Canonizações: João Paulo II e João XXIII, “santos pela Igreja e pela humanidade”, “homens de nosso tempo” que “amaram a Igreja e se entregaram por ela” – Entrevista – Arcebispo de Belém do Pará, Dom Alberto Taveira Corrêa (Gaudium Press – 25.04.2014)

JoaoPauloII_GaudiumPress
Fonte (textos e imagem): Gaudium Press
O Papa Emérito Bento XVI aceitou convite para concelebrar a Missa presidida pelo Papa

Santos por amor

Belém – Pará (Sexta-feira, 25-04-2014, Gaudium Press) – O Arcebispo de Belém do Pará, Dom Alberto Taveira Corrêa, escreveu recentemente um artigo onde ressalta a importância dos próximos santos a serem canonizados pelo Papa Francisco, neste próximo domingo, dia 27 de abril, em Roma: os beatos João Paulo II e João XXIII.

“Neste final de semana, é toda a Igreja, vestida de gala, que deseja oferecer ao mundo inteiro a roupa da alegria, chamada santidade, com a canonização de João XXIII e João Paulo II, duas pérolas da coroa da Igreja em nosso tempo, cujos exemplos são oferecidos como referência para a maravilhosa aventura cristã”, disse.

De acordo com Dom Taveira, a figura de ambos os papas representam “dois contemporâneos, com os quais muitos de nós compartilharam diálogo e convivência”, pois seus modos de viver estão ao nosso alcance e suas palavras e ensinamentos ecoaram pelo mundo através dos meios de comunicação de nossa época, mostrando que a santidade é atual e possível.

O prelado contou que João XXIII, em seu diário, “descreveu com simplicidade e profundidade o seu dia a dia, seus roteiros de oração e meditação, suas decisões cotidianas de perdão, alegria, seriedade no seguimento de Nosso Senhor”, e João Paulo II, “que viveu na infância e na juventude capítulos dolorosos provocados pelas ideologias e autoritarismos do século XX, conduziu a Igreja à virada do milênio e nos brindou justamente com o convite à santidade”.

Dom Taveira afirmou ainda que, quando João XXIII ficou à frente da Igreja, substituindo o Papa Pio XII, “provocou na Igreja a oração e a preparação efetiva para o que o próprio Papa chamou de nova primavera, desejando uma nova estação de abertura e diálogo com todas as realidades de nosso tempo”.

“Os cinco anos de pontificado valeram séculos! ‘Mater et Magistra’ e ‘Pacem in terris’ foram duas Encíclicas que firmaram princípios e práticas para a ação social da Igreja. Abriu e conduziu a primeira Sessão de trabalhos do Concílio Vaticano II, mostrou ao mundo a face da bondade, abriu sorrisos, foi ao encontro dos mais sofredores, pintou de bom humor o rosto da Igreja!”, ressaltou.

Já sobre João Paulo II, o Arcebispo ponderou: “de João Paulo II nunca se falará suficientemente”, sendo que o pontífice é “uma presença universal efetiva, indo até os confins da terra para levar a Boa Nova do Evangelho”.

“Aquele que nas lides da Polônia havia enfrentado nazistas e comunistas, corajoso na liderança dos católicos para se manterem fiéis à Fé cristã, tesouro maior de sua nação, foi conduzido ao sólio de Pedro em mil novecentos e setenta e oito, permanecendo à frente da Igreja até o dia dois de abril de dois mil e cinco, na véspera da Festa da Divina Misericórdia. E no próprio Domingo da Misericórdia é agora canonizado”, completou.

Dom Taveira também descreveu o momento em que João Paulo II se despedia do povo cristão, no dia em que faleceu.

“Quantos adultos, jovens e crianças só tiveram esta figura de Papa em seu horizonte de Igreja, até que o Senhor o chamou para a sua Páscoa pessoal. Naquele início de noite de sua partida, desejoso de ir para estar com o Senhor, tinha o coração agradecido especialmente aos jovens aos quais tantas vezes se dirigiu e ali se encontravam, bem perto dele. Apagou-se como uma chama, deu tudo de si à Igreja e ao mundo. Em seus funerais, uma faixa emergia no meio da multidão – ‘Santo súbito’ – pedindo que fosse logo aclamado santo.”

Concluindo seu artigo, o prelado enfatizou que a Igreja oferecerá, na Festa da Divina Misericórdia, “dois presentes de amor”: João Paulo II e João XXIII, “santos pela Igreja e pela humanidade”, “homens de nosso tempo” que “amaram a Igreja e se entregaram por ela”.

“Louvado seja o Senhor, pela história, o exemplo e a intercessão dos dois heróis de nosso tempo”, finalizou.

Publicado em Gaudium Press.

 

(LMI)

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: