Feeds:
Posts
Comentários

Archive for janeiro \26\-03:00 2010

Confira na seção “PÁGINAS” (ao lado), o link para “PANDEMIA – GRIPE H1N1 – Informações”, com redirecionamento para blog de minha autoria, a notícia que detalha o anúncio no dia de hoje – 26.01.2010, feito pelo ministro da Saúde José Gomes Temporão sobre o início da vacinação contra a Gripe A-H1N1. Esta, transcorrerá entre os meses de março e  maio. Também foram definidos os grupos prioritários e os períodos em que estes terão acesso às vacinas.

Na página “MUNDO” há o relato da situação no estado de São Paulo, quanto às chuvas – alagamentos e congestionamento na capital, estado de emergência em algumas cidades, que incluem um total de 62 mortes, além de quedas de barreira em determinadas rodovias.

Read Full Post »

Papa Bento XVI em mensagem na reza do Angelus salienta a atuação de São Francisco de Sales, no dia de sua memória litúrgica- 24 de janeiro: “Dedicou-se com grande fruto à pregação e formação espiritual dos fiéis, ensinando que o chamado à santidade é para todos e que cada um – como diz São Paulo em sua comparação com o corpo – tem seu lugar na Igreja.” (Agência ZENIT – Roma)

São Francisco de Sales, doutor da Igreja

Fonte/imagem/biografia: Franciscanos – Província Franciscana da Imaculada Conceição – São Paulo

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Transcrevo excerto da mensagem proferida durante a reza do Angelus pelo Papa Bento XVI, por ocasião do 44º Dia das Comunicações Sociais, em que fala de São Francisco de Sales e sua relevância no contexto do revigoramento da evangelização católica entre meados de 1590 até seu falecimento em 1622. A mensagem papal é proferida a cada ano no dia 24 de Janeiro, quando celebramos a memória litúrgica de São Francisco de Sales – santo padroeiro dos jornalistas e da imprensa católica.

A bênção final de Bento XVI também revigora nossa atuação como jornalistas católicos, através dos meios que dispomos, tal como o fez nosso protetor São Francisco de Sales à sua época. Este, através de  “panfletinhos” conquistou milhares de cristãos que, há quase cem anos estavam afastados da fé católica.

São Francisco de Sales interceda junto a Nosso Jenhor Jesus Cristo para que tenhamos a coragem de dar nosso testemunho, através de nossas atividades, tendo o Bem em vista em todas as circunstâncias, e decididamente, evitando a propagação, ou seja, a banalização do mal. Amém.

****

Fonte/imagem: Província Capuchinha Nossa Senhora do Carmo (OFMCap) - MA, PA, AP

Papa Bento XVI: “(…)Por fim, queridos amigos, gostaria de recordar a figura de São Francisco de Sales, cuja memória litúrgica é celebrada em 24 de janeiro. Nascido em Sabóia, em 1567, estudou direito em Pádua e em Paris e, chamado pelo Senhor, tornou-se sacerdote. Dedicou-se com grande fruto à pregação e formação espiritual dos fiéis, ensinando que o chamado à santidade é para todos e que cada um – como diz São Paulo em sua comparação com o corpo – tem seu lugar na Igreja. São Francisco de Sales é o santo padroeiro dos jornalistas e da imprensa católica.

À sua assistência espiritual, confio a Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que assino todos os anos nesta ocasião, e que foi há pouco divulgada no Vaticano.

Que a Virgem Maria, Mãe da Igreja, permita-nos a progredir sempre em comunhão, para transmitir a beleza de ser algo único, na unidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo.” (24.01.2010)

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Fonte: Agência ZENIT http://zenit.org/article-23892?l=portuguese

Bento XVI: Igreja, organismo rico e vital, não uniforme

Intervenção com motivo do Angelus

CIDADE DO VATICANO, domingo, 24 de janeiro de 2010 (ZENIT.org).- Publicamos as palavras que Bento XVI dirigiu este domingo, ao rezar o Angelus com os peregrinos na Praça de São Pedro.

* * *

“Caros irmãos e irmãs!

Dentre as leituras bíblicas da liturgia de hoje, há o célebre texto da Primeira Carta aos Coríntios, na qual São Paulo compara a Igreja ao corpo humano. Assim escreve o apóstolo: “Como o corpo é um, embora tenha muitos membros, e como todos os membros do corpo, embora sejam muitos, formam um só corpo, assim também acontece com Cristo. De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num só Espírito, para formarmos um só corpo, e todos nós bebemos de um único Espírito” (1 Cor 12,12-13). A Igreja é concebida como um corpo, do qual Cristo é a cabeça, e que com Ele constitui um todo. Todavia, o que o apóstolo pretende comunicar é a ideia de unidade na multiplicidade dos carismas, que são os dons do Espírito Santo. Graças a estes, a Igreja se apresenta como um organismo rico e vital, não uniforme, fruto do único Espírito que conduz a todos a uma unidade profunda, assumindo a diversidade sem a abolir, e realizando assim um conjunto harmonioso. Ela prolonga através da história a presença do Senhor ressuscitado, em particular por meio dos sacramentos, da Palavra de Deus, dos carismas e ministérios distribuídos pela comunidade. Portanto, é precisamente em Cristo e no Espírito que a Igreja é una e santa, isto é, numa comunhão íntima que transcende as capacidades humanas e as sustenta.

Gosto de sublinhar este aspecto no momento em que vivemos a “Semana de oração pela unidade dos cristãos”, que se conclui amanhã, ocasião da Festa de Conversão de São Paulo. Seguindo a tradição, celebrarei, durante a tarde, a Oração das Vésperas do lado de fora da Basílica de São Paulo, com a participação de representantes de outras Igrejas e Comunidades eclesiais de Roma.

Invocaremos ao Senhor o dom da plena unidade entre todos os discípulos de Cristo, e em particular, de acordo com o tema deste ano, renovaremos nosso empenho em sermos, conjuntamente, testemunhas do Cristo crucificado e ressuscitado (cfr Lc 24,48). A comunhão dos cristãos, de fato, confere credibilidade e torna mais eficaz o anúncio do Evangelho, conforme afirmou o próprio Jesus, ao orar ao Pai na vigília de sua morte: “Que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim, e eu em ti. Que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia” (Gv 17,21).

Por fim, queridos amigos, gostaria de recordar a figura de São Francisco de Sales, cuja memória litúrgica é celebrada em 24 de janeiro. Nascido em Sabóia, em 1567, estudou direito em Pádua e em Paris e, chamado pelo Senhor, tornou-se sacerdote. Dedicou-se com grande fruto à pregação e formação espiritual dos fiéis, ensinando que o chamado à santidade é para todos e que cada um – como diz São Paulo em sua comparação com o corpo – tem seu lugar na Igreja. São Francisco de Sales é o santo padroeiro dos jornalistas e da imprensa católica.

À sua assistência espiritual, confio a Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que assino todos os anos nesta ocasião, e que foi há pouco divulgada no Vaticano.

Que a Virgem Maria, Mãe da Igreja, permita-nos a progredir sempre em comunhão, para transmitir a beleza de ser algo único, na unidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo.”

[Traduzido por ZENIT

© Libreria Editrice Vaticana]

…………………………………………………………………………………………………………….

Fonte: Agência Ecclesia (Agência de Notícias da Igreja Católica em Portugal) – http://agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?id=77039

Vaticano lembra «Igreja que não é notícia»

Um editorial do jornal do Vaticano, “L’Osservatore Romano”, questiona o motivo pelo qual a imprensa não eclesial ignorou o assassinato de 37 missionários em 2009.

“Nos últimos dez anos nunca foi alcançado um número assim tão alto, e a cifra não é definitiva porque provavelmente outras mortes não tiveram repercussão”, escreve o jornal na edição de 4-5 de Janeiro.

De acordo com o editorial, a notícia não teve relevo porque contradiz a imagem dominante da Igreja nos meios de comunicação social: “uma estrutura rica e potente, que quer impor as suas leis também a quem não se sente parte do universo católico, uma oligarquia que é incapaz de entender como o mundo mudou”.

A generalidade dos media considera que a Igreja é uma instituição antiga e rígida, ignorando ou esquecendo que é composta por pessoas seriamente comprometidas com uma missão difícil, e muitas vezes perigosa, “que perdem a vida por causa dessa escolha de caridade corajosa”, lê-se no artigo assinado pela professora Lucetta Scaraffia, docente de História Contemporânea da Universidade La Sapienza, de Roma.

”Sem armas, e frequentemente com pouquíssimos meios, os missionários mártires testemunham que outro mundo é possível, um mundo de solidariedade e verdade, de amor gratuito. E isso já é suficiente para torná-los um alvo mortal”, destaca o Osservatore Romano, citando as histórias dos padres mortos por morarem e actuarem sem protecção em regiões violentas.

Tratam-se de “locais pouco visitados e que poderiam ser definidos como estando abandonados por Deus, mas onde os missionários estão presentes para provar que Deus jamais abandona alguém”, assinala o jornal. “Esta é a verdadeira Igreja, aquela que não faz notícia”, conclui o editorial.

Com Rádio Vaticano
Internacional | Agência Ecclesia | 2010-01-05 | 13:58:53 | Santa Sé

Read Full Post »

SantaTeresa de Jesus - Pastoral Vocacional Carmelitana

Fonte: Pastoral Vocacional Carmelitana

http://falandodeespiritualidade.blogspot.com/2009/11/guias-de-leitura-do-livro-da-vida.html

GUIAS DE LEITURA DO LIVRO DA VIDA
FESTA DE SANTA TERESA

Homilia do P. Saverio Cannistrà,
Prepósito Geral OCD Teresianum – Roma

Este ano a celebração da festa de Santa Teresa adquire para nós carmelitas um sentido particular. É o ano do Capítulo Geral, no qual nossa família religiosa decidiu empreender um caminho de preparação ao quinto centenário do nascimento de Teresa. Esta preparação consistirá sobretudo – segundo as mesmas palavras do documento capitular – em “ler cada ano na Ordem, desde o 15 de outubro de 2009 até 2014, pessoal e comunitariamente uma obra da Santa Madre Teresa de Jesus” (Para vós nasci, n° 38). Assim pois, desde hoje, nós carmelitas, tanto pessoal como comunitariamente, adquirimos o compromisso de dedicar todos os dias um pouco de nosso tempo e de nossa atenção à leitura dos escritos de Teresa. É um compromisso discreto, escondido e, no entanto, essencial. O que esperamos deste exercício de leitura? As obras de Teresa não serão lidas simplesmente para aumentar nossa cultura, para obter dela conteúdos históricos e doutrinais para estudar e ensinar. Ler-se-ão para entrar em comunicação com ela, para conhecer a pessoa que nos está falando e, em familiaridade com ela, para conhecermos a nós mesmos. Meu professor de filologia românica, Gianfranco Contini, um dos leitores mais penetrantes que conheci, definia ao bom leitor como “quem está disponível a deixar-se invadir pelo espírito do outro, através da leitura”. É isto precisamente o que esperamos da leitura: que o espírito de Teresa invada nosso espírito, e dos homens e mulheres deste tempo, portadores dos problemas, das esperanças e das angústias desta geração.

Nosso espírito está inquieto, como sempre está o coração do homem peregrino na história, ainda que esta inquietude na atualidade adquira conotações particulares, os traços característicos de nossa sociedade civil, de nossa igreja, de nossas comunidades familiares e religiosas. Estamos sedentos como a Samaritana que vai ao poço para tirar água. Mas, qual água poderá saciar-nos verdadeiramente, não só por um momento, não só superficialmente, mas plena e definitivamente? Não se trata da água que podemos tirar com nossas forças dos poços que nossos pais cavaram. É a água que mana abundantemente da pessoa de Jesus, que nos encontra aqui e agora, aparentemente de modo casual, mas que na realidade nos conhece desde sempre e lê no profundo de nós, nos escuros isolamentos de nosso coração. Também Jesus tem sede, é movido pela sede. A mulher Samaritana e o homem Jesus se encontram juntos no poço, levados pela busca de água. Jesus, cansado da viagem, no momento mais quente, experimenta a mesma sede da mulher, que foi ao poço, experimenta a mesma sede dos discípulos, que foram à cidade para comprar alimento. A humanidade de Jesus é exatamente nossa humanidade com seus achaques e suas fragilidades, mas também é, em tudo isso e através de tudo isso, a humanidade que chega a seu cumprimento, “que é perfeita”, como diz a carta aos Hebreus, e por isso mesmo levada à sua pátria, que é o seio das relações trinitárias. É a humanidade do Filho que se alimenta da vontade do Pai e perenemente é saciado e renovado pela água viva do Espírito. Jesus fez uma longa viagem para chegar ao poço no qual encontra a Samaritana: não só a viagem pelos caminhos da Galiléia e da Samaria, mas a viagem que o levou desde o Pai ao homem em sua distância, em seu extravio, em sua infidelidade. Entretanto, é belo observar como pelo encontro com ele, também a Samaritana empreende uma viagem, que é o de encontrar-se a si mesma e, portanto, de anúncio e de testemunho: Encontrei a quem me conheceu inteiramente, a quem me fez descobrir minha verdade e dignidade de filha na verdade do Pai.

Não nos surpreende que Teresa tenha se fascinado por este episódio evangélico e tenha se reconhecido na mesma mulher sedenta. Também ela estava cansada de caminhar (“A minha alma já estava cansada”, escreve no Livro da Vida 9,1) e tinha sede de paz e de luz: “Eu bem sabia que O amava, mas não compreendia, como iria entender, o que é amá-Lo verdadeiramente” (V 9,9). E nesta obscuridade e angústia se mantém até que não se levanta pela graça, até sua atuante presença: Ele estava ali, diante dela, para dizer-lhe, com todo seu corpo ferido, que estava por ela e com ela, sempre e em todas partes. Desde então Teresa começa a entender que amar verdadeiramente a Deus significa antes que qualquer outra coisa acolher-se de verdade em seu amor. É o amor de Deus que venceu a morte na ressurreição de Jesus. Teresa se encontra com o Crucificado ressuscitado e em seu corpo vê, lê com clareza o poder deste amor, capaz de superar toda resistência e diminuir qualquer obstáculo. Teresa se abandona totalmente a ele libertando-se de tudo o que a constrangia no plano pessoal, social e eclesial. Seu coração ferido é o coração do homem novo, o coração de carne (Ez 11,19), libertado e aliviado, como no impulso ascensional da representação de Bernini, para o amor que a atrai a si e a faz sua. Sua esposa, porém mais ainda sua amiga e colaboradora. Precisamente como a Samaritana é descrita como a amiga que fala com Jesus e a discípula que fala aos demais de Jesus, assim é Teresa. À passividade de ser perdoada, escutada e amada por Jesus, corresponde à atividade da amiga e colaboradora que já não se espantará mais com sua fragilidade ou das dificuldades materiais ou dos prejuízos dos homens, inclusive sendo eclesiásticos influentes. Teresa se coloca a caminho e não deixará de caminhar até sua morte, que é para ela o umbral mais além do qual continuará caminhando ao encontro com ele, já verdadeiramente Esposo contemplado face a face.

Teresa nos convida a segui-la em seu caminho ao encontro do Crucificado ressuscitado, em todas as páginas, em todas as linhas de seus escritos. Repete-nos que Jesus Cristo está vivo, com uma vida oferecida e doada a quem quiser acolhê-la. O que é o que nos impede de segui-lo? O que é que nos impede de fazer sua mesma experiência? Talvez encontremos uma resposta na passagem do livro da Sabedoria, que foi proclamado como primeira leitura: “Eu a preferi aos cetros e aos tronos e, junto dela, considerei como nada a riqueza” (Sb 7,8). A Sabedoria se deixa encontrar por quem se decide por ela, por quem compromete nela a própria liberdade. Demasiadas coisas nos ocupam, coisas que não escolhemos livremente, mas que deixamos que preencha nossa vida. Não nos alimentam, não nos saciam, não nos dão vivacidade, e entretanto não temos a força de nos livrarmos delas. Sabemos que Teresa lutou durante muito tempo por libertar-se do que possuía ou, melhor dizendo, do que a possuía. Não podemos por isso pensar que para nós seja mais fácil que para ela, nem que seja possível chegar a uma verdadeira transformação de nós mesmos sem a graça de Deus, invocá-lo de modo incansável, e sem um sério compromisso por nossa parte. Um compromisso que devemos exercer numa dupla direção: em desprendermos de tantas coisas, que nos detêm e nos confundem, e levarmos avante a obra para cumprir responsavelmente o trabalho que nos foi confiado. Na realidade, o homem está feito de tal modo que só a ação obediente à vontade de Deus pode transformá-lo. E o afirmo sabendo perfeitamente que a vontade de Deus deve direcionar, desde o interior, nossa vontade, e não a do homem. Que Teresa nos ensine a reencontrar nossa liberdade em entregar-nos àquele que nos quer efetivamente livre.

+Roma, 4 de setembro de 2009
Queridos irmãos no Carmelo

Enviamos uma nova ficha de leitura para o “Livro da Vida” de Santa Teresa de Jesus, com a finalidade de completar aquela que aprovamos no Capítulo Geral, possuidora de um conteúdo mais dinâmico e pastoral. A presente ficha de leitura, como poderá ser constatado, é mais teórico-doutrinal e trata de situar o livro contextualizando-o, apresentando seu conteúdo e seções e fazendo uma breve introdução para a leitura de cada uma delas.
Como também poderá se constatar, a ficha não é muito extensa; não queremos, em fidelidade ao que foi tratado no Capítulo Geral, fazer uma grande introdução que roube tempo no que realmente importa: ler as obras de Santa Teresa de Jesus.
Pedimos que, o quanto antes, possa chegar aos frades, monjas e membros da OCDS, do modo que for mais prático, uma cópia desta ficha a qual, em breve, poderá também apresentar-se na Web que, por motivo do Centenário, preparará a Comissão nomeada pelo Definitório geral, que preparou esta ficha com a ajuda do P. Salvador Ros, ocd. Cada ano irá chegar, para distribuí-las em sua circunscrição, duas fichas como estas: uma de caráter mais pastoral e outra mais teórica e doutrinal.
“Agora começamos…” e para fazê-lo “de bem a melhor” oferecemos a nossos irmãos e irmãs este simples material. A leitura fiel e criativa de cada um de nós, esperamos, será o terreno adequado no qual estas simples sementes darão fruto abundante.
Com afeto e unido a sua oração:
P. Emilio J. Martínez González, Vic. Gen. ocd.

Continua… SANTA TERESA DE JESUS – Livro da Vida – Guia de leitura – Introdução.

Read Full Post »

Fonte: Carmelitas Descalzos, Curia General – ROMA
http://www.carmelitaniscalzi.com/vernoticia.php?Id=2229

EL CARMELO DE PUERTO PRÍNCIPE (HAITÍ) SOBREVIVE AL SEÍSMO

Carmelitas Descalzas de Haití: “Estamos sanas y salvas”

Puerto Príncipe (2010-01-18).- A última hora de la tarde de ayer, la hermana Jacqueline Marie de la Trinite, priora del monasterio de carmelitas descalzas de Puerto Príncipe (Haití), confirmaba que todas las hermanas de la comunidad se encontraban “sanas y salvas”.

Tras el devastador terremoto que el pasado 12 de enero asoló la capital de Haití con una magnitud de 7,3 en la escala de Richter, se perdió toda comunicación con el Monasterio de Puerto Príncipe. A la incertidumbre que generó esta falta de comunicación directa con las carmelitas hubo que sumar las noticias contradictoras que llegaban por distintos canales sobre el estado de la comunidad.

Sólo después de cinco días de producirse la tragedia se despajaron todas las dudas. La propia priora del Monasterio, la hermana Jacqueline Marie de la Trinite, pudo ponerse en contacto con su hermana y con el P. Robert Paul, Definidor General, para comunicar que “nosotras estamos, gracias a Dios, sanas y salvas” y solicitar que “continúen orando por la difícil situación en la que se encuentra sumido el país”.

Esta misma mañana el Vicario Regional del Caribe, P. Francisco Javier Mena, hacía llegar desde la vecina República Dominicana la confirmación del buen estado de las tres hermanas que componen la comunidad -Jacqueline Marie de la Trinite, Therèse Benedicte y Marie Therèse- y del monasterio. El P. Mena transmitía el testimonio de la hermana Inés del Mercado, carmelita de la enseñanza, que pudo comprobar directamente sobre el terreno el estado de la comunidad.

Solidaridad con Haití

El Secretario General para las Misiones de la Orden, el P. Julio Almansa, ha habilitado una cuenta bancaria para dar respuesta a las solicitudes de ayuda y donativos que en estos días están llegando hasta la Casa Generalicia de los Carmelitas Descalzos en Roma. Los fondos recibidos en esta cuenta serán canalizados para ayudar la comunidad de carmelitas de Puerto Príncipe y al pueblo haitiano afectado por la catástrofe.

(CARMELITANI SCALZI)
Credito bergamasco- Filiale 89 – Via Bomcompagni 14 – Roma
IBAN: IT22F0333603200000000001519
BIC o SWIFT: CREBIT22089

Postado por Carmelitas Descalzos, Curia General – ROMA.

Read Full Post »

Este blog não fins comerciais.

……………………………………………………………………..

Fonte: Reuters, reuters.com, Atualizado: 22/1/2010 7:49

Governo e equipes de ajuda têm tarefa gigantesca no Haiti

REUTERS

Por Patrick Markey e Matthew Bigg

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) – Com o início da chegada de comida, medicamentos e dinheiro, o governo do Haiti e as equipes de ajuda começam a gigantesca tarefa de alimentar e abrigar centenas de milhares de sobreviventes do terremoto que ainda vivem na capital tomada por escombros.

Até 1,5 milhão de haitianos ficaram desabrigados pelo terremoto do dia 12 de janeiro que atingiu o país caribenho e devastou a capital Porto Príncipe. Eles precisam de comida e água e muitos precisam de tratamento médico. Assustados com tremores secundários, muitos estão traumatizados demais para dormir debaixo de um teto.

O governo disse na quinta-feira que 400 mil sobreviventes serão levados para novas vilas que serão construídas fora da cidade.

O ministro do Interior, Paul Antoine Bien-Aime, disse que a primeira leva de 100 mil refugiados irá para vilas de 10 mil tendas cada próximas à cidade de Croix Des Bouquets, no norte do país. A ajuda e a comida começam a chegar a Porto Príncipe, mas muitos ainda sofrem com necessidades básicas 10 dias após o terremoto de magnitude 7, que matou até 200 mil pessoas.

“Precisamos de abrigo… Não temos comida ou água. Quando chove, temos uma série de problemas”, disse Iswick Theophin, um estudante.

Helicópteros da Marinha dos Estados Unidos levaram água para as pessoas que estão morando em um acampamento. Mais de 13 mil militares norte-americanos estão no Haiti e em 20 navios no litoral do país. Eles levam suprimentos de avião, retiram os que estão gravemente feridos e protegem os pontos de distribuição de ajuda.

A Organização das Nações Unidas conta quase 450 acampamentos de desabrigados somente em Porto Príncipe e fez um apelo para que o governo os juntasse para facilitar a distribuição de alimentos.

(Reportagem adicional de Catherine Bremer, Joseph Guyler Delva e Natuza Nery em Porto Príncipe, Lesley Wroughton r Adam Entous em Washington).

Postado por http://noticias.br.msn.com/especial/haiti/artigo.aspx?cp-documentid=23308357.

Read Full Post »

Observação: Este blogue não tem fins comerciais (Blog Castelo Interior – https://castelointerior.wordpress.com/ – “non-profit”).

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Fonte: UOL Notícias – Agência REUTERS – http://noticias.uol.com.br/ultnot/reuters/2010/01

/14/ult729u83853.jhtm

14/01/2010 – 19h39

Milhares de corpos se acumulam no Haiti; ajuda lota aeroporto

Por Tom Brown e Andrew Cawthorne

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) – Soldados e aviões com alimentos e remédios chegaram nesta quinta-feira ao Haiti para socorrer uma nação traumatizada e ainda assustada com os tremores secundários, depois do terremoto de magnitude 7,0 que devastou a capital, Porto Príncipe.

A Cruz Vermelha Haitiana estima que haja de 45.000 a 50.000 mortos e 3 milhões de feridos ou desabrigados. O presidente do país, René Préval, disse que cerca de 7.000 vítimas do terremoto já foram enterradas em uma vala comum.

“Já enterramos 7.000 em uma vala comum”, disse Préval a repórteres no aeroporto, enquanto acompanhava o presidente dominicano Leonel Fernández, o primeiro chefe de Estado a visitar o Haiti depois do devastador terremoto.

Dois dias depois do tremor, muita gente continua viva sob os escombros, mas há poucos sinais de um esforço organizado de resgate. Cerca de 1.500 cadáveres estão empilhados diante do principal hospital, e os mortos estão espalhados também pelas ruas.

Aviões cheios de mantimentos chegam ao aeroporto de Porto Príncipe num ritmo mais rápido do que os funcionários são capazes de descarregá-los, e as autoridades aéreas restringiram voos vindos do espaço aéreo norte-americano, temendo que os aviões fiquem sem combustível enquanto esperam para pousar.

A ajuda, no entanto, ainda não chegou aos haitianos necessitados que vagam pelas ruas dilapidadas de Porto Príncipe, buscando desesperadamente água, comida e assistência médica.

“Dinheiro não vale nada agora, água é a moeda”, disse um funcionário de ajuda humanitária à Reuters.

Saqueadores invadiram um supermercado danificado pelo tremor em um bairro de Porto Príncipe, levando produtos eletrônicos e sacos de arroz. Outros tiraram gasolina de um caminhão-tanque quebrado.

“Todos os policiais estão ocupados resgatando e enterrando suas próprias famílias”, disse Manuel Deheusch, dono de uma fábrica de telhas. “Eles não têm tempo de patrulhar as ruas.”

AJUDA INTERNACIONAL

Uma segunda aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) que auxiliará nos trabalhos de resgate decolou de Brasília na tarde desta quinta-feira com 17 toneladas de remédios, água e equipamentos médicos, de busca e salvamento.

O avião levou também 51 bombeiros e quatro cães farejadores que auxiliarão nas buscas por vítimas, além de uma equipe médica da FAB que prestará atendimento aos 12 militares brasileiros feridos após tremor.

Na quarta-feira, a FAB enviou a primeira aeronave com 22 toneladas de água e alimentos para as vítimas do terremoto.

Os Estados Unidos estão enviando 3.500 soldados e 300 trabalhadores da área médica para ajudar no resgate e na segurança na capital devastada. As primeiras equipes deveriam chegar ainda na quinta-feira. O Pentágono também enviaria um porta-aviões e três barcos anfíbios, incluindo um capaz de transportar até 2.000 fuzileiros navais.

“Ao povo do Haiti, dizemos claramente e com convicção: vocês não serão abandonados. Vocês não serão esquecidos. Nesta sua hora de maior necessidade, a América está ao seu lado. O mundo está ao seu lado,” disse o presidente dos EUA, Barack Obama.

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, disse que uma equipe militar dos EUA reabriu o aeroporto de Porto Príncipe para que aeronaves pesadas pudessem começar a trazer auxílio.

Ela prometeu assistência de longo prazo dos EUA ao debilitado governo haitiano. O Parlamento, o palácio presidencial e muitos prédios públicos desabaram, e não estava claro quantos parlamentares e autoridades sobreviveram. A principal prisão também ruiu, permitindo a fuga de criminosos perigosos.

“As autoridades que existiam antes do terremoto não são capazes de agir plenamente. Vamos tentar apoiá-las até que restabeleçam a autoridade”, disse Hillary à CNN.

Ainda não havia sinais de operações de resgate organizadas para salvar pessoas soterradas, e os médicos no Haiti, o país mais pobre do Ocidente, estão mal equipados para tratar os feridos.

Tendas improvisadas estão espalhadas por todo lado, e os haitianos instalados em um acampamento informal abordaram um jornalista gritando “água, água” em várias línguas.

“Por favor, faça qualquer coisa que você puder, essa gente não tem água, comida ou remédios, ninguém está nos ajudando”, disse Valery Louis, que organizou um dos acampamentos.

Grupos de mulheres que passam as noites nas ruas cantavam hinos religiosos na escuridão e rezavam pelos mortos. “Elas querem que Deus as ajude – todos nós queremos”, disse Dermene Duma funcionária do hotel Villa Créole, que perdeu quatro parentes.

Choro e lamentações surgem cada vez que alguém morre, mas os tremores secundários interrompem o luto, fazendo com que as pessoas saiam correndo em pânico.

O epicentro do terremoto ocorreu a apenas 16 quilômetros de Porto Príncipe, cidade densamente povoada com 4 milhões de habitantes. Corpos jaziam por todos os lados da cidade montanhosa, e as pessoas tapam o nariz com panos por causa do odor da decomposição.

Uma caminhonete chegou levando cadáveres ao Hospital Geral da cidade, cujo diretor, Guy LaRoche, estima que haja 1.500 corpos amontoados no lado de fora do necrotério.

SACOS PARA CADÁVERES

A Cruz Vermelha Haitiana já não tem sacos para guardar os cadáveres, e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse que está enviando outros 3.000. O Brasil, que comanda a missão de paz da ONU no país, propôs a criação de um cemitério de emergência, e os EUA estão enviando equipes para os trabalhos funerários.

Com as mãos e com marretas, os haitianos escavam os escombros para tentar resgatar os sobreviventes.

Um estoniano de 35 anos, Tarmo Joveer, foi tirado na quinta-feira dos escombros do prédio da ONU, que tinha cinco andares. Ele disse a jornalistas que estava bem.

A ONU afirmou que pelo menos 36 integrantes da missão de paz, que tem 9.000 pessoas, morreram, e que ainda há muitos desaparecidos. O Brasil já confirmou a morte de 14 militares e também da médica Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança, que fazia uma visita de trabalho ao país.

Também na quinta-feira, 14 hóspedes e funcionários foram retirados com vida do importante hotel Montana, que ficou praticamente destruído. O major chileno Rodrigo Vázquez, que dirigia a operação, estimou que ainda há outras 70 pessoas soterradas. “Isso é devastador,” disse.

Nações de todo o mundo se mobilizam para enviar equipes de resgate, com cães farejadores, maquinário pesado, tendas, unidades de purificação de água, alimentos, médicos e equipes de telecomunicações.

Mas a distribuição da ajuda é complicada pela grande presença de entulho e carros destruídos nas ruas, e também pela paralisação das telecomunicações. Os escritórios de várias entidades humanitárias foram destruídos, e muitos funcionários estão mortos ou desaparecidos.

Os soldados da ONU na cidade parecem sobrecarregados pela enormidade da tarefa de recuperação pela frente. “Simplesmente não sabemos o que fazer,” disse um militar chileno. “Você pode ver como o dano é terrível. Não conseguimos chegar a todas as áreas.”

Muitos hospitais estão sem condições de uso, e os médicos fazem o possível para tratar membros esmagados, feridos e fraturas em instalações improvisadas, nas quais os suprimentos médicos são escassos.

A entidade Médicos Sem Fronteiras está enviando um hospital inflável com dois centros cirúrgicos, e vários países estão mandando hospitais de campo. Um navio-hospital da Marinha dos EUA, o Confort, também está voltando ao Haiti, onde já prestou atendimento à população depois das tempestades, inundações e deslizamentos de 2008.

(Reportagem adicional de Hugo Bachega, Carlos Barria, David Morgan, Joseph Guyler Delva, Stephanie Nebehay, Patrick Worsnip e Louis Charbonneau) – 14.01.2010

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Fonte: UOL Últimas Notícias – Reportagem Agência REUTERS – http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u679596.shtml

14/01/2010 – 22h12

Haitianos revoltados bloqueiam estradas com corpos–testemunha

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) – Haitianos revoltados organizaram barricadas com corpos em Porto Príncipe para protestar contra a demora na entrega da ajuda humanitária após o terremoto que devastou o país, afirmou uma testemunha.

Shaul Schwarz, fotógrafo da revista Time, disse ter visto ao menos duas barricadas no centro da cidade formadas com corpos de vítimas do tremor e pedras.

“Eles estão começando a bloquear as estradas com os corpos, está ficando feio aqui, as pessoas estão cansadas de não receber ajuda”, disse Schwarz à Reuters.

(Reportagem de Andrew Cawthorne) – 14.01.2010

________________________________________________________________________________________________________

Fonte: Dominus Vobiscum

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Zilda ‘está no coração de Deus’, diz Cardeal Arns

Dra. Zilda Arns - Fundadadora e coordenadora nacional da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa

Zilda Arns Neumann (Forquilhinha, 25 de agosto de 1934 — Porto Príncipe, 12 de janeiro de 2010) foi uma médica pediatra e sanitarista brasileira.

Irmã de Dom Paulo Evaristo Cardeal Arns, foi também fundadora e coordenadora nacional da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa, organismos de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

O Arcebispo Emérito de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Cardeal Arns, disse nesta manhã desta quarta-feira que sua irmã, Zilda Arns Neumann, “está no coração de Deus”, segundo a secretária pessoal do Arcebispo, Irmã Devanir. Fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, Zilda morreu no terremoto no Haiti ocorrido na noite de terça-feira. Outros 11 brasileiros – todos militares – também faleceram na tragédia.

Postado por Sem. Ciro Quintella Lacerda – Cor Unum et Anima Una às 09:33

Read Full Post »

«Fazei, Senhor – reza Hilário, movido pela inspiração – que me mantenha sempre fiel ao que professei no símbolo de minha regeneração, quando fui batizado no Pai, no Filho e no Espírito Santo. Que eu vos adore, Pai nosso, e junto a vós, o vosso Filho; que seja merecedor do vosso Espírito Santo, que procede de vós através do vosso Unigênito… Amém» («De Trinitate» 12, 57) – Santo Hilário de Poitiers (Catequese – +367 d.C) – Homilia do Papa Bento XVI – Memória litúrgica – 13 de janeiro

Santo Hilário de Poitiers, Bispo, confessor e doutor da Igreja (+ 367)
Lutou tenazmente contra os hereges arianos, que negavam a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. Foi por isso chamado “o Atanásio do Ocidente”. Como Santo Atanásio foi perseguido e exilado. Escreveu numerosos livros sobre a Santíssima Trindade.

Fonte: http://www.pastoraldafamilia.com.br/temas/santosesantas/janeiro.htm

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Fonte: Apostolado Veritatis Splendor

SANTO HILÁRIO DE POITIERS

Por Papa Bento XVI

Tradução: Zenit

Fonte: Vaticano/Zenit

Queridos irmãos e irmãs:

Hoje quero falar de um grande padre da Igreja do Ocidente, Santo Hilário de Poitiers, uma das grandes figuras de bispos do século IV. Ante os arianos, que consideravam o Filho de Deus como uma criatura, ainda que excelente, mas só uma criatura, Hilário consagrou toda sua vida à defesa da fé na divindade de Jesus Cristo, Filho de Deus e Deus como o Pai, que o gerou desde a eternidade.

Não contamos com dados seguros sobre a maior parte da vida de Hilário. As fontes antigas dizem que nasceu em Poitiers, provavelmente por volta do ano 310. De família acomodada, recebeu uma formação literária, que pode reconhecer-se com clareza em seus escritos. Parece que não foi criado em um ambiente cristão. Ele mesmo nos fala de um caminho de busca da verdade, que o levou pouco a pouco ao reconhecimento do Deus criador e do Deus encarnado, morto para dar-nos a vida eterna. Batizado por volta do ano 345, foi eleito bispo de sua cidade natal em torno de 353-354.

Nos anos seguintes, Hilário escreveu sua primeira obra, o «Comentário ao Evangelho de Mateus». Trata-se do comentário mais antigo em latim que nos chegou desse Evangelho. No ano 356, ele assistiu como bispo ao sínodo de Béziers, no sul da França, o «sínodo dos falsos apóstolos», como ele mesmo o chama, pois a assembléia estava dominada por bispos filoarianos, que negavam a divindade de Jesus Cristo. Estes «falsos apóstolos» pediram ao imperador Constâncio que condenasse ao exílio o bispo de Poitiers. Dessa forma, Hilário se viu obrigado a abandonar a Gália no verão do ano 356.

Exilado na Frígia, na atual Turquia, Hilário entrou em contato com um contexto religioso totalmente dominado pelo arianismo. Também lá sua solicitude como pastor o levou a trabalhar sem descanso a favor do restabelecimento da unidade da Igreja, baseando-se na reta fé formulada pelo Concílio de Nicéia. Com este objetivo, empreendeu a redação de sua obra dogmática mais importante e conhecida: o «De Trinitate» (sobre a Trindade).

Nela, Hilário expõe seu caminho pessoal para o conhecimento de Deus e se preocupa por mostrar que a Escritura testifica claramente a divindade do Filho e sua igualdade com o Pai não só no Novo Testamento, mas também em muitas páginas do Antigo Testamento, nas quais já se apresenta o mistério de Cristo. Ante os arianos, insiste na verdade dos nomes do Pai e do Filho e desenvolve toda sua teologia trinitária partindo da fórmula do Batismo que o próprio Senhor nos entregou: «em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo».

O Pai e o Filho são da mesma natureza. E ainda que algumas passagens do Novo Testamento poderiam levar a pensar que o Filho é inferior ao Pai, Hilário oferece regras precisas para evitar interpretações equívocas: alguns textos da Escritura falam de Jesus como Deus, outros sublinham sua humanidade. Alguns se referem a Ele em sua pré-existência junto ao Pai; outros levam em consideração o estado de abaixamento («kénosis»), sua descida até a morte; outros, por último, o contemplam na glória da ressurreição.

Nos anos de seu exílio, Hilário escreveu também o «Livro dos Sínodos», no qual reproduz e comenta para os irmãos bispos da Gália as confissões de fé e outros documentos de sínodos reunidos no Oriente ao redor da metade do século IV. Sempre firme na oposição aos arianos radicais, Santo Hilário se assemelha ao Pai na essência, naturalmente tentando levá-los sempre para a plena fé, segundo a qual não se dá só uma semelhança, mas uma verdadeira igualdade entre o Pai e o Filho na divindade.

Isso também nos parece característico: seu espírito de conciliação trata de compreender quem ainda não chegou à verdade plena e os ajuda, com grande inteligência teológica, a alcançar a plena fé na verdadeira divindade do Senhor Jesus Cristo.

No ano 360 ou 361, Hilário pôde finalmente regressar do exílio à sua pátria e imediatamente voltou a empreender a atividade pastoral em sua Igreja, mas o influxo de seu magistério se estendeu, de fato, muito além dos confins da mesma.

Um sínodo celebrado em Paris no ano 360 ou 361 retomou a linguagem do Concílio de Nicéia. Alguns autores antigos consideram que esta mudança antiariana do episcopado da Gália se deveu em boa parte à fortaleza e mansidão do bispo de Poitiers.

Esta era precisamente sua qualidade: conjugar a fortaleza na fé com a mansidão na relação interpessoal. Nos últimos anos de sua vida, ele compôs os «Tratados sobre os Salmos», um comentário a 58 salmos, interpretados segundo o princípio sublinhado na introdução: «Não cabe dúvida de que todas as coisas que se dizem nos salmos devem ser entendidas segundo o anúncio evangélico, de forma que, independentemente da voz com a qual o espírito profético falou, tudo se refere ao conhecimento da vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, encarnação, paixão e reino, e à glória e potência de nossa ressurreição» («Instructio Psalmorum» 5).

Ele vê em todos os salmos esta transparência do mistério de Cristo e de seu Corpo, que é a Igreja. Em várias ocasiões, Hilário se encontrou com São Martinho: precisamente o futuro bispo de Tours fundou um mosteiro perto de Poitiers, que ainda existe hoje. Hilário faleceu no ano 367. Sua memória litúrgica é celebrada em 13 de janeiro. Em 1851, o beato Pio IX o proclamou doutor da Igreja.

Para resumir o essencial de sua doutrina, quero dizer que o ponto de partida da reflexão teológica de Hilário é a fé batismal. Em «De Trinitate», Hilário escreve: Jesus «mandou batizar ‘em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo’ (cf. Mateus 28, 19), ou seja, confessando o Autor, o Unigênito e o Dom. Só há um Autor de todas as coisas, pois só há um Deus Pai, de quem tudo procede. E um só Senhor nosso, Jesus Cristo, por quem tudo foi feito (I Coríntios 8, 6), e um só Espírito (Efésios 4, 4), dom em todos… Não se pode encontrar nada que falte a uma plenitude tão grande, na qual convergem no Pai, no Filho e no Espírito Santo a imensidão no Eterno, a revelação na Imagem, a alegria no Dom» («De Trinitate» 2, 1).

Deus Pai, sendo todo amor, é capaz de comunicar em plenitude sua divindade ao Filho. Considero particularmente bela esta formulação de Santo Hilário: «Deus só sabe ser amor, e só sabe ser Pai. E quem ama não é invejoso, e quem é Pai o é totalmente. Este nome não admite compromissos, como se Deus só fosse Pai em certos aspectos e em outros não» (ibidem 9, 61).

Por este motivo, o Filho é plenamente Deus sem falta ou diminuição alguma: «Quem procede do perfeito é perfeito, porque quem tem tudo lhe deu tudo» (ibidem 2, 8). Só em Cristo, Filho de Deus e Filho do homem, a humanidade encontra a salvação. Assumindo a natureza humana, uniu consigo todo homem; Ele «se tornou a carne de todos nós» («Tractatus in Psalmos» 54, 9); «assumiu a natureza de toda carne e, convertido assim na videira verdadeira, é a raiz de todo ramo» (ibidem 51, 16).

Precisamente por este motivo o caminho para Cristo está aberto a todos, porque Ele atraiu todos em seu ser homem, ainda que sempre seja necessária a conversão pessoal: «Através da relação com sua carne, o acesso a Cristo está aberto a todos, com a condição de que deixem para trás o homem velho (cf. Efésios 4, 22) e o encravem em sua cruz (cf. Colossenses 2, 14); com a condição de que abandonem as obras de antes e se convertam para ficar sepultados com Ele em seu batismo, frente à vida (cf. Colossenses 1, 12; Romanos 6, 4)» (Ibidem 91, 9).

A fidelidade a Deus é um dom de sua graça. Por isso, Santo Hilário pede ao final de seu tratado sobre a Trindade poder manter-se sempre fiel à fé do batismo. É uma característica deste livro: a reflexão se transforma em oração e a oração se torna reflexão. Todo o livro é um diálogo com Deus. Quero concluir a catequese de hoje com uma dessas orações, que se converte também em oração nossa: «Fazei, Senhor – reza Hilário, movido pela inspiração – que me mantenha sempre fiel ao que professei no símbolo de minha regeneração, quando fui batizado no Pai, no Filho e no Espírito Santo. Que eu vos adore, Pai nosso, e junto a vós, o vosso Filho; que seja merecedor do vosso Espírito Santo, que procede de vós através do vosso Unigênito… Amém» («De Trinitate» 12, 57).

Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte e o(s) autor(es).

Para citar este artigo:

PAPA, Bento XVI. Apostolado Veritatis Splendor: SANTO HILÁRIO DE POITIERS. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/4999. Desde 23/06/2008.

Read Full Post »

Older Posts »