Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \31\-03:00 2014

Coro virtual  com o poema “Nada Te Turbe“, escrito por Santa Teresa de Ávila.  É um dos dois coros virtuais oficiais, produzidos para a celebração dos 500 anos de nascimento (1515) de Santa Teresa de Jesus. O coro é constituído por carmelitas de todo o mundo e é acompanhado pela Orquestra Teresiana de St. James Cathedral, em Seattle, Washington, EUA. Música composta por Claire Sokol, OCD.

Read Full Post »

Fonte: Rádio Vaticano (30.08.2014)

RealAudioMP3

Nesta sexta-feira, o Papa Francisco recebeu, na Casa de Santa Marta, do Vaticano, o padre Jorge Hernández, pároco católico em Gaza. Interpelado por Alessandro Gisotti, padre Hernandez mostrou-se impressionado pela “força” e “coragem” transmitidas pelo Papa, assim como pela preocupação com que acompanha a conjuntura em que se encontra a minoria cristã em Gaza, e o seu “empenho” pela paz na Terra Santa.

– Alguma palavra do Papa Francisco o tocou em particular neste encontro?

Justamente sobre o testemunho cristão. Ele disse: ‘o Evangelho exige sacrifícios que Jesus Cristo pede a cada um de nós, em diversos locais. A vocês é testemunhar Jesus Cristo ali, na terra que o viu sofrer, que o viu morrer e que também o viu ressuscitar. Portanto, força, coragem, em frente!’ – foram estas as palavras do Papa Francisco que nos tocaram profundamente.

– Portanto, sobretudo uma palavra de encorajamento a manter este testemunho forte nesta terra assim martirizada pelo sofrimento….

Sim, sobretudo na vida vivida no sofrimento. O Papa Francisco tem consciência de que nós somos minoria: falamos de 1.300 cristãos entre dois milhões de habitantes, dos quais apenas 136 são católicos. Assim, a nossa paróquia compreende 136 fiéis. Evidentemente, as nossas relações com os ortodoxos são absolutamente boas: nós não fazemos diferença, mas isto já é sabido. E seguimos em frente assim.

– Claramente, o Papa Francisco deu tudo de si pela paz na Terra Santa, com a sua viagem, e também a imagem muito forte no Muro de Belém e após o encontro de paz aqui, a poucos metros, nos Jardins do Vaticano. Como é percebido, também pelos não-cristãos, este esforço de Francisco?

É um compromisso de vida, um compromisso existencial e concreto, de dizer que a paz é possível, que todos os dois povos podem viver em paz, testemunhando sobretudo o Príncipe da Paz, que é Jesus Cristo. Os frutos da peregrinação do Papa nós vemos já agora e os veremos mais adiante: o facto de ter conquistado os corações das pessoas, de ter deixado uma palavra boa para todos, os dois Estados, foi para todos nós uma graça imensa.

– Agora há uma trégua, após tantos mortos, após tanta violência. Qual a esperança em relação a esta trégua? O que a população, os fiéis da paróquia, esperam dela?

Esperamos que seja duradoura, longa, que seja para sempre. Basta ver o sofrimento dos dois povos…. e é necessário entender uma coisa, que absolutamente é necessário entender: numa guerra, ninguém vence. Ninguém. Cada uma das duas partes deverá pagar as consequências, de um modo ou de outro… Porém, fundamentalmente, com a guerra ninguém ganha: todos a perdemos. Esperemos que Deus nos abençoe com a força necessária para recomeçar de zero.

– Que apelo quer fazer aos ouvintes da Rádio Vaticano, a favor da sua população, da sua terra?

Sobretudo, procurar construir a paz na justiça. A paz é possível, a paz requer sacrifícios, requer o testemunho de um e de outro e o reconhecimento do próximo. Mas é possível. Sobretudo para os cristãos, não é verdade? Nós somos cristãos, somos seguidores do Príncipe da paz, na terra de Jesus Cristo: pensemos em Israel, pensemos na Palestina… Portanto, sermos fortes e firmes no testemunho que Jesus nos pede, que quer que o demos ali: quer em Israel quer na Palestina.
Gostaria de acrescentar uma palavra de agradecimento: não sei como agradecer a tantas pessoas da Itália, de todo o mundo, que estiveram próximas de nós. Sobretudo os doentes, que ofereceram os seus sofrimentos, rezando e suplicando por esta paz. Nós, todos os cristãos das paróquias de Gaza, também rezamos pelas pessoas que rezam por nós, quer na Missa, que com o terço, quer na Adoração Eucarística… Queria aproveitar para dizer obrigado. E que Deus os abençoe.

O padre Jorge Hernández – que tal como o Papa tem nacionalidade argentina – está ligado ao Instituto do Verbo Incarnado e tem acompanhado diariamente o drama a que estão sujeitas as comunidades católicas da Paróquia da Sagrada Família, no bairro de Al-Zeitun, na cidade de Gaza.
Recorde-se que já em julho, o Papa Francisco escrevera ao padre Jorge Hernández, transmitindo o seu “encorajamento” e assegurando a sua oração por todos os elementos da comunidade cristã de Gaza.

 

Publicado em Rádio Vaticano.

Read Full Post »

Conteúdo extraído de Missão Fides in Deum.
Terço da Misericórdia
Reze [preferencialmente] o Terço da Misericórdia todos os dias às 15:00 h…
 
Aprenda a rezar o Terço da Misericórdia:
Pai-Nosso…
Ave-Maria…
Creio…
Nas contas grandes (do Pai Nosso), reza-se:
Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e Sangue, Alma e Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e do mundo inteiro.
Nas contas pequenas (da Ave-Maria), reza-se:
Pela Sua dolorosa Paixão, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro. (10 vezes)
Depois diga:
Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de misericórdia para nós, eu confio em Vós.
Ao final do terço, reza-se:
Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende piedade de nós e do mundo inteiro (três vezes).
Origem do Terço da Misericórdia
 
Em 13 de setembro de 1935, Santa Faustina Kowalska escreveu: “…vi o Anjo Executor da ira de Deus… Quando vi esse sinal da ira de Deus, que deveria atingir a Terra, comecei a pedir ao anjo que se detivesse por alguns momentos, pois o mundo faria penitência”. No início as orações se revelaram impotentes. Santa Faustina Kowalska, diante da imprevista manifestação da Santíssima Trindade, começou a implorar com profundo recolhimento a Deus, em favor do mundo. A sua oração correspondia às palavras que lhe vinham sugeridas interiormente: Eterno Pai, eu vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e dos pecados do mundo inteiro. Pela sua dolorosa Paixão, tende Misericórdia de nós (Diário nº 475).
Enquanto Santa Faustina repetia a oração, que misteriosamente lhe foi inspirada, o Anjo se revelava impotente para executar o castigo, para o qual fora designado.
No dia seguinte, na capela, Santa Faustina recebeu instruções de uma voz interior, que lhe pedia para repetir a oração, que anteriormente havia escutado, cada vez que se dirigisse ao Santíssimo Sacramento. Explica-se então o conteúdo tão relevantemente eucarístico daquela invocação.
Santa Faustina teve uma nova inspiração. Foi-lhe pedido que rezasse estas palavras em forma de terço, repetidas nas contas do terço.
 
Eis a promessa que Deus fez a Santa Faustina Kowalska: “Minha filha, exorta as almas a rezarem esse Terço que te dei. Pela recitação deste Terço, agrada-Me dar tudo o que Me peçam. Quando aos pecadores empedernidos o recitarem, encherei de paz as suas almas, e a hora da morte deles será feliz. Escreve isto para as almas atribuladas: ‘quando uma alma vir e reconhecer a gravidade dos seus pecados, quando se abrir diante dos seus olhos todo o abismo da miséria em que mergulhou, que não se desespere, mas antes se lance com confiança nos braços da Minha misericórdia, como uma criança no abraço da sua querida mãe’. Essas almas têm primazia à Minha misericórdia. Diz que nenhuma alma que tenha invocação a Minha misericórdia, não se decepcionou, nem experimentou vexame. Tenho predileção especial pela alma que confiou na Minha bondade. Escreve que, quando recitarem esse Terço junto aos agonizantes, Eu Me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso” – (Diário nº 1541).
Publicado em Missão Fides in Deum (Fonte: asj.org.br)
 

Read Full Post »

ConcílioVaticanoII

Concílio Vaticano II (1962-1965)

Vargem Grande Paulista (RV) – O segundo dia do 1º Simpósio Ecumenismo e Missão, promovido pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic), pelas Comissões da CNBB para o Ecumenismo, Laicato e Ação Missionária, e pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, foi marcado por palestras sobre a Conferência do Nordeste e a dimensão ecumênica do Concílio Vaticano II. A iniciativa, que busca resgatar a história do movimento ecumênico no Brasil, acontece em Vargem Grande Paulista (SP), de 21 a 24 de agosto. 

(…)

Concílio Vaticano II

O (…) tema “Dimensão ecumênica do Concílio Vaticano II” foi apresentado pelo Padre Oscar Beozzo, do Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação (Ceseep). O sacerdote abordou, de modo especial, a recepção e a atualidade no Brasil do documento conciliar Unitatis Redintegratio. Disse que o texto foi apenas um começo. “Precisamos dar passos concretos. Temos muito caminho a percorrer em favor da unidade”, afirmou.

Para Padre Beozzo, “o Concílio mexeu com a Igreja Católica e com as outras igrejas cristãs e o primeiro impacto foi a unidade dos cristãos.

Entre as principais figuras que garantiram a dimensão ecumênica do Concílio, Padre Beozzo citou o papa João XXIII. Lembrou também da presença de 168 observadores de outras igrejas cristãs, além de teólogos, peritos, leigos e mulheres.

(CNBB-CM)
Com informações das Pontifícias Obras Missionárias.

Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/08/24/ do site da Rádio Vaticano.

Read Full Post »