D. José Alves, Arcebispo de Évora afirma que “o conhecimento é também uma forma de santidade” – Celebração de Todos os Santos (1º de novembro) e dos 450 anos da Universidade de Évora (Portugal)

Santo Tomás de Aquino (1225-1274)

CORPUS THOMISTICUM –

Fundaciń Tomás de Aquino – 2006

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

A propósito da celebração pelos 450 anos da Universidade de Évora, em Portugal, acredito que silenciosamente, algo vem corroendo, no Brasil e no mundo,  a vocação, a “razão de ser” de uma universidade, seja ela pública ou particular (confessional ou não). Estamos sem rumo, e, infelizmente, através das palavras  do arcebispo da cidade de Évora, D. José Alves, podemos identificar o núcleo da crise educacional (entendo que atinge os níveis anteriores):

“(…) Tal como os santos são apresentados como modelos “que souberam percorrer o caminho da perfeição”, também os professores e mestres universitários “são chamados a alcançar a perfeição técnica, intelectual, humana e moral” de tal forma que os alunos “se sintam estimulados a tomá-los como modelo.”

—————————————————————————————————————————————-

Spe Deus – «Creio para compreender e compreendo para crer melhor» (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9)

03.11.2009 – Agência Ecclesia

Arcebispo D.José Alves - celebração dos 450 anos da Universidade de Évora

Santidade não é «pietismo e alienação»

D. José Alves celebrou Todos os Santos e os 450 anos da Universidade de Évora, afirmando que o conhecimento é também uma forma de santidade

A solenidade de Todos os Santos, que o calendário católico assinala a 1 de Novembro, visa propor a todos “um processo de transformação interior” e não atitudes de “religiosidade ou pietismo, nem corresponde a qualquer tipo de angelismo ou alienação”.

Esta tomada de posição foi assumida por D. José Alves, Arcebispo de Évora, na celebração de Todos os Santos, que na diocese marcou também os 450 anos da Universidade de Évora.

O caminho de santidade potencia “o desenvolvimento das capacidades individuais, coadjuvado pela graça de Deus”, referiu o Arcebispo indicando que este processo propõe um estilo de vida orientado pelo “desprendimento dos bens terrenos, pela emenda dos erros cometidos, pela aceitação plena do que em verdade se é, pela prática da justiça, pelo perdão das ofensas recebidas, pelo compromisso com a paz interior e a paz social e pela aceitação serena das incompreensões e perseguições injustas” por causa da paz ou do anúncio “do Evangelho”.

Esta transformação interior abre perspectivas para “um mundo novo” a que todos são chamados, intervindo na “transformação das realidades sociais, depois de nos termos transformado a nós próprios”.

Aponta D. José Alves que este é também o contexto em que se enquadra a Universidade. “Também ela faz parte do chamamento universal à perfeição”.

De carácter universal, a Universidade visa “o aperfeiçoamento e está ao serviço de toda a humanidade”. Esta instituição deve manter-se “aberta a todos quantos possuam condições para aceder aos conhecimentos e à formação humana, científica, moral e espiritual que ela pode proporcionar, em ordem a promover a transformação dos indivíduos e da sociedade, pelo triunfo da justiça, da verdade e da paz”.

Segundo o Arcebispo de Évora, tal como os santos são apresentados como modelos “que souberam percorrer o caminho da perfeição”, também os professores e mestres universitários “são chamados a alcançar a perfeição técnica, intelectual, humana e moral” de tal forma que os alunos “se sintam estimulados a tomá-los como modelo”.

Assinala D. José Alves que a falta de evolução social se deve à “falta de bons modelos que incentivem as boas práticas em todos os domínios da vida em sociedade”.

“Nestes tempos de crise económica e crise de valores, os nossos olhos voltam-se para a Universidade. Dela, enquanto instituição de ensino superior, sustentada pelo erário público, esperamos que prepare cientistas curiosos, verdadeiros e rigorosos, profissionais competentes, cidadãos responsáveis, homens íntegros e promotores dos valores humanos, morais e espirituais”.

Assim, na solenidade de Todos os Santos “celebraremos todos aqueles que souberam colocar as suas vidas ao serviço da humanidade e contribuíram para a transformação humana da nossa sociedade”.

(Fonte: site Agência Ecclesia)

Publicado por spedeus às 00:04.

Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: