Feeds:
Posts
Comentários

Archive for julho \28\-03:00 2011

Fonte: Agência Fides

26.07.2011

ÁFRICA/SOMÁLIA – Emergência humanitária: o compromisso da Igreja

Mogadíscio (Agência Fides) – Prossegue o empenho da Igreja em assistir as populações somalis em fuga da fome e da guerra, que se refugiaram nos Estados limítrofes, de modo especial, no Quênia. Dom Giorgio Bertin, Bispo de Djibuti e Administrador Apostólico de Mogadíscio, como Presidente da Caritas Somália, nomeou como sua assistente Suzanna Tkalec, do Catholic Relief Services (CRS).
A senhora Tkalec, segundo informa Dom Bertin à Agência Fides, terá as funções de: fornecer atualizações semanais sobre a situação na Somália e sobre refugiados somalis no Quênia e na Etiópia; manter contato com as outras Caritas que atuam em Nairóbi em favor dos refugiados somali; participar das reuniões de coordenação com as outras agências humanitárias presentes em Nairóbi.
O Jesuit Refugee Service (JRS) também anunciou o incremento de suas atividades na Etiópia e no Quênia, para ajudar os refugiados somalis. Segundo um comunicado enviado à Agência Fides, as equipes do JRS nos campos de Nairóbi e Kakuma assistem 12.500 pessoas, oferecendo apoio educativo, distribuindo alimentos e outros bens essenciais, além de fornecer assistência médica, psicológica e econômica. Das pessoas mais vulneráveis a receber assistência, estão os doentes mentais e as mulheres que sofreram ou correm risco de sofrer violência sexual.
Na Etiópia, em Addis Abeba, o JRS assiste 4.000 somalis, e está na fase final das tratativas com o ACNUR (Alto Comissariado da ONU para Refugiados) per fornecer assistência psicossocial e educativa no campo de Dollo, onde estão alojados mais de 100.000 somalis.

(L.M.) (Agência Fides 26/7/2011)

Fonte/imagem/artigo: Clio Blog – “O pior inferno do mundo: Somália”

Read Full Post »

Uma família que fugiu da seca chega a Mogadício,

a capital da Somália (Feisal Omar – Reiters)

Fonte imagem-artigo: http://www.publico.pt/Mundo/primeira-ajuda-humanitaria-para-as-vitimas-da-seca-entrou-na-somalia_1503372

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Fonte: Agência Ecclesia

17.07.2011

Somália: Papa «profundamente preocupado» com situação de crise

Bento XVI pede mobilização da comunidade internacional para ajudar vítimas da fome

Roma,17 jul 2011 (Ecclesia) – Bento XVI manifestou-se hoje “profundamente preocupado” com a situação de crise na Somália, apelando à comunidade internacional para que ajude as vítimas da fome no Corno de África, região nordeste desse continente.

“Sigo, profundamente preocupado, as notícias do Corno de África, em particular da Somália, atingidos por uma severa seca e, noutras áreas, por fortes chuvas que estão a causar uma catástrofe humana”, disse o Papa no pátio da residência pontifícia de Castel Gandolfo, nos arredores de Roma, onde se encontra a passar férias.

O apelo papal recordou “incontáveis pessoas que fogem da fome, em busca de comida e de ajuda”.

“Espero que cresça a mobilização internacional e se envie ajuda atempada para os nossos irmãos e irmãs já tão amargamente provados, entre os quais há muitas crianças”, desejou.

“Que a nossa solidariedade e apoio concreto não faltem a estes povos sofredores”, disse ainda.

As Nações Unidas conseguiram fazer passar este domingo um primeiro comboio com ajuda humanitária para a região da Somália mais afetada pela seca e a fome, depois de receber autorização da guerrilha islâmica Al-Shabab, que controla o centro e o sul do país.

Várias pessoas morreram em campos de refugiados, junto à capital somali, por causa das recentes chuvadas.

O secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, disse na última semana que 11 milhões de pessoas estão a ser afetadas pela pior seca dos últimos 60 anos no Corno de África.

Na região afetada pela seca, que abrange a Somália, o Quénia, Etiópia, Uganda e Djibuti, haverá 2 milhões de crianças subnutridas, segundo estimativas da Unicef, fundo das Nações Unidas para a infância.

O Conselho Pontifício ‘Cor Unum’, que coordena as ações de solidariedade do Papa e da Santa Sé, está a seguir a grave situação que se vive na Somália, enviando uma primeira ajuda de 50 mil euros, em nome de Bento XVI.

OC

Publicado em Internacional | Agência Ecclesia | 2011-07-17 | África

Read Full Post »

Fonte: Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura – Portugal

Deus move-se entre os tachos

Tudo começa por uma afirmação de Santa Teresa no «Livro das Fundações». É a última obra que ela escreveu, reunindo materiais muito diversos, colhidos ao longo de anos. O tom geral é o de um livro de memórias: relata diálogos, sublinha encontros e desencontros, anota datas e peripécias, desfia confidências… À sua maneira, talvez seja o volume que melhor reflita a humanidade de Santa Teresa: o seu gosto de contadora de histórias, a sua sabedoria temperada de humor, a invulgar capacidade que ela tinha de penetrar os corações.

No capítulo V, 7-8, deparamo-nos com este relato: «…Uma pessoa com quem falei há poucos dias. Havia quinze anos que a obediência a trazia tão ocupada em ofícios e governos que, em todo este tempo, não se recorda de ter tido um só dia para si …Bem lhe pagou o Senhor pois, sem saber como, achou-se com aquela liberdade de espírito tão apreciada e desejada que têm os perfeitos e na qual acham toda a felicidade que nesta vida se pode desejar. […] E não só esta pessoa, mas outras ainda conheci a quem aconteceu da mesma sorte. Não as via há bastantes anos; e, perguntando-lhes eu em que os haviam passado, me diziam que todos em ocupações de obediência e caridade. Por outro lado, achava-as tão medradas em coisas espirituais que me espantavam. Eia pois, filhas minhas! Não haja desconsolo quando a obediência vos trouxer empregadas em coisas exteriores. Entendei que até mesmo na cozinha, entre as caçarolas, anda o Senhor…»

Santa Teresa fala de pessoas que têm uma vida muito ativa, dispersa numa multiplicidade de empenhos, e que, no entanto, conseguem uma vitalidade espiritual. Há, de facto, um mal-entendido de séculos que opõe, no interior da nossa cultura, para não dizer da nossa própria consciência, a contemplação à ação. Como se a vida ativa necessariamente nos desertificasse, atirando-nos para longe de nós próprios e de Deus. Ora, falando às suas irmãs contemplativas, Santa Teresa critica esta ideia e diz que a exterioridade pode até fecundar a experiência espiritual mais profunda. Mesmo o gesto exterior mais comezinho ou ínfimo, mesmo os gestos sem nenhum relevo como são os da rotina da cozinha (serão mesmo sem relevo?), ainda esses devem ser compreendidos de outra forma, pois o Deus Todo-Poderoso, o Grande Senhor do Universo move-se pela nossa cozinha, entre púcaros, vasilhas e panelas. Fomos habituados a pensar a vida espiritual como uma representação, um enredo que se passa unicamente num espaço nobre e ordenado, um intervalo sobreposto à vida. A existência quotidiana, ínfima, banal, rotineira achamos que não é para Deus, nem a consideramos capaz de ligar-nos a isso que é o sagrado. Contudo, diz-nos Santa Teresa: “Deus move-se entre os tachos”.

José Tolentino Mendonça (*)
In Diário de Notícias (Madeira)
03.07.11

(*)Padre

Read Full Post »

Nossa Senhora do Carmo

Dom Eurico dos Santos Veloso

No dia 16 de julho,  comemoraramos a festa de Nossa Senhora do Carmo, padroeira da Ordem Carmelitana. Essa festa remonta aos anos de 1376 e 1386, quando adveio o pio costume de celebrar uma festa especial em honra de Nossa Senhora, em ação de graças pela aprovação pontifícia da Regra Carmelitana, pelo Papa Honório III, em 1226.

A data fixada de 16 de julho coincide, segundo a tradição carmelitana, com a data em que Nossa Senhora apareceu a São Simão Stock e lhe entregou o escapulário. Com o passar do tempo, no início do século XVII a data de dezesseis de julho se transformou em data oficial da “festa do escapulário” e, imediatamente, começou a ser celebrada também fora da Ordem Carmelitana. Em 1726, esta data solidificou-se como a festa da Virgem do Carmo por toda a Igreja do Ocidente, pela ação do Papa Bento XIII. No próprio da missa do dia não se faz menção ao escapulário ou à visão que teve São Simão; porém, ambos os fatos são mencionados nas leituras do segundo noturno das Matinas no antigo Breviário e o escapulário no prefácio especial usado pelos carmelitas.

A Ordem dos Carmelitas, uma das mais antigas na história da Igreja, embora considere o profeta Elias como o seu patriarca modelo, não tem um verdadeiro fundador, mas um grande amor: o culto a Maria, honrada como a Bem-aventurada Virgem do Carmo. “O Carmo – disse o cardeal Piazza, carmelita – existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual”.

Elias e Maria estão unidos numa narração que tem sabor de lenda. Refere o Livro das Instituições dos primeiros monges: “Em lembrança da visão que mostrou ao profeta a vinda desta Virgem sob a figura de uma pequena nuvem que saía da terra e se dirigia para o Carmelo (1Rs 18,20-45), os monges, no ano 93 da Encarnação do Filho de Deus, destruíram sua antiga casa e construíram uma capela sobre o monte Carmelo, na Palestina, perto da fonte de Elias em honra desta primeira Virgem voltada a Deus. Expulsos pelos sarracenos no século XIII, os monges que haviam entretanto recebido do patriarca de Jerusalém, Santo Alberto, uma regra aprovada em 1226 pelo papa Honório III, voltaram ao Ocidente e na Europa fundaram vários mosteiros, superando várias dificuldades, nas quais, porém, puderam experimentar a proteção da Virgem. Um episódio em particular sensibilizou os devotos: os irmãos suplicavam humildemente a Maria que os livrasse das insídias infernais. A um deles, Simão Stock, enquanto assim rezava, a Mãe de Deus apareceu acompanhada de uma multidão de anjos, segurando nas mãos o escapulário da ordem e lhe disse: ‘Eis o privilégio que dou a ti e a todos os filhos do Carmelo: todo o que for revestido deste hábito será salvo’”.

Numa bula de 11 de fevereiro de 1950, o Papa Pio XII convidava a “colocar em primeiro lugar, entre as devoções marianas, o escapulário que está ao alcance de todos”. Entendido como veste mariana, esse é de fato um ótimo símbolo da proteção da Mãe celeste, enquanto sacramental extrai o seu valor das orações da Igreja e da confiança e amor daqueles que o usam. Nossa Senhora é a nossa Mãe, colocada como insigne modelo de correspondência à graça e, ao contemplarmos a sua vida, o Senhor dar-nos-á luz para que saibamos divinizar a nossa existência vulgar.

Durante o ano, quando celebramos as festas marianas, e cada dia em várias ocasiões, nós, os cristãos, pensamos muitas vezes na Virgem Maria. Se aproveitamos, na festa que se avizinha, esses instantes, imaginando como se comportaria a nossa Mãe nas tarefas que temos de realizar, iremos aprendendo a pouco e pouco, até que acabaremos por nos parecermos com Ela, como os filhos se parecem com a sua mãe. Por isso somos chamados, como discípulos-missionários de Jesus, a imitar, em primeiro lugar, o seu amor. A caridade não se limita a sentimentos: há-de estar presente nas palavras e, sobretudo, nas obras. A Virgem não só disse fiat, mas também cumpriu essa decisão firme e irrevogável a todo o momento. Assim, também nós, quando o amor de Deus nos ferir e soubermos o que Ele quer, devemos comprometer-nos a ser fiéis, leais, mas a sê-lo efetivamente, porque “nem todo o que me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus; mas o que faz a vontade de meu Pai, que está nos Céus, esse entrará no reino dos Céus”.

Assim, unidos a todos as ordens Carmelitas, primários, secundários e terciários, particularmente os membros da Irmandade do Carmo da Sé Catedral de Juiz de Fora, queremos exortar a todos os fiéis que, seguindo a Maria, encontrem a Jesus, o verdadeiro sentido para que o amor de Deus recaia sobre cada um de nós. E que os sacramentais, sinais visíveis da graça de Deus, produzam seus frutos necessários de vida, de santidade, de disponibilidade total para um SIM permanente a convite de Jesus, para que sejamos missionários dentro da realidade em que estamos inseridos.

Virgem do Carmo, Rogai por nós!

Fonte: Servos da Rainha

Read Full Post »

Fonte/imagem/oração: http://www.areajesus.com/promessasscj.htm

Sagrado Coração de Jesus Promessas do Sagrado Coração de Jesus
As doze Promessas do Sagrado Coração de Jesus feitas a Santa Margarida Maria:

  1. Eu lhes darei todas as graças necessárias ao seu estado de vida.
  2. Eu farei reinar a paz em suas famílias.
  3. Eu os consolarei em todas as suas aflições.
  4. Serei seu refúgio seguro durante a vida e sobretudo na morte.
  5. Derramarei muitíssimas bênçãos sobre todas as suas empresas.
  6. Os pecadores encontrão em meu Coração a fonte e o mar infinito da misericórdia.
  7. As almas tíbias se tornarão fervorosas.
  8. As almas fervorosas elevar-se-ão rapidamente a grande perfeição.
  9. Abençoarei Eu mesmo as casas onde a imagem do meu Coração estiver exposta e venerada.
  10. Darei aos sacerdotes o dom de abrandar os corações mais endurecidos.
  11. As pessoas que propagarem esta devoção terão os seus nomes escritos
    no meu Coração e dele nunca serão apagados.
  12. No excesso da misericórdia do meu amor todo poderoso darei a graça da perseverança final aos que comungarem na primeira sexta-feira de nove meses seguidos.

_________________________________________________________________________________________________

ORAÇÃO AO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

Sagrado coração de Jesus, eu me consagro inteiramente a vós: minha pessoa, minha vida, minhas ações, trabalhos e sofrimentos, a fim de empregar tudo quanto sou e tenho, unicamente para colaborar convosco na construção de novos céus e de uma nova terra. Ó Coração Sagrado, eu vos escolho  para único objeto de meu amor, para protetor de minha vida, amparo de minha fragilidade e inconstância, reparação de todas as minhas faltas e auxílio seguro na hora de minha morte.

Coração de Jesus, ternura e bondade! Eu quero que toda minha felicidade seja viver e morrer no vosso serviço, dedicando-me aos meus irmãos. Amém!

Read Full Post »