Feeds:
Posts
Comentários

Archive for março \31\-03:00 2013

CELEBRAR A PÁSCOA É FESTEJAR A AÇÃO LIBERTADORA DE DEUS NA VIDA,PAIXÃO,MORTE E RESSURREIÇÃO DE JESUS E CONTEMPLAR ESTA FORÇA DO AMOR MATERNAL DE DEUS ATUANDO EM NÓS E EM TODO UNIVERSO, RECRIANDO-O COM UMA NOVA CRIAÇÃO, RENOVADA PELA RESSURREIÇÃO DE JESUS – Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares (OCDS) – Província São José – Brasil.

Desejo a todos uma boa e Santa Páscoa! Viva Jesus!

Lembramos nesta semana, a Sua Paixão, no Calvário, e damos graças pela Sua Ressurreição! Damos graças, portanto, por nos mostrar Seu Amor Infinito no sofrimento da Cruz, para o perdão de nossos pecados e de toda a Humanidade – do passado, do presente e do futuro!

Lúcia Barden Nunes

“Viva Jesus”: Expressão cunhada por São Francisco de Sales – Patrono da Imprensa Católica.

_____________________________________________________________________________________________________________________________

Fonte: OCDS – Província São José – Brasil

Sábado, 30 de março de 2013

JESUS RESSUSCITOU!!! ALELUIA!!! ESTÁ VIVO!!!

RELEMBREMOS A EXPERIÊNCIA DAS MULHERES QUE FORAM DE MADRUGADA AO SEPULCRO E ENCONTRARAM O TÚMULO VAZIO E OS ANJOS DIZENDO :
“ELE NÃO ESTÁ MAIS AQUI.RESSUSCITOU !”
UMA DAS EXPRESSÕES MAIS FORTES NESTES DIAS É O “ALELUIA”,PALAVRA HEBRAICA QUE SIGNIFICA SIMPLESMENTE “LOUVOR A DEUS”.

NOSSA VIDA É REGIDA PELA VITÓRIA DE JESUS!!!!

NOSSA PÁSCOA E NOSSA RESSURREIÇÃO, GARANTIA DE NOSSA UNIÃO

DEFINITIVA COM DEUS.

Publicado em OCDS – Província São José – Brasil.

Read Full Post »

Papa Francisco preside Via-Sacra no Coliseu:“Caminhemos juntos pela senda da Cruz” ((Rádio Vaticano)

Rádio Vaticano

Paixão 

Papa Francisco: “Nesta noite deve permanecer uma única palavra, que é a própria Cruz. A Cruz de Jesus é a Palavra com que Deus respondeu ao mal do mundo” 

Roma (RV) – O Papa Francisco presidiu na noite desta Sexta-Feira Santa à tradicional cerimônia da Via-Sacra no Coliseu de Roma. A Cruz foi carregada pela 14 estações por pessoas de várias partes do mundo, como sinal da redenção de Cristo por todos, celebrada pela Igreja universal. O Vigário para a Diocese de Roma, Card. Agostino Vallini carregou a Cruz na primeira e última estação. Também levaram a Cruz, Famílias italianas e indianas, deficientes, representantes da China, Síria e Oriente Médio. Da América Latina, dois brasileiros carregaram a Cruz nas estações doze e treze: Carlo Ronzoni e Antonella Passatore.

As meditaçõesda Via Sacra deste ano foram preparadas por jovens libaneses sob a orientação do Cardeal Béchara Boutros Raï, Patriarca Maronita do Líbano, cujo texto esta está disponível, também em português, no endereço
http://www.vatican.va/news_services/liturgy/2013/documents/ns_lit_doc_20130329_via-crucis_po.html

A Exortação Apóstolica “Ecclesia in Medio Oriente” foi um dos guias para a elaboração das meditações.

Nas palavras que proferiu no encerramento da Via Sacra, Papa Francisco agradeceu a multidão de fiéis presente como também todos aqueles que se uniram através dos meios de comunicação, especialmente aos doentes e aos idosos.

O Santo Padre disse não querer acrescentar muitas palavras. “Nesta noite, – acrescentou – deve permanecer uma única palavra, que é a própria Cruz. A Cruz de Jesus é a Palavra com que Deus respondeu ao mal do mundo.

“Às vezes – continuou Papa Francisco – parece-nos que Deus não responde ao mal, que permanece calado. Na realidade, Deus falou, respondeu, e a sua resposta é a Cruz de Cristo: uma Palavra que é amor, misericórdia, perdão. É também julgamento: Deus julga amando-nos. Se acolho o seu amor, estou salvo; se o recuso, estou condenado, não por Ele, mas por mim mesmo, porque Deus não condena, Ele unicamente ama e salva”.

O Pontífice recordou ainda que a palavra da Cruz é também a resposta dos cristãos ao mal que continua a agir em nós e ao nosso redor. Os cristãos devem responder ao mal com o bem, tomando sobre si a cruz, como Jesus.

“Nesta noite, – continuou – ouvimos o testemunho dos nossos irmãos do Líbano: foram eles que prepararam estas belas meditações e preces. De coração lhes agradecemos por este serviço e sobretudo pelo testemunho que nos dão”.

Lembrando quando o Papa Bento XVI foi ao Líbano, recordou que se pôde ver a beleza e a força da comunhão dos cristãos naquela Nação e da amizade de tantos irmãos muçulmanos e muitos outros . “Foi um sinal para todo o Médio Oriente e para o mundo inteiro: um sinal de esperança”.

Na conclusão de suas palavras Papa Francisco fez o convite para que continuemos esta Via-Sacra na vida de todos os dias. “Caminhemos juntos pela senda da Cruz, caminhemos levando no coração esta Palavra de amor e de perdão. Caminhemos esperando a Ressurreição de Jesus”, finalizou. (SP-BF)

Publicado em Rádio Vaticano.

Reflexão para Sexta-feira Santa

RealAudioMP3
Cidade do Vaticano (RV) – O relato da Paixão, segundo João, destaca a liberdade de Jesus, mostrando que é ele quem se entrega por amor a nós.

O autor do IV Evangelho procura apresentar Jesus como Messias e Filho de Deus. Para entrar no sinal definitivo, o da morte na cruz, João inicia e conclui seu relato usando como cenário um jardim.

Começa com a agonia no jardim das oliveiras e termina com o sepultamento no jardim próximo ao Gólgota. João quer com isso recordar o Jardim do Édem onde o Homem disse não a Deus e onde imediatamente foi prometida a redenção, quando Deus falou com a serpente: “Porei hostilidade entre ti e a mulher, entre tua linhagem e a linhagem dela. Ela te esmagará a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar.” Ali estava a árvore do bem e do mal, da autonomia moral, e no Calvário está a árvore da Vida, da subordinação livre e amorosa ao Pai.

O ser humano ou acata a soberania de Deus e lhe é submisso, ou se rebela e transforma o mundo ao seu bel prazer, desordenando o sentido da natureza e proporcionando o caos, mais ético e moral do que outra coisa.

Quando Pilatos pergunta ao Senhor sobre sua realeza, Jesus a confirma, acrescentando que veio para dar testemunho da verdade, isto é, ser fiel ao projeto do Pai em relação ao mundo. Ao acrescentar “o meu reino não é deste mundo”, ele desqualifica o poder exercido pela opressão, pela sujeição dos mais fracos, a sociedade dividida entre vencidos e vencedores, entre ricos e miseráveis, e enaltece o amor e o perdão, a inclusão dos marginalizados. Jesus rejeita a cultura e a sociedade onde reina a morte e proclama o Reino da justiça, do amor, da verdade, da paz, enfim, o Reino da Vida.

Jesus aceita a cruz e a transforma em dom de amor, em revelação do Amor de Deus por todos nós. De fato, o sacrifício redentor de Cristo – cuja Paixão celebramos nesta Sexta-feira Santa – é a expressão máxima desse Amor.
(CAS)

Publicado em Rádio Vaticano.

Read Full Post »

“Durante a Semana Santa, pensemos na ‘paciência’ que Deus tem com cada um de nós.” – Papa Francisco – Homilia – Missa – 25.03.2013 – Vaticano – Capela de Santa Marta (Rádio Vaticano)

Rádio Vaticano

Francisco: Deus é paciente com as nossas

fraquezas

Cidade do Vaticano (RV)Durante a Semana Santa, pensemos na “paciência” que Deus tem com cada um de nós. Foi o que disse o Papa Francisco na manhã desta segunda-feira durante a breve homilia da missa por ele presidida na Capela da “Casa Santa Marta”, no Vaticano, da qual participaram, entre outros, os jornalistas do L’Osservatore Romano.

O emblema da infinita paciência que Deus tem pelo homem está refletido na infinita paciência que Jesus tem por Judas. O Santo Padre serviu-se da cena do Evangelho do dia, no qual Judas critica a atitude de Maria, irmã de Lázaro, de ungir os pés de Jesus com trezentos gramas de precioso perfume: teria sido melhor vendê-lo e dar o ganho aos pobres – defende Judas.

João observa no Evangelho que Judas não estava interessado no que os pobres sofriam, mas no dinheiro , que inclusive roubava. No entanto, “Jesus não lhe disse: ‘És um ladrão'”, observou o Papa.

Com o amor, afirmou, “foi paciente com Judas, buscando atraí-lo a si com a sua paciência, com o seu amor. E nos fará bem pensar – acrescentou – nesta Semana Santa, na paciência de Deus, naquela paciência que o Senhor tem conosco, com as nossas fraquezas, com os nossos pecados.”

O Pontífice observou que também o trecho de Isaías, na primeira leitura, ao apresentar “o ícone daquele ‘servo de Deus’, evidenciou a mansidão e a paciência de Jesus – que é a paciência de Deus mesmo”.

“Quando se pensa na paciência de Deus: isso é um mistério!”, exclamou o Papa Francisco. “Quanta paciência Ele tem conosco! Fazemos tantas coisas, mas Ele é paciente.” E o é, disse ainda, “como aquele pai que o Evangelho diz que viu o filho de longe, aquele filho que tinha ido embora com todo o dinheiro da sua herança”.

E por que o viu de longe? – perguntou-se o Papa. “Porque todos os dias olhava do alto para ver se o filho retornava.” “Essa é a paciência de Deus”, repetiu o Papa Francisco, “essa é a paciência de Jesus”.

E concluiu: “Pensemos numa relação pessoal, nesta Semana: como tem sido na minha vida a paciência de Jesus comigo?

Basta isso. Depois, sairá do nosso coração uma só palavra: ‘Obrigado, Senhor! Obrigado por sua paciência”.

(RL)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS Rádio Vaticano

 
Homilia do Papa na missa deste Domingo de Ramos, início da Semana Santa
 

No Angelus, Papa confia à Virgem Maria os jovens e o itinerário deles “rumo ao Rio de Janeiro”

 
Papa Francisco: Mensagem em vista da Páscoa judaica
 
Papa Francisco exorta fiéis a permanecerem na alegria e marca encontro com os jovens no Rio de Janeiro
 
Publicado em Rádio Vaticano.

Read Full Post »

Histórico encontro entre Papa Francisco e Bento XVI: “Somos irmãos” – 23 de março de 2013 (Rádio Vaticano)

Rádio Vaticano

Histórico encontro entre Papa Francisco e Bento XVI:

“Somos irmãos”


Castel Gandolfo (RV) – O Papa Francisco encontrou-se neste sábado, 23, pela primeira vez com seu predecessor, o Papa emérito, Bento XVI, em Castel Gandolfo, nas proximidades de Roma. Ao meio-dia Francisco se dirigiu de helicóptero à pequena cidade para o encontro com o Papa emérito onde almoçaram juntos num fato sem precedentes na história da Igreja.

Após um voo de 20 minutos o Papa Francisco aterrissou no heliporto das Vilas Pontifícias de Castel Gandolfo, acolhido pelo Papa emérito Bento XVI. Presentes também o Bispo de Albano, Dom Marcello Semeraro e Saverio Petrillo, Diretor das Vilas Pontifícias e Dom Georg Gänswein. Papa Francisco e Bento XVI utilizaram o mesmo automóvel para chegar até a Residência Pontifícia.

Segundo o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, o helicóptero papal aterrissou às 12h15, hora de Roma. O Santo Padre estava acompanhado pelo Substituto da Secretaria de Estado, Dom Becciu, por Mons. Sapienza e por Mons. Alfred Xuereb.

Apenas o Papa tocou terra, Bento XVI se aproximou dele e houve um abraço belíssimo entre os dois, disse Pe. Lombardi. Na Residência Apostólica os dois protagonistas deste histórico encontro foram até o apartamento e imediatamente à capela para um momento de oração.

Na capela, o Papa emérito ofereceu o lugar de honra a Papa Francisco, mas esse disse: “Somos irmãos”, e pediu que se ajoelhassem juntos no mesmo banco, contou Pe. Lombardi. Após um breve momento de oração, se dirigiram para a Biblioteca privada, e por volta das 12h30, teve início o encontro reservado que durou cerca de 45 minutos.

Padre Lombardi destacou ainda que o Papa emérito estava vestindo uma simples batina branca, sem faixa e sem capa; ao invés Papa Francisco usou uma batina branca com faixa e capa.

Presentes ainda no almoço os dois secretários, portanto, Dom Georg e Mons. Xuereb.

Padre Lombardi referiu também que Papa Francisco presenteou Bento XVI com um ícone de Nossa Senhora da Humildade. O Santo Padre explicou a Bento XVI que “esta Nossa Senhora é a da Humildade, e eu pensei no senhor e quis dar-lhe um presente pelos muitos exemplos de humildade que nos deu durante o seu Pontificado”, destacou Papa Francisco.

Desde o dia 28 de fevereiro, Bento XVI reside neste local, onde acompanhou a eleição do Cardeal Bergoglio como Sumo Pontífice, e aguarda o fim das reformas no mosteiro Mater Ecclesiae dentro do Vaticano.
Papa Francisco, nos seus discursos, tem manifestado palavras de afeto a Bento XVI, chamando-o, seguidamente de “meu Predecessor, o querido e venerado Papa Bento XVI”.

Já na sua primeira aparição no balcão central da Basílica de São Pedro disse “Rezemos pelo nosso Bispo emérito Bento XVI. Rezemos todos juntos por ele, para que o Senhor o abençoe e a Virgem Maria o proteja”.

Após o almoço Papa Francisco retornou ao Vaticano. (SP)

Publicado em Rádio Vaticano.

Read Full Post »

“Edificar a paz e construir pontes” – Discurso do Papa Francisco ao Corpo Diplomático acreditado junto da Santa Sé – 22 de março de 2013 (Agência Zenit – Roma)

Papa Francisco celebra Missa na presença de funcionários do Vaticano, que vieram a partir de seu convite na manhã de 22 de março de 2013 (GaudiumPress.org)

Zenit.org

Edificar a paz e construir pontes

Discurso do Papa Francisco ao Corpo Diplomático acreditado junto da Santa Sé

Cidade do Vaticano, 22 de Março de 2013 – Às 11 desta manhã, na Sala Regia do Palácio Apostólico Vaticano, o Santo Padre Francisco recebeu em Audiência os Membros do Corpo Diplomático acreditado junto da Santa Sé, por ocasião do início de seu Ministério Petrino. Apresentamos a seguir, os palavras do Papa.

Excelências,

Senhoras e Senhores,

De coração agradeço ao vosso Decano, Embaixador Jean-Claude Michel, as amáveis palavras que me dirigiu em nome de todos e com alegria vos recebo para uma simples, mas ao mesmo tempo intensa, troca de cumprimentos, que, idealmente, pretende ser o abraço do Papa ao mundo. Na realidade, por vosso intermédio, encontro os vossos povos e deste modo posso, em certa medida, alcançar cada um dos vossos concidadãos com suas alegrias, dramas, expectativas e desejos.

A vossa presença, numerosa, é também um sinal de que as relações que os vossos países mantêm com a Santa Sé são profícuas, são verdadeiramente uma ocasião de bem para a humanidade. Na verdade, é isto mesmo o que a Santa Sé tem a peito: o bem de todo o homem que vive nesta terra. E é precisamente com este entendimento que o Bispo de Roma começa o seu ministério, sabendo que pode contar com a amizade e benevolência dos países que representais, e na certeza de que compartilhais tal propósito. Ao mesmo tempo, espero que se revele também ocasião para iniciar um caminho com os poucos países que ainda não têm relações diplomáticas com a Santa Sé, alguns dos quais – de coração lhes agradeço – quiseram estar presentes na Missa de início do meu ministério ou enviaram mensagens como gesto de proximidade.

Como sabeis, há vários motivos que, ao escolher o meu nome, me levaram a pensar em Francisco de Assis, uma figura bem conhecida mesmo além das fronteiras da Itália e da Europa, inclusive entre os que não professam a fé católica. Um dos primeiros é o amor que Francisco tinha pelos pobres. Ainda há tantos pobres no mundo! E tanto sofrimento passam estas pessoas! A exemplo de Francisco de Assis, a Igreja tem procurado, sempre e em todos os cantos da terra, cuidar e defender quem passa indigência e penso que podereis constatar, em muitos dos vossos países, a obra generosa dos cristãos que se empenham na ajuda aos doentes, aos órfãos, aos sem-abrigo e a quantos são marginalizados, e deste modo trabalham para construir sociedades mais humanas e mais justas.

Mas há ainda outra pobreza: é a pobreza espiritual dos nossos dias, que afecta gravemente também os países considerados mais ricos. É aquilo que o meu Predecessor, o amado e venerado Bento XVI, chama a ditadura do relativismo(*), que deixa cada um como medida de si mesmo, colocando em perigo a convivência entre os homens. E assim chego à segunda razão do meu nome. Francisco de Assis diz-nos: trabalhai por edificar a paz. Mas, sem a verdade, não há verdadeira paz. Não pode haver verdadeira paz, se cada um é a medida de si mesmo, se cada um pode reivindicar sempre e só os direitos próprios, sem se importar ao mesmo tempo do bem dos outros, do bem de todos, a começar da natureza comum a todos os seres humanos nesta terra.

Um dos títulos do Bispo de Roma é Pontífice, isto é, aquele que constrói pontes, com Deus e entre os homens. Desejo precisamente que o diálogo entre nós ajude a construir pontes entre todos os homens, de tal modo que cada um possa encontrar no outro, não um inimigo nem um concorrente, mas um irmão que se deve acolher e abraçar. Além disso, as minhas próprias origens impelem-me a trabalhar por construir pontes. Na verdade, como sabeis, a minha família é de origem italiana; e assim está sempre vivo em mim este diálogo entre lugares e culturas distantes, entre um extremo do mundo e o outro, actualmente cada vez mais próximos, interdependentes e necessitados de se encontrarem e criarem espaços efectivos de autêntica fraternidade.

Neste trabalho, é fundamental também o papel da religião. Com efeito, não se podem construir pontes entre os homens, esquecendo Deus; e vice-versa: não se podem viver verdadeiras ligações com Deus, ignorando os outros. Por isso, é importante intensificar o diálogo entre as diversas religiões; penso, antes de tudo, ao diálogo com o Islão. Muito apreciei a presença, durante a Missa de início do meu ministério, de tantas autoridades civis e religiosas do mundo islâmico. E é também importante intensificar o diálogo com os não crentes, para que jamais prevaleçam as diferenças que separam e ferem, mas, embora na diversidade, triunfe o desejo de construir verdadeiros laços de amizade entre todos os povos.

Lutar contra a pobreza, tanto material como espiritual, edificar a paz e construir pontes: são como que os pontos de referimento para um caminho que devemos percorrer, desejando convidar cada um dos países que representais a tomar parte nele. Um caminho que será difícil, se não aprendermos a amar cada vez mais esta nossa terra. Também neste caso me serve de inspiração o nome de Francisco: ele ensina-nos um respeito profundo por toda a criação, ensina-nos a guardar este nosso meio ambiente, que muitas vezes não usamos para o bem, mas desfrutamos com avidez e prejudicando um ao outro.

Queridos Embaixadores,
Senhoras e Senhores,

Novamente obrigado por todo o trabalho que realizais, juntamente com a Secretaria de Estado, para edificar a paz e construir pontes de amizade e fraternidade. Por vosso intermédio, desejo renovar aos vossos Governos o meu agradecimento pela sua participação nas celebrações por ocasião da minha eleição, com votos de um frutuoso trabalho comum. O Senhor Todo-Poderoso cumule com os seus dons a cada um de vós, às vossas famílias e aos povos que representais.

Libreria Editrice Vaticana

Publicado em Zenit.org.

(*) Grifo meu.

Read Full Post »

Delegações estrangeiras são recebidas pelo Papa Francisco – Vaticano (Gaudium Press – Brasil)

Delegações estrangeiras são recebidas pelo Papa Francisco

Gaudiumpress.orgVÍDEO – 19 de Março de 2013 – Logo após a Missa de Inicio de seu Pontificado, o Papa Francisco recebeu, no interior da Basílica de São Pedro, as 132 delegações oficiais que estavam em Roma para os eventos da manhã de terça-feira. As delegações que mais se destacaram foram as da Argentina e da Itália. (gaudiumpress.org)

Read Full Post »

Papa Francisco: simplicidade, colhida no exemplo do “pobrezinho de Assis” e nutrida pela espiritualidade inaciana- Artigo – 19 de março de 2013 (Rádio Vaticano)

Nova_Evangelização_PapaFrancisco_19março2013

Fonte: Rádio Vaticano

Papa Francisco, resposta à Nova Evangelização

Por Pe. César Augusto dos Santos S.J.

Cidade do Vaticano (RV – 19.03.2013) – Quando rezávamos para que os cardeais se deixassem iluminar pelo Espírito Santo durante o Conclave, muitos jornalistas e pessoas até da Igreja nos procuravam para saber por quem torcíamos e também para conhecer o nosso prognóstico. Mais uma vez dizíamos que a eleição do Sumo Pontífice não se enquadrava nos moldes de uma eleição a um cargo de poder político, mundano e transitório, mas lidávamos com o Transcendente. O resultado foi a eleição de um bispo nascido no Continente americano e tendo ali o seu pastoreio. Isso reforça a fé de que o Divino Espírito Santo governa a Igreja.

Se fizermos uma revisão na vida recente da Igreja, veremos que a Conferência de Aparecida, realizada em 2007, nos fala da Missão Continental, da necessidade de aprofundarmos a Evangelização realizada no subcontinente Latino-americano e Caribenho. Mais tarde, o Papa Bento XVI criou o Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, com o principal objetivo de evangelizar novamente os países de antiga tradição cristã. Ano passado, em outubro, tivemos o Sínodo para a Nova Evangelização, que procurou debater, refletir e discutir a partir da experiência dos Padres Sinodais, buscando caminhos novos para a Evangelização no Terceiro Milênio.

Por outro lado, sabemos que a América intensificou sua contribuição missionária em favor da Evangelização na Europa e outros continentes, sobretudo a partir de 1957 com a Carta Encíclica Fidei Donum, do Papa Pio XII, em que mesmo as Igrejas que não dispunham tanto de sacerdotes e de religiosos começaram a partilhar seus recursos humanos. Nesse momento começamos a perceber o retorno da ação evangelizadora e catequética proporcionada cinco séculos atrás pelos cristãos da Península Ibérica, pelo Velho Mundo, em favor das terras recém achadas no Novo Mundo, concretamente, a América Central, a América do Sul e a América do Norte. Essa atitude de contribuição do Novo Mundo ao Velho, que lhe comunicou a existência do Deus único e verdadeiro, do seu extremo amor pelos homens dando Seu Filho Único – Jesus Cristo – em redenção de todos e da presença Confortadora e Iluminadora de Seu Santo Espírito, tem seu ponto alto quando os cardeais do mundo inteiro, iluminados por esse mesmo Espírito e ajudados pela oração de todos os cristãos, elegem, um latino-americano para a função de Sumo Pontífice, com a missão de confirmar na fé todos os evangelizados.

É um eloquente sinal da Providência que provê as necessidades de seus filhos e governa a Sua Igreja, possibilitar que o início do Pontificado desse Papa americano comece no dia de São José, Patrono da Igreja Universal, Provedor das necessidades da Família de Nazaré e engrandecedor da missão de José do Egito de alimentar o Povo de Deus, faminto de pão.

O Papa Francisco em sua simplicidade, colhida no exemplo do “pobrezinho de Assis” e nutrida pela espiritualidade inaciana –  que busca “maior glória de Deus”, isto é, o serviço da caridade aos homens – possa imprimir no coração de cada um o quanto todos, sem exceção, são amados por Deus.

Pe. César Augusto dos Santos S.J.

Publicado em Rádio Vaticano.

Read Full Post »

Older Posts »