“Nosso espírito está inquieto, como sempre está o coração do homem peregrino na história, ainda que esta inquietude na atualidade adquira conotações particulares, os traços característicos de nossa sociedade civil, de nossa Igreja, de nossas comunidades familiares e religiosas.(…)” – Homilia do P. Saverio Cannistrà, Prepósito Geral OCD Teresianum – Roma (Festa de Santa Teresa – “Guias de Leiturado Livro da Vida”)

SantaTeresa de Jesus - Pastoral Vocacional Carmelitana

Fonte: Pastoral Vocacional Carmelitana

http://falandodeespiritualidade.blogspot.com/2009/11/guias-de-leitura-do-livro-da-vida.html

GUIAS DE LEITURA DO LIVRO DA VIDA
FESTA DE SANTA TERESA

Homilia do P. Saverio Cannistrà,
Prepósito Geral OCD Teresianum – Roma

Este ano a celebração da festa de Santa Teresa adquire para nós carmelitas um sentido particular. É o ano do Capítulo Geral, no qual nossa família religiosa decidiu empreender um caminho de preparação ao quinto centenário do nascimento de Teresa. Esta preparação consistirá sobretudo – segundo as mesmas palavras do documento capitular – em “ler cada ano na Ordem, desde o 15 de outubro de 2009 até 2014, pessoal e comunitariamente uma obra da Santa Madre Teresa de Jesus” (Para vós nasci, n° 38). Assim pois, desde hoje, nós carmelitas, tanto pessoal como comunitariamente, adquirimos o compromisso de dedicar todos os dias um pouco de nosso tempo e de nossa atenção à leitura dos escritos de Teresa. É um compromisso discreto, escondido e, no entanto, essencial. O que esperamos deste exercício de leitura? As obras de Teresa não serão lidas simplesmente para aumentar nossa cultura, para obter dela conteúdos históricos e doutrinais para estudar e ensinar. Ler-se-ão para entrar em comunicação com ela, para conhecer a pessoa que nos está falando e, em familiaridade com ela, para conhecermos a nós mesmos. Meu professor de filologia românica, Gianfranco Contini, um dos leitores mais penetrantes que conheci, definia ao bom leitor como “quem está disponível a deixar-se invadir pelo espírito do outro, através da leitura”. É isto precisamente o que esperamos da leitura: que o espírito de Teresa invada nosso espírito, e dos homens e mulheres deste tempo, portadores dos problemas, das esperanças e das angústias desta geração.

Nosso espírito está inquieto, como sempre está o coração do homem peregrino na história, ainda que esta inquietude na atualidade adquira conotações particulares, os traços característicos de nossa sociedade civil, de nossa igreja, de nossas comunidades familiares e religiosas. Estamos sedentos como a Samaritana que vai ao poço para tirar água. Mas, qual água poderá saciar-nos verdadeiramente, não só por um momento, não só superficialmente, mas plena e definitivamente? Não se trata da água que podemos tirar com nossas forças dos poços que nossos pais cavaram. É a água que mana abundantemente da pessoa de Jesus, que nos encontra aqui e agora, aparentemente de modo casual, mas que na realidade nos conhece desde sempre e lê no profundo de nós, nos escuros isolamentos de nosso coração. Também Jesus tem sede, é movido pela sede. A mulher Samaritana e o homem Jesus se encontram juntos no poço, levados pela busca de água. Jesus, cansado da viagem, no momento mais quente, experimenta a mesma sede da mulher, que foi ao poço, experimenta a mesma sede dos discípulos, que foram à cidade para comprar alimento. A humanidade de Jesus é exatamente nossa humanidade com seus achaques e suas fragilidades, mas também é, em tudo isso e através de tudo isso, a humanidade que chega a seu cumprimento, “que é perfeita”, como diz a carta aos Hebreus, e por isso mesmo levada à sua pátria, que é o seio das relações trinitárias. É a humanidade do Filho que se alimenta da vontade do Pai e perenemente é saciado e renovado pela água viva do Espírito. Jesus fez uma longa viagem para chegar ao poço no qual encontra a Samaritana: não só a viagem pelos caminhos da Galiléia e da Samaria, mas a viagem que o levou desde o Pai ao homem em sua distância, em seu extravio, em sua infidelidade. Entretanto, é belo observar como pelo encontro com ele, também a Samaritana empreende uma viagem, que é o de encontrar-se a si mesma e, portanto, de anúncio e de testemunho: Encontrei a quem me conheceu inteiramente, a quem me fez descobrir minha verdade e dignidade de filha na verdade do Pai.

Não nos surpreende que Teresa tenha se fascinado por este episódio evangélico e tenha se reconhecido na mesma mulher sedenta. Também ela estava cansada de caminhar (“A minha alma já estava cansada”, escreve no Livro da Vida 9,1) e tinha sede de paz e de luz: “Eu bem sabia que O amava, mas não compreendia, como iria entender, o que é amá-Lo verdadeiramente” (V 9,9). E nesta obscuridade e angústia se mantém até que não se levanta pela graça, até sua atuante presença: Ele estava ali, diante dela, para dizer-lhe, com todo seu corpo ferido, que estava por ela e com ela, sempre e em todas partes. Desde então Teresa começa a entender que amar verdadeiramente a Deus significa antes que qualquer outra coisa acolher-se de verdade em seu amor. É o amor de Deus que venceu a morte na ressurreição de Jesus. Teresa se encontra com o Crucificado ressuscitado e em seu corpo vê, lê com clareza o poder deste amor, capaz de superar toda resistência e diminuir qualquer obstáculo. Teresa se abandona totalmente a ele libertando-se de tudo o que a constrangia no plano pessoal, social e eclesial. Seu coração ferido é o coração do homem novo, o coração de carne (Ez 11,19), libertado e aliviado, como no impulso ascensional da representação de Bernini, para o amor que a atrai a si e a faz sua. Sua esposa, porém mais ainda sua amiga e colaboradora. Precisamente como a Samaritana é descrita como a amiga que fala com Jesus e a discípula que fala aos demais de Jesus, assim é Teresa. À passividade de ser perdoada, escutada e amada por Jesus, corresponde à atividade da amiga e colaboradora que já não se espantará mais com sua fragilidade ou das dificuldades materiais ou dos prejuízos dos homens, inclusive sendo eclesiásticos influentes. Teresa se coloca a caminho e não deixará de caminhar até sua morte, que é para ela o umbral mais além do qual continuará caminhando ao encontro com ele, já verdadeiramente Esposo contemplado face a face.

Teresa nos convida a segui-la em seu caminho ao encontro do Crucificado ressuscitado, em todas as páginas, em todas as linhas de seus escritos. Repete-nos que Jesus Cristo está vivo, com uma vida oferecida e doada a quem quiser acolhê-la. O que é o que nos impede de segui-lo? O que é que nos impede de fazer sua mesma experiência? Talvez encontremos uma resposta na passagem do livro da Sabedoria, que foi proclamado como primeira leitura: “Eu a preferi aos cetros e aos tronos e, junto dela, considerei como nada a riqueza” (Sb 7,8). A Sabedoria se deixa encontrar por quem se decide por ela, por quem compromete nela a própria liberdade. Demasiadas coisas nos ocupam, coisas que não escolhemos livremente, mas que deixamos que preencha nossa vida. Não nos alimentam, não nos saciam, não nos dão vivacidade, e entretanto não temos a força de nos livrarmos delas. Sabemos que Teresa lutou durante muito tempo por libertar-se do que possuía ou, melhor dizendo, do que a possuía. Não podemos por isso pensar que para nós seja mais fácil que para ela, nem que seja possível chegar a uma verdadeira transformação de nós mesmos sem a graça de Deus, invocá-lo de modo incansável, e sem um sério compromisso por nossa parte. Um compromisso que devemos exercer numa dupla direção: em desprendermos de tantas coisas, que nos detêm e nos confundem, e levarmos avante a obra para cumprir responsavelmente o trabalho que nos foi confiado. Na realidade, o homem está feito de tal modo que só a ação obediente à vontade de Deus pode transformá-lo. E o afirmo sabendo perfeitamente que a vontade de Deus deve direcionar, desde o interior, nossa vontade, e não a do homem. Que Teresa nos ensine a reencontrar nossa liberdade em entregar-nos àquele que nos quer efetivamente livre.

+Roma, 4 de setembro de 2009
Queridos irmãos no Carmelo

Enviamos uma nova ficha de leitura para o “Livro da Vida” de Santa Teresa de Jesus, com a finalidade de completar aquela que aprovamos no Capítulo Geral, possuidora de um conteúdo mais dinâmico e pastoral. A presente ficha de leitura, como poderá ser constatado, é mais teórico-doutrinal e trata de situar o livro contextualizando-o, apresentando seu conteúdo e seções e fazendo uma breve introdução para a leitura de cada uma delas.
Como também poderá se constatar, a ficha não é muito extensa; não queremos, em fidelidade ao que foi tratado no Capítulo Geral, fazer uma grande introdução que roube tempo no que realmente importa: ler as obras de Santa Teresa de Jesus.
Pedimos que, o quanto antes, possa chegar aos frades, monjas e membros da OCDS, do modo que for mais prático, uma cópia desta ficha a qual, em breve, poderá também apresentar-se na Web que, por motivo do Centenário, preparará a Comissão nomeada pelo Definitório geral, que preparou esta ficha com a ajuda do P. Salvador Ros, ocd. Cada ano irá chegar, para distribuí-las em sua circunscrição, duas fichas como estas: uma de caráter mais pastoral e outra mais teórica e doutrinal.
“Agora começamos…” e para fazê-lo “de bem a melhor” oferecemos a nossos irmãos e irmãs este simples material. A leitura fiel e criativa de cada um de nós, esperamos, será o terreno adequado no qual estas simples sementes darão fruto abundante.
Com afeto e unido a sua oração:
P. Emilio J. Martínez González, Vic. Gen. ocd.

Continua… SANTA TERESA DE JESUS – Livro da Vida – Guia de leitura – Introdução.

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: