Feeds:
Posts
Comentários

Archive for janeiro \17\-03:00 2007

Uma existência sem sentido… Por qual ou quais razões, exatamente, passou a ser natural a aceitação deste vazio? O quê está em jogo nesta questão é tudo que importa na vida, para qualquer um: a paz, e se possível, a felicidade, ainda que esporádica e descontínua. Nietzsche postulava uma felicidade contínua e permanente. Para tanto, propunha o abandono total da razão que escolhe o bem. Para ele, em contraposição à civilização judaico-cristã, somente seria possível a um ser humano  atingir sua completude, ou seja, ser feliz,  se este se entregasse ao domínio total dos sentidos. Simples: um animal a mais no mundo, movido de igual maneira pelos instintos de sobrevivência e de prazer.

Aqui, a meu ver, entra o tema do livre-arbítrio. Na esteira do que considero um legado nefasto à Humanidade, o discurso nietzschiano é inegavelmente panfletário, ainda que diante de sua reconhecida genialidade. Penso que escreveu sua obra delirante tal como um jornalista, já há seu tempo, da chamada imprensa marrom… É tido entretanto como filósofo, o que se afigura algo contrário ao esforço da Filosofia, que pesa, pondera, sem apologias. Filósofos podem falar a partir de sua crença, e a partir daí, de sua visão de mundo. Jornalistas fazem de modo semelhante seu trabalho. Ambos não admitem a destruição dos ideais da mente e do coração humanos. Já, Nietzsche busca solapar tais anseios, a tal ponto que escreve “O Anticristo”, em 1888. Seu intento não é modesto, nem de modo algum inócuo. Seus livros são ainda bastante estudados na atualidade, já que são republicados há mais de um século e meio. Para ele, somos tão somente máquinas estruturadas por ossos e revestidas de carne… A Ciência segue seus passos, com a mesma obsessiva decisão de difundir o potencial máximo de nossa “não-humanidade”. Vale perguntar: a força brutal da natureza (incluindo aqui a humana) tem algo a ver com a arte, a poesia, ou então, ideais universalmente humanos tais como os do bem, da justiça, do belo, enfim, aqueles que “tocam” o inefável?

Este é um tempo que nos fornece a experiência desagradável de ter um cubo de gelo sob a pele: a um só tempo frieza e liquidez. Algo que não demora o bastante para ser plenamente sentido, ainda que cause mal-estar. No entanto, há cerca de mais um milênio e meio de anos já nos alertava (ou alentava?) Santo Agostinho: “(…) É no interior; é lá que a Verdade mora”.

Read Full Post »