Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Redenção pelo amor: Papa Bento XVI’

jesus&speter

missa_papa_homiO Sumo Pontífice – papa Bento XVI, Joseph Ratzinger – nasceu em Marktl am Inn, diocese de Passau (Alemanha), no dia 16 de Abril de 1927. Portanto, na última quinta-feira completou 82 anos. Parece estranho mencionar com atraso a comemoração de seu aniversário, mas sigo o ditado popular: “antes tarde do que nunca”… Não sou dada a felicitações de aniversário, no entanto, este homem, tal como é comentado sobre todos os pontífices vive uma solidão, a meu ver, “singular”. Não pelo fato de ser celibatário e não ter parentes próximos vivos, e sim por ser o 265º Papa! Um papa é um homem especial, por excelência, porque deve ser forte, já que conviverá com todo o tipo de pressões. Muitas delas, tal como é sabido por toda a cristandade, contrariaram o “Espírito da Igreja”. Na atualidade, não é diferente, principalmente em termos de unicidade, entre  outros aspectos. Graças a Deus o papa Bento XVI tem esta virtude, aliás, essencial neste tempo, em que vem enfrentando críticas públicas, inclusive na Praça de São Pedro… No entanto, como “Pastor” do grande rebanho que é a Igreja Católica do século XXI, podemos permanecer confiantes porque, por suas palavras, não lhe faltam Fé nem humildade – portanto, nem o Sumo Pontífice nem a Igreja serão abalados.

Bento XVI sucede nada menos que São Pedro, o primeiro representante da Igreja de Jesus Cristo – até que Ele “volte na consumação dos tempos”.

Eu acho impressionante esta sucessão de homens maravilhosos – um bom número deles tornados santos. E, mesmo que muitos não tenham recebido este título, foram verdadeiros sucessores de Pedro e representantes de Cristo porque, com o auxílio do Espírito Santo, que paira sobre a Igreja, lutaram bravamente para que esta se mantivesse Una, Santa e Apostólica. Já foi muito temido na condição de cardeal e Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Particularmente, deixei de vê-lo como homem da hierarquia da Igreja que possuía “mão de ferro”. Bem antes de assumir seu pontificado, compreendi os equívocos da “Teologia da Libertação”. Para mim, boas intenções não podem admitir que “os fins justifiquem os meios”. Isto, porque a doutrina marxista é incompatível com a misericórdia… Jesus foi entregue aos seus algozes por Judas Escariotes que via n’Ele um revolucionário… Deixou-nos a seguinte instrução: “Dai a César o que é de César; a Deus o que é de Deus.” Entendo esta metáfora usada por Jesus, diante de Pilatos, da seguinte maneira: o Amor é a melhor política na luta por justiça social. Por certo há tratados sobre a temática… Em todo o caso, para mim, não importa o conteúdo destas publicações, já que este enfoque teológico, que em teoria se propõe como benéfico para a cristandade, a meu ver, nada mais é que outra “roupagem católica”. Melhor ficarmos com a que deriva da tradição apostólica… Ou seja, enquanto católicos não precisamos mudar a forma, e sim aprofundar o conteúdo. Vejo positivamente o caminho percorrido desde o abandono da cultura pagã: a civilização judaico-cristã deu concretude a muitas conquistas sociais. Adentrou o século XXI e, pacificamente tem auxiliado muitos povos, ainda pré-civilizados ou dominados pelo totalitarismo, a alcançarem uma visão que contempla, ainda que idealmente, a pessoa, o ser humano em si mesmo. A propósito desta análise, li recentemente que no Japão há conversões em massa ao catolicismo. Além disso, a adesão que mostram é entusiasmada, bem mais intensa que a média dos católicos não-orientais… Podemos constatar isto em dados que mostram a visitação ao Vaticano. Nossos irmãos japoneses católicos vão em número, proporcionalmente ao tamanho do Japão, significativamente elevado em relação aos demais países. A respeito disso, tenho uma “tese”: a cultura oriental desconsidera, de certo modo, o corpo humano, e por conseguinte a identidade, a pessoa – seus anseios individuais. Isto, porque é estratificada, na qual cada um ocupa um lugar e, não passa disso a existência humana… Observem este dado cultural em filmes que contam a história de samurais. Para mim, quando acessam o “manancial” que brota da interioridade vivenciada pelos cristãos, desde a Igreja Primitiva, sentem-se verdadeiramente humanos, vivos, plenos. É plausível, não? Diante de tal contentamento, chego a pensar que devíamos ser “recristianizados” por eles, já que perdemos o “pique” que o amor em Cristo oferece – somos tão desanimados… No entanto, não vale o entusiasmo da venda de CD’s e livros… Desculpem-me, se pareço exagerada. É que não consigo esquecer a convicção, a alegria dos primeiros cristãos, relatada nas Escrituras Sagradas, mesmo tendo que enterrar seus mortos em catacumbas, nos subterrâneos de Roma, para não serem identificados. E o perigo foi aumentando: encontravam a morte diante de leões nas arenas. Mais adiante, por quase cinco séculos, eram decapitados diante da recusa de adoração de ídolos, de deuses pagãos…

Ainda sobre a “Teologia da Libertação”, para concluir minha abordagem sobre este “evento” dentro do catolicismo, lembro da afirmação de que “somos animais políticos”. Concordo, mas vou um pouco além: até mesmo a fé é capaz de mostrar o quanto podemos administrar “politicamente” nossa parcela de irracionalidade, no caso, a negativa… Há muitos contributos individuais e de instituições ao longo da história do Cristianismo que mostram a libertação de realidades opressivas  a partir de condutas como a compaixão, a piedade diante do sofrimento humano. Em suma: o exercício da caridade diante da pessoa dos que sofrem por falta de recursos, principalmente materiais, que se estende por atuação nas estruturas já disponíveis  para melhoria da qualidade de vida dos povos. Ainda é assim, graças a Deus. Este tipo de “cuidado” com os desprotegidos de todo tipo, há de seguir, sem interrupção de espécie alguma. Depende de nós – os cristãos… A Igreja criou  no  passado, quando nada havia para proteger os desamparados de toda espécie – orfanatos, educandários, e além disso, em cada mosteiro, havia em geral, desde  os primeiros mosteiros uma “mesa” para os andarilhos ou famintos…. Por que isto não é mais mencionado como parte da história do mundo ocidental? As primeiras universidades foram confessionais, e de lá saíram homens que criaram estruturas que prepararam  a implantação da democracia no Ocidente. A este esforço, foi agregada a  contribuição de mulheres, as quais passaram a frequentar, no final do século XIX, lado a lado com os homens, as mesma universidades. Aqui há uma chave: a de  que toda mulher anseia por igualdade de direitos, aliás direitos universais. A partir desta constatação, é digno de reflexão o fato de que há o fortalecimento da democracia no mundo ocidental quando as mulheres, se aliam  aos homens na ênfase  sobre o conceito de equidade, de igualdade de direitos. Ou seja, não deve existir exceção de qualquer tipo. Sabemos que há muito ainda a avançar neste terreno. Desse  novíssimo caldo cultural surge a constituição do que conhecemos como “direitos  humanos”. O conceito mal completou 50 anos. As populações, principalmente antes do Cristianismo eram submetidas aos poderosos de cada momento histórico. No filme  “Coração Valente”, que se passa no século XIII é possível perceber que a razão e a piedade cristãs (quando existem entre os próprios cristãos…) arranca povos da opressão dos que detêm o poder político, em muitos casos no período medieval, embaralhado com o poder religioso. Mas isto foi mudando paulatinamente, e, é importante  frisar – para concluir, foi conquista do conjunto da cristandade. Ou seja, foi sendo firmado o conceito de que não há diferença entre  homens, mulheres, pobres ou ricos. Verdade é que foi uma conquista lenta, mas esta se mostrou contínua até o nosso tempo. Penso que quando não há compaixão, tanto no passado como na atualidade, ou ela vai se extinguindo, há somente indiferença, que vem sempre acompanhada de avidez pelo poder.

Portanto, acredito  que há liberdade somente no amor. O resto é poder. Assim, devemos aproveitar o simples exercício da democracia, que é uma boa forma de concretizar o amor, a solidariedade, a fraternidade. Simples assim. Para nós cristãos é suficiente o cumprimento dos Dez Mandamentos. Seria agir com má-fé confundir o que historica e politicamente foi denominado como “Cartilha” com o catecismo. O catecismo da Igreja nada mais é que uma releitura do Decálogo, adaptada a cada tempo. Há restrições, mas  estas visam  a integridade da criatura, em seu todo. A partir da Revolução Francesa o conceito de liberdade ficou restrito ao corpo. O problema é que corpos não são máquinas… É básica a nossa ânsia por Transcendência.

Assim, o papa Bento XVI tem demonstrado ao mundo que se enquadra entre aqueles que a defendem a Igreja com bravura, já que seus inimigos são inumeráveis… Talvez por esta razão, ao longo da sua história, existiram representantes máximos que nem sequer eram homens movidos pela fé… Ocuparam o maior cargo dentro da hierarquia, ainda que seja basicamente espiritual, tão somente por poder. Confiram, logo abaixo, o que o Papa Bento XVI fala sobre o tema  “poder” e “amor”, que, conforme nos ensina, podem andar juntos no Cristianismo. Penso que, essencialmente, está refletindo sobre sua responsabilidade enquanto condutor do vastíssimo “rebanho” de almas, composto pela Igreja Católica. Esta é a homilia* de sua posse como Sumo Pontífice, que se deu em 24 de abril de 2005. Este excerto chega ser poético:

“(…)Não é o poder que redime, mas o amor. Ele mesmo é o amor. Quantas vezes nós desejamos que Deus se demonstrasse mais forte, quantas vezes nós gostaríamos que Deus agisse duramente, derrotasse o mal e criasse um mundo melhor… Todas as ideologias do poder se justificam assim: justificam a destruição dos que se opõem aos progressos e libertação da humanidade.

Nós sofremos pela paciência de Deus. Por outro lado, precisamos de Sua paciência. Deus que se tornou Cordeiro nos diz que o mundo se salva com os crucificados e não com os que crucificam. O mundo é redimido pela paciência de Deus e destruído pela impaciência dos homens. Uma das principais características do Pastor deve ser a de amar os homens a Ele confiados, do mesmo modo como Cristo ama para quem trabalha. “Apascentai as minhas ovelhas”, diz Cristo a Pedro e a mim neste momento. Cuidar, apascentar quer dizer amar. E amar quer dizer estar pronto a sofrer; amar significa dar às ovelhas o verdadeiro bem, o alimento da verdade de Deus, da Palavra de Deus, o alimento de Sua presença que Ele nos oferece no Santíssimo Sacramento.

Queridos amigos, neste momento posso pedir somente isso: “Rezem por mim! Rezem por mim para que eu aprenda a amar sempre mais o Senhor. Rezem por mim para que eu aprenda a amar cada vez mais o Seu rebanho: vocês, a Santa Igreja, cada um de vocês individualmente e vocês todos juntos! Rezem por mim para que eu não fuja diante dos lobos. Rezemos uns pelos outros para que o Senhor nos conduza e aprendamos a conduzir-nos uns aos outros.”

(Papa Bento XVI)

*Texto integral: http://www.npdbrasil.com.br/religiao/Papa_Bento_16.htm

…………………………………………………………………………………………………………..

Logo abaixo, destaquei partes de sua homilia, no domingo de Páscoa, dia 12 de abril. O texto na íntegra foi renovado como notícia neste sábado, dia 18. Na mensagem do papa Bento XVI, fica evidenciado seu chamado para que sejamos capazes de ser portadores de esperança, mesmo em um mundo cheio de contradições, isto é, onde altas tecnologias convivem ao lado de misérias absolutas. Suas palavras são entusiasmadas e animadoras, mesmo em sua idade avançada:

“Ninguém deserte nesta pacífica batalha iniciada com a Páscoa de Cristo,

o Qual repito-o procura homens e mulheres que O ajudem a consolidar a sua vitória com as suas próprias armas, ou seja,

as armas da justiça e da verdade, da misericórdia, do perdão e do amor.“

……………………………………………………………………………………………………………..

FONTE: L’Osservatore Romano (18 de Abril de 2009)

Na mensagem Urbi et Orbi o Sumo Pontífice indica a necessidade de pessoas capazes de voltar a dar esperança
Homens e mulheres a favor da justiça e do amor

Amados irmãos e irmãs
de Roma e do mundo inteiro!
A todos vós formulo cordiais votos de Páscoa com as palavras de Santo Agostinho: “Resurrectio Domini, spes nostra a ressurreição do Senhor é a nossa esperança” (Sermão 261, 1). (…)

No contexto do Ano Paulino, várias vezes tivemos ocasião de meditar sobre a experiência do grande Apóstolo. Saulo de Tarso, o renhido perseguidor dos cristãos, a caminho de Damasco encontrou Cristo ressuscitado e foi por Ele “conquistado”. O resto já sabemos. Aconteceu em Paulo aquilo que ele há-de escrever mais tarde aos cristãos de Corinto: “Se alguém está em Cristo, é uma nova criatura. O que era antigo passou: tudo foi renovado!” (2 Cor 5, 17). Olhemos para este grande evangelizador que, com o audaz entusiasmo da sua acção apostólica, levou o Evangelho a muitos povos do mundo de então. A sua doutrina e o seu exemplo estimulam-nos a procurar o Senhor Jesus; encorajam-nos a confiar n’Ele, porque o sentido do nada, que tende a intoxicar a humanidade, já foi vencido pela luz e a esperança que dimanam da ressurreição. Já são verdadeiras e reais as palavras do Salmo: “Nem as trevas, para Vós, têm obscuridade / e a noite brilha como o dia” (139/138, 12). Já não é o nada que envolve tudo, mas a presença amorosa de Deus. Até o próprio reino da morte foi libertado, porque também aos “infernos” chegou o Verbo da vida, impelido pelo sopro do Espírito (Sl 139/138, 8).

Se é verdade que a morte já não tem poder sobre o homem e sobre o mundo, todavia restam ainda muitos, demasiados sinais do seu antigo domínio. Se, por meio da Páscoa, Cristo já extirpou a raiz do mal, todavia precisa de homens e mulheres que, em todo o tempo e lugar, O ajudem a consolidar a sua vitória com as mesmas armas d’Ele: as armas da justiça e da verdade, da misericórdia, do perdão e do amor. Tal foi a mensagem que, por ocasião da recente viagem apostólica aos Camarões e Angola, quis levar a todo o Continente Africano, que me acolheu com grande entusiasmo e disponibilidade de escuta. De facto, a África sofre desmedidamente com os cruéis e infindáveis conflitos frequentemente esquecidos que dilaceram e ensanguentam várias das suas Nações e com o número crescente dos seus filhos e filhas que acabam vítimas da fome, da pobreza, da doença. A mesma mensagem repetirei com vigor na Terra Santa, onde terei a alegria de me deslocar daqui a algumas semanas. A reconciliação difícil mas indispensável, que é premissa para um futuro de segurança comum e de pacífica convivência, não poderá tornar-se realidade senão graças aos esforços incessantes, perseverantes e sinceros em prol da composição do conflito israelo-palestiniano. Da Terra Santa, o olhar estende-se depois para os países limítrofes, o Médio Oriente, o mundo inteiro. Num tempo de global escassez de alimento, de desordem financeira, de antigas e novas pobrezas, de preocupantes alterações climáticas, de violências e miséria que constringem muitos a deixar a própria terra à procura duma sobrevivência menos incerta, de terrorismo sempre ameaçador, de temores crescentes perante a incerteza do amanhã, é urgente descobrir perspectivas capazes de devolverem a esperança. Ninguém deserte nesta pacífica batalha iniciada com a Páscoa de Cristo, o Qual repito-o procura homens e mulheres que O ajudem a consolidar a sua vitória com as suas próprias armas, ou seja, as armas da justiça e da verdade, da misericórdia, do perdão e do amor.

Resurrectio Domini, spes nostra – a Ressurreição de Cristo é a nossa esperança! É isto que a Igreja proclama hoje com alegria: anuncia a esperança, que Deus tornou inabalável e invencível ao ressuscitar Jesus Cristo dos mortos; comunica a esperança, que ela traz no coração e quer partilhar com todos, em todo o lugar, especialmente onde os cristãos sofrem perseguição por causa da sua fé e do seu compromisso em favor da justiça e da paz; invoca a esperança capaz de suscitar a coragem do bem, mesmo e sobretudo quando custa. Hoje a Igreja canta “o dia que o Senhor fez” e convida à alegria. Hoje a Igreja suplica, invoca Maria, Estrela da Esperança, para que guie a humanidade para o porto seguro da salvação que é o coração de Cristo, a Vítima pascal, o Cordeiro que “redimiu o mundo”, o Inocente que “nos reconciliou a nós, pecadores, com o Pai”. A Ele, Rei vitorioso, a Ele crucificado e ressuscitado, gritamos com alegria o nosso Aleluia! (Papa Bento XVI)

….

Obs.: Os grifos em negrito e itálico são meus.

Créditos das imagens:

Papa Bento XVI – http://www.npdbrasil.com.br/religiao/Papa_Bento_16.htm .

Jesus Cristo e São Pedro: http://www.stpeterlinton.com/

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: