Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Opção pela vida: não ao aborto’

A partir dos artigos transcritos logo abaixo, pretendo fornecer a vocês o contexto em que se situa este post. Se trata da insistência em levar a debate o polêmico tema da legalização do aborto no Brasil. De antemão, informo aos visitantes do blogue “Castelo Interior” que, pessoalmente, me posiciono tanto contra a legalização do aborto,  bem como, contra a manipulação de embriões. Ou seja, o uso, ainda que “terapêutico” daqueles que a “Ciência” considera “inaptos” para a fertilização in-vitro, decorridos dez anos. Isto, para mim, é eugenia, seleção genética, o que supõe, neste caso, que estamos diante de uma medicina que imita os cientistas nazistas. Entretanto, se não houvesse procura por este recurso, não haveria a profusão de clínicas e médicos ofertando este “serviço”…  O lucro é astronômico.

A propósito, sendo portadora de uma doença auto-imune denominada “Endometriose”, em grau moderado – que compromete em vários aspectos a gravidez (estou com 48 anos), não me submeteria ao processo de fertilização in-vitro. Esta convicção foi reforçada pela visão idêntica que eu e meu marido temos sobre o assunto. Além disso, ainda que não fosse católica, seria contra o recurso da fertilização in-vitro. Explico no parágrafo seguinte o que penso, sob outro ângulo.

Considero absurda a frieza com que casais, médicos e cientistas deixam de lado certos embriões, que congelados, ficam à disposição para “uso” em uma próxima gestação – até o limite de cinco anos… Se passarem da “validade” (por favor, desculpem a expressão, mas não se trata de outra coisa!) podem ser manipulados para obtenção de células-tronco. Certamente, outras pesquisas fazem parte deste filão… O “lobby” dos laboratórios saiu vitorioso da batalha, já que os congressistas brasileiros, há dois ou três anos ignoraram o que mundo inteiro já havia comprovado: os embriões “perdem” para o cordão umbilical… Ou seja, as células do cordão umbilical são mais eficazes em termos de possíveis curas de certas doenças. Cada cordão umbilical dispõe de milhares de células-tronco adultas, enquanto são necessários milhares de embriões congelados, os chamados “não-aptos”, ou, que Deus me perdoe por falar assim: “inúteis”…. Chegamos a um ponto tal de desumanização que vale lembrar o que afirmou à época certa congressista brasileira, militante pró-escolha (isto é, do aborto, em nome da “liberdade” da mulher sobre seu corpo): eles – os embriões congelados “vencidos” – “vão para o lixo”…

A Igreja Católica, de acordo com o que estabelece o Direito Canônico, entende que a vida tem início na concepção, e, por esta razão não admite o método. Dentro da história do catolicismo, há cerca de 150 anos foi estabelecido o dogma da Imaculada Conceição de Maria, mãe de Jesus Cristo. A proposição como “canon” vinha sendo estudada, aproximadamente, nos três séculos anteriores à instituição do dogma. Neste, a alma da Virgem Maria foi protegida do pecado original, desde sua concepção. Portanto, a afirmação de que há vida (alma) desde a concepção é religiosa, mas contém em si um outro aspecto: o moral. No caso, é moral porque, se sou cristã, creio que ao receber já na concepção uma alma, doada pelo Criador, não tenho direito de extirpar a vida que foi gerada dentro de meu ventre, pelo simples fato de que Deus a este ser, em embrião, também doou uma alma.

Quanto ao alegado direito da mulher de dispor livremente sobre seu corpo (segundo o ponto de vista do ativismo “pró-escolha”), não decorre disto a  extinção do direito do feto-bebê. Afinal, ainda que na forma de um embrião, é uma pessoa desde o momento da concepção. Não lhe é possível manifestar a plena potência de sua humanidade, por estar ligado fisicamente à mãe, mas todos sabemos que o bebê  prematuro (que foi retirado antes dos nove meses do ventre de sua mãe), na quase totalidade dos casos completa seu desenvolvimento com sucesso em uma incubadora. Há registros em que tanto a mãe quanto o bebê correm risco de vida, o que torna obrigatória a realização de uma cesárea, possível a partir dos cinco meses de gestação. Neste estágio o feto já dispõe organicamente de todas as funções básicas. O desenvolvimento restante do feto (que até há pouco era totalmente dependente do organismo da mãe), vai ser completado na incubadora. Aos nove meses os pais, agradecidos e felizes levam a criança para casa, para registrarem em cartório o nome escolhido (caso fosse, uma menina ou um menino), desde o período em que era somente um embrião

………………………………………………………………………………………………………..

FONTE: http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/280109/capa.html

“Ciência e saúde

Acervo Digital VEJA

A acirrada polêmica sobre a legalização do aborto no país e no exterior

28 de janeiro de 2009

Em sua reportagem de capa desta semana, VEJA revela que cada vez mais médicos brasileiros optam por ajudar suas pacientes decididas a interromper uma gravidez indesejada. (….)”

Observação: ver também sobre o assunto… Como não está sendo possível linkar, sugiro a vocês o “copiar/colar”, para ir à página da matéria acima –  veja.abril.com.br/noticia/ciencia-saude/acirrada-polemica-legalizacao-aborto-pais-exterior-417848.shtml

……………………………………………………………………………………………………

FONTE: http://biodireitomedicina.wordpress.com/2008/11/22/impossibilidade-de-legalizacao-do-aborto-no-brasil-desde-sua-proibicao-constitucional-de-ir-a-deliberacao-pelo-poder-legislativo/

Impossibilidade de legalização do aborto no Brasil desde sua proibição constitucional de ir à deliberação pelo Poder Legislativo

Este artigo foi escrito para o Livro Relatório Azul da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, em novembro de 2007, solicitado por Ofício em outubro de 2007 pelo Dep. Marquinhos Lang, Presidente desta Comissão. Tanto quanto possível, ele foi escrito com o objetivo de ser acessível ao maior número de pessoas e tinha sua extensão delimitada em número de caracteres.

A reprodução deste artigo está vedada por razões que não dependem de nossa vontade.

Seu endereço para localização, leitura ou citação dentro deste site é:

http://biodireitomedicina.wordpress.com/2008/11/22/impossibilidade-de-legalizacao-do-aborto-no-brasil-desde-sua-proibicao-constitucional-de-ir-a-deliberacao-pelo-poder-legislativo/

Dr. Celso Galli Coimbra
Advogado,
OABRS 11352

www.biodireito-medicina.com.br
c.galli@terra.com.br
cgcoimbra@gmail.com

………………………………………………………………………………………………………..

VÍDEOS PRÓ-VIDA; ANTI-ABORTO: O AMOR É UMA ESCOLHA…

O vídeo abaixo, e ao lado, no Blogroll, entre os inúmeros que podemos encontrar no Youtube, apresenta sua posição Pró-vida de maneira suave e inspirada. Foi realizado por um grupo denominado “Catholic Home School”, cujo endereço é http://www.youtube.com/user/catholichomeschool. Tem o seguinte título: “Pro-life Anti-Abortion Video: Development of the Unborn Baby” (“Vídeo Pró-Vida; Anti-Aborto: Desenvolvimento de um Bebê por Nascer”): http://www.youtube.com/watch?v=O2l1-kvKomg

Um outro vídeo (ao lado no Blogroll), que considerei muito elucidativo, é apresentado por um religioso católico – Fr. Frank Pavone, diretor de uma organização norte-americana Pró-Vida, com extensão internacional – “Priests for Life” (Sacerdotes pela Vida). Se intitula This is a Suction Abortion” (“Este é um Aborto por Sucção”). Apresentado em inglês, em resumo, o padre Frank Pavone nos informa que este é o método mais amplamento adotato na atualidade para o aborto de uma criança. Como se utiliza de um modelo médico e de dois instrumentos cirúrgicos utilizados no processo, é possível compreender com facilidade o que a “Ciência Médica Abortiva” (são minhas as palavras) engendra para evitar processos pela morte de mulheres durante ou após o aborto. Pelo método anterior, médicas e médicas, no mundo inteiro, sem hesitação, lançavam mão de uma centrífuga acoplado a um instrumento cirúrgico…

This is a Suction Abortion” (“Este é um Aborto por Sucção” – http://www.youtube.com/watch?v=QBOAPleF1t0&NR=1

Também há um diagrama médico que completa a informação sobre este procedimento:  http://www.priestsforlife.org/resources/medical/de.jpg

Peçamos a Deus, em nome da morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo que não leve em conta a iniqüidade dos que perpetram este tipo de genocídio infantil, tão somente por enriquecimento, e ilumine o nosso entendimento para que suportemos a realidade de que vivemos em um tempo no qual prolifera a morte de inocentes bebês. Amém.

Jesus Cristo foi lacônico: “Àquele que fizer mal a um de meus pequenos, digo-lhe: seria melhor que amarrasse uma pedra ao pescoço e se atirasse ao mar”. No entanto, penso que, em raras circunstâncias, havendo arrependimento e contrição, Deus, por Cristo, inocente, crucificado, terá misericórdia da mulher, que a cada dia chora e sofre pelo seu ato.

No dia 8 de março último, houve passeatas nos grandes centros pelo “Dia da Mulher”, com foco na legalização do aborto. A meu ver, as ativistas e simpatizantes “pró-escolha” na verdade defendem seus postos de trabalho em organizações não-governamentais… Além disso, a afirmação da “liberdade” do corpo da mulher não é válida porque não considera do mesmo modo a liberdade da criança, que deve ter o direito de se desenvolver no útero, e de nascer, tal como no passado aconteceu com cada uma das ativistas e simpatizantes, e com a humanidade inteira. Pobreza? Na verdade, há um “lobby cultural” de consumo e, por conseqüência, de recusa de uma vida simples… As crianças, de um modo geral, estão sofrendo a cada dia mais, e de maneiras diferentes, com toda esta estupidez humana.

Read Full Post »