Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \24\-03:00 2013

Imagem:  OCDS – Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares

24 de agosto de 1562: fundação do Mosteiro de São José de Ávila, por Santa Teresa de Jesus, o primeiro da reforma carmelitana. (GM)

Fonte: Texto proveniente de http://www.vatican.va/

MENSAGEM DO PAPA BENTO XVI AO BISPO DE ÁVILA POR OCASIÃO DA CELEBRAÇÃO DO 450º ANIVERSÁRIO DE FUNDAÇÃO DO MOSTEIRO CARMELITA DE ÁVILA E DA REFORMA DA ORDEM CARMELITANA

Ao venerado Irmão D. Jesús García Burillo Bispo de Ávila

1. Resplendens stella. «Uma estrela de imenso esplendor» (Livro da Vida 32, 11). Com estas palavras, o Senhor animou Santa Teresa de Jesus a fundar em Ávila o mosteiro de São José, início da reforma do Carmelo da qual, no dia 24 do próximo mês de Agosto, serão celebrados os quatrocentos e cinquenta anos. Por ocasião desta feliz circunstância, quero unir-me à alegria da querida Diocese de Ávila, da Ordem dos Carmelitas Descalços, do Povo de Deus que peregrina na Espanha e de todos aqueles que, na Igreja universal, encontraram na espiritualidade teresiana uma luz segura para descobrir que por Cristo chega ao homem a verdadeira renovação da sua vida. Apaixonada pelo Senhor, esta mulher preclara desejava unicamente agradar-lhe em tudo. Com efeito, um santo não é aquele que realiza grandes proezas baseando-se na excelência das suas qualidades humanas, mas aquele que permite com humildade que Cristo penetre na sua alma, que aja através da sua pessoa, que Ele seja o verdadeiro protagonista de todas as suas obras e desejos, que inspire cada iniciativa e sustente cada silêncio.

2. Só quem leva uma intensa vida de oração pode deixar-se conduzir deste modo por Cristo. Ela consiste, segundo as palavras da Santa de Ávila, em «falar de amizade, permanecendo muitas vezes a sós com quem sabemos que nos ama» (Livro da Vida 8, 5). A reforma do Carmelo, cujo aniversário nos enche de júbilo interior, nasce da oração e tende para a oração. Ao promover um retorno radical à Regra primitiva, afastando-se da Regra mitigada, santa Teresa de Jesus queria propiciar uma forma de vida que favorecesse o encontro pessoal com o Senhor, para o qual é necessário «retirar-se em solidão, olhar para dentro de si e não se admirar com um hóspede tão bondoso» (Caminho de perfeição 28, 2). O mosteiro de São José nasce precisamente com a finalidade de que as suas filhas tenham as melhores condições para se encontrar com Deus e estabelecer uma relação profunda e íntima com Ele.

3. Santa Teresa propôs um novo estilo de ser carmelita, num mundo também novo. Aqueles eram «tempos árduos» (Livro da Vida 33, 5). E neles, segundo esta Mestra do espírito, «são necessários amigos fortes de Deus para sustentar os fracos» (Ibid., 15, 5). E insistia com eloquência: «O mundo está a arder; querem voltar a condenar Cristo, querem fazer desabar a Igreja. Não, minhas irmãs, não é hora de falar com Deus sobre assuntos de pouca importância» (Caminho de perfeição 1, 5). Não nos resulta familiar, na conjuntura em que vivemos, uma reflexão tão luminosa e interpeladora, proposta há mais de quatro séculos pela Santa mística?

O fim último da Reforma teresiana e da criação de novos mosteiros, no meio de um mundo com escassos valores espirituais, consistia em tutelar com a oração a obra apostólica; em propor um estilo de vida evangélica que fosse modelo para quantos procuravam um caminho de perfeição, a partir da convicção de que toda a autêntica reforma pessoal e eclesial passa pelo reproduzir cada vez melhor em nós mesmos a «forma» de Cristo (cf. Gl 4, 19). Não foi outro o compromisso da Santa, nem das suas filhas. E também não foi outro o compromisso dos seus filhos carmelitas, que visavam unicamente «ir mais além em todas as virtudes» (Livro da Vida 31, 18). Neste sentido, Teresa escreve: «Aprecia mais [nosso Senhor] uma alma que, através do nosso esforço e oração, lhe conquistássemos mediante a sua misericórdia, do que todos os serviços que lhe podemos prestar» (Livro das Fundações 1, 7). Diante do esquecimento de Deus, a Santa Doutora anima comunidades orantes, que salvaguardem com o seu fervor quantos proclamam em toda a parte o Nome de Cristo, que supliquem pelas necessidades da Igreja, que levem ao Coração do Salvador o clamor de todos os povos.

4. Também hoje, como no século XVI, e entre rápidas transformações, é preciso que a oração confiante seja a alma do apostolado, para que ressoe com clareza evidente e dinamismo pujante a mensagem redentora de Jesus Cristo. É urgente que a Palavra de vida vibre nas almas de forma harmoniosa, com notas sonoras e atraentes.

Nesta tarefa apaixonante, o exemplo de Teresa de Ávila constitui uma grande ajuda para nós. Podemos afirmar que, no seu tempo, a Santa evangelizou sem tibieza, com ardor jamais apagado, com métodos distantes da inércia e com expressões cheias de luz. Isto conserva todo seu vigor na encruzilhada actual, que sente a urgência de que os baptizados renovem o seu coração através da oração pessoal, centrada também, segundo o ditado da Mística de Ávila, na contemplação da Santíssima Humanidade de Cristo como único caminho para encontrar a glória de Deus (cf. Livro da Vida 22, 1; As Moradas 6, 7). Só assim poderão formar-se famílias autênticas, que descubram no Evangelho o fogo do seu lar; comunidades cristãs vivas e unidas, alicerçadas em Cristo como na sua pedra angular e que tenham sede de uma vida de generoso serviço fraterno. É também desejável que a oração incessante promova a prática prioritária da pastoral vocacional, salientando peculiarmente a beleza da vida consagrada, que é necessário acompanhar devidamente como tesouro que é da Igreja, como torrente de graças, tanto na sua dimensão activa como contemplativa.

A força de Cristo levará igualmente a redobrar as iniciativas para que o povo de Deus recupere o seu vigor da única forma possível: criando espaço dentro de nós para os sentimentos do Senhor Jesus (cf. Fl 2, 5), procurando em todas as circunstâncias uma vivência radical do seu Evangelho. E isto significa, antes de tudo, permitir que o Espírito Santo nos faça amigos do Mestre e nos configure com Ele. Significa também acolher em tudo os seus mandatos e adoptar em nós critérios tais como a humildade na conduta, a renúncia ao supérfluo, não ofender os outros nem comportar-se com simplicidade e mansidão de coração. Assim, quantos nos circundam sentirão a alegria que nasce da nossa adesão ao Senhor, e que nada antepomos ao seu amor, permanecendo sempre dispostos a explicar a razão da nossa esperança (cf. 1 Pd 3, 15) e vivendo, como Teresa de Jesus, em obediência filial à nossa Santa Mãe Igreja.

5. É a esta radicalidade e fidelidade que nos convida hoje esta filha tão ilustre da Diocese de Ávila. Acolhendo a sua bonita herança, nesta hora da história, o Papa exorta todos os membros desta Igreja particular, mas de maneira profunda os jovens, a levar a sério a comum vocação à santidade. Seguindo os passos de Teresa de Jesus, permiti-me dizer a quantos têm o futuro à sua frente: aspirai também vós a ser totalmente de Jesus, só de Jesus e sempre de Jesus. Não tenhais medo de o dizer a nosso Senhor, como ela fez: «Sou vossa, para Vós nasci; o que quereis fazer de mim?» (Poesia 2). E peço-lhe que saibais responder também aos seus chamamentos iluminados pela graça divina, com «firme determinação», para oferecer «o pouquinho» que houver em vós, convictos de que Deus nunca abandona quantos deixam tudo para a sua Glória (cf. Caminho de perfeição 21, 2; 1, 2).

6. Santa Teresa soube honrar com grande devoção a Virgem Santíssima, que ela invocava com o doce nome de Carmen. Sob o seu amparo materno coloco os afãs apostólicos da Igreja em Ávila a fim de que, rejuvenescida pelo Espírito Santo, encontre os caminhos oportunos para proclamar o Evangelho com entusiasmo e coragem. Maria, Estrela da Evangelização, e o seu casto esposo São José intercedam para que aquela «estrela» que o Senhor acendeu no universo, a Igreja, com a reforma teresiana continue a irradiar o grande brilho do amor e da verdade de Cristo a todos os homens. É com estes votos, Venerado Irmão no Episcopado, que lhe envio esta mensagem, a qual peço que faça conhecer à grei confiada aos seus cuidados pastorais, e de maneira muito especial às queridas Carmelitas Descalças do convento de São José, em Ávila, que perpetuam no tempo o espírito da sua Fundadora, e de cuja oração fervorosa pelo Sucessor de Pedro tenho grata confirmação. A elas, a Vossa Excelência e a todos os fiéis de Ávila, concedo com afecto a Bênção Apostólica, penhor de copiosos favores celestiais.

Vaticano, 16 de Julho de 2012.

BENEDICTUS PP. XVI

Publicado em Vatican.va.

Read Full Post »

Assunzione_VirgineMaria_Bento XVI_reginamundi.info

Fonte: Texto e imagem proveniente ReginaMundi.Info in Libreria Editrice Vaticana.

Assunzione della Beata Vergine Maria

Si aprì il tempio di Dio che è nel cielo e apparve nel tempio l’arca della sua alleanza.
Un segno grandioso apparve nel cielo: una donna vestita di sole, con la luna sotto i suoi piedi e, sul capo, una corona di dodici stelle. Era incinta, e gridava per le doglie e il travaglio del parto.
Allora apparve un altro segno nel cielo: un enorme drago rosso, con sette teste e dieci corna e sulle teste sette diademi; la sua coda trascinava un terzo delle stelle del cielo e le precipitava sulla terra.
Il drago si pose davanti alla donna, che stava per partorire, in modo da divorare il bambino appena lo avesse partorito.
Essa partorì un figlio maschio, destinato a governare tutte le nazioni con scettro di ferro, e suo figlio fu rapito verso Dio e verso il suo trono. La donna invece fuggì nel deserto, dove Dio le aveva preparato un rifugio.
Allora udii una voce potente nel cielo che diceva:
«Ora si è compiuta la salvezza, la forza e il regno del nostro Dio e la potenza del suo Cristo».
Ap 11,19;12,1-6.10

Benedetto XVI – Homilia – Assunção de Nossa Senhora (áudio-Mp3) – http://www.reginamundi.info/meditazione/Assunzione.mp3 …

Cari fratelli e sorelle,  
nella sua grande opera “La Città di Dio”, Sant’Agostino dice una volta che tutta la storia umana, la storia del mondo, è una lotta tra due amori: l’amore di Dio fino alla perdita di se stesso, fino al dono di se stesso, e l’amore di sé fino al disprezzo di Dio, fino all’odio degli altri. (…)

(cont./ áudio, acima)

Publicado em ReginaMundi.Info in Libreria Editrice Vaticana.

Read Full Post »

Texto proveniente de Rádio Vaticano.

Ouça aqui… RealAudioMP3

O Papa Francisco deslocou-se hoje a Castel Gandolfo para ali celebrar na Praça da Liberdade a Eucaristia da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora. Antes da celebração, o Papa Francisco visitou em modo privado o Convento de Clausura das Clarissas nesta cidade do Lazio. Trata-se da segunda visita do Papa Francisco às religiosas. A segunda realizou-se em 14 de julho passado.
Na homília desta celebração o Santo Padre começou por recordar o Concílio Vaticano II que nos deixou uma belíssima meditação sobre a Bem-Aventurada Virgem Maria: “A Virgem Imaculada, preservada imune de toda a mancha de culpa original, terminado o curso da vida terrena, foi elevada ao céu em corpo e alma e exaltada por Deus como Rainha do universo” (n. 59).
E depois, perto do fim, ainda podemos ler;
“A Mãe de Jesus, assim como, glorificada já em corpo e alma, é imagem e início da Igreja que se há-de consumar no século futuro, assim também, na terra, brilha como sinal de esperança segura e de consolação, para o Povo de Deus ainda peregrinante, até que chegue o dia do Senhor” (n. 68).
À luz deste belíssimo ícone da nossa Mãe, podemos considerar a mensagem contida nas leituras bíblicas que acabámos de escutar. Podemos concentrar-nos em três palavras-chave: luta, ressurreição e esperança.

A passagem do Apocalipse apresenta a visão da luta entre a mulher e o dragão. A figura da mulher, que representa a Igreja, é por um lado gloriosa, triunfante, e por outro ainda com dores de parto. Assim, na verdade é a Igreja: se no Céu ela já está associada à glória do seu Senhor, na história vive continuamente as provas e os desafios que comporta o conflito entre Deus e o maligno, o inimigo de sempre. E nesta luta que os discípulos de Jesus devem enfrentar, Maria não os deixa sozinhos; a Mãe de Cristo e da Igreja está sempre connosco.

A segunda leitura fala-nos da ressurreição. O apóstolo Paulo, escrevendo aos Coríntios, insiste no facto que ser cristão significa acreditar que Cristo ressuscitou verdadeiramente dos mortos. Toda a nossa fé baseia-se nesta verdade fundamental, que não é uma ideia, mas um evento. E também o mistério da Assunção de Maria em corpo e alma está todo ele inscrito na Ressurreição de Cristo.

“Também Maria conheceu o martírio da cruz: a Paixão do Filho viveu-a plenamente na alma. Esteve plenamente unida a Ele na morte, e por isso foi-lhe dado o dom da ressurreição. Cristo é a primícia dos ressuscitados, e Maria é a primícia dos redimidos, a primeira “daqueles que são de Cristo”.

O Evangelho sugere-nos a terceira palavra: esperança. Esperança é a virtude de quem, experimentando o conflito, a luta quotidiana entre a vida e a morte, entre o bem e o mal, acredita na ressurreição de Cristo, na vitória do Amor. O Magnificat é o cântico da esperança, é o cântico do Povo de Deus em caminho na história.

“Este cântico é particularmente intenso onde o Corpo de Cristo sofre hoje a Paixão. E Maria está lá, próxima a estas comunidades, a estes nossos irmãos, caminha com eles, sofre com eles, e canta com eles o Magnificat da esperança.”
Angelus
No final da missa o Papa Francisco propôs a oração do Angelus afirmando o Sim de Maria que abre o caminho para o Céu. “Aquele sim pronunciado em Nazaré em resposta ao Mensageiro Celeste que anunciava a vontade de Deus para ela.” “E na realidade é mesmo assim” – continuou o Papa – “cada sim a Deus é um passo para o Céu, para a vida eterna”. “Deus quer-nos a todos na Sua casa!”
Aproveitou a ocasião para assegurar a sua oração pelas vítimas dos recentes confrontos no Egipto.
Recordou ainda o 25º aniversário da Carta Apostólica Mulieris Dignitatem do Beato João Paulo II sobre a dignidade e vocação da mulher. Este documento é rico de pontos que merecem ser retomados e desenvolvidos; e na base de tudo está a figura de Maria. “Façamos nossa a oração que está no final dessa Carta Apostólica, por forma a que meditando o mistério bíblico da mulher, condensado em Maria, todas as mulheres se encontrem na plenitude da sua vocação.”
No final agradeceu a presença de todos, nomeadamente dos habitantes de Castel Gandolfo tendo feito uma saudação especial aos peregrinos vindos da Guiné com o seu bispo, as alunas do Colégio Passionista “Michael Ham” de Vicente Lopez e na Argentina, assim como os jovens da banda de música do Colégio Jesus Rebolledo de Coatepec no México.

(RS)

Texto publicado em Rádio Vaticano.

Read Full Post »

Fonte: Rádio do VaticanoTexto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2013/07/31/jmj_rio2013_superou_todas_as_expectativas/bra-715871
do site da Rádio Vaticano

JMJ Rio2013 superou todas as expectativas

Rio de Janeiro (RV) – Os resultados alcançados pela Jornada Mundial da Juventude Rio 2013 superaram todas as expectativas, segundo o Arcebispo do Rio de Janeiro e Presidente do Comitê Organizador Local (COL), Dom Orani Tempesta. O público presente à Missa de Envio chegou a 3,7 milhões de pessoas, seis vezes maior que o número presente no primeiro Ato Central – a Missa de Abertura -, estimado em 600 mil participantes. O impacto econômico também foi significativo. Os visitantes desembolsaram R$ 1,8 bilhões, segundo dados do Ministério do Turismo.

Mas a renovação da fé e da esperança é o principal legado que a JMJ Rio2013 deixará no coração dos jovens, de acordo com Dom Orani. “Os jovens levaram consigo uma experiência de fé, de esperança muito grande. Tenho certeza de que jamais esqueceremos. Os jovens já são protagonistas hoje. O meu coração está muito agradecido”, destacou. O Arcebispo disse ainda que está sendo viabilizada a criação de um instituto para a juventude que terá a responsabilidade de guardar as experiências da JMJ Rio2013 e trabalhar pelos jovens.

No total, mais de 3,5 milhões de pessoas participaram dos eventos da JMJ em Copacabana, Quinta da Boa Vista, Rio Centro e em diversas paróquias da cidade. A cerimônia de acolhida do Papa Francisco, na quinta-feira, 25, reuniu 1,2 milhões de pessoas em Copacabana, enquanto a Via-Sacra chegou a 2 milhões na sexta-feira, 26. Na vigília, cerca de 3,5 milhões de jovens estiveram na praia de Copacabana.

As inscrições foram 427 mil, com peregrinos de 175 países. Os inscritos com hospedagens foram cerca de 180 mil, enquanto as vagas disponibilizadas para hospedagem em casas de família e instituições chegaram a 356,4 mil.

O maior número de participantes era de latino-americanos. Os países com o maior número de inscritos foram, respectivamente, Brasil, Argentina, Estados Unidos, Chile, Itália, Venezuela, França, Paraguai, Peru e México. Do total dos inscritos internacionais, 72,7% estiveram no Brasil pela primeira vez e 86,9% nunca haviam participado de uma Jornada. Foram credenciados 6,4 mil jornalistas para cobrir a JMJ Rio2013 em 57 países.

Foram mais de 70 mil downloads no site oficial da JMJ Rio2013 e mais de 200 mil acessos. O facebook recebeu mais de 1,1 milhão de curtidas e o flickr superou 10 mil downloads.

Entre os peregrinos inscritos, 55% são do sexo feminino; 60% do público tem entre 19 e 34 anos. Foram 644 Bispos inscritos, dos quais 28 são Cardeais. Além disso, foram 7814 sacerdotes inscritos e 632 diáconos. Para cobrir a JMJ Rio2013 em 57 países, foram credenciados 6,4 mil jornalistas.

O evento também contou com 264 locais de catequese, em 25 idiomas. Foram 60 mil voluntários, mais de 800 artistas participantes dos Atos Centrais. Um total de 100 confessionários foram expostos na Feira Vocacional e no Largo da Carioca e 4 milhões de hóstias produzidas, 800 mil para Missa de Envio.

A geração de lixo foi inferior a outros eventos que acontecem em Copacabana, como o Réveillon. A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) removeu 345 toneladas de resíduos orgânicos e 45 toneladas de materiais recicláveis, durante a JMJ Rio2013. O número representa cerca de 10% a menos do registrado na noite do último Ano Novo.

Entre os vários momentos significativos vividos junto ao Santo Padre, o Arcebispo do Rio destacou dois: a relação de carinho com as crianças e a oração ao Cristo Redentor. “Todas as vezes que nos deslocávamos de helicóptero, o Santo Padre olhava para o Cristo e rezava. Eu que estava atrás dele, pude presenciar várias vezes esses momentos de oração.

A proximidade do Papa com as pessoas traz um testemunho para o mundo de que a Igreja está perto das pessoas, como uma mãe de seus filhos, explicou Dom Orani. “A Igreja antes de mais nada anuncia uma boa notícia a todos”, disse. Outro legado deixado pela JMJ Rio2013 foi a atenção do poder público e da mídia para a Região Oeste, onde está Guaratiba.

A cruz da JMJ e o Ícone de Nossa Senhora serão entregues à Cracóvia, próxima cidade-sede, apenas em Roma. A tradição é que sejam enviados para o Pontifício Conselho para os Leigos e no domingo de Ramos do próximo ano, serão entregues aos jovens da Polônia em cerimônia que deverá acontecer em Roma.
(.rio2013 – JE)

Publicado em Rádio do Vaticano.

 

Read Full Post »