“(…)A tradição cristã ensina que, para que a beleza divina resplandeça em cada ser humano, faz-se necessário «remover a pátina que dissimula, em virtude do pecado, a marca de Deus em nós»” – Wilfrid Stinissen, carmelita belga, ao citar São Gregório de Nissa (in “As Beatitudes”)

São Gregório de Nissa
São Gregório de Nissa

Encontrei um texto elucidativo sobre a orientação de Jesus para que fôssemos santos e santas, em imitação a Deus Pai… Se é difícil cumprirmos em nossa vida diária o ideal de santidade, mesmo em pequenas dificuldades, aflições ou provações, aumenta a nossa dificuldade quando nos vemos diante dos valores que atualmente estão imperando no mundo do trabalho, e até mesmo em nosso círculo familiar. Em todo caso, todos sabemos pelos Evangelhos que Deus considera a intenção de nosso coração, porque sabe o quanto somos vítimas de nossas próprias contradições e em relação ao livre-arbítrio humano. Para agravar, particularmente acredito que somos assediados por seres espirituais malignos (anjos da queda) – Legião, o Maligno – a quem Jesus Cristo se referia com frequência. Temos entretanto o consolo de que foi(foram) vencido(s) na Sua morte de Cruz e na Sua Gloriosa Ressurreição. Desde aquele momento, também temos o poder de resistir-lhe, tal como enfatiza Santa Teresa de Ávila. Aqui inicia o combate. Queremos o Bem acima de tudo?

O Círculo Gregório de Nissa nos apresenta o carmelita belga Wilfrid Stinissen, que traz boas indicações sobre o caminho do que, particularmente, considero “espinhosa efetivação” da santidade em nosso tempo. Entretanto, ela deve ser perfeitamente possível, já que este foi um caminho indicado por Jesus. Ele conhecia a “fibra mais íntima” de nossa natureza… Frei Wilfrid afirma o seguinte a respeito: “(…) É porque não nos consideramos santos que não conseguimos, também, agir como santos. ‘Agora sois luz no Senhor. Vivei como filhos da luz’ (Ef 5, 8). A santidade deveria ser o nosso ponto de partida e não nossa meta. Se nós prosseguíssemos na vida com esta convicção íntima: ‘Eu sou nascido de Deus’, nos comportaríamos de outra maneira.”

O blog abaixo  traz também o seguinte conteúdo “Bento XVI enaltece a prática da Lectio Divina”, “Frutos das práticas contemplativas”, “Contemplação e Vida Contemplativa”, ” sobre São Gregório de Nissa”, entre as últimas publicações. Achei instigante o texto abaixo.

Imagem: Iconografia Cristã (São Gregório de NIssa)

……………………………………………………………………………………………………….

Fonte: Círculo Gregório de Nissa

Sobre a Santidade (perspectivas atuais)

Como assinala o catecismo católico(1): “Na Igreja todos são convidados à santidade. O Concílio Vaticano II, na Constituição sobre a Igreja (Lumen Gentium), consagra um capítulo inteiro ao ‘convite universal à santidade’ (LG 39-42). O batismo implica essa vocação, comum a todos os membros do povo de Deus (LG 40), quer sejam leigos ou ministros ordenados, quer vivam no mundo ou em comunidade religiosa, quer sejam casados ou celibatários. Qualquer que seja sua condição física, cultural, intelectual ou social, quer seja homem ou mulher, criança ou idoso, todo batizado trabalha para fazer refulgir o reino de Deus pela santidade de sua vida.”

Em que consiste, porém, a santidade? As respostas podem diferir bastante, conforme sejam oferecidas por pessoas de diferentes religiões – e até de diferentes épocas. Cristãos, budistas, judeus, muçulmanos, hinduístas etc. inevitavelmente revelariam, se interrogados, visões diferentes sobre a matéria, embora provavelmente alguns aspectos comuns pudessem ser identificados em suas respostas. Mas mesmo entre os cristãos, e até mesmo entre aqueles pertencentes a uma mesma denominação, podem ser encontradas opiniões bem diversas. Neste texto apresentamos visões diferentes, embora complementares, de dois brilhantes escritores católicos contemporâneos.

O carmelita belga (radicado na Suécia) incluiu, em um de seus livros (2), a seguinte passagem a respeito da santidade, ressaltando a sua naturalidade:

“Infelizmente nós confinamos a santidade à esfera moral. A palavra ‘santidade’ é reservada aos homens que se distinguem por sua virtude heróica. Parece presunção aspirar à santidade. Mas a santidade é, antes de tudo, uma realidade ontológica, isto é, ligada ao ser em si. Lançaríamos, também, sobre os outros um olhar diferente, reconhecendo neles a vida divina. E mesmo as coisas nos apareceriam de modo novo, pois também elas dão testemunho dessa mesma vida. O mundo se tornaria um templo e a vida uma liturgia.”

A “naturalidade” a que nos referimos acima pode ser melhor identificada se exprimirmos do seguinte modo, de forma mais sintética, o ponto de vista apresentado pelo autor na primeira metade do parágrafo precedente: “A santidade – que não deve ser confundida com a perfeição moral – está ao alcance de todas as pessoas porque Deus, no próprio ato da criação, a comunica a todos os seres humanos.” Por outro lado, sendo um carmelita, o autor sabe que a modificação duradoura de nossos hábitos, do modo como nos relacionamos com Deus, conosco mesmos, com o próximo e com a criação muito dificilmente ocorrerá a partir de um simples ato de vontade, de uma simples constatação intelectual. Por isto, escreve no condicional e no imperfeito do subjuntivo todos os verbos empregados na segunda metade do mesmo parágrafo (deveria… se prosseguíssemos… lançaríamos…).

Com efeito, a tradição cristã ensina que, para que a beleza divina resplandeça em cada ser humano, faz-se necessário “remover a pátina que dissimula, em virtude do pecado, a marca de Deus em nós” (imagem usada por Gregório de Nissa em As Beatitudes). Este pode ser um longo processo. Em monografia publicada como capítulo de um tratado sobre espiritualidade (3) o teólogo italiano Carlo Molari enfatiza o valor de nossa adesão a um programa de práticas e exercícios espirituais (ascese):

“Em sentido teológico, a ascese é o conjunto dos exercícios que torna possível a transparência à ação de Deus, a ressonância de sua Palavra e a emergência das forças vitais do seu Espírito. No sentido do envolvimento do homem, a ascese é o conjunto dos exercícios que transformam a pessoa e a tornam capaz de permitir que o Bem se expresse nela como amor, que o Verdadeiro se expresse em palavras humanas, que o Justo se traduza em projetos concretos de fraternidade e de igualdade, que a Beleza se manifeste na harmonia das formas criadas, e que o Vivo se torne existência e dom. A ascese é, portanto, o caminho que o homem deve percorrer para chegar à união com Deus, que realiza sua identidade pessoal e sua perfeição.

(…) “Muitas vezes utilizamos um conceito pagão ou estóico de ascese como se ela tendesse à perfeição moral, ao bom comportamento ou à eliminação dos defeitos. A perfeição cristã, para a qual a ascese está orientada, não consiste na exemplaridade dos comportamentos humanos, e sim na revelação de Deus, realizada por meio de atos humanos. A santidade evangélica é sempre uma consagração. Portanto, tornar-se santo significa consentir em ser espaço reservado a Deus, lugar de sua epifania para a salvação de muitos. Tornar-se sagrado significa deixar-se transformar em lugar de presença de Deus, significa dar espaço à emergência de sua ação na história, significa fazer ressoar o eco de sua Palavra salvífica.

(…) “Nossos defeitos são um mal somente quando impedem a ação salvífica de Deus. (…) Portanto, a preocupação imediata do caminho ascético não deve ser a pura eliminação dos defeitos pessoais, e sim do obstáculo que eles podem constituir para a revelação de Deus na história humana. A finalidade da ascese, em ordem à pessoa, é, por conseguinte, colocar em movimento dinâmicas que impeçam aos defeitos de desarmonizar as relações com as pessoas e macular as comunidades, de modo a obstar a ação de Deus.”

(1) Conferência dos Bispos da França: Catéchisme des Évêques de France (título 310) – diversas editoras francesas, 1991.

(2) Wilfrid Stinissen: Méditation Chrétienne Profonde – Tradução para o francês do original em língua flamenga pelas Éditions du Cerf, Paris, 1989

(3) Carlo Molari: Meios para o Desenvolvimento Espiritual – Capítulo 4 do livro Curso de Espiritualidade, organizado por Bruno Secondin e Tullo Goffi – Edições Paulinas, 1994

30 Agosto 2006

Postado por Círculo Gregório de Nissa – Sérgio de Morais.


Autor: Lúcia Barden Nunes - Blog "Castelo Interior - Moradas"

Assinatura no blog: Lúcia Barden Nunes. Católica (Igreja Católica Apostólica Romana). Jornalista (Reg.Prof. MTb/RS 7.142- Lúcia Aparecida Nunes). Estado Civil: Casada (com Arturo Fatturi). Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Data: 1960. País: Brasil.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: