Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Oração: intimidade com Deus’

“Discurso da lua” é proferido espontaneamente pelo Papa João XXIII a fiéis que acorreram à Praça de São Pedro portando velas e em oração, após abertura do Concílio Vaticano II – 11 de outubro de 1962 (YouTube)

“O discurso da lua” é uma das mais famosas intervenções do chamado “Papa bom” ou João XXIII.
Na noite de 11 de Outubro de 1962, após a sessão de abertura do Concílio Vaticano II, uma multidão de fiéis acorreu espontaneamente à Praça de São Pedro com velas e em oração.
Informado pelo seu secretário, Mons. Capovilla, João XXIII aproximou-se à janela, e, emocionado, falou de improviso.
O caráter coloquial e absolutamente inesperado da sua saudação, granjeou-lhe o título de “discurso da lua“, devido à referência que o mesmo fez no início do diálogo. (Fonte: YouTube – Canal João Batista Merc..)

Read Full Post »

“Não tenhais medo!” Papa João Paulo II – Trecho de discurso inaugural – Domingo 22 outubro 1978 (YouTube)

Trecho do discurso inaugural do pontificado do Papa João Paulo II. Apresenta o tema que foi marcante em sua condução pastoral: “Não tenhais medo!” O texto na íntegra pode ser encontrado aqui: http://www.vatican.va/holy_father/joh…

 

Fonte: YouTube (Canal Andlavor).

Read Full Post »

Canonizações: João Paulo II e João XXIII, “santos pela Igreja e pela humanidade”, “homens de nosso tempo” que “amaram a Igreja e se entregaram por ela” – Entrevista – Arcebispo de Belém do Pará, Dom Alberto Taveira Corrêa (Gaudium Press – 25.04.2014)

JoaoPauloII_GaudiumPress
Fonte (textos e imagem): Gaudium Press
O Papa Emérito Bento XVI aceitou convite para concelebrar a Missa presidida pelo Papa

Santos por amor

Belém – Pará (Sexta-feira, 25-04-2014, Gaudium Press) – O Arcebispo de Belém do Pará, Dom Alberto Taveira Corrêa, escreveu recentemente um artigo onde ressalta a importância dos próximos santos a serem canonizados pelo Papa Francisco, neste próximo domingo, dia 27 de abril, em Roma: os beatos João Paulo II e João XXIII.

“Neste final de semana, é toda a Igreja, vestida de gala, que deseja oferecer ao mundo inteiro a roupa da alegria, chamada santidade, com a canonização de João XXIII e João Paulo II, duas pérolas da coroa da Igreja em nosso tempo, cujos exemplos são oferecidos como referência para a maravilhosa aventura cristã”, disse.

De acordo com Dom Taveira, a figura de ambos os papas representam “dois contemporâneos, com os quais muitos de nós compartilharam diálogo e convivência”, pois seus modos de viver estão ao nosso alcance e suas palavras e ensinamentos ecoaram pelo mundo através dos meios de comunicação de nossa época, mostrando que a santidade é atual e possível.

O prelado contou que João XXIII, em seu diário, “descreveu com simplicidade e profundidade o seu dia a dia, seus roteiros de oração e meditação, suas decisões cotidianas de perdão, alegria, seriedade no seguimento de Nosso Senhor”, e João Paulo II, “que viveu na infância e na juventude capítulos dolorosos provocados pelas ideologias e autoritarismos do século XX, conduziu a Igreja à virada do milênio e nos brindou justamente com o convite à santidade”.

Dom Taveira afirmou ainda que, quando João XXIII ficou à frente da Igreja, substituindo o Papa Pio XII, “provocou na Igreja a oração e a preparação efetiva para o que o próprio Papa chamou de nova primavera, desejando uma nova estação de abertura e diálogo com todas as realidades de nosso tempo”.

“Os cinco anos de pontificado valeram séculos! ‘Mater et Magistra’ e ‘Pacem in terris’ foram duas Encíclicas que firmaram princípios e práticas para a ação social da Igreja. Abriu e conduziu a primeira Sessão de trabalhos do Concílio Vaticano II, mostrou ao mundo a face da bondade, abriu sorrisos, foi ao encontro dos mais sofredores, pintou de bom humor o rosto da Igreja!”, ressaltou.

Já sobre João Paulo II, o Arcebispo ponderou: “de João Paulo II nunca se falará suficientemente”, sendo que o pontífice é “uma presença universal efetiva, indo até os confins da terra para levar a Boa Nova do Evangelho”.

“Aquele que nas lides da Polônia havia enfrentado nazistas e comunistas, corajoso na liderança dos católicos para se manterem fiéis à Fé cristã, tesouro maior de sua nação, foi conduzido ao sólio de Pedro em mil novecentos e setenta e oito, permanecendo à frente da Igreja até o dia dois de abril de dois mil e cinco, na véspera da Festa da Divina Misericórdia. E no próprio Domingo da Misericórdia é agora canonizado”, completou.

Dom Taveira também descreveu o momento em que João Paulo II se despedia do povo cristão, no dia em que faleceu.

“Quantos adultos, jovens e crianças só tiveram esta figura de Papa em seu horizonte de Igreja, até que o Senhor o chamou para a sua Páscoa pessoal. Naquele início de noite de sua partida, desejoso de ir para estar com o Senhor, tinha o coração agradecido especialmente aos jovens aos quais tantas vezes se dirigiu e ali se encontravam, bem perto dele. Apagou-se como uma chama, deu tudo de si à Igreja e ao mundo. Em seus funerais, uma faixa emergia no meio da multidão – ‘Santo súbito’ – pedindo que fosse logo aclamado santo.”

Concluindo seu artigo, o prelado enfatizou que a Igreja oferecerá, na Festa da Divina Misericórdia, “dois presentes de amor”: João Paulo II e João XXIII, “santos pela Igreja e pela humanidade”, “homens de nosso tempo” que “amaram a Igreja e se entregaram por ela”.

“Louvado seja o Senhor, pela história, o exemplo e a intercessão dos dois heróis de nosso tempo”, finalizou.

Publicado em Gaudium Press.

 

(LMI)

Read Full Post »

Eu ressuscito e ressuscitarei para a vida eterna graças à Tua Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição – Domingo – Páscoa (Carmelo Descalço- OCD – 2014)

Graças, vos damos, Senhor…

páscoa carmelo

Senhor,

neste dia de Páscoa,
é com o coração cheio de júbilo
que faço memória e atualizo a fé em que acredito:
creio na ressurreição dos mortos
e na vida do mundo que há de vir.
Sim, Jesus, dou-Te graças infindas, pois,
porque deste voluntariamente a Tua vida,
retomaste-a e retomaste-a para mim.
Eu ressuscito e ressuscitarei para a vida eterna
graças à Tua Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição.
O coração não cabe em mim de tanta alegria por esta certeza.
Que ela inunde a minha vida, sare as minhas feridas,
cure os meus desgostos e alivie as minhas dores,
porque a Vida venceu a morte, o mal e todo o pecado.
E a vida é a Vida de Deus,
que Tu derramaste no meu coração
e está em mim presente, agora e sempre!

 

Publicado em  Carmelodescalco Ocd.

Read Full Post »

“A compaixão é a misericórdia que se inclina sobre a miséria e mostra a grandeza da alma.” – Pe. Antônio Francisco Bohn (Quinta-Feira Santa – 2014)

William-Adolphe Bouguereau(1825-1905) – “Compassion” (1897)

A indiferença e o individualismo como fontes da falta de compaixão

Lúcia Barden Nunes

Nosso tempo é marcado por duas características: a indiferença e o individualismo. Ambos já permeiam até mesmo o convívio familiar. Falas ou mensagens rápidas pelo celular; e-mails raros e telegráficos – cartas, nem pensar, e visitas – bem, a agenda está cheia para a maioria. Não devia ser assim porque o tempo deve ser vivido por nós e não o contrário – ele nos apressar, até quando não é necessário. Vivemos em uma sociedade superficial e volúvel. Não devíamos abrir mão de nossos afetos por uma suposta falta de tempo. Quando nosso coração está partido, ou enfrentamos todo tipo de dificuldades que podem surpreender-nos ao longo da vida,  podemos “estranhamente” receber a mesma falta de tempo

Acredito que não é uma regra, mas a pressa, a superficialidade estão pautando os relacionamentos. Fica um vazio que nada preenche, simplesmente porque nada pode preencher o lugar do amor. As cidades estão cheias de pessoas vazias por sua própria conta, enquanto outras se encontram esvaziadas de amor…

Padre Antônio Francisco Bohn, em um pequeno texto na Folhinha do Sagrado Coração, afirma o seguinte:

“A compaixão é que torna o coração verdadeiramente humano. Ela é uma virtude. (….) Inicie suas atividades com o pensamento voltado para o Sagrado Coração de Jesus. Você é a beleza da vida, obra-prima do Criador, a síntese de seu amor. Jesus deve estar em seu pensamento e no seu caminho. Nele você deve confiar todos os seus atos em cada minuto deste dia. Só um espírito bom pode ser compassivo. Quem se compadece dos outros, de si próprio se lembra. A compaixão se manifesta por atos e nela é essencial a bondade. Quando a pessoa tem compaixão das demais, Jesus tem compaixão dela. A compaixão é a misericórdia que se inclina sobre a miséria e mostra a grandeza da alma.”

Tenho pensado que a compaixão parece que deixou de ser um valor universal, e lamentavelmente, a razão pode se dever ao fato, entre outros, de nos permitirmos viver com um um mínimo de afetividade. Vamos ficando cada vez mais vez mais áridos, vazios.

Talvez precisemos retomar o “trabalho da formiguinha”: cada um de nós pode não ter mais influência na cultura de falta de compaixão, indiferença já instaladas, mas, é certo que podemos fazer a nossa parte…  Podemos nos dar uma chance de termos compaixão quando a circunstância se apresenta à nossa frente. Podemos ter a certeza de que nosso peito se aquecerá neste gesto…

Que Deus tenha sempre compaixão de nós. Amém.

LBN

Fonte/imagem: http://www.territorioscuola.com/wikipedia/pt.wikipedia (termo “Compaixão)

 

Read Full Post »

Cerimônia aconteceu na capela Sistina, no Vaticano (Foto: Agência ANSA Brasil)

Cerimônia aconteceu na capela Sistina, no Vaticano (Foto: Agência ANSA Brasil)

Papa batiza filha de pais casados somente no civil (Agência ANSA Brasil)

 ****

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos – IHU

”Vou batizar o seu filho”, diz o papa por telefone a uma mãe solteira

Os telefonemas de Francisco nunca são por acaso. Ele liga para uma pessoa para falar com todas. Neste caso, as mães solteiras. Um envelope endereçado simplesmente a “Sua Santidade, Francisco, Cidade do Vaticano”. Na terça-feira à tarde, o celular de Anna Romano tocou. “Eu atendi e fiquei sem palavras: no início, pensei que era trote, mas depois ouvi a referência à carta sobre a qual só os meus pais sabiam”. Do outro lado da linha, o pontífice.

A reportagem é de Giacomo Galeazzi, publicada no sítio Vatican Insider, 06-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Vou batizar o seu filho. Nós, cristãos, não devemos levar a esperança embora”, disse o papa por telefone à vendedora romana de 35 anos que tinha se dirigido a ele em um momento de desespero. Tendo ficado grávida de um homem que a abandonou, no fim de junho, ela escreveu a Francisco para contar a sua triste história.

“O meu companheiro me deixou, dizendo-me que não tem nenhuma intenção de cuidar do bebê a caminho, ou, melhor, me aconselhou a abortar”, explica ela. “Por um instante, eu pensei em fazer isso realmente. Agora, só a ideia me dá calafrios. Naquele período, porém, eu estava muito sozinha e infeliz”.

Ela optou por dar continuidade à gravidez, com o apoio da família. “O pontífice me telefonou e me disse que eu tinha sido muito corajosa e forte por ter decidido manter o meu bebê, apesar de o seu pai ter me deixado”, conta a mãe solteira. “Ele me prometeu que vai batizá-lo pessoalmente: o seu telefonema foi emotivamente muito intenso e mudou a minha vida”.

A mulher descobriu que o ex-companheiro já era casado e tinha um filho. Há alguns meses, Anna se mudou para Arezzo, onde encontrou trabalho como vendedora em uma joalheria, depois que a loja onde ela trabalhava em Roma fechou.

“Os telefonemas entram na esfera das relações pessoais do papa”, observa um colaborador próximo de Bergoglio. “Os conteúdo dessa conversa expressam um sentimento de proximidade e de pastoralidade”.

Anna Romano acrescenta: “Quando eu lhe disse que eu queria batizar o meu filho, mas que eu tinha medo que não fosse possível porque sou uma mãe solteira, já divorciada além disso, o papa me disse que, se eu não tivesse um pai espiritual para o batismo, ele mesmo pensava em dar o sacramento ao meu pequeno”.

Um brilho na escuridão de meses sombrios. “Não sei se o papa realmente encontrará tempo para batizar o meu filho, que vai nascer no início de abril e que, se for menino, eu quero chamar de Francisco”, enfatiza Anna. “Ele me deixou feliz, me deu força e eu conto a minha história porque eu gostaria que servisse de exemplo para muitas mulheres que se sentem longe da Igreja só porque encontraram o homem errado, estão divorciadas ou porque encontraram homens que nem sequer são dignos de serem pais”.

Um sinal forte também para dentro da Igreja. “Ainda como arcebispo de Buenos Aires, Bergoglio se confrontava com os sacerdotes que, em situações como essa, negavam o batismo”, comenta o sociólogo Luca Diotallevi, organizador das Semanas Sociais dos Católicos. “O gesto de Francisco é um testemunho de fé que encoraja e lembra a todos que o julgamento sobre o comportamento das pessoas só pode ser dado por Deus”.

Na mesma sintonia, o teólogo Gianni Gennari diz: “Batizando pessoalmente essa criança, o papa afirma o primado da misericórdia com relação ao julgamento sobre o passado dos pais e da família: Deus sempre olha para o futuro e esquece qualquer coisa diante de um coração aberto à esperança”.

Além disso, acrescenta Gennnari, Francisco, dessa forma, “substitui o moralismo pela afirmação dos valores morais” diante de uma vida nascente: “Assim como o padre Milani, o papa toma diretamente nas mãos a situação, não delega aos outros e testemunha o Evangelho da esperança”.  (10 de setembro de 2013)

Publicado em Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

Read Full Post »

“Fomos criados para amar, como reflexo de Deus e do seu amor. E na união conjugal o homem e a mulher realizam esta vocação no sentido da reciprocidade e da comunhão de vida plena e definitiva.” – Papa Francisco – Audiência Geral (Rádio Vaticano – 02.04.2014)

Casamento de santa maria e sao jose

Link para  O Matrimônio católico(imagem)

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Na atualidade, esta abordagem é polêmica, principalmente em relação à insistente proposta de questionamento da constituição natural da família humana, que consiste na união entre um homem  e uma mulher, daí derivando o nascimento de crianças. Muito tem sido falado da imposição em âmbito mundial da chamada  “agenda de gênero”, que promove a união entre pessoas de mesmo sexo, e se, unidos legalmente, a possibilidade de adoções por estes casais. As uniões homossexuais são uma realidade, ainda que no mundo ocidental este regime não tenha sido aceito em vários países. A propósito, o Papa Francisco com sua fala na Audiência Geral,  firma o posicionamento da Igreja Católica em relação, ao que parece em um primeiro momento, à instituição do matrimônio católico, confirmando sua indissolubilidade, diante da Bíblia e diante da lógica do amor, que vem de Deus. Isto, o torna mais forte que qualquer “litígio”, aliás,  palavra  utilizada pelo Sumo Pontífice. (Lúcia Barden Nunes)

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Fonte: Rádio Vaticano

Os esposos são uma única carne – na audiência geral o Papa Francisco reiterou o segredo: “com licença, obrigado e desculpa.”

RealAudioMP3

Na audiência geral desta quarta-feira o Papa Francisco dedicou a sua catequese ao sacramento do Matrimônio concluindo assim um ciclo de catequeses dedicado aos sacramentos:

“Fomos criados para amar, como reflexo de Deus e do seu amor. E na união conjugal o homem e a mulher realizam esta vocação no sentido da reciprocidade e da comunhão de vida plena e definitiva.”

O sacramento do Matrimônio conduz-nos ao coração do desígnio de Deus – continuou o Santo Padre – que é um desígnio de Aliança e de comunhão: fomos criados para amar, como reflexo do Amor de Deus.

“Deus faz dos dois esposos uma só existência – a Bíblia diz “uma única carne”…

Neste sacramento – observou o Papa Francisco – Deus faz da união dos esposos – numa só carne – um sinal do seu amor, um reflexo da comunhão que existe no seio da Santíssima Trindade, onde as Três Pessoas – o Pai, o Filho e o Espírito Santo – vivem desde sempre e para sempre em união perfeita.

O Matrimônio é também uma missão – definiu o Santo Padre: o amor entre os esposos, manifestado nas coisas simples da vida quotidiana, torna visível o amor com que Cristo ama a Igreja:

“Os esposos, com efeito, por força do Sacramento, são investidos de uma verdadeira missão, porque podem fazer visível, a partir das coisas simples e normais, o amor com que Cristo ama a sua Igreja, continuando a dar a vida por ela, na fidelidade e no serviço.”

É necessário manter viva a união com Deus, que está na base da união conjugal – considerou o Santo Padre – que logo indicou o seu segredo para uma vida matrimonial serena – o amor é mais forte do que qualquer litígio:

“O amor é mais forte do que os momentos de litígio. Por isso eu aconselho aos casais que não acabem o dia sem fazer a paz…”

“e para fazer a paz não são precisas as Nações Unidas, uma carícia basta!”

“E assim é a vida, levá-la para a frente com a coragem de querer viver juntos. E isto é belo!”

E o Papa Francisco concluiu a sua catequese reiterando as suas já bem conhecidas três palavras-chave para uma saudável vida conjugal – com licença, obrigado e desculpa:

“Uma coisa que ajuda tanto a vida matrimonial são três palavras – três palavras que se devem dizer sempre: com licença, obrigado, desculpa!”

“Que o Senhor vos abençoe e rezai por mim!”

No final da audiência o Papa Francisco saudou também os peregrinos de língua portuguesa:

“Dou as boas-vindas a todos os peregrinos de língua portuguesa, nominalmente aos grupos escolares de Portugal e à delegação ítalo-brasileira. Rezemos por todas as famílias, especialmente por aquelas que passam por dificuldades, na certeza de que estas são um dom de Deus nas nossas comunidades cristãs. Que Deus vos abençoe!”

Nas saudações aos peregrinos polacos, presentes hoje na Praça de São Pedro, para a audiência geral, o Papa Francisco evocou a figura de João Paulo II, falecido faz hoje precisamente 9 anos. O Santo Padre recordou a próxima canonização do Papa polaco, convidando todos a prepararem-se espiritualmente para esse momento de graça para toda a Igreja.

O Papa Francisco a todos deu a sua benção! (RS)

Publicado em Rádio Vaticano.

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »