A oração como travessia…

alimenti_acqua_pluviale_taccuino_sanitatis_casanatense

A oração é a essência de nossa caminhada neste mundo cada vez mais desumano. É nosso elo com Aquele que nos trouxe à vida. Sei que por não rezar pelo menos o terço com frequência abro mão de um privilégio… a oportunidade de estar na Graça contínua de Deus-Pai. Isto, não quer dizer obviamente que não seremos alcançados por sofrimentos de todo tipo, e sim que conseguiremos suportá-los com resignação. Foi assim com a vida de Jesus e dos santos e santas da Igreja. Devemos nos esforçar para imitá-los, ainda que muitos até nos ridicularizem… Quanto a mim, não me importo; o fim chega para todos que vivem sob o sol. Está lá no Esclesiastes. Assim, lamento por limitar-me ao Pai-Nosso, à Ave-Maria, ao Creio e ao Santo Anjo; às vezes rezo todas ou apenas uma delas, à noite… Me ocorre também, felizmente, mesmo em meio a confusões, pronunciar uma delas em algum momento do dia quando algum pensamento ou situação me oprime. Neste momento busco acalmar meu espírito. Afinal, não faltam situações de desasossego em nosso dia-a-dia. “Religo-me ” com Deus (lembrei agora da palavra religião, do latim “religare”), e retomo minha calma habitual.

Santa Teresa de Ávila fala da “oração mental”, e neste aspecto, posso dizer a vocês que sou mais constante neste tipo de busca de intimidade com Deus. Sinto-me à vontade com esta tentativa de aproximação com meu Amigo e Mestre Cristo Jesus. Mentalmente, em qualquer lugar, e principalmente à noite, converso com Ele sobre minhas “mini-cruzes” (como se Ele as desconhecesse…). Nos dois modos, considero minhas orações “mais-que-imperfeitas”, já que em geral, esqueço de agradecer, pelo que me agrada e pelo que me desagrada nesta vida… Santa Teresa diz que tudo é para nossa edificação. E, eu, por mais que o mundo discorde – acredito que é assim que se dá em nossas vidas; por mais ilógico que pareça! Ninguém gosta de sofrer gratuitamente, mas acredito que certas situações que se mostram inevitáveis, por certo tem componentes de correção ou de melhoramento. A resignação  (no “Livro da Vida”, Santa Teresa de Jeus aprofunda este aspecto) é uma meta difícil em uma época que insiste em dizer que o paraíso é logo ali… Para mim, o que nos prova tem o estrito fim de levar ao aperfeiçoamento de nossas almas. Deus permite que aconteça o que nos desgosta, contraria, entristece… Outras vezes, mesmo sem percebermos contribuímos, por intransigência, para o que nos infelicita, ainda que por um breve tempo. O sofrimento interior cessa com a reparação da falta. Mas, pode acontecer também que não exista boa-vontade para nos acolher, mesmo na condição de quem não foi poupado de, no mínimo, falta de afeição. Bem humana é a ofensa, a maledicência, a mesquinhez. São atitudes que comprometem a paz em qualquer ambiente. Como disse anteriomente, se ofendemos ou fomos ofendidos, e tentamos um acordo, podemos deparar com um entrave: a  limitação humana. Ela pode acompanhar muitos de nós ao túmulo… Isto é muito comum, infelizmente.

Imaginemos então o contrário, ou seja, nada nos contraria, nos decepciona, entristece. Sabemos o quanto isto é irreal… No entanto, não sentiríamos nossa fragilidade, nosso desamparo se não tivéssemos que passar por tais travessias… Aqui, neste ponto, seja ele o da inconformidade por sentirmos decepção, dor, tristeza, sensação de injustiça, etc., vem uma sutil consolação: olhamos para o Alto e começamos a sentir Sua presença. Isto, para mim, vale também para quando falhamos, decepcionamos alguém que amamos. Deus sabe que, em geral, suas criaturas almejam a paz, dado que são naturalmente rebeldes, e  no entanto, farão tudo errado… Ou falhamos com nossos semelhantes ou falham conosco, sem trégua. Há portanto muito que refletir… É o que se depreende do ensinamento dos santos e santas. A própria Igreja Católica “sofreu” e sofre” tais males, tal como nós que a compomos.

Rezem por mim, ok? Boa semana a todos.

***

Crédito da imagem: WikiCommons (public domain) – “Tacuina sanitatis” (XIV century) – unknown master.

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: