“Oração: a arte de amar…”, in Teresa e Teresinha (Maria Clara Lucchetti Bingemer)

FONTE: wwwusers.rdc.puc-rio.br/agape/vida_academica/artigos/amai/Teresa


Teresa e Teresinha

Por: Maria Clara Lucchetti Bingemer*

O mês de outubro festeja, entre muitas outras coisas importantes, duas grandes mulheres, com o mesmo nome de Batismo e o mesmo amor louco que deu sentido as suas vidas: Teresa de Ávila e Teresinha de Lisieux.

Teresa de Ahumada nasceu em Toledo ,às margens do rio Tajo, na Espanha.  Mas a situação judeu-conversa de sua família fez com que se transferisse para Ávila.  Desde muito cedo Teresa tem uma experiência de Deus pouco comum, sendo ao mesmo tempo mulher plenamente humana, que gostava das relações, da conversação, das pessoas.  Pouco a pouco Deus vai tomando posse do coração e da pessoa de Teresa com um amor arrebatador.  As graças místicas com que é dotada esta espanhola do século XVI não têm comparação dentro da história mística do Cristianismo.

Nos escritos da grande mestra espiritual do Cristianismo,  encontramos uma seiva sempre viva que não cessa de correr, perpassar e dinamizar as entranhas e todas as dimensões  da vida  desta mulher acostumada a viver  dentro das muralhas de  Ávila mas que sempre sonhou uma liberdade maior, desejando  voar longe,  em novos espaços e em novos céus. O percurso espiritual de Teresa é essencialmente um percurso amoroso, no qual Deus, o Amado, se faz seu particular pedagogo, conduzindo-a com mão firme e apaixonada através de diversas etapas místicas nas quais a santa vai conhecendo-O melhor e mais profundamente. É esse o percurso que Teresa descreve na sua obra do “Castelo Interior”, onde utiliza o símbolo do castelo interior para descrever os períodos e estados – as “moradas”-  pelas quais passa a pessoa habitada pelo Espírito Santo em direção ao amor pleno de Deus e à união transformante. Desde um primeiro momento, o   amor se faz  urgência em sua vida.

Na medida em que anda pelas moradas do Amado, Teresa descobre a pessoa de Jesus cuja “sacratíssima humanidade” a encanta. Sua cristologia, inseparável de sua mística, é altamente realista, envolvendo sua corporeidade dinamizada pelo espírito do mesmo Jesus, que a ama com amor apaixonado e a vai conduzir até o matrimonio místico. O  compromisso de Teresa se faz determinante na medida em que  avança na comunhão com o Cristo onde  vê não  só o Salvador, mas também Aquele que a faz feliz como mulher, a quem pode dar-se totalmente como esposa. É com S. Teresa que a mística esponsal se consolida no Ocidente cristão e o ideal do matrimônio espiritual, já lançado pelos Padres da Igreja, nela se confirma, não como teoria e doutrina mas como experiência pessoal  e vida.

Teresa  não  nasceu rezando mas aprendeu a rezar e fez da oração  a “arte de amar”. Vai repetindo para si mesma e para os outros que a oração “não consiste em muito pensar mas sim em muito amar”. Esta novidade por ela trazida para a prática e a orientação da vida espiritual influenciará toda a mística cristã daí em diante.  Nela, inteligência e afetos se unem profundamente e, aonde não  chegam  intuição e inteligência, sempre chega o amor. É  clássica a definição de Teresa sobre a oração: “Para mim a oração é um trato de amizade com Aquele que sabemos que nos ama”. Teresa vê na oração não um intimismo,  nem tampouco uma fuga do compromisso com o mundo, mas sim uma porta que se abre para entrar no “castelo interior  da nossa alma onde está o Rei, sua Majestade”. Quanto mais rezamos mais avançamos nas moradas que nos levam à íntima  comunhão e ao matrimônio espiritual e sentimos a necessidade de dedicar-nos a fazer algo: “obras quer o Senhor”.

A oração teresiana trasborda nas ânsias apostólicas, na missionalidade e na comunhão com os outros. “Devemos deixar de rezar se é para estarmos com alguém que necessita de nossa ajuda”.  A teologia oracional de Teresa é, portanto, comprometedora e libertadora; não  fechada em si mesma, num “narcisismo” ou na busca de visões e autocomplacências estéreis. Em Teresa o amor se faz gesto e caminho de plena liberdade interior. Será  seu mestre o próprio Cristo,  que a guia por caminhos novos.

Pioneira em tantas frentes, – vida espiritual, orientação espiritual, fundação e refundação do Carmelo, relações intra-eclesiais, etc. –  é ainda em Teresa que a característica inter-religiosa da mística – aspecto só mais recentemente estudado e aprofundado – vem aparecendo com clareza  iluminadora para os estudiosos das religiões comparadas.  Esta tem início em sua própria pessoa e nas origens que são as suas.  Tendo sido sempre considerada como típica representante das famílias fidalgas abulenses, provocou um enorme reboliço entre aqueles que estudavam sua obra e escritos a informação, vinda a público em 1946, por um artigo publicado no Boletín de la Real Academia Española, o qual instaurava uma ruptura com toda a tradição biográfica que até então se tinha sobre a santa.  No mencionado trabalho, se declarava claramente que seu avô, Juan Sánchez de Toledo, era era um mercador da cidade do Tajo e judeu de raça, reconciliado pela Inquisição em 1485.

Esta vem a ser inclusive a razão pela qual a família de Teresa deixa a cidade de Toledo e as margens do Tajo e vai se estabelecer em Ávila. Ainda que reconciliado pela Inquisição, Juan Sánchez , avô de Teresa, sabia que Toledo, sede do Tribunal da Inquisição desde 1485, não era o lugar ideal para uma família de cristãos novos, judaizantes, ainda que reconciliados.  É então que a família se transfere para Ávila no ano de 1493.

A obra teresiana das Moradas ou do  Castillo Interior, onde a grande mística utiliza o simbolismo do castelo interior para  descrever a vida espiritual é considerada cume da mística cristã, por sua perfeição e beleza, assim como por sua profundidade.

Teresinha nasceu na França no século XIX.  Sua família era muito católica e as filhas, todas mulheres, tinham grande afeto pelo pai, homem reto, muito religioso.  Perdendo cedo a mãe, a afeição das filhas pelo pai se intensifica ainda mais, fazendo deste o centro de suas vidas.

A fé e a piedade do Dr. Martin vai contagiar as filhas que vão entrando todas, uma a uma, na vida religiosa contemplativa, no Carmelo.  Teresinha é a última, entrando aos 15 anos, necessitando para isto uma licença especial do Papa.

No Carmelo, procurando sempre o caminho da humildade e da renúncia, Teresinha não se destaca muito, inclusive porque uma tuberculose lhe arrebata a vida aos 24 anos.   A superiora se perguntava, por ocasião de sua morte: “ O que haverá para escrever sobre esta freirinha tão insignificante e inexpressiva?”

Quando vieram à luz, os escritos de Teresinha surpreenderam o mundo, cheios de uma paixão e um ardor e ao mesmo tempo testemunhando todas as dúvidas, trevas espirituais e noites escuras em que se debatera durante os anos de clausura.

O diário de Teresinha revelava sua vocação missionária.  Queria ser tudo para melhor servir a seu amado, mas sua escolha pela vida de carmelita é justamente  o caminho que encontra para dar tudo a Deus.

Eis como Terezinha se expressa com suas próprias palavras:

Sinto em mim outras vocações. Sinto em mim a vocação de guerreiro, de Sacerdote, de Apóstolo, de Doutor, de Mártir. Enfim, sinto a necessidade, o desejo de realizar por ti, Jesus, todas as obras, as mais heróicas…” “Ah! Apesar de minha pequenez, quisera esclarecer as almas como os Profetas, os Doutores; tenho vocação de ser Apóstolo…Quisera percorrer a terra, pregar teu nome e implantar no solo infiel tua Cruz gloriosa. Mas, oh, meu Amado, uma só missão não me bastaria. Quisera anunciar ao mesmo tempo o Evangelho nas cinco partes do mundo e até nas ilhas mais distantes… Quisera ser missionária, não somente durante alguns anos, mas gostaria de tê-lo sido desde a criação do mundo e sê-lo até à consumação dos séculos…”  Mas Teresinha vê sua fragilidade e diz: “Jesus, Jesus, se quisesse escrever todos os meus desejos, seria preciso que tomasse o teu “ livro da vida” onde são relatadas as ações de todos os Santos, e essas ações quisera tê-las realizado por ti…” “Na hora da oração estes meus desejos fazendo-me sofrer um verdadeiro martírio, abri as epístolas de São Paulo, a fim de procurar uma resposta. Os capítulos 12 e 13 de I Coríntios caíram sob os meus olhos…e esta frase me consolou: “Procurai com ardor os dons mais perfeitos, mas vou mostrar-vos , ainda, uma via mais excelente”. E o Apóstolo explica como os dons mais perfeitos nada são sem o amor … E que a Caridade é a via excelente que conduz seguramente a Deus. Encontrei, enfim, o repouso… Considerando o corpo místico da Igreja, não me reconheci em nenhum dos membros descritos por São Paulo, ou antes, queria reconhecer-me em todos… A Caridade deu-me a chave de minha vocação. Compreendi que se a Igreja tinha um corpo, composto de diferentes membros, não lhe faltava o mais necessário, o mais nobre de todos. Compreendi que a Igreja tinha um Coração, e que este Coração era ardente de amor. Compreendi que só o Amor fazia agir os membros da Igreja e que se o Amor viesse a se extinguir, os Apóstolos não anunciariam mais o evangelho, os Mártires recusariam derramar seu sangue… Compreendi que o Amor encerra todas as vocações, que o Amor é tudo, que abraça todos os tempos e todos os lugares… Numa palavra, que ele é eterno!..

Então, no auge de minha alegria delirante, exclamei : Oh, Jesus, meu Amor… Encontrei, enfim, minha vocação; minha vocação é o Amor!…

Sim, encontrei meu lugar na Igreja, e este lugar, oh meu Deus, foste vós que mo destes… No Coração da Igreja, minha  Mãe, serei o amor… Assim serei tudo… Assim será realizado o meu sonho!!! “

Com estas ardentes palavras, a carmelitinha que nunca saiu de seu Carmelo, foi proclamada padroeira das missões.  Desde sua clausura foi o amor que embebe e dá vida a toda a Igreja.

Teresa e Teresinha foram ambas proclamadas doutoras da Igreja.  A primeira há mais tempo.  A segunda, porém, bem recentemente, em 1997.  Duas Teresas, as duas de Jesus.  Duas mulheres que amaram radicalmente seu Deus e a Ele entregaram inteiramente suas vidas.  Duas santas que são inspiração para homens e mulheres de todos os tempos.

*Maria Clara Lucchetti Bingemer, teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio, coordenadora do setor intelectual da RAI-RJ, Outros artigos podem ser encontrados em http://raisp.org/artmcb.

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: