Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \31\-03:00 2010

“(…) É dever do Estado cuidar da família e ajudá-la a realizar bem sua missão.” – Artigo – Cardeal Dom Odilo P. Scherer – Arcebispo de São Paulo – (Blog dos Casais Carmelitas)

Fonte: Missionários e Missionárias da Consolata:

“Vamos amar e cuidar de nossas crianças” – Exploração Sexual Infantil

Fonte/imagem: Novena – 9º dia Dia – Missionários e Missionárias da Consolata – Missões

__________________________________________________________________________________________________

Gostaria de manifestar o quanto me incomoda a naturalidade com que o meio político dominante na atualidade se posiciona a respeito da distribuição de preservativos nas escolas. Concordo totalmente com D. Odilo Scherer (no artigo abaixo) que vê nesta ação o incentivo à  atividade sexual precoce de crianças e adolescentes. Para mim, é uma tragédia nacional, tanto quanto, a legalização do aborto e o consequente atendimento de adolescente e mulheres adultas na rede pública. Explico-me: se a atividade sexual entre adultos gera  uma série de realidades não controláveis, imaginem  como anda a situação entre pré-adolescentes e adolescentes.  Há uma cultura de liberdade sexual, a qual as crianças e adolescentes são incentivados precocemente, com a ressalva da “proteção” contra as doenças venéreas, Aids e gravidez. Ainda mais, se uma gravidez inesperada acontecer entre as jovens dessas faixas, poderiam se “livrar” do problema através do serviço público. Tal decisão seria  facilitada pelo exemplo das mães, de todas as idades, que do SUS se utilizariam em momentos considerados pouco convenientes para uma gravidez… Acho desagradável pensar que boa parte da Europa, Leste europeu e Ásia aderiram, infelizmente, à cultura do descarte da vida ainda no ventre das mulheres. Eu condeno a ação governamental que manipula dados sobre mortes de mulheres em clínicas de aborto precárias e outras alternativas também precárias, para tornar o aborto uma prática pública. No entanto, acho que esta decisão é de foro íntimo, e em si mesma, traz graves consequências à psique feminina. Portanto, tal como Jesus, devemos ter em mente que há lugar para o arrependimento profundo, não cabendo a ninguém pessoalmente condenar a mulher que o praticou. Aos olhos de Deus  e diante de si própria sabe do peso de seu ato.

Através de diversos estudos feitos pela Igreja e outros organismos, foi demonstrado que as mulheres que decidem pelo aborto, de modo consciente ou inconsciente, acabam carregando ao longo de suas vidas o peso da culpa por um aborto efetivado, são depressivas, angustiadas. Por consequência, recorrem a algum tipo de alívio,  tornando-se, em geral,  dependentes do álcool.

Lembro que, pouco antes de morrer, parece-me que Johnson, da dupla de cientistas famosos Master e Johnson, dos EUA, voltou atrás  à respeito de uma declaração bombástica feita na década de 70. Havia dito à imprensa  que “milhões” de mulheres morriam no país devido à práticas abortivas, porque estava em busca de fundos para pesquisas. Se disse arrependido com relação à legalização do aborto, e pateticamente, admitia que, de fato, o número ficava na casa de milhares no país… A lei de legalização foi rapidamente aprovada na época. Agora as clínicas de aborto são, não se pode dizer, bilionárias, mas com certeza, milionárias…

Horror dos horrores é, a meu ver, a prática do aborto legalizado e público. Soube que há campanhas nos Estados Unidos para reverter a lei federal que deixa aos estados a decisão para descriminalizar o aborto. Por que experimentaríamos esta “rotina” nefasta, mortífera em si, se enquanto povo, certamente haverá arrependimento, tal como está acontecendo com a maior parte do povo norte-americano?

Reflitamos sobre as palavras de Dom Odilo Scherer, Arcebispo de São Paulo.

__________________________________________________________________________________________________

Fonte: Blog dos Casais Carmelitas

REFLEXÃO

Agosto de 2010

E a família, como vai?

Cardeal Odilo P. Scherer
Arcebispo de São Paulo

“Desejo, pois, dirigir-me a todas as famílias e dizer-lhes que são uma grande bênção de Deus! A família deveria ser reconhecida pela ONU como um “patrimônio da humanidade!” Se há cidades, monumentos e ruínas antigas que recebem esse reconhecimento, quanto mais ele caberia bem para a família, que tanto bem realizou e ainda realiza no presente, à pessoa, à sociedade!

Não vou tratar aqui dos problemas familiares, das crises do casal, das dificuldades na educação dos filhos, dos desencontros que inevitavelmente surgem ao longo da vida e das famílias mal constituídas ou fracassadas. Tudo isso, sem dúvida, existe, mas não coloca em dúvida a importância da família. Quero falar bem da família, da sua importância na vida das pessoas, da sociedade e da Igreja. Ela presta um serviço insubstituível à pessoa, desde o seu nascimento até à morte e se revela fundamental, sobretudo, nas fases extremas da vida, na infância e na velhice, quando as pessoas são quase inteiramente dependentes da ajuda e da proteção de outros. Imaginemos a criança recém-nascida, sem o aconchego familiar… Ou o doente, a pessoa idosa, já incapaz de se ajudar…

A família está fundada sobre as bases da natureza e do amor, ela é humanizadora e “personalizadora” e faz com que o indivíduo não se sinta isolado no mundo, ou um objeto útil para outros fins, mas um sujeito em diálogo com outros sujeitos e participante de um grupo de base, onde a pessoa vale por ela mesma, e não porque ela pode ser útil ou interessante para a sociedade, para o sistema econômico ou político.

A família também é um bem para a grande sociedade. Continua valendo o princípio afirmado há muito tempo pela Doutrina Social da Igreja e pela antropologia cristã: a família é a célula básica da sociedade, uma instituição natural que precede a sociedade política; ela é intermediária entre o indivíduo e o Estado, com a diferença que neste pequeno núcleo de relações humanas, a pessoa conta por ela mesma, e não apenas pelo interesse que ela possa ter para a sociedade. Se a grande sociedade descuida da família, ela destrói suas próprias bases. Existem estudos científicos recentes, do ponto de vista sociológico e antropológico, que deixam claro: onde o cidadão está amparado por uma família, a sociedade tem mais solidez e coesão; e o Estado tem muito menos problemas para resolver na educação, na saúde, na formação do senso ético, na superação da violência. E, ao invés disso, muito maiores problemas de violência, de abandono de pessoas, de depressão são constatados onde as relações familiares estão comprometidas, ou não existem.

Em tempos de campanha eleitoral seria bom ouvir dos candidatos a todos os cargos em questão, do Executivo e do Legislativo, quais são suas convicções e propostas de políticas públicas para a família. Como pretende proteger e defender a família natural, formada a partir da união de um homem com mulher? Como pretende promover a paternidade e a maternidade responsável? O que pensa do aborto? Da eutanásia? Da união civil de pessoas do mesmo sexo? Do incentivo à atividade sexual precoce de crianças e adolescentes, mediante a distribuição de preservativos nas escolas?

Faria bem o Estado, se investisse mais na família através de políticas públicas para incentivar os jovens a formar famílias bem constituídas. Se alguém pensa que isso é discurso “moralista” ou “religioso”, está muito equivocado, pois é dever do Estado cuidar da família e ajudá-la a realizar bem sua missão. Se as famílias conseguem conviver num espaço digno, educar bem os filhos, encaminhá-los na vida para serem pessoas de bem, isso será um ganho para toda a sociedade e o Estado.

Pela importância antropológica, educativa, econômica e política que a família tem, bem que o futuro Governo Federal poderia instituir um Ministério da Família, que se ocupasse do amparo e do incentivo à família. Seria uma enorme ajuda ao próprio Estado, que passaria a se preocupar mais diretamente com as pessoas, suas situações e necessidades. Será que é demais, sonhar com isso? Espero que não.”

Cardeal Odilo P. Scherer
Arcebispo de São Paulo

P.S. Este artigo foi publicado no jornal “O São Paulo”, da Arquidiocese de São Paulo, e divulgado em zenit.org.

Postado por Carlos Eduardo, Adinéia Maria – http://casaiscarmelitas.blogspot.com/ – OCDS – Comunidade Santa Teresa ((16.08.2010)

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Publicado em Blog dos Casais Carmelitas  – OCDS – Província Nossa Senhora do Carmo – Curitiba-PR.

Read Full Post »

“Compadecer é ‘sofrer com’. Ter compaixão é a virtude de compartilhar o sofrimento do outro.(…)” – José Roberto Goldim (Estudos de Bioética – UFRGS)

William-Adolphe Bouguereau(1825-1905) - "Compassion" (1897)

Nosso tempo é marcado por duas características: a indiferença e o individualismo. Ambos já permeiam até mesmo o convívio familiar. Falas ou mensagens rápidas pelo celular; e-mails raros e telegráficos – cartas, nem pensar, e visitas – bem, a agenda está cheia para a maioria. Não devia ser assim porque o tempo deve ser vivido por nós e não o contrário – ele nos apressar, até quando não é necessário. Vivemos em uma sociedade superficial e volúvel. Não devíamos abrir mão de nossos afetos por uma suposta falta de tempo. Quando nosso coração está partido, ou enfrentamos todo tipo de dificuldades que podem surpreender-nos ao longo da vida,  podemos “estranhamente” receber a mesma falta de tempo

Acredito que não é uma regra, mas a pressa, a superficialidade estão pautando os relacionamentos. Fica um vazio que nada preenche, simplesmente porque nada pode preencher o lugar do amor. As cidades estão cheias de pessoas vazias por sua própria conta, enquanto outras se encontram esvaziadas de amor…

O padre Antônio Francisco Bohn, da Folhinha do Sagrado Coração, afirma o seguinte:

“A compaixão é que torna o coração verdadeiramente humano. Ela é uma virtude. (….) Inicie suas atividades com o pensamento voltado para o Sagrado Coração de Jesus. Você é a beleza da vida, obra-prima do Criador, a síntese de seu amor. Jesus deve estar em seu pensamento e no seu caminho. Nele você deve confiar todos os seus atos em cada minuto deste dia. Só um espírito bom pode ser compassivo. Quem se compadece dos outros, de si próprio se lembra. A compaixão se manifesta por atos e nela é essencial a bondade. Quando a pessoa tem compaixão das demais, Jesus tem compaixão dela. A compaixão é a misericórdia que se inclina sobre a miséria e mostra a grandeza da alma.”

Tenho pensado que a compaixão parece que deixou de ser um valor universal, e lamentavelmente, a razão pode se dever ao fato, entre outros, de nos permitirmos viver com um um mínimo de afetividade. Vamos ficando cada vez mais vez mais áridos, vazios.

Talvez precisemos retomar o “trabalho da formiguinha”: cada um de nós pode não ter mais influência sobre toda uma cultura de falta de compaixão, indiferença, mas, é certo que podemos fazer a nossa parte…  Podemos nos dar uma chance de termos compaixão quando a circunstância se apresenta à nossa frente. Podem ter certeza que seu peito se aquecerá neste gesto…

Bom domingo a todos, e que Deus tenha sempre compaixão de nós Amém.

(LBN)

………………….

Fonte/imagem: http://www.territorioscuola.com/wikipedia/pt.wikipedia (termo “Compaixão)

_________________________________________________________________________________________________

Compaixão, Simpatia e Empatia



José Roberto Goldim


A Compaixão, a Simpatia e a Empatia nem sempre são adequadamente entendidas. Cada uma destas palavras é ambígua, ou seja, pode assumir diferentes significados, e todas podem ser confundidas entre si. Um ponto comum todas é que se referem a uma relação frente ao sofrimento.

A palavra compaixão, tem origem latina, enquanto que simpatia e empatia têm origem grega.

Compadecer é “sofrer com“. Ter compaixão é a virtude de compartilhar o sofrimento do outro. Não significa aprovar suas razões, sejam elas boas ou más. Ter compaixão é não ter indiferença frente ao sofrimento do outro. David Hume, quando definiu o termo Simpatia, no seu Tratado da Natureza Humana (A Treatise of human nature. 1738) dizia: “Ninguém é completamente indiferente a felicidade ou a miséria dos outros”. Algumas pessoas entendem que isto não é uma virtude, mas sim um sentimento, que pode receber a denominação de Simpatia ou de Empatia.

Também existe a confusão entre Compaixão e Piedade, que é sentir-se triste com a tristeza dos outros. A Piedade aumenta a tristeza, a infelicidade. Esta confusão se ampliou com a obra de Scheler “Sympathie”, escrita em 1923. Nesta obra Scheler equiparou Simpatia com Piedade.

A idéia de que a Simpatia é um sentimento que vincula as pessoas umas às outras foi proposta por David Hume. Em seu livro Tratado da Natureza Humana, escrito em 1738, ele propôs que:

Nenhuma qualidade da natureza humana é mais importante, quer por si, quer por suas consequências, do que a propensão que nós temos para simpatizar uns com os outros, para receber por comunicação suas inclinações e seus sentimentos, por mais diferentes que eles sejam dos nossos, ou mesmo contrários… A este princípio é que devemos atribuir a grande uniformidade que podemos observar nos humores e nos modos de pensar dos membros de uma mesma nação: é muito mais provável que esta semelhança surja da simpatia do que da influência do solo e do clima, os quais ainda que permaneçam os mesmos, não conseguem manter inalterado por um século inteiro o caráter de uma nação.”

John Gregory,  o grande médico escocês que estabeleceu, no século XVIII, as bases para a Ética Médica contemporânea, afirmava que a Simpatia era fundamental para uma adequada relação médico-paciente. Adam Smith, que neste mesmo período era professor de Ética também em Edimburgo, tomando as idéias de Hume por base, propôs que a Simpatia é  base da vida moral, entendendo-a como a “faculdade de participar das emoções de outrem, sejam elas quais forem” (Theory of Moral Sentiments, 1759). Todos estes autores fizeram parte do movimento caracterizado como  Iluminismo ou Esclarecimento Escocês.

Empatia, por sua vez, é olhar com o olhar.do outro, é considerar a possibilidade de uma perspectiva diferente da sua. A falta de empatia é desconsideração, é não permitir diferentes percepções. A falta de empatia desconsidera a pessoa em si, os seus valores, o seu sistema de crenças ou os seus desejos. Para alguns a Empatia refere-se a Estética, e não a Ética propriamente dita.

Em suma, a Empatia é sentir-se como se sentiria caso se estivesse na situação e circunstâncias experimentadas por uma outra pessoa.

Na obra “A História do Rei Lear” (texto quarto, cena 13), William Shakespeare descreve magistralmente o que é esta relação  com o sofrimento.

Edgar
(…) Quem sofre sozinho, sofre muito mais em sua mente (espírito). Deixa para trás a liberdade e a alegria. Mas a mente (espírito) com muito sofrimento pode superar-se, Quando a dor tem amigos e suportam a sua companhia, quão leve e suportável a minha dor parece agora. (…)


Shakespeare W. The Complete Works.  Oxford: Clarendon, 1991:928-929.
Comte-Sponville A. Pequeno tratado das grandes virtudes. São PAulo: Martins Fontes, 1005:115-129.



Modelo das Virtudes
Modelos Explicativos em Bioética
Conceitos Básicos – Bioética
Página de Abertura – Bioética

Texto incluído em 14/02/1999 e atualizado em 28/02/2006
(C)Goldim/1999-2006

Read Full Post »

Sem identidade nem ajudas: a dolorosa sorte dos refugiados cristãos no Paquistão (Agência Fides – 26.08.2010)

Fonte/imagem: Blogue da Paróquia do

Santíssimo Sacramento – Portugal

Artigo sobre Igreja Primitiva – Primeiras Igrejas

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Fonte: Agência Fides

26.08.2010
ÁSIA/PAQUISTÃO – Sem identidade nem ajudas: a dolorosa sorte dos refugiados cristãos

Multan (Agência Fides) – Mais de 200 mil refugiados cristãos e 150 mil hindus no Sul da província do Punjab estão sendo excluídos das ajudas humanitárias e ainda aguardam uma mínima assistência para sobreviver. É o alarme lançado pela Caritas e outras ONGs presentes na área, que confirmam a discriminação na distribuição das ajudas em detrimento dos refugiados pertencentes a minorias religiosas. 600 mil refugiados cristãos e hindus na província meridional de Sindh estão sofrendo a mesma sorte de abandono e exclusão – dizem fontes da Fides. As ajudas,nesta fase de emergência são insuficientes e administrada por funcionários do Governo próximos ao extremismo islâmico ou a organizações humanitárias muçulmanas, que fazem discriminação sistemática na distribuição. “A estes deslocados cristãos e hindus faltam tudo, aguardando indefesos sem nenhum refúgio. “Os deslocados cristãos muitas vezes ignorados. Sua sobrevivência está em risco grande “, disse à Fides um voluntário que atua em nível local. “Os cristãos deslocados são frequentemente ignorados: não são propositadamente identificados e registrados. Dessa forma são automaticamente excluídos de qualquer assistência médica ou alimentar, porque “não existem”, diz a fonte da Fides. Especialmente no sul do Punjab estão ativas diversas organizações extremistas islâmicas que estão aproveitando dessa tragédia para atingir ainda mais as minorias religiosas. Muitos destes grupos, ressalta a fonte de Fides, se improvisaram “organizações caritativas” e se registraram como ONGs locais, mas seu trabalho consiste em eliminar os cristãos e o desastre lhes dá uma oportunidade favorável.

Nazir S. Bhatti, presidente do “Pakistan Christian Congress disse num comunicado que “ódio anticristão impede o alcance da ajuda em muitas áreas”, e pediu ao Governo “fundos específicos a serem destinados às minorias religiosas”. Ele convidou todos os doadores “manterem como ponto de referência a Caritas do Paquistão”.
Por enquanto, a Caritas da Diocese de Multan, em coordenação com a Caritas do Paquistão e com as autoridades locais, implementou um plano de ação para ajudar os refugiados no sul de Punjab, buscando alcançar os cristãos e hindus abandonados, divididos em sete distritos, entregando tendas, alimentos, água potável e fornecendo assistência médica através da unidade de pequenos socorros, compostas de animadores, voluntários, médicos e paramédicos que andam pelo território. (PA) (Agência Fides 26/8/2010)

________________________________________________________________________________________________

Retrospectiva
……………….

Fonte: Veja – Internacional –  http://veja.abril.com.br/100299/p_052.html

10.02.1999

Guerra ímpia

Discriminados por sua crença, cristãos são
vítimas de atrocidades em três países da Ásia

Uma menina de 7 anos é estuprada por quatro vizinhos e quem termina na cadeia é o pai dela. O caso aconteceu numa região pobre do norte do Paquistão. A pequena Nagina voltava da escola quando quatro homens a cercaram, arrastando-a para uma estrebaria. Os gritos da menina chamaram a atenção dos moradores da aldeia de Shekhupura, inclusive de seu pai, Ghulam Masih. Ele chegou a ver os agressores, filhos de um vizinho, em volta da menina deitada com as pernas cobertas de sangue. Os criminosos fugiram enquanto Ghulam levava a filha para um hospital, onde ela ficou semanas internada com graves ferimentos internos e tão traumatizada que não conseguia falar. Horrorizadas, muitas testemunhas se dispuseram a denunciar os quatro irmãos. Eles passaram seis semanas na cadeia e foram libertados. Hoje, dois anos depois do brutal ataque a Nagina, seu pai está preso, sujeito a pena de morte. Nesse período, ele foi torturado, mantido em cativeiro sem direito a defesa e acusado de um assassinato cujas únicas testemunhas são nada menos que os estupradores de Nagina. A lógica que liberta os agressores e prende a vítima é simples: Ghulam é cristão e os estupradores, muçulmanos.

Por mais absurda que pareça no mundo contemporâneo, a perseguição religiosa existe e está aumentando. Em contextos políticos distintos, minorias católicas ou protestantes estão sendo vítimas de agressões variadas que se intensificaram nos últimos meses em três países asiáticos: Índia, Indonésia e Paquistão. Em comum entre eles, a miséria, a superpopulação e a ferocidade dos confrontos. Em Ambon, uma ilha da Indonésia, o auge dos conflitos entre muçulmanos e cristãos há duas semanas deixou uma paisagem de praça de guerra e 65 mortos, a maioria vítima de linchamentos — e a matança está longe de ter chegado ao fim. No final do mês passado, na Índia, um missionário australiano e dois filhos, de 6 e 10 anos, morreram quando uma gangue de fundamentalistas hindus ateou fogo ao carro onde dormiam. O missionário protestante prestava assistência aos leprosos indianos desde 1965. Em dez meses, mais de 100 cristãos foram espancados e dezenas de casas e igrejas foram queimadas por fundamentalistas hinduístas, o dobro do total de casos registrados nos últimos cinqüenta anos.

Violência legalizada — Fanatismo não é novidade no Paquistão. Ao contrário, a Indonésia, embora abrigue a maior população muçulmana do mundo, nunca havia sido marcada por sectarismo religioso flagrante. A crise econômica transformou o país num caldeirão de ódios variados. Diante da escalada da intolerância dos últimos meses, há quem suspeite até que os conflitos venham sendo incitados por agentes do ditador Suharto, deposto em maio do ano passado. Um padre de Jacarta tem uma explicação mais plausível: “Nesses tempos de desespero e exaustão, a sociedade está perdendo a capacidade de lidar com o pluralismo”. Na Índia, o extremismo religioso do tipo que custou a vida ao pai da independência, Mahatma Gandhi, ganhou impulso renovado com a eleição do governo liderado pelo Bharatiya Janata, um partido que prega a preponderância do hinduísmo há onze meses.

Mais prósperos, os cristãos indonésios têm condições melhores para se defender e revidar os ataques. Miseráveis ao extremo, os paquistaneses são os mais desprotegidos. Lá, a violência anticristã se escora na lei. Em julho de 1992, os tribunais do Paquistão perderam independência e credibilidade internacional com a aprovação de uma lei contra blasfêmia que assim se enuncia: “Qualquer pessoa que, por meio de palavras, ditas ou escritas, ou por representação visível, ou por qualquer acusação, alusão ou insinuação, direta ou indiretamente, insulte o Santo Profeta Maomé deve ser punida com a morte”. Uma lei que prevê o cadafalso até por causa de insinuações se presta a todo tipo de arbitrariedade, desde vinganças pessoais até a rapina dos bens dos acusados por vizinhos cobiçosos.

Filhas roubadas — Uma discussão sobre a posse de alguns pombos, por exemplo, acabou com a condenação a morte de três cristãos em 1994. A acusação, de que tinham escrito ofensas ao profeta nas paredes de uma mesquita, ruiu quando o juiz constatou tratar-se de analfabetos. Soltos, os três foram metralhados por fanáticos muçulmanos. “As coisas começaram com leis de proteção ao nome do profeta e terminaram num massacre institucionalizado”, diz a escritora paquistanesa Shazia Alam. Seu pai, o pastor presbiteriano Noor Alam, foi assassinado dentro de casa por três muçulmanos. A igreja que havia terminado de construir virou pó em um incêndio criminoso.

Numa demonstração de que a perseguição aos cristãos é semi-oficial no Paquistão, a polícia trabalhou em conjunto com uma família muçulmana para tirar três filhas adolescentes de um casal de cristãos, Sima e Khushi Masih (o sobrenome é comum entre os cristãos paquistaneses). Atraídas por presentes, as garotas haviam-se convertido ao islamismo e foram entregues à família vizinha contra a vontade delas. Os pais levaram o caso à Justiça, e as meninas acabaram num reformatório, pois o juiz não aceitou que muçulmanas fossem criadas por cristãos. Sima e Khushi, que têm outros três filhos, resignaram-se. As filhas convertidas e roubadas pelo menos estão mais protegidas do que o resto da família. (Veja – Internacional – 10.02.99)

Publicado em Veja Internacional.

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Observação: Este blog não fins comerciais.

Read Full Post »

“O erro nunca se mostra de facto tal qual é, com receio de que, colocado a nu, seja denunciado; antes se disfarça (…) de tal modo que pareça – que coissa ridícula esta! – mais verdadeiro que a própria verdade, graças a esta aparência exterior e aos olhos dos ignorantes.” – Santo Irineu (130-200)

Fonte/imagem: http://www.aascj.org.br/

……………………………………………………………………………..

Pensei o seguinte sobre o escrito abaixo, de Santo Irineu: todos os cristãos devem ter (ou tentar ter) os pés na terra e o pensamento no Céu. Já lá no primeiro século do Cristianismo já alertava seus “paroquianos” sobre a ação, a intenção, por exemplo, de dirigentes políticos, ou até de líderes religiosos. Fala da pedra tomada como preciosa, que não é senão vidro. Penso que esta análise é análoga aos discursos, principalmente políticos atuais, repletos de raciocínios singelos, que, no entanto, nada têm de simples; pelo contrário: são simplistas. “Palavras-pluma”, eu diria, que escondem intenções sub-reptícias.

Assim, quase 1.900 anos depois, ainda é válida a sua explanação sobre o mascaramento da verdade , o que evidencia que esta intenção é essencialmente humana. No entanto, Santo Irineu que eram bem preparado para enfrentar a mentalidade pagã da época nos indica alguns cuidados essenciais à manutenção de uma vida cristã. Podemos adaptar suas palavras ao nosso tempo perfeitamente, já que o relativismo moral dominante evidencia que nossa época se deixa nortear por uma cultura neo-pagã. (LBN)

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Fonte: Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC)

Pregação de Santo Irineu sobre a verdade

O erro nunca se mostra de facto tal qual é, com receio de que, colocado a nu, seja denunciado; antes se disfarça fraudulentamente sob uma veste de verosimilhança, de tal modo que pareça – coisa ridícula esta! – mais verdadeiro que a própria verdade, graças a esta aparência exterior e aos olhos dos ignorantes. Como dizia a propósito um homem superior a mim: ‘a pedra preciosa, como a esmeralda, de grande valor aos olhos de alguns, vê-se insultada por um pedaço de vidro habilmente trabalhado, se não se encontra alguém capaz de proceder a um exame capaz de desmascarar a fraude…'”

“Participam da vida os que veem a Deus, porque é o esplendor de Deus que dá a vida. Por isso, Aquele que é inacessível, incompreensível e invisível, torna-se visível, compreensível e acessível para os homens, a fim de dar vida aos que o alcançam e veem. Porque é impossível viver sem a vida; e não há vida sem a participação de Deus, participação que consiste em ver a Deus e gozar da sua bondade.”

“A glória de Deus é o homem vivo, e a vida do homem é a visão de Deus. Com efeito, se a manifestação de Deus, através da criação, dá a vida a todos os seres da terra, muito mais a manifestação do Pai, por meio do Verbo, dá vida a todos os que veem a Deus.”

Santo Ireneu (c. 130 – c. 200)

Publicado em Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC)

Read Full Post »

“É essencial prestar muita atenção às instituições que se escolhem para enviar fundos: existem falsas ONGs, nascidas para especular e apropriarem-se dos fundos, ou associações ligadas a grupos integralistas islâmicos” – Declaração de Dom Joseph Coutts, Bispo de Faisalabad e presidente da Cáritas Paquistão à Agência Fides

Fonte: Agência Fides

23.08.2010

ÁSIA/PAQUISTÃO – “Atenção às falsas ONGs”: apelo de Dom Coutts aos doadores

Até 20 milhões de pessoas ficaram desabrigadas pelas inundações (Imagem/legenda: BBC - Notícias/Brasil)

Faisalabad (Agência Fides) – Neste momento de grande mobilização de ajudas humanitárias, “é essencial prestar muita atenção às instituições que se escolhem para enviar fundos: existem falsas ONGs, nascidas para especular e apropriarem-se dos fundos, ou associações ligadas a grupos integralistas islâmicos. Mesmo no mundo cristão se multiplicam as organizações de caridade, sobretudo na área protestante: somente em
Faisalabad existem mais de 50. O meu apelo é para escolher a Caritas, uma instituição crível e transparente, expressão oficial da Igreja Católica”: foi o que disse, numa à Agência Fides, Dom Joseph Coutts, Bispo de Faisalabad e presidente da Cáritas Paquistão, engajada no trabalho de socorro das vítimas das inundações. Dom Coutts anunciou que no domingo, 24 de agosto, a Igreja no Paquistão vai parar a fim de rezar pelas vítimas das inundações e pelos refugiados.

Como a Caritas está trabalhando na ajuda humanitária?
A Igreja no Paquistão, através da Caritas, mobilizou os seus recursos em todos os níveis. Estamos em contato com as redes da Cáritas Internacional e nos beneficiamos das preciosas ajudas de outras nações, um esforço conjunto de grande espessura, mas em nível local, as escolas, paróquias, pequenas instituições cristãs em todo o país estão fazendo o seu melhor, proporcionando estruturas para o acolhimento, coleta de alimentos e ajudas. O nosso compromisso prossegue ao lado de instituições da sociedade civil, que visam coordenar os esforços.

Teve noticias sobre a discriminação dos cristãos deslocados, excluídos das ajudas?
Embora doloroso em momentos como estes, em primeiro plano, existe sempre a solidariedade, é possível que essa discriminação aconteça em algumas áreas, onde já as minorias cristãs são perseguidas e excluídas. Anuncia-se para eles um grande sofrimento, que tentaremos de todas as maneiras abater. Em todo caso, a resposta da Caritas é o amor sem condições: prestar assistência e socorro a todos os deslocados sem discriminação, e 99% são muçulmanos. O nosso espírito é o do Bom Samaritano, que não olhou a carteira de identidade do homem para ajudá-lo.

Existem informações sobre tráfico de seres humanos, sobretudo crianças, entre os deslocados?
A fase que vivemos é o muito delicada: no êxodo que continua, enquanto se organizam as ajudas, é possível que se infiltrem organizações criminosas envolvidas no tráfico de crianças. Pedimos ao Governo e à polícia para prestar atenção e vigiar atentamente sobre esse fenômeno que poderia se unir ao desastre natural um flagelo para as crianças.

O que dizer aos doadores de todo o mundo?
Gostaria de alertara para alguns riscos: é fundamental prestar atenção nas instituições que optarem por enviar recursos. Existem falsas ONGs que nasceram para especular e apropriarem-se dos fundos, ou associações ligadas a grupos integralistas islâmicos. Mesmo no mundo cristão se multiplicam as organizações de caridade, sobretudo na área protestante: somente em Faisalabad existem mais de 50. O meu apelo é para escolher a Caritas, uma instituição crível e transparente, expressão oficial da Igreja Católica.

A comunidade cristã é também ativa no âmbito espiritual?
A oração é muito importante para nós, enquanto nos conduz nos eventos dolorosos ao relacionamento com Deus: no domingo, 24 de agosto, como Conferência Episcopal do Paquistão fixamos em todas as igrejas do país uma vigília de oração especial elas vítimas das inundações, pelos sobreviventes, mortos e deslocados. Pedimos a todos os cristãos em todo o mundo para que se unam nesta oração, apoio e para que rezem também para ajudar aqueles que estão se dedicando inteiramente na ajuda aos deslocados. Nisto agradecemos ao Santo Padre por suas orações e seus apelos em favor do povo paquistanês.

Que problemas vão encontrar nos próximos meses?
O principal problema será a segurança alimentar: a colheita foi destruída pelas inundações e muitas famílias de agricultores perderam suas reservas guardadas para os próximos meses, mas se a inundação não baixar rapidamente, se perderá também a próxima colheita, a de outono, o que significa uma catástrofe alimentar, com grande sofrimento, fome e miséria para milhares de famílias. Também milhares de animais morreram: eles eram a única fonte de sobrevivência para muitas famílias. Se pensamos que a água que ainda alaga as planícies, cidades e povoados não é potável e é uma fonte de infecções, entendemos os graves riscos graves que milhões de pessoas estão expostas. É urgente uma ação internacional para evitar isso. (PA) (Agência Fides 23/8/2010)

Read Full Post »

Inundações no Paquistão: “É urgente focalizar parte da ação humanitária em favor dos menores.” – Shamsa Rizwan, advogada de Islamabad, responsável pela seção paquistanesa da organização não-governamental” Childhealth Advocay International (CAI), em entrevista à Agência Fides.

Fonte: Agência Fides

Sobreviventes das inundações do Paquistão caminham por área alagada na região de Tando Hafiz Shah, em 21 de agosto. (AFP: imagem/texto da legenda)

Islamabad (Agência Fides) – “Embora os esforços de resgate estão concentrados na coleta e disposição dos deslocados que continuam a aumentando, o número de crianças desaparecidas, e mães que choram seus filhos desaparecidos, aumentou excessivamente. É urgente focalizar parte da ação humanitária em favor dos menores”: é o alarme lançado numa entrevista à Agência Fides por Shamsa Rizwan, doutora de Islamabad, responsável pela seção paquistanesa da organização não-governamental” Childhealth Advocay International (CAI). A ONG atua há anos no país para a proteção, saúde e educação das crianças, sobretudo refugiados e deslocados internos devido a catástrofes naturais ou conflitos.
Após as enchentes, a CAI está engajada em algumas operações de salvamento no Vale do Swat e Noshera, e organizou um curso de formação intensiva para os voluntários que trabalharão em casas de acolhimento, que abrirão e 1° de setembro, para a identificação e assistência às crianças deslocadas.
Segundo estimativas oficiais, as crianças menores de 14 anos atingidas pelas inundações são cerca de seis milhões. O UNICEF anunciou que mais de 3,5 milhões de crianças correm perigo de morte por causa das infecções e poluição da água. Numerosas ONGs locais relataram à Agência Fides, a dramática situação das crianças desaparecidas, órfãos ou doentes, que tiveram a vida devastada pelas inundações: “Eles são as vítimas mais vulneráveis da pior catástrofe natural da história de seu país”, ressalta à Fides, Shamsa Rizwan. Muitos perderam seus pais: os adolescentes de 14 anos devem cuidar dos irmãos mais novos, sem nenhuma ajuda dos adultos.
“Hoje é urgente o problema da nutrição, da água e de milhares de crianças desaparecidas e não identificadas. Ninguém se importa especificamente desses pequenos” – observa alarmada a responsável pelo CAI-Paquistão. “Esta situação de caos é uma oportunidade para as redes de traficantes de seres humanos. Depois das cheias, o fenômeno do desaparecimento de crianças está aumentando. Aconteceu, por exemplo, o caso de uma menina, salva in extremis por um voluntário: aproximou-se dela um homem que a prometeu alimento, mas que queria sequestrá-la. As crianças precisam de proteção, são os alvos mais fáceis. Pedimos ao governo que favoreça intervenções específicas”.
A CAI e outras ONGs estão tentando organizar abrigos para a identificação de crianças e o reagrupamento familiar, mas não é fácil se mover, observam eles, numa situação de caos generalizado e falta de ajudas humanitárias.
As inundações e o deslocamento irão aumentar o fenômeno já grave no Paquistão: segundo um recente estudo da ONG “Plan”-Paquistão – que trabalha para proteger os menores – publicado no início de agosto de 2010, os casos de desaparecimentos ou sequestros de crianças chegam a 3.000 por ano. Muitas não são encontradas: são vítimas de traficantes. O fenômeno cresce – ressalta o “Plan”, por causa do fraco sistema de proteção de menores existente no país. Nos últimos 18 meses, segundo o relatório, os casos de desaparecimentos registrados nas principais cidades do Paquistão, são mais de 4.300.
Segundo dados fornecidos pela Agência Fides por outra ONG local “Madadgaar Helpline” – que criou uma linha de telefone para assinalar os abusos contra menores – nos últimos dez anos (2000-2010) desapareceram 10.511 crianças (sobretudo após eventos que causaram vários deslocados) e o fenômeno mostra uma clara tendência de aumento. (PA) (Agência Fides 21/08/2010)

Read Full Post »

Fonte: Paróquia – Igreja Nossa Senhora Rainha – Padroeira – Belo Horizonte – MG

Nossa Senhora Rainha

A data de 22 de agosto foi instituída pelo Papa Pio XII para celebrar a Memória de Nossa Senhora Rainha, que visa louvar o Filho, pois já dizia o Cardeal Suenens: ” Toda devoção a Maria termina em Jesus, tal como o rio se lança no mar “.

Paralela ao reconhecimento do Cristo Rei encontramos a realeza da Virgem a qual foi Assunta aos Céus! Mãe da Cabeça, dos membros do Corpo místico e Mãe da Igreja; Nossa Senhora é aquela que do Céu reina sobre as Almas cristãs, a fim de que haja a salvação:

“É impossível que se perca quem se dirige com confiança a Maria e a quem Ela acolher” (Santo Anselmo).

Nossa Senhora Rainha desde a Encarnação do Filho de Deus, buscou participar dos Mistérios de sua vida, como discípula, porém sem nunca renunciar sua maternidade divina, por isso o Evangelista São Lucas a identifica entre os primeiros cristãos: “Maria, a mãe de Jesus”(Atos 1,14). Diante desta doce realidade de se ter uma Rainha no Céu que influencia a terra, podemos com toda a Igreja saudá-la : ” Salve Rainha ” e repetir com o Papa Pio XII que instituiu e escreveu a carta encíclica À Rainha do Céu : “A Jesus por Maria. Não há outro caminho “.

Nossa Senhora Rainha…rogai por nós!

………………………………………………………………..

ORAÇÃO À NOSSA SENHORA RAINHA

Ó minha Senhora e
minha Mãe, Rainha
e Serva fiel do Senhor!

A ti venho confiadamente
entregar todo o
meu ser para que da fonte inesgotável
do Amor me ensines a beber!

Salve Rainha,
Mãe de Misericórdia!

Se te invocamos como Rainha é porque
antes foste Serva, em quem se realizou
a vontade do Senhor!
Bendita és Tu entre as mulheres, cujo
Bendito Fruto te elevou
às mais altas alturas do humano louvor.
Santa Maria, Mãe de Deus!
Caminha conosco na terra,
intercede e protege os filhos teus.
E faz-nos chegar um dia, por Jesus, contigo aos céus!

Amém!

(Pe. Alexandre Fernandes de Oliveira)

Publicado em Paróquia Nossa Senhora Rainha.

Read Full Post »

Older Posts »