No Japão, a polícia é autorizada a reter e interrogar um suspeito sem a presença de um advogado por 23 dias, pois alegam que o advogado pode “dificultar a descoberta da verdade”. As autoridades chinesas podem impor obstáculos nos encontros entre advogados e clientes para impedir o acesso a fascículos.
Com base no direito internacional, a pena de morte pode ser imposta apenas para crimes intencionais com conseqüências mortais. Apesar disso, alguns países asiáticos, como Coreia do Norte, Malásia, Paquistão e Cingapura a aplicam para crimes não mortais, como furto ou tráfico de drogas. Os crimes punidos [com] a pena de morte são pelo menos 55 na China, 28 no Paquistão e 57 em Taiwan.
A Rede asiática contra a pena de morte (“Anti-Death Penalty Asia Network”- ADPAN) é uma rede independente que promove a abolição da pena capital na Ásia. Dentre seus membros estão advogados, Organizações Não-governamentais, grupos da sociedade civil, defensores de direitos humanos e ativistas de 23 países. Também fazem parte Amnesty International e a Comunidade de Santo Egídio. (PA) (Agência Fides 10/12/2011)

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Fonte: Agência Fides

07.12.2011

ÁFRICA/QUÊNIA – Milhares de vítimas das enchentes estão precisando urgentemente de alimento, mosquiteiros, tendas e medicamentos

Nairóbi (Agência Fides) – As fortes chuvas que estão se abatendo sobre o Quênia carregaram pontes e interromperam muitas estradas, tornando mais difícil o resgate de milhares de pessoas desabrigadas pelas enchentes. Segundo a Cruz Vermelha do Quênia (KRCS), desde outubro morreram pelo menos, uma dezena de pessoas e 40 mil foram vítimas de desastres naturais. Nos últimos dias, por causa de um deslizamento de terra em Keiyo, no Rift Valley, outras pessoas morreram e outras ainda em Nyanza, no Quênia ocidental e na região costeira. Em Garbatula, distrito de Isiolo, centenas de agricultores perderam as lavouras. Em outras partes do país existe o perigo de epidemias de doenças causadas por água contaminada pela explosão de latrinas e poços, e outras áreas pela ruptura de dutos.
Segundo a Comissão Nacional para os Direitos Humanos do Quênia (KNCHR), que controla a zona setentrional do país, as inundações atingiram toda a região de Isiolo, com a ruptura das digas do rio Ewaso Nyiro. Garfarsa, Kombola, Sericho, Merti e Garbatula são algumas das áreas mais gravemente atingidas. Os desabrigados e as pessoas em graves dificuldades necessitam urgentemente de ajudas alimentares, tendas, cobertores, utensílios de cozinha e remédios. Poucos dias atrás, também o rio Nzoia rompeu as digas, fazendo evacuar milhares de pessoas das áreas de Budalang’i, Bunyala e Funyula, no Quênia ocidental. Outras milhares de vítimas foram registradas nas áreas de Nyando e Nyatike, Nyanza e na Província costeira onde, no mês de outubro, as enchentes causaram graves prejuízos à população, destruíram escolas e sistemas de depuração. No mês de novembro, o Global Disaster Alert junto ao Coordination System lançou um alarme diante das enchentes no Quênia, depois que mais de 300 famílias foram desalojadas e o gado arrastado pelas inundações em Wajir, no sul do Quênia. (AP) (7/12/2011 Agência Fides)

Read Full Post »