Feeds:
Posts
Comentários

Archive for abril \28\-03:00 2010

“Da pureza e simplicidade do coração” – IMITAÇÃO DE CRISTO (Livro II, Cap. IV)

Fonte/Imagem: Formação dos Catequistas Ano LitúrgicoParóquia de São Sebastião de Ipu – Ceará

**********************************************************************************************************

Alguns contratempos, graças a Deus, já devidamente resolvidos, além de meu envolvimento em uma revisão de texto longo e complexo (que está na metade), me impediram de movimentar o Blog “Castelo Interior”, dedicado a Santa Teresa de Avila (de Jesus), santa fundadora do Carmelo Descalço (viveu no século XVI).

Saúdo a todos,  tal como Jesus Cristo nos ensinou: “Que a Paz reine nesta casa”. Amém.

Por gentileza, aproveito para pedir a todos os visitantes que este meu voto repercuta em seus corações, e pensem também em mim e meu esposo. A Igreja nos ensina que devemos rezar uns pelos outros. A petição dos (as) amigos(as) é valiosa para os “ouvidos” de nosso Criador, que é Pai Misericordioso, e de Seu Filho, Jesus, Nosso Senhor e Salvador. Nossa casa deve ser um reduto de amor, um refúgio nestes tempos tão contraditórios e difíceis. A propósito, penso na Sagrada Família: Jesus, Nossa Senhora – a Virgem Maria e São José. Como é importante (e Santa Teresa frisa este aspecto) contar com a proteção de nossa Mãe Santíssima e o pai adotivo, amadíssimo por Jesus  – São José! Nossas famílias e as do mundo inteiro estão enfrentando crises terríveis:  materialismo (gerado pela descrença), relativismo moral, drogas, alcoolismo (talvez nestes dois casos, a situação seja tão crítica, devido ao desemprego vivido pelos jovens, ou, em boa parte dos casos, ausência total de educação religiosa, etc.), descaso público com a pobreza e a miséria de dois terços da humanidade, desamor… Em nossas orações lembremos dos que sofrem, perto ou longe de nossos olhos.

Voltarei a postar (por enquanto com menor frequência). Então, Paz e Bem a todos, e, tal como Santa Teresa escreveu em seus poemas, lembremos, todos os dias, se possível a cada hora: “Só Deus basta!”.

____________________________________________________________________________________________________________

IMITAÇÃO DE CRISTO*

Capítulo IV

Da pureza e simplicidade do coração

1. Tem o homem duas asas com que se levanta acima das coisas terrenas, que são simplicidade e pureza.

A simplicidade há de estar na intenção, e a pureza no afeto.

A simplicidade busca a Deus; a pureza o abraça e nele se compraz.

Nenhuma boa obra te impedirá de voar, se interiormente estiveres livre de todo o afeto desordenado.

Se não quiseres senão o que Deus quer e o que é útil ao próximo, gozarás da liberdade interior.

Sendo o teu coração reto, tens em qualquer criatura um espelho de vida e um livro de santa doutrina.

Não há criatura tão pequena e tão vil que não represente a bondade de Deus.

2. Se fosses bom e puro no interior, logo verias e entenderias bem todas as coisas sem impedimento.

O coração limpo penetra o céu e o inferno.

Cada um julga as coisas exteriores, segundo suas disposições interiores.

Se há alegria no mundo, sem dúvida que a possui o homem de coração puro.

E se em algum lugar há tribulação e angústia, a má consciência é que melhor conhece.

Assim como o ferro metido no fogo perde a ferrugem e fica todo em brasa, assim o homem que inteiramente se converte

a Deus, se desentorpece e se muda em novo homem.

3. Quando o homem começa a afrouxar, teme ainda o menor trabalho, e recebe com gosto a consolação interior.

Porém, quando começa perfeitamente a vencer-se e a andar com valor no caminho de Deus, logo tem por ligeiras as coisas que antes lhe pareciam pesadas.

REFLEXÕES

(“Imitação de Cristo” – Livro II – pg. 143)

Quando Jesus Cristo quis propor um modelo a seus discípulos, escolheu-o por ventura entre os homens sábios e poderosos? Não: “chamou um menino, pô-lo no meio deles e disse-lhes: em verdade vos digo, se não vos converterdes e vós não fizerdes como meninos, não entrarei no reino dos Céus” (MT 18, 2-3).

Ora, que vês num menino? A simplicidade, a pureza. Ele crê, ama e age, sem pensar em si mesmo, pelo primeiro movimento do coração; e eis que agrada a Deus. ele não pede nem longas orações, nem eloquentes discursos, nem meditações profundas, mas uma vontade reta, uma intenção pura, um amor inocente. Não ter outros desejos senão os seus, esquecer-te inteiramente de si mesmo, submeter-se aos decretos de sua adorável Providência, sem buscar investigá-los – que pode haver mais puro que esta resignação, que esta singela obediência?Por isso, será grande a recompensa dos que assim praticarem: ” Bem-aventurados, diz o Salvador, os que têm o coração puro, porque eles verão a Deus” (MT 5,8).

Dai-me, Deus meu, a simplicidade das almas puras, para que minha boca possa dignamente cantar os vossos louvores e anunciar a vossa grandeza. “Louva minha alma, o Senhor, e todas as minhas entranhas bendigam o seu nome santo. Louva, minha alma, o Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios. Não, a nós, Senhor, não a nós, mas ao Vosso nome dai glória” (Sl 102, 1-2:; 112,9)

****

* IMITAÇÃO DE CRISTO – Livro II – Capítulo IV, pg.141.

 

 

Read Full Post »

“A celebração da Páscoa é certeza para nós de que a vida vence a morte, a alegria vence a dor! Portanto, nunca se deixe abater, lembre que depois da Cruz vem a glória. E, como diz um canto que cantamos em nossas celebrações: [em Jesus temos a razão do sofrer que traz salvação]” – Carmelo Sagrado Coração de Jesus – Carmelo de Santo Ângelo (RS – Brasil – segunda-feira – 05 de abril de 2010)

PÁSCOA ETERNA

Jesus Cristo – a nossa Páscoa – ressuscitou! Ele veio, em nome do Amor, para nos mostrar o caminho da Eternidade!

N’ Ele nossas aflições têm descanso… Somos provados para poder acompanhá-lo, com nossos passos vacilantes, desde agora até a implantação definitiva do Reino de Deus, Seu Pai, nosso por adoção. Reino de Misericórdia! Amém!

(L.B.N.)

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….


Segunda-feira, 5 de abril de 2010

Feliz Páscoa!

(Santo Ângelo-RS-Brasil)

“Somente no silêncio a pessoa penetra nas profundezas de Deus, sua base original. Somente no silêncio ela capta grandes relações, sente a dor, a busca, os anseios e a alegria do outro. Se nos afastamos, é para enxergarmos mais longe. Para abranger na totalidade do amor de Deus, o mistério do mundo tão carente de amor e de paz. O mistério dos homens e mulheres, nossos irmãos e irmãs; especialmente dos excluídos.

Nas dificuldades da vida nunca deixe de olhar mais além!

No horizonte sempre brilha uma nova luz!”

Post publicado em “Carmelo de Santo Ângelo”.

Read Full Post »

Os quatro evangelistas individuam concordemente o lugar da crucifixão de Jesus. Mateus escreve: “Ao saírem, encontraram um homem de Cirene, de nome Simão. E o requisitaram para que carregasse a cruz. Chegando ao lugar chamado Gólgota, isto é, lugar que chamavam de Caveira, deram-lhe de beber vinho misturado com fel” (Mt 27,34a). in Holy Sepulchre – Custódia Franciscana da Terra Santa

Fonte: Holy Sepulchre http://www.christusrex.org/www1/jhs/TSspport.html

© franciscan cyberspot

GÓLGOTA E O SANTO SEPULCRO

Os quatro evangelistas individuam concordemente o lugar da crucifixão de Jesus. Mateus escreve: “Ao saírem, encontraram um homem de Cirene, de nome Simão. E o requisitaram para que carregasse a cruz. Chegando ao lugar chamado Gólgota, isto é, lugar que chamavam de Caveira, deram-lhe de beber vinho misturado com fel” (Mt 27,34a). Marcos conta: “E levaram-no fora para que o crucificassem. Requisitaram um certo Simão Cirineu, que passava por ali vindo do campo, para que carregasse a cruz. Era o pai de Alexandre e de Rufo. Levaram Jesus ao lugar chamado Gólgota, que, traduzindo, quer dizer o lugar da Caveira” (Mc 15, 20b-22). Lucas dá mais detalhes: “Enquanto o levaram, tomaram um certo Simão de Cirene, que vinha do campo, e impuseram-lhe a cruz para levá-la atrás de Jesus. Grande multidão do povo o seguia, como também mulheres que batiam no peito e se lamentavam por causa dele. … Eram conduzidos também dois malfeitores para serem executados com ele. Chegando ao lugar chamado Caveira, lá o crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda” (Lc 23, 26-33). O quarto evangelista relata sinteticamente: “Então eles tomaram a Jesus. E ele saíu, carregando a sua cruz, e chegou ao chamado ‘Lugar da Caveira’ – em hebraico chamado Gólgota – onde o crucificaram; e, com ele, dois outros: um de cada lado e Jesus no meio.” (Jo 19,17). Os evangelistas precisam que Jesus saíu a um lugar fora da cidade, em hebraico (aramaico!) chamado Gulgoltha (em latim “Calvaria”, de onde Calvário).

Se Jesus foi crucificado fora da cidade, como se explica que o Calvário e seu sepulcro estejam dentro de seus muros? A cidade cresceu, ora! A arqueologia, além da realidade, o confirmou! Ademais, existe a sagrada tradição. Não a que vem do ocidente, mas a judeu-cristã, especialmente no que se refere ao lugar da sepultura de Adão, cuja caveira foi lavada pelo sangue de Cristo para que todos os filhos de Adão fossem nele pelo “segundo Adão” remidos…

Orígenes refere que a tradição relativa ao sepulcro de Adão no mesmo lugar da crucifixão de Cristo é de origem hebraica. Esse padre da Igreja, nascido em Alexandria do Egito no ano 185, argumenta: “De modo que, como todos morrem em Adão, todos possam ressurgir no Cristo”. A pequena ábside aos pés do Calvário (Capela de Adão) perpetua esse antiqüíssimo vestígio de natureza simbólica. Eusébio de Cesaréia, antes dos trabalhos (327-335) empreendidos por ordem do imperador Constantino, testemunha: “O lugar da caveira, onde Cristo foi crucificado, ainda hoje é mostrado em Élia, ao norte do monte Sião”, embora o culto idolátrico da deusa Vênus/Afrodite se tenha apoderado do lugar, há muito tempo. Uma preciosa cruz, que se perdeu nos saques posteriores, não tardou a ser colocada no topo da elevação rochosa, considerada pelos cristãos como o umbigo, centro espiritual, do mundo (S. Cirilo de Jerusalém, IV séc.).

Eusébio de Cesaréia (pelo ano 340) refere detalhadamente as circunstâncias que levaram à descoberta do sepulcro de Cristo, encoberto por imensa terraplenagem desde o tempo do imperador Adriano (135 d. C.). Narra ele que o imperador Constantino, pouco depois de 325, ordenara derrubar o templo pagão e desentulhar em profundidade o terreno “e, então, contra toda a esperança, apareceu… o venerando e santíssimo testemunho da ressurreição salvífica”. Desde então a tumba reencontrada foi sempre venerada, até ser destruída por ordem do califa Hakem (1009) e era possível observá-la completamente escavada na rocha, por estar revestida de mármore só externamente, relata o peregrino Arculfo, do VII séc.

Apesar das numerosas restaurações, da tripartida basílica constantiniana (Martyrion, Tripórtico e Anástasis) sobra apenas a rotunda da Anástasis, qual grandioso mausoléu sobre o túmulo vazio de Cristo. O resto da construção, a saber, o ingresso a sul, o Cathólicon ao centro, o deambulatório e a capela subterrânea de Sta. Helena é obra dos cruzados (1141). O terremoto de 1927 causou graves rachaduras no monumento; as restaurações, iniciadas em 1960, oportunizaram um conhecimento mais aprofundado sobre a história e a topografia do lugar ao tempo de Cristo.

Desde o século 14, os franciscanos usufruem dos direitos de celebrar na Basílica juntamente com os demais diversos ritos cristãos, direitos esses concedidos inicialmente, a seu bel-prazer, pelo paxá do Cairo e, desde 1517, pelo sultão de Constantinópola, chegando em 1757 e 1852 a estabelecer o “Statu quo”, um férreo ordenamento que até hoje regula a convivência das diversas comunidades. (http://www.christusrex.org/www1/jhs/TSspport.html)

Texto do Frei Eugênio Alliata OFM, SBF – Jerusalém.
Custódia Franciscana da Terra Santa
Um projeto associado
Christus Rex e Franciscanos de Malta / Terra Santa

© direitos autorais 1997.

Outras informações sobre este artigo :

Please fill in our Guest book formThank you for supporting us!
Created / Updated

Wednesday, December 26, 2001 at 20:31:34

by John Abela ofm
Web site uses Javascript and Cascading Style Sheets – Space by courtesy of Christus Rex

Read Full Post »